Translate

terça-feira, 30 de abril de 2019

São Pio V, o pastor que liderou a Igreja com auxílio de Maria


REDAÇÃO CENTRAL, 30 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- O dia 30 de abril é festa de São Pio V, um pobre pastor que chegou a ser Sumo Pontífice, renovou o clero e a liturgia da Missa e salvou a Igreja e a Europa da invasão muçulmana na famosa batalha de Lepanto, com o auxílio da Virgem do Rosário.

Antonio Chislieri (São Pio V) nasceu em Bosco (Itália), em 1504. Tinha que cuidar das ovelhas no campo, porque seus pais eram muito pobres. Na adolescência, uma família generosa custeou seus estudos ao ver que seu filho, também chamado Antonio, se comportava melhor desde que tinha se tornado amigo do santo.
Assim, pôde estudar com os dominicanos e chegou a ser religioso dessa comunidade. Pouco a pouco, foi designado para cargos importantes até que o próprio Papa o nomeou Bispo e, em seguida, encarregado da associação que defendia a fé na Itália.
O santo percorria a pé os povoados, alertando os fiéis dos erros dos evangélicos e luteranos. Muitas vezes, quiseram matá-lo, mas seguiu anunciando a verdade. O Papa o nomeou Cardeal e o encarregou para dirigir a Igreja em defesa da reta doutrina.
Quando o Papa Pio IV morreu, São Carlos Borromeo disse aos Cardeais que o mais apropriado para o ministério era o Cardeal Antonio Chislieri, por isso, foi eleito e tomou o nome de Pio V.
São Pio V pediu que o que se ia gastar no banquete aos políticos e militares fosse empregado em ajudas para os pobres e enfermos. Um dia, viu na rua seu amigo Antonio, cuja família pagou seus estudos, nomeou-o governador do quartel do Papa e as pessoas admiraram ainda mais o Santo Padre ao saber de seu humilde passado.
O Pontífice tinha grande devoção à Eucaristia, à Virgem e à recitação do Rosário, que recomendava a todos. Nas procissões do Santíssimo Sacramento, percorria as ruas de Roma a pé e com grande piedade e devoção.
Ordenou que bispos e párocos vivessem no local para onde tinham sido nomeados, a fim de que não descuidassem dos fiéis. Publicou um novo missal e uma nova edição da Liturgia das Horas, bem como um novo catecismo.
Nessa época, os muçulmanos ameaçaram invadir a Europa e acabar com a religião católica. Saíam da Turquia, arrasando as populações católicas e anunciando que a Basílica de São Pedro seria o estábulo para os seus cavalos. Nenhum rei queria enfrentá-los.
O Papa buscou a ajuda de líderes europeus e organizou um grande exército com barcos. Ele pediu que todos os combatentes fossem à batalha confessados e tendo comungado na Missa. Enquanto iam combater, o Pontífice e os fiéis romanos percorriam as ruas descalços rezando o Rosário.
Os muçulmanos eram superiores e se encontraram com o exército católico no golfo de Lepanto, perto da Grécia. Os líderes cristãos fizeram com que os soldados rezassem o rosário antes de iniciar a batalha em 7 de outubro de 1571.
O combate começou com vento contrário para os católicos até que, de um momento para o outro, mudou de direção. Então, os cristãos se lançaram ao ataque e obrigaram os muçulmanos a recuar.
São Pio, sem ter recebido notícias do que aconteceu, olhou pela janela e disse aos Cardeais: “Vamos nos dedicar a dar graças a Deus e à Virgem Santíssima, porque conseguimos a vitória”.
O Papa, como agradecimento, mandou que a cada 7 de outubro fosse celebrada a festa de Nossa Senhora do Rosário e que nas ladainhas fosse incluída “Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós” (algo que foi propagado por São João Bosco, séculos depois).
Partiu para a casa do Pai em 1º de maio de 1572, aos 68 anos.
ACI Digital

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Santa Catarina de Sena: de analfabeta a Doutora da Igreja

REDAÇÃO CENTRAL, 29 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- “Se formos o que devemos ser, incendiaremos o mundo”, dizia Santa Catarina de Sena, Doutora da Igreja, grande defensora do Papado e proclamada copadroeira da Europa por São João Paulo II, cuja festa é celebrada neste dia 29 de abril.

Era uma jovem corajosa, filha de humildes artesãos, analfabeta, e que vestiu o hábito da Ordem Terceira de São Domingos.
Santa Catarina nasceu em Sena (Itália), em 1347, em uma família de pais piedosos. Gostava muito da oração, das coisas de Deus, e aos sete anos fez um voto particular de virgindade. Mais tarde, sua família tentou persuadi-la a se casar, mas ela se manteve firme e serviu generosamente aos pobres e doentes.
Aos 18 anos, recebeu o hábito da Ordem Terceira de São Domingos, vivendo a espiritualidade dominicana no mundo secular e sendo a primeira mulher solteira a ser admitida. Teve que superar muitas tentações do diabo que procurou fazer com que desistisse, mas ela seguia confiando em Deus.
Em 1366, Santa Catarina viveu um “casamento místico”. Ela estava em seu quarto rezando quando viu Cristo acompanhado por sua Mãe e um cortejo celeste.
A Virgem pegou a mão de Catarina e a levou até Cristo, que lhe deu um anel, desposou-a consigo e manifestou que ela estava sustentada por uma fé que podia superar todas as tentações. Depois disso, apenas Catarina podia ver o anel.
Naquele tempo, surgiu uma peste e a santa sempre se manteve com os doentes, preparava-os para a morte e chegou até mesmo a enterrá-los com suas próprias mãos. Além disso, tinha o dom de reconciliar até os piores inimigos, mais com suas orações a Deus do que com suas palavras.
Nesta época, os Papas viviam em Avignon (França) e os romanos se queixavam de terem sido abandonados pelos seus Bispos, ameaçando realizar um cisma.
Gregório XI fez um voto secreto a Deus de regressar a Roma e, ao consultar Santa Catarina, ela lhe disse: “Cumpra com sua promessa feita a Deus”. O Pontífice ficou surpreso porque não tinha contado a ninguém sobre o voto e, mais tarde, o Santo Padre cumpriu sua promessa e voltou para a Cidade Eterna.
Posteriormente, no pontificado de Urbano VI, os cardeais se distanciaram do Papa por seu temperamento e declararam nula sua eleição, designando Clemente VII, que foi residir em Avignon. Santa Catarina enviou cartas aos cardeais pressionando-os a reconhecer o autêntico Pontífice.
“Embora fosse filha de artesãos e analfabeta por não ter estudos nem instrução, compreendeu, no entanto, as necessidades do mundo do seu tempo com tal inteligência que superou muito os limites do lugar onde viveu, ao ponto de estender a sua ação para toda a sociedade dos homens; não havia maneira de parar a sua coragem nem o seu anseio pela salvação das almas”, escreveu sobre ela João Paulo II em 1980 para o sexto centenário de sua morte.
A santa também escreveu a Urbano VI, exortando-o a levar com temperança e alegria os problemas, controlando o temperamento. Santa Catarina foi a Roma, a pedido do Papa, que seguiu suas instruções. Também escreveu aos reis da França e Hungria para que deixassem o cisma.
Em outra ocasião, Jesus voltou a aparecer a ela e lhe mostrou duas coroas, uma de ouro e outra de espinhos, para escolher. Ela disse: “Eu gostaria, ó Senhor, viver aqui sempre conforme a tua paixão e encontrar na dor e no sofrimento meu repouso e deleite”. Em seguida, tomou a coroa de espinhos e colocou na cabeça.
Santa Catarina morreu no dia 29 de abril de 1380 em Roma, com apenas 33 anos, de um súbito ataque. O Papa Paulo VI a nomeou Doutora da Igreja em 1970 e foi proclamada copadroeira da Europa por São João Paulo II em 1999, ao lado de Santa Brígida da Suécia e Santa Teresa Benedita da Cruz.
ACI Digital

domingo, 28 de abril de 2019

II Domingo da Páscoa: Cristo Ressuscitado na Igreja

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
“Daí graças ao Senhor porque ele é bom! Eterna é a sua misericórdia”. Assim rezamos, hoje, com o Salmo 117, continuando a expressar louvor e alegria pela Páscoa da Ressurreição do Senhor. A Igreja nos pede que “os cinquenta dias entre o Domingo da Ressurreição e o Domingo de Pentecostes sejam celebrados com alegria e exultação, como se fossem um só dia de festa”.
O segundo Domingo da Páscoa é o Domingo da Divina Misericórdia. O Evangelho segundo João (Jo 20,19-31) apresenta-nos Jesus Ressuscitado “no meio” da comunidade dos discípulos. As marcas da Paixão nas “mãos” e no “lado” de Jesus são sinais do seu amor misericordioso manifestado na cruz. A misericórdia divina manifesta-se também nesse encontro de Jesus Ressuscitado com os seus discípulos, ao transmitir-lhes a paz, o dom do Espírito e a missão de perdoar.
A narrativa joanina ressalta a comunidade como lugar privilegiado do encontro com o Ressuscitado, como demonstra-nos o apóstolo Tomé. Estar na Igreja, participar da Igreja reunida em oração, permite-nos afirmar, hoje: “Meu Senhor e meu Deus!” (Jo 20,28). A missão de Jesus continua na comunidade cristã através dos Apóstolos, testemunhas de Jesus Ressuscitado, conforme os Atos dos Apóstolos (At 5,12-16). Por meio deles, os “sinais e maravilhas” do Reino de Deus chegam a “multidão de homens e mulheres”, especialmente aos que mais sofriam. A comunidade cristã, em nossos dias, tem também o papel de testemunhar a misericórdia divina através de gestos concretos, com especial atenção aos enfermos e sofredores, a exemplo do que ocorria na Igreja primitiva. Para viver em comunidade, assim como, para viver em família, necessitamos muito da misericórdia divina e da misericórdia entre nós, o que inclui a caridade e o perdão.
A centralidade do Ressuscitado na Igreja é ressaltada também pelo Apocalipse de S. João. O Senhor Ressuscitado, cuja dignidade sacerdotal é simbolizada pela longa túnica e cuja dignidade real é representada pelo cinto de ouro, preside toda a Igreja, simbolizada pelos sete candelabros. Ele é “aquele que vive” para sempre, tendo vencido a morte, o fundamento de nossa fé e razão de nossa esperança.
Pedimos as orações de todos pela Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, a ser realizada em Aparecida – SP, nos dias 1º a 10 de maio, tendo como tema central as “Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil”, para o próximo quadriênio. Nela, serão eleitos os membros da nova presidência da CNBB e os presidentes das Comissões Episcopais de Pastoral. Permaneçamos unidos, em oração!
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

Festa da Divina Misericórdia

REDAÇÃO CENTRAL, 28 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- “Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores”, disse Jesus ao aparecer a Santa Faustina Kowalska, revelando a ela a festa que a Igreja celebra neste segundo domingo da Páscoa.

A Festa da Divina Misericórdia foi instituída por São João Paulo II, com o decreto emitido pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, em 23 de maio de 2000. Seu nome oficial é “Segundo Domingo da Páscoa ou Divina Misericórdia”.
O então Papa João Paulo II havia anunciado durante a canonização da polonesa Irmã Faustina Kowalska, no dia 30 de abril daquele mesmo ano: “Em todo o mundo, o segundo domingo de Páscoa receberá o nome de domingo da Divina Misericórdia. Um convite perene para o mundo cristão enfrentar, com confiança na benevolência divina, as dificuldades e as provas que esperam o gênero humano nos anos que virão”.
Santa Faustina, que é conhecido como a mensageira da Divina Misericórdia, recebeu revelações místicas nas quais Jesus mostrou o seu coração, a fonte de misericórdia, e expressou seu desejo de que fosse estabelecida esta festa. O Papa dedicou uma de suas encíclicas à Divina Misericórdia – Dives in Misericordia.
Os apóstolos da Divina Misericordia estão integrados por sacerdotes, religiosos e leigos, unidos pelo compromisso de viver a misericórdia com relação aos irmãos, tornar conhecido o mistério da divina misericórdia, e invocar a misericórdia de Deus para os pecadores. Esta família espiritual, aprovada em 1996 pela Arquidiocese de Cracóvia, Polônia, está hoje presente em 29 países do mundo.
O decreto vaticano esclarece que a liturgia do segundo domingo da Páscoa e leituras do breviário permanecem sendo as que já contemplava o missal e o rito romano.
ACI Digital

Santa Gianna, padroeira das mães, médicos e crianças por nascer

REDAÇÃO CENTRAL, 28 Abr. 19 / 09:00 am (ACI).- Neste dia 28 de abril, a Igreja celebra Santa Gianna Beretta Molla, padroeira das mães, dos médicos e das crianças por nascer, a quem o Beato Paulo VI descreveu como “uma mãe que, para dar à luz seu bebê, sacrificou a sua própria vida em uma imolação deliberada”.

Gianna Beretta nasceu em 1922 em Magenta, na província de Milão. Desde pequena, acompanhava sua mãe à Missa todos os dias. Aos 15 anos, depois de um retiro segundo o método de Santo Inácio de Loyola, tomou o propósito de “mil vezes morrer a cometer um pecado mortal”.
Foi muito devota da Virgem, tanto que, quando sua mãe morreu, disse a Maria: “Confio em vós, doce Mãe, e tenho a certeza de que nunca me abandonará”. Costumava falar da Mãe de Deus em seus encontros com as meninas da Ação Católica e nas cartas ao seu noivo que logo se tornou seu marido.
Formou-se em medicina e com um firme propósito: “Não esqueçamos que no corpo de nosso paciente existe uma alma imortal. Sejamos honestos e médicos de fé”. Por isso, incentivava as grávidas a terem seus filhos como um presente de Deus e a recusar o aborto.
Depois de discernir, viu que Deus a chamava para a vida matrimonial e teve com seu marido três filhos. No começo da quarta gravidez, tinha que passar por uma cirurgia por causa de um tumor localizado no útero, mas pediu que se preocupassem com a vida do bebê.
A santa recusou se submeter ao aborto “terapêutico” que os médicos propunham e a extirpação do fibroma. Optou por não recorrer a esta prática.
Sofreu uma intervenção cirúrgica e conseguiram salvar o bebê. Meses depois, antes do parto, afirmou: “Se tiverem que escolher entre minha vida e a da criança, não tenham dúvida; escolham – exijo-o – a sua. Salvem-na”.
Deu à luz sua filha em 21 de abril de 1962. Entretanto, Santa Gianna não se recuperou e, em 28 de abril, com fortes dores e repetindo “Jesus, te amo; Jesus te amo”, partiu para a Casa do pai aos 39 anos. Foi canonizada por São João Paulo II em 2004.
ACI Digital

São Luís Maria Grignion de Montfort, o “escravo de Maria”

REDAÇÃO CENTRAL, 28 Abr. 19 / 08:00 am (ACI).- “A quem Deus quer fazer muito santo, o faz muito devoto da Virgem Maria”, disse São Luís de Montfort, o “escravo de Maria” que propagou a devoção à Virgem, motivo o que levou a sofrer muito. São João Paulo II fez de sua frase mariana “Totus Tuus” (Todo teu) o lema de seu pontificado.

São Luís nasceu em Montfort (França), em 31 de janeiro de 1673. Era muito tímido, preferia a solidão e tinha grande devoção pela Eucaristia e pela Virgem Maria. Para ir à Missa, tinha que caminhar duas milhas até a Igreja. Quando estudou com os jesuítas, visitava o templo antes e depois da escola.
Aos 20 anos, sentiu-se chamado ao sacerdócio. No seminário de Paris, o bibliotecário o autorizou a ler muitos livros da Virgem Maria e, como velador de morto, compreendeu que tudo neste mundo era vão e temporário.
Os superiores não sabiam se o tratavam como um santo ou como um fanático e, pensando mal dele, o mortificavam, humilhavam e insultavam na frente de todos. Era incompreendido por seus companheiros, que riam de Luís e o rejeitavam. Mas o santo se manteve firme na paciência como participação da cruz de Cristo.
Aos 27 anos, foi ordenado sacerdote, escolhendo como lema: “ser escravo de Maria”. Os superiores, sem saber o que fazer com ele, negaram-lhe que atendesse confissões e fizesse pregações, mantendo-o com ofícios menores.
Mais tarde, foi enviado a um povoado para ensinar catequeses às crianças e, em seguida, nomeado capelão do Hospital de Poitiers, asilo para pobres e marginalizados. Sua simplicidade e naturalidade para servir aos necessitados e os ensinamentos marianos que propagava fizeram com que fosse visto como um perigo.
Quando retornou à Paris, lançaram falso testemunho contra ele, seus amigos mais próximos o rejeitaram e o Bispo mandou que não falasse mais. Logo compreenderia a razão dos ataques à doutrina mariana que propagava: o demônio se aborrecia.
São Luís recorreu ao Papa Clemente XI para saber se estava errado em seus ensinamentos. O Pontífice o recebeu e lhe deu o título de Missionário Apostólico.
Desta forma, realizou centenas de missões e retiros que se caracterizaram pela recitação do Santo Rosário, procissões e cânticos à Virgem, incentivando a retornar aos sacramentos. “A Jesus por Maria” era a sua proposta.
Neste contexto, também foi perseguido pelos hereges jansenistas, os quais diziam que não se devia receber os sacramentos quase nunca porque ninguém é digno.
Fundou as congregações “Filhas da Sabedoria” e “Missionários Montfortianos (Companhia de Maria)”.
Escreveu o “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”. Alguns pensadores católicos chegaram a considerar esta obra como um exagero culto da Mãe de Deus, mas a Igreja não encontrou nenhum erro.
São Luís partiu para a Casa do Pai em 28 de abril de 1716, com apenas 43 anos. Foi enterrado na Igreja de Saint-Laurent. Passados 43 anos, a Beata Maria Luísa de Jesus, a primeira das “Filhas da Sabedoria”, morreu no mesmo dia, hora e local que São Luís. Foi, então, enterrada ao lado dele.
Séculos mais tarde, São João Paulo II o tomou como referência em sua encíclica “Redemptoris Mater” e visitou o túmulo de São Luís. Ali, ao lado da tumba, sofreu um atentado, pois plantaram uma bomba que foi descoberta pelos seguranças. Providencialmente, nada deteve o Papa de honrar o santo que tanto amava.
ACI Digital

sábado, 27 de abril de 2019

Conheça a santa a quem Jesus revelou a devoção da Divina Misericórdia

REDAÇÃO CENTRAL, 27 Abr. 19 / 08:00 am (ACI).- “As almas que divulgam o culto da Minha misericórdia, Eu as defendo por toda a vida como uma terna mãe defende o seu filhinho e, na hora da morte, não serei para elas Juiz, mas sim, Salvador misericordioso”, disse o Senhor à sua serva Santa Faustina Kowalska, a quem revelou o desejo de instituir a Festa da Divina Misericórdia, sua devoção, bem como a imagem de Jesus Misericordioso.

Santa Faustina nasceu na Polônia em 1905. No dia em que foi receber a Primeira Comunhão, beijou as mãos de seus pais para demonstrar sua pena por tê-los ofendido. Costumava ajudar em casa com as tarefas da cozinha, ordenhando as vacas e cuidando de seus irmãos. Frequentou a escola, mas só pôde completar três trimestres porque foi dada uma ordem que os alunos mais velhos tinham que sair para dar lugar às crianças mais novas.
Aos 15 anos, começou a trabalhar como empregada doméstica e sentiu mais fortemente o chamado à vocação religiosa. Contou esta inquietude a seus pais em várias ocasiões, mas eles se opuseram. Foi assim que se entregou às vaidades da vida, sem fazer caso do chamado que experimentava, até que escutou a voz de Jesus que lhe pediu para deixar tudo e ir a Varsóvia para entrar em um convento.
Sem despedir-se pessoalmente de seus pais, foi para Varsóvia apenas com um vestido. Lá, falou com um sacerdote, o qual conseguiu hospedagem na casa de uma paroquiana. Batia à porta de vários conventos, mas era rejeitada.
Foi recebida na Casa Mãe da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, mas antes teve que trabalhar como doméstica um ano para pagar seu ingresso. Poucas semanas depois, teve a tentação de deixar o convento e teve uma visão na qual Jesus apareceu com seu rosto destroçado e coberto de chagas.
Ela perguntou: “Jesus, quem te feriu tanto?”. O Senhor respondeu: “Esta é a dor que me causaria deixar este convento. É aqui onde te chamei e não a outro; e tenho preparadas para ti muitas graças”.
Mais tarde, foi enviada para o noviciado, tomou o hábito religioso e chegou a pronunciar seus primeiros votos e os perpétuos. Entre suas irmãs, serviu como cozinheira, jardineira e até mesmo porteira.
A esta simples mulher, piedosa, mas também alegre e de caritativa, Jesus apareceu em diversas ocasiões mostrando-lhe o seu infinito amor misericordioso pela humanidade. Da mesma forma, Deus lhe concedeu estigmas ocultos, dons de profecia, revelações e o Terço da Divina Misericórdia.
“Nem as graças, nem as revelações, nem os êxtases, nem nenhum outro dom concedido à alma a fazem perfeita, mas sim a comunhão interior com Deus... Minha santidade e perfeição consistem na íntima união da minha vontade com a vontade de Deus”, escreveu certa vez.
Em 5 de outubro de 1938, após longos sofrimentos suportados com grande paciência, partiu para a Casa do Pai. No ano 2000, foi canonizado pelo seu compatriota João Paulo II, que estabeleceu o segundo domingo de Páscoa como “Domingo da Divina Misericórdia”.
ACI Digital

Santa Zita, padroeira das empregadas do lar

REDAÇÃO CENTRAL, 27 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 27 de abril é celebrada a festa de Santa Zita, padroeira das empregadas do lar. Ela era de condição muito humilde e, desde pequena, teve que trabalhar como empregada para manter sua família. Sofreu muitas zombarias, mas seu amor aos pobres fez com que até os anjos a ajudassem nas tarefas da casa.

Santa Zita nasceu perto de Lucca (Itália) em 1218 e, desde os doze anos de idade, serviu por 48 anos a uma família muito rica.
Como se preocupava muito com os desfavorecidos, certo dia foi ajudar um necessitado, deixando por um momento seu trabalho na cozinha. Os outros empregados disseram à família, que foi à cozinha investigar e encontrou os anjos fazendo o trabalho da santa.
Dessa maneira, foi-lhe permitida mais liberdade para servir aos pobres. Mas, nem por isso pararam os ataques e zombarias dos outros empregados.
Naquela época, uma grande fome atingiu a cidade e Santa Zita repartiu até a sua própria comida com os pobres. A necessidade dos mais desfavorecidos chegou a tal ponto que a santa teve que repartir as reservas de grãos da família. Quando os patrões foram ver, depararam-se com a surpresa de que a despensa estava milagrosamente cheia.
Na véspera de Natal, Zita se encontrou com um homem que tremia de frio na entrada da Igreja de são Frediano. A santa lhe deu um manto caro da família para que se aquecesse e pediu que o devolvesse ao terminar a Missa, mas o homem desapareceu.
No dia seguinte, o patrão ficou enfurecido com Zita, mas um idoso desconhecido no povoado chegou e devolveu o manto. Os cidadãos interpretaram que este necessitado tinha sido um anjo e, desde aquele momento, a porta de São Frediano foi chamada “A Porta do anjo”.
Santa Zita partiu para a Casa do Pai em 27 de abril de 1278 e, imediatamente, sua fama de santidade se expandiu em todo o país e na Inglaterra. Seus restos mortais repousam na capela de Santa Zita da Igreja de São Frediano, em Lucca (Itália).
ACI Digital

Celebramos 5 anos da canonização de São João Paulo II e São João XXIII

Santos João Paulo II e João XXIII / ACI Prensa
REDAÇÃO CENTRAL, 27 Abr. 19 / 07:00 am (ACI).- Há 5 anos, em 27 de abril de 2014, o Papa Francisco declarou santos São João Paulo II e São João XXIII durante uma Missa concelebrada por mais de mil clérigos, entre cardeaisbispos e sacerdotes, incluindo o Pontífice Emérito Bento XVI, diante de aproximadamente 800 mil peregrinos.
Naquela ocasião, o Papa Francisco ressaltou que “na convocação do Concílio, João XXIII demonstrou uma delicada docilidade ao Espírito Santo, deixou-se conduzir e foi para a Igreja um pastor, um guia-guiado. Este foi o seu grande serviço à Igreja; foi o Papa da docilidade ao Espírito”.
Quanto a São João Paulo II, definiu-o como “o Papa da família. Ele mesmo disse uma vez que assim gostaria de ser lembrado: como o Papa da família”.
Como naquela época se estava preparando o Sínodo sobre a Família, que aconteceu em outubro de 2015, Francisco destacou a figura do Pontífice polonês “no momento em que estamos a viver um caminho sinodal sobre a família e com as famílias, um caminho que ele seguramente acompanha e sustenta do Céu”.
Por fim, o Papa Francisco pediu que “ambos nos ensinem a não nos escandalizar das chagas de Cristo, a entrar no mistério da misericórdia divina que sempre espera, sempre perdoa, porque sempre ama”.
A Santa Sé estimou que meio milhão de pessoas estiveram presentes na Praça São Pedro e nas vias adjacentes, enquanto outras 300 mil pessoas acompanharam o ato através dos vários telões distribuídos pela cidade de Roma.
Cerca de 870 sacerdotes distribuíram a comunhão aos fiéis e 2 bilhões de pessoas acompanharam a celebração no mundo inteiro.
Os peregrinos foram à Praça de São Pedro com diversas bandeiras e cartazes. Na noite anterior, centenas de milhares participaram das vigílias de oração celebradas nas igrejas do centro de Roma em diferentes idiomas.
ACI Digital

sexta-feira, 26 de abril de 2019

26/04: 519 anos da celebração da primeira missa em território brasileiro

26/04: 519 anos da celebração da primeira missa em território brasileiro
Dom José Edson Santana Oliveira. Foto: Arquivo pessoal
Foi em Coroa Vermelha, município de Santa Cruz Cabrália, litoral sul da Bahia, território da diocese de Eunápolis (BA), que há 519 anos, no dia 26 de abril de 1500, foi celebrada a primeira missa em território brasileiro. A celebração eucarística, naquela oitava de Páscoa, foi presidida pelo Frei Henrique de Coimbra quatro dias após a chegada dos portugueses no Brasil em 22 de abril de 1500.  A representação mais famosa da celebração é o quadro “A Primeira Missa no Brasil“, feito em 1861 pelo pintor catarinense Victor Meirelles de Lima.

Todos os anos a diocese reúne todas as suas paróquias e comunidades, em Coroa Vermelha, para celebrar no lugar onde fica o marco histórico, um espaço sagrado de importância singular para a Igreja e para a memória histórica do Brasil.
Registros históricos relatam que após a celebração o escrivão Pero Vaz de Caminha escreveu uma carta ao rei dom Manuel onde descreveu que a missa foi feita em “altar mui bem arranjado” e que “foi ouvida por todos com muito prazer e devoção”.
De acordo com dom José Edson: “a importância de celebrar hoje, a mesma Eucaristia, munido pela mesma fé e congregado pelo mesmo amor de ser Igreja de Deus, nos faz partícipes dessa comunhão universal e perene”.
Para o bispo, Coroa Vermelha é a Belém do Brasil e os irmãos portugueses são aqueles que trouxeram a grande riqueza da fé cristã, foram os primeiros a celebrar essa fé celebrada pelos missionários que aqui chegaram naquele 1500. Os séculos se passaram e, hoje, o Brasil é o país com o maior número de católicos batizados no mundo.
“Celebramos a importância do reconhecimento de que a Igreja Católica esteve presente desde o início, que a Cruz de Cristo não é um instrumento de opressão, é um sinal de redenção da humanidade. O Evangelho de Cristo, a Eucaristia, a Cruz de Nosso Senhor e a devoção sempre crescente em Maria, Nossa Senhora da Esperança”, finaliza o bispo de Eunápolis.
 CNBB

Bispo defende a vida e o matrimônio frente à "heresia" da ideologia de gênero

Dom Thomas Olmsted, de Phoenix, pronuncia o discurso no Café da manhã Nacional de Oração Católico, em Washington, em 23 de abril de 2019 / Crédito: EWTN
WASHINGTON DC, 25 Abr. 19 / 04:30 pm (ACI).- O Bispo de Phoenix (Estados Unidos), Dom Thomas Olmsted, convocou uma reunião dos líderes católicos nacionais para enfrentar as "heresias" da era moderna, como a ideologia de gênero, que atacam o matrimônio, a família e o nascituro.
Os católicos são ameaçados pela "heresia atual que está incorporada na revolução sexual e agora em sua versão radicalizada, a ideologia de gênero, como é chamada pelo Papa Francisco", denunciou o Prelado durante o Café da manhã Nacional de Oração Católico realizado na terça-feira, 23 de abril, em Washington.
"Meu dever pastoral é proclamar o Evangelho da vida e a proteção perante a lei dos mais vulneráveis ​​entre nós. O amor de Cristo me obriga", recordou Dom Olmsted e pediu aos católicos que continuem falando sobre estas questões, embora alguns ensinamentos da Igreja sejam impopulares na cultura atual.
Ao longo de seu pontificado, o Papa Francisco definiu a "ideologia de gênero" como uma forma de "colonização ideológica" que acontece "na Europa, América, América Latina, África e alguns países da Ásia".
Dom Olmsted assegurou que esta heresia aponta contra "duas realidades maravilhosas" que são o "matrimônio e a criança".
"O matrimônio está agora no caminho da ideologia de gênero. Seu enfraquecimento não servirá para fortalecer nosso grande país. Os cristãos, então, devemos defender a realidade do matrimônio hoje, em nossos lares e na praça pública, apesar do risco de perseguição", exortou.
O Bispo assinalou que na cultura de hoje "a criança é também um alvo" e lamentou a recente oposição no Congresso ao Projeto de Lei de Proteção para Sobreviventes de Aborto, que exigia que os médicos protegessem as vidas de bebês que sobrevivem a uma tentativa de aborto tardio.
"Uma criança precisa de amor, e o amor custa, e o coração humano deve estar preparado para pagar o preço do amor quando a criança chega. Cristo nos chama a defender todas as crianças", recordou.
Dom Olmsted também disse que o "desastre" previsto pelo Papa Paulo VI na encíclica Humanae vitae foi cumprido. Citando uma exortação aos casais casados, reconheceu que a revolução sexual do século passado causou à humanidade "uma praga de miséria em uma escala nunca antes vista".
"Chega! Maridos e esposas, mães e pais, são chamados a ter um grande coração aqui, contracultural e corajoso. Podem construir algo melhor, mais livre, mais generoso e mais nobre", disse e insistiu que a reconstrução da sociedade começa em casa.
Os casais devem estar comprometidos com seus votos matrimoniais sacramentais, isto é, estar abertos a uma nova vida, seja "através do ato conjugal" ou através da adoção, explicou Dom Olmsted.
"Não tenham medo de colocar suas raízes profundamente na água viva que é Jesus Cristo. Ele não abandonará vocês. Dirijam suas famílias e dirijam-se a qualquer outro lugar que o Senhor lhes peça com uma fé profunda e de criança”, acrescentou.
ACI Digital

Papas Santo Anacleto e São Marcelino

REDAÇÃO CENTRAL, 26 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- Com uma só menção, a Igreja celebra em 26 de abril estes dois santos que têm em comum apenas o fato de terem sido Sumos Pontífices, pois suas vidas e histórias estão separadas por mais de dois séculos.

Santo Anacleto foi o terceiro Papa da Igreja, depois de São Pedro e de São Lino. É referido em diversos escritos como Cleto, Anacleto ou Anencleto, mas sempre se trata da mesma pessoa.
São Pedro o conheceu, batizou e ordenou sacerdote na igreja de Roma. Ele e seu predecessor Lino foram os principais discípulos do primeiro Papa.
Segundo o Liber Pontificalis ou Livro dos Papas, “Cleto” ocupou a cátedra de São Pedro durante os impérios de Vespasiano e Tito. Ocupou-se dos necessitados com esmolas, incentivou os primeiros cristãos que eram perseguidos e ordenou um determinado número de sacerdotes.
Sob o mandato do imperador Domiciano, foi capturado e martirizado por volta do ano 90. Seu corpo é conservado na igreja de São Pedro, no Vaticano.
Por outro lado, São Marcelino, que foi eleito Papa em 30 de junho de 296, teve seu Pontificado durante a última e talvez a maior perseguição realizada pelo imperador Diocleciano.
Esta perseguição, cujos severos editos contra os cristãos foram executados pelo augusto e co-imperador Maximiano Hercúleo, causou a maior confusão na Igreja romana depois do ano 303. Marcelino morreu em 304, muito provavelmente, de morte natural.
Nenhuma fonte confiável dos séculos IV e V o mencionam como mártir. Seu corpo foi sepultado na Catacumba de Priscila na Via Salaria.
ACI Digital

quinta-feira, 25 de abril de 2019

São Marcos Evangelista, o leão alado

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 25 de abril, a Igreja Católica celebra a festa de São Marcos Evangelista, discípulo de São Pedro e autor do segundo evangelho do Novo Testamento. Seu símbolo é o leão alado por sua relação com o Apocalipse e São João Batista.

São Marcos era judeu de origem e de uma família tão cristã que sempre acolheu os primeiros cristãos em sua casa.
Acompanhou Paulo e Barnabé, seu primo, à Antioquia na primeira viagem missionária. Também foi com Pedro a Roma.
São Marcos se separou deles em Perga e retornou para sua casa. Mais tarde, Paulo se recusou a aceitar Marcos. Barnabé rompeu a associação missionária com São Paulo e foi para Chipre com seu primo. Anos depois, São Marcos e São Paulo se juntariam em outra viagem missionária.
Sobre seu Evangelho, São Marcos o escreveu em grego, aparentemente, para um público cristão. A data em que ele escreveu é debatida, mas talvez tenha sido na década de 60 a 70 depois de Cristo.
O evangelista foi a Roma com São Pedro, apóstolo que se dirigiria a São Marcos como “meu filho”. Marcos estabeleceu a Igreja em Alexandria, onde fundou sua famosa escola cristã.
Foi martirizado aproximadamente em 25 abril de 68 em Alexandria. Suas relíquias descansam na Catedral de Veneza.
São Marcos é retratado como um leão alado em relação a um dos quatro seres viventes do Apocalipse. Alguns consideram que isso é porque o Evangelho de Marcos começa com João Batista clamando no deserto, como um leão que ruge.
ACI Digital

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Oitava Pascal traz para a liturgia o mistério da ressurreição de Cristo

Oitava Pascal traz para a liturgia o mistério da ressurreição de Cristo
Com a celebração da Ressurreição do Senhor, na Vigília do Sábado Santo, a Igreja entra no Tempo Pascal, formado por sete semanas até a Solenidade de Pentecostes. Dentro desse período, tem-se a chamada “Oitava de Páscoa”, que é o conjunto dos primeiros oito dias do Tempo Pascal, iniciados no domingo após a Vigília da Ressurreição.

Cronologicamente são oito dias, mas o arcebispo de Passo Fundo, dom Rodolfo Luís Weber afirma que para a liturgia católica esses dias são como se fossem um só. “O fato pascal é tão importante que não cabe num só dia, pois ele dá origem ao cristianismo”, aponta.
Neste sentido, a Oitava Pascal traz para o centro da celebração litúrgica da Igreja o mistério da Ressurreição de Jesus Cristo. “O fato inusitado da ressurreição de Jesus Cristo abre uma nova visão sobre Deus e para os seguidores de Cristo, os cristãos”, afirma dom Rodolfo.
Mas, afinal, o que se celebra?  Segundo o padre Luiz Camilo Júnior, missionário redentorista, no passado a oitava pascal era um tempo especial de contato com a fé para os que tinham sido batizados na Vigília Pascal. “No batismo, eles recebiam a veste branca, e esta era tirada no final da Oitava Pascal. Era momento para aqueles que renasceram pelo Batismo poderem experimentar a vida nova em Cristo”, explica.
Nessa perspectiva, padre Luiz Camilo Júnior afirma que a Oitava Pascal é um convite aos cristãos para fazerem de suas vidas uma contínua Páscoa, um tempo de renovar a confiança no Senhor, colocando em suas mãos suas vidas e os seus destinos. “É um tempo para que, ressuscitados com Cristo, aprendamos a buscar as coisas que são do alto”, finaliza.
CNBB

terça-feira, 23 de abril de 2019

São Jorge, o santo do Papa Francisco

REDAÇÃO CENTRAL, 23 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 23 de abril, a Igrejacelebra a festa de São Jorge, o santo do Papa Francisco, Jorge Mario Bergoglio, que é também padroeiro de Armas de Cavalaria do Exército da Argentina, país natal do Santo Padre. No Brasil, o santo é padroeiro do estado do Rio de Janeiro.

São Jorge viveu nos primeiros séculos da Cristandade. Nasceu em Lydda, Palestina, a terra de Jesus, filho de um agricultor muito estimado. Ingressou no exército e foi capitão.
Quando o santo chegou a uma cidade do Oriente, encontrou-se com um terrível crocodilo (ou dragão, ou tubarão), que devorava as pessoas e ninguém se atrevia a enfrentá-lo. São Jorge o fez e venceu.
Cheios de admiração e de emoção por ocorrido, os moradores escutaram atentamente quando o santo lhes falou sobre Jesus Cristo e muitos deles se converteram ao cristianismo.
Nessa época, o imperador Diocleciano mandou todos adorarem ídolos ou deuses falsos e proibiu adorar Jesus Cristo. O santo declarou que ele nunca deixaria de adorar Cristo e que jamais adoraria ídolos.
Essa recusa fez com que o imperador o condenasse à morte. No momento do martírio, levaram-no ao templo dos ídolos para ver se os adorava, mas diante da sua presença, várias estátuas de falsos deuses caíram no chão e se despedaçaram.
O santo foi martirizado e, enquanto o açoitavam, lembrava-se dos açoites que deram em Jesus e não abria a boca. Sofreu os castigos em silêncio.
As pessoas, ao vê-los, diziam que era corajoso e que “verdadeiramente vale a pena ser seguidor de Cristo”. Antes de morrer, o santo disse: “Senhor, em Tuas mãos entrego a minha alma”.
Quando escutou que lhe cortariam a cabeça, alegrou-se, porque tinha muito desejo de ir ao céu e estar com o Senhor. O santo sempre estava em oração.
São Jorge também é padroeiro da Inglaterra e dos escoteiros.
Geralmente, o santo é representado sobre um cavalo, com traje militar da época medieval, com uma palma, uma lança e um escudo, que tem uma bandeira branca com uma cruz vermelha, cujos braços vão às extremidades.
Este escudo pode ser visto em quadros e outras representações e a adaptação do mesmo está na bandeira da Inglaterra, da Geórgia, entre outras.
O santo é protetor dos soldados, agricultores, arqueiros, escoteiros, ferreiros, prisioneiros, entre outros. Também é conhecido como protetor dos animais domésticos.
ACI Digital

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Por que hoje a Igreja Católica celebra a “Segunda-feira do Anjo”?

As três Marias no Sepulcro / Pintura de Peter von Cornelius (1783-1867)
REDAÇÃO CENTRAL, 22 Abr. 19 / 05:00 am (ACI).- Hoje, Segunda-feira da Páscoa, a Igreja celebra a chamada “Segunda-feira do Anjo”, que recebe este nome porque foi precisamente um anjo que, no sepulcro, anunciou às mulheres que Jesus tinha ressuscitado.
Em um dia como hoje, em 2017, Vatican News recordou a explicação dada por São João Paulo II em 1994.
“Por que se chama assim?”, perguntou o Pontífice, colocando em evidência a necessidade de destacar a figura daquele anjo, que disse das profundezas do sepulcro: “Ele ressuscitou”.
Estas palavras “eram muito difíceis de pronunciar, de expressar, para uma pessoa. Além disso, as mulheres que foram ao sepulcro, o encontraram vazio, mas não puderam dizer ‘ressuscitou’; só afirmaram que o sepulcro estava vazio. Mas o anjo disse: ‘Ele não está aqui, ressuscitou’”.
Assim narra o Evangelho de Mateus: “Mas o anjo, respondendo, disse às mulheres: Não tenhais medo; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos. E eis que ele vai adiante de vós para a Galileia; ali o vereis. Eis que os disse”. (Mt 28, 5-7)
Os anjos são servidores e mensageiros de Deus. Como criaturas puramente espirituais, têm inteligência e vontade: são criaturas pessoais e imortais. Superam a perfeição de todas as criaturas visíveis.
O resplendor da sua glória testemunha isso: Cristo é o centro do mundo dos anjos e estes lhe pertencem, ainda mais, porque os tornou mensageiros do seu plano de salvação.
A partir de hoje, até o final da Páscoa no dia de Pentecostes, se reza a oração do Regina Coeli em vez da Oração do Ângelus.
O Sumo Pontífice Emérito Bento XVI, em 2009, assinalou que o “Alegrai-vos” Maria pronunciado pelo anjo é um convite à alegria: “Gaude et laetare, Virgem Maria, aleluia, quia Surrexit Dominus vere, aleluia”, “Alegrai-vos e exultai, Virgem Maria, aleluia, pois o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia”.
ACI Digital

domingo, 21 de abril de 2019

Mensagem de Páscoa

Aleluia! Jesus Ressuscitou! Exultemos de alegria!
Jesus Cristo venceu a morte! Ele é a razão de ser de nossa esperança. Nós cremos na vitória do amor sobre o ódio, da paz sobre a violência, do perdão sobre a vingança e da vida sobre a morte. Seja o nosso louvor pascal manifestado com os lábios, o coração e a vida, acompanhado sempre da busca da paz, do perdão e da reconciliação.  Quem celebra a Páscoa é chamado a uma nova vida. Leve a todos, a começar da sua família, a esperança e a paz do Senhor Ressuscitado.
Tenha uma feliz Páscoa!
+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
Arquidiocese de Brasília/O Povo de Deus

Começa hoje a Oitava de Páscoa

REDAÇÃO CENTRAL, 21 Abr. 19 / 04:00 am (ACI).- No domingo de Ressurreição começa os cinquenta dias do tempo pascal e termina com a Solenidade de Pentecostes.

A Oitava de Páscoa é a primeira semana destes cinquenta dias; é considerada como se fosse um só dia, ou seja, o júbilo do Domingo de Páscoa é prolongado durante oito dias.
As leituras evangélicas estão centralizadas nos relatos das aparições de Cristo Ressuscitado e nas experiências que os apóstolos tiveram com Ele.
Neste tempo litúrgico, a primeira leitura, normalmente tirada do Antigo Testamento, é trocada por uma leitura dos Atos dos Apóstolos.
O segundo Domingo de Páscoa também é chamado Domingo da Divina Misericórdia, segundo a disposição de São João Paulo II durante seu pontificado, depois da canonização da sua compatriota Faustina Kowalska.
O decreto foi emitido no dia 23 de maio de 2000 pela Sagrada Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, detalhando que esta seria comemorada no segundo domingo de Páscoa. A denominação oficial deste dia litúrgico será “segundo domingo de Páscoa ou Domingo da Divina Misericórdia”.
Acompanhe também nosso recurso sobre a Páscoa: https://www.acidigital.com/fiestas/pascoa/index.html.
ACI Digital

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF