Translate

terça-feira, 31 de julho de 2018

Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus

REDAÇÃO CENTRAL, 31 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 31 de julho é a festa de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, conhecida como os jesuítas, ordem que desempenhou um papel importante na contrarreforma. O santo mestre dos discernimentos de espíritos é também padroeiro dos exercícios espirituais, dos retiros e dos soldados.

O processo de conversão de Santo Inácio começou ao ler o livro ‘Vida de Cristo’, assim como ‘Flos sanctórum’. Ao refletir sobre essas leituras e a vida dos santos, questionava-se a si mesmo: “E se eu fizesse o mesmo que São Francisco ou São Domingos?”.
São João Paulo II assinalava que Inácio “soube obedecer quando, recuperando-se das suas feridas, a voz de Deus pulsou com força no seu coração. Foi sensível às inspirações do Espírito Santo”.
“Ad Majorem Dei Gloriam”, que significa em latim “Para a maior glória de Deus” foi o lema com o qual o santo mais se identificou, assim como “Rogue a Deus por todos os que como tu desejamos estender o Reino de Cristo, e fazer amar mais o nosso Divino Salvador”.
Uma das grandes obras deixadas por Santo Inácio é o livro ‘Exercícios Espirituais’. O Papa Pio XI indicou em uma oportunidade que o método inaciano de oração “guia o homem pelo caminho da própria abnegação e do domínio dos maus hábitos para os mais altos cumes da contemplação e o amor divino”.
O Papa Francisco, o primeiro Pontífice jesuíta na história da Igreja, ao celebrar a festa do seu fundador em 2013, refletiu e recordou a seus irmãos da Companhia o lema que os identifica ‘Iesus Hominum Salvator’, que os chama a ter sempre como centro Cristo e a Igreja, a quem devem servir.
Santo Inácio morreu no dia 31 de julho de 1556. Paulo V o beatificou em 1609 e foi canonizado por Gregório XV em 1622. Na cidade de Roma (Itália), os restos mortais do santo são venerados na Igreja de Jesus.
ACI Digital

Existe um “projeto diabólico” para destruir a família, adverte autoridade vaticana

Imagem referencial / Foto: Pixabay (Domínio Público)
Vaticano, 30 Jul. 18 / 05:00 pm (ACI).- O Vigário Geral do Papa para a Cidade do Vaticano, Cardeal Angelo Comastri, denunciou que atualmente existe "um projeto diabólico" para combater a família.
Na Missa celebrada em 27 de julho, na paróquia de Sant’Ana, no Vaticano, por ocasião da Festa de São Joaquim e Sant’Ana, o Cardeal Comastri afirmou que há "um projeto diabólico para combater a família e, definitivamente, para o combater o desejo de Deus".
Afirmou que este mal atual "presume entender mais a Deus, porque combater a família significa isso, estar a serviço do demônio".
"Parece-me decisivo sublinhar que nós não inventamos a família. Deus inventou a família. A família é um projeto de Deus. O Senhor criou o homem e a mulher para ser o berço da vida e depois se tornar lugar onde as crianças possam crescer e aprender o alfabeto da vida. Devemos estar cegos para não ver isso", assinalou o Purpurado.
Recordou que o projeto diabólico contra a família também foi denunciado pelo poeta italiano Eugenio Montale, em 1970, quando se recordou em Milão os 25 anos do lançamento da bomba atômica nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.
Cardeal Comastri lembrou que Montale disse que "é justo recordar aquele momento dramático com a esperança de que isso nunca mais se repita. Mas me sinto na consciência e no dever de avisar que está explodindo a bomba atômica da família e que talvez tenha mais vítimas e feridos do que na explosão em Hiroshima e Nagasaki. E a bomba está sendo colocada na mídia, apresentando falsos modelos de vida".
O Purpurado advertiu que atualmente esses “falsos modelos estão desorientando os jovens” e convidou a refletir as palavras da Virgem Mariaquando respondeu ao anjo depois de receber o anúncio de que seria a Mãe de Jesus.
"Maria, através do anjo, recebe o chamado a uma missão que deixaria qualquer pessoa tremendo e a resposta de Nossa Senhora é maravilhosa, de disponibilidade plena", manifestou.
Esta resposta da Virgem "tem suas raízes no ambiente espiritual da família, na educação e no exemplo dos seus pais. Nas famílias piedosas de Israel, rezavam e meditavam os salmos todos os dias", afirmou.
Acrescentou que o Magnificat, quando Maria encontra a sua prima Isabel, nasce da meditação familiar do amor de Deus.
"O Magnificat é uma leitura da história na qual domina a certeza de que os humildes serão os vitoriosos. A vida é uma guerra, uma luta. Quem vencerá? Vencerão os humildes, os bons, os puros, os misericordiosos. Maria diz isso no Magnificat, porque tem certeza de que Deus tem a última palavra", assinalou.
Do mesmo modo, o Vigário Geral do Papa para a Cidade do Vaticano comentou que Madre Teresa disse que, "há algum tempo, na família se aprendia sobre a generosidade, o altruísmo. Hoje se fortalece o egoísmo dos filhos e se colhe frutos amargos".
O Cardeal Comastri concluiu a sua homilia perguntando: "O que as crianças respiram em casa? Quais sinais são dados às crianças?”.
"A vida é uma viagem, necessita-se de sinalização ao caminhar. Comprometamo-nos a levar à família um clima de fé convencida para que as crianças, ao olharem para os seus pais, possam entender qual é a sinalização correta", afirmou.
ACI Digital

segunda-feira, 30 de julho de 2018

São Pedro Crisólogo, o homem de palavras de ouro

REDAÇÃO CENTRAL, 30 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- “Esforcemo-nos por levar sempre em nós a imagem fiel do nosso Criador, não na majestade que só a Ele pertence, mas na inocência, simplicidade, mansidão, paciência, humildade, misericórdia, paz e concórdia, com que Ele Se dignou tornar-Se um de nós e ser semelhante a nós”, dizia São Pedro Crisólogo, Doutor da Igreja, cuja festa é celebrada neste dia 30 de julho.

São Pedro nasceu na Itália por volta do ano 400, estudou as ciências sagradas e foi formado por Cornélio, Bispo de Imola, o qual o ajudou a compreender que no domínio das paixões de si mesmo estava a verdadeira grandeza e que este era o único meio para alcançar o espírito de Cristo. O mesmo prelado conferiu ao santo a ordem diaconal.
De acordo com a tradição, naquela época, o Arcebispo de Ravena faleceu, então o clero e o povo elegeram o seu sucessor e, em seguida, pediram ao Bispo Cornélio, que encabeçava a comitiva desta solicitação ao Papa São Sisto III, em Roma. Pedro – que não era o candidato eleito – fazia parte da comitiva liderada pelo Prelado.
Conta-se que o Pontífice teve uma visão de São Pedro e Santo Apolinário, o primeiro bispo de Ravena, os quais ordenaram que não confirmasse a eleição que estavam levando.
Desta forma e seguindo as instruções do céu, o Santo Padre propôs para o cargo São Pedro Crisólogo, que depois recebeu a consagração e mudou-se para Ravena.
A atividade pastoral do santo conseguiu extirpar o paganismo e corrigir abusos, escutando com igual condescendência e caridade os humildes e os poderosos. Sempre incentivou a comunhão frequente e seus profundos sermões renderam o apelido de Crisólogo, homem de palavras de ouro.
Depois de receber uma revelação sobre a sua morte, que estava próxima, São Pedro Crisólogo retornou para Imola, onde partiu para a Casa do Pai em 31 de julho de 451 (há alguns que afirmam que foi em 3 de dezembro de 450). Foi declarado Doutor da Igreja em 1729 pelo Papa Bento XIII.
ACI Digital

domingo, 29 de julho de 2018

Santa Marta, padroeira das cozinheiras e donas de casa

REDAÇÃO CENTRAL, 29 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 29 de julho, a Igrejauniversal recorda a figura da Santa Marta de Betânia, irmã de Maria e Lázaro, padroeira do lar, das cozinheiras, das donas de casa, das faxineiras, das casas de hóspedes, dos hoteleiros, das lavadeiras e das irmãs de caridade.

É a ela que Jesus disse, como narra o Evangelho de São Lucas (10, 41-42): “Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; no entanto, uma só coisa é necessária; Maria escolheu a boa parte, que lhe não será tirada”.
Santa Marta é representada vestida de azul ou verde, com uma cruz, um avental e levando consigo um molho de chaves ou uma tocha. Ela está em atitude de serviço e com um dragão sob seus pés.
Esta discípula de Jesus é geralmente invocada pelos fiéis para pedir sua intercessão ante as coisas urgentes e difíceis, pois foi através de suas súplicas que obteve de Jesus a graça de que seu irmão Lázaro voltasse à vida.
A santa que sempre mostrou um grande afã de serviço é também invocada para que ajude os fiéis a desempenhar seus deveres cristãos com diligência e responsabilidade.
Os Santos Basílio e Gregório Magno a consideram modelo evangélico das almas contemplativas.
ACI Digital

sábado, 28 de julho de 2018

17º Domingo do Tempo Comum: O Pão partilhado

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
Neste e nos dois próximos domingos, interrompemos a leitura do Evangelho segundo Marcos, por ser o mais curto, para ler e meditar o capítulo sexto do Evangelho segundo João. Nele, Jesus se apresenta como o Pão da Vida, que multiplica o pão, saciando a fome da multidão.
O tema do pão partilhado já se encontra na primeira leitura. O profeta Eliseu partilha com o povo os pães que lhe foram oferecidos, ao invés de guardá-los para si. Ao realizar esse gesto de generosidade e partilha, Eliseu mostra que Deus quer saciar a fome do seu povo. É uma prefiguração do “sinal” realizado por Jesus.
O apóstolo Felipe, assim como ocorreu com o servo do profeta Eliseu, não acreditava ser possível saciar a fome do povo, considerando o pouco que tinham. Deus abençoa e multiplica o pão partilhado! Ele conta, hoje, com o pouco que podemos oferecer para multiplicar o pão, assim como Jesus contou com a colaboração das pessoas para realizar tantos outros milagres, “sinais” da chegada do Reino.
A narrativa joanina da multiplicação dos pães realça a significativa figura de um menino que oferece os pães e os peixes. Era muito pouco perante a multidão que ali estava. A condição física e social de uma criança, marcada pela fragilidade e pequenez, torna ainda mais significativa a oferta dos cinco pães e dois peixes, que somados equivalem a sete, número da totalidade ou plenitude, no contexto bíblico. Portanto, não se oferece apenas o que sobra ou que tem pouco valor, mas o que se tem e que se considera importante. Acrescente-se a isso, o gesto de Jesus de dar graças pelos pães e os peixes, expressando que os bens partilhados são dons de Deus.
Infelizmente, há muita indiferença perante o drama da miséria e da fome, conforme tem ressaltado o Papa Francisco. É preciso dispor-se a partilhar generosamente o pouco que se tem, reconhecendo que os bens são dons de Deus. É ele o Senhor! Somos apenas administradores de bens que são dele e de cuja administração nós devemos prestar contas a ele. Contudo, o Evangelho de hoje nos convida a colocar nossa fé em Jesus Cristo, o Pão da Vida, que vem saciar a nossa fome de vida e que, através de nós, apesar da nossa fragilidade e pequenez, quer saciar a fome sofrida por tanta gente: fome do pão cotidiano nas casas, fome do pão da Palavra e da Eucaristia. Além das iniciativas pessoais, são muito importantes as ações comunitárias, isto é, a vivência comunitária da caridade e da partilha através das pastorais e dos movimentos. A celebração eucarística, no qual partilhamos o Pão da Vida, seja fonte e sustento da partilha do pão cotidiano!

O Povo de Deus / Arquidiocese de Brasília

sexta-feira, 27 de julho de 2018

São Pantaleão, médico mártir cujo sangue se torna líquido

REDAÇÃO CENTRAL, 27 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 27 de julho, é celebrada a festa de São Pantaleão, um médico mártir nascido no final do século III na Nicomédia (atual Turquia). O que se conhece sobre ele está em um antigo manuscrito do século IV que se encontra no Museu Britânico.

Era filho de mãe cristã, mas se deixou levar pela vida do mundo pagão e rechaçou a fé. Pantaleão chegou a ser um prestigioso médico.
Um bom cristão chamado Hermolau o incentivou a conhecer “a cura proveniente do mais alto” e o levou à Igreja. Desse modo, aos poucos se entregou ao serviço de Cristo atendendo seus pacientes em Nome do Senhor.
Naquela época começou a perseguição de Diocleciano na Nicomédia. Pantaleão deu tudo o que tinha aos necessitados e alguns médicos invejosos o delataram às autoridades. Foi preso junto com Hermolau e outros cristãos.
O imperador queria salvá-lo em segredo e lhe disse para renunciar a sua religião, mas Pantaleão se negou e, com a ajuda de Deus, curou milagrosamente um paralítico para demonstrar a verdade da fé.
Assim, o santo foi condenado a ser decapitado com seus companheiros. Partiu para a Casa do Pai em 27 de julho no início do século IV, aos 29 anos.
Diz-se que tentaram matá-lo de seis formas diferentes: com fogo, com chumbo derretido, afogando-o, jogando-o às feras, torturando-o em uma roda e atravessando-lhe uma espada. Mas, com a ajuda do Senhor, ficou ileso. Quando foi decapitado, a árvore onde aconteceu o martírio floresceu no mesmo instante.
Algumas relíquias de seu sangue são conservadas em Constantinopla (Turquia), Ravello (Itália) e no Real Mosteiro da Encarnação em Madri (Espanha), que é custodiado pelas religiosas Agostinianas Recoletas.
Nesta cidade espanhola, seu sangue permanece em estado sólido quase todo o ano e ocorre o milagre da liquefação (torna-se líquido) perto da festa do santo, data na qual as religiosas abrem as portas ao público para que apreciem o fato.
ACI Digital

Missionária católica que cantou para o Papa está no The Voice Brasil





RIO DE JANEIRO, 23 Jul. 18 / 07:00 am (ACI).- “Eu sou católica”, assim a cantora Larissa Viana se apresentou aos jurados do programa ‘The Voice Brasil’ na noite de quinta-feira, 19 de julho, após ter as quatro cadeiras viradas para ela nas audições às cegas.
A artista, que escolheu fazer parte do time de Lulu Santos, foi criada na Igreja Católica desde pequena e, antes de conquistar os jurados do programa televisivo, já havia se apresentado ao mundo em 2013, ao subir no palco da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, quando cantou para o Papa Francisco.
No ‘The Voice’, Larissa interpretou a canção “Man in the Mirror” e, no início de sua apresentação, os quatro jurados viraram as cadeiras para a artista.
Diante de Lulu Santo, Ivete Sangalo, Michel Teló e Carlinhos Brown, Larissa contou que é católica e viaja pelo Brasil “cantado música católica”. “Eu canto também música popular, porque acredito na beleza da música. Acho que a gente, que é artista, precisa ser muito fiel ao que é belo e que transforma a vida das pessoas”.
A apresentação da jovem logo repercutiu nas redes sociais, iniciando esta sexta-feira, entre os assuntos mais comentados.
“Que alegria!”, expressou a cantora em suas redes sociais. “Ter as quatro cadeiras viradas assim tão rápido foi muito legal! Só que mais especial do que estar naquele palco, na frente de pessoas que tanto admiro e fazendo o que mais amo, é receber esse carinho todo de vocês”, afirmou, ao agradecer a todos.
Nascida em Petrópolis (RJ), Larissa tem 22 anos e foi criada na Igreja Católica. Em uma recente entrevista ao programa “Alegrai-vos” da Rádio Aliança FM, contou que a sua “relação com a música católica existe desde sempre”.
“Eu me entendi artista a partir da minha relação com a música católica”, indicou a jovem que iniciou os estudos de canto aos 9 anos e logo começou a “cantar em ministérios de música”.
“Inicialmente – revelou –, eu queria ser médica, mas Deus foi encaminhando meu caminho para que eu seguisse por esse rumo, colocando pessoas especiais que apostaram naquilo que Deus tinha para mim”, revelou.
Entre as várias pessoas que acompanham Larissa nessa caminha, está a cantora católica Ziza Fernandes. E foi após um encontro entre as duas em Petrópolis, que Larissa foi convidada para participar da Jornada Mundial da Juventude de 2013, no Rio de Janeiro.
Na época, Ziza Fernandes era diretora musical dos atos centrais da JMJ e convidou Larissa para cantar ‘Panis Angelicus’ na Missa de abertura, na Praia de Copacabana. Porém, ela acabou cantando cinco canções, incluindo o ‘Salve Regina’ na vigília de oração e a participação na Missa de Envio, presidida pelo Papa Francisco.
Para a jovem, que atualmente faz faculdade de canto lírico, esta foi uma “experiência muito bonita de ser Igreja, de ser comunidade, de partilhar a Eucaristia”.
A relação de Larissa com a Jornada Mundial da Juventude voltou a se estreitar neste ano, quando participou da gravação da versão em português do hino oficial da JMJ Panamá 2019.
“A gravação do Hino JMJ foi uma experiência maravilhosa e muito leve de comunhão, partilha e entrega de todos nós que estávamos ali”, expressou Larissa em sua página de Facebook na época da gravação do hino, acrescentando que “isso é ser igreja! Isso é JMJ!”
ACI Digital

quinta-feira, 26 de julho de 2018

O caminho para alcançar o Céu

Dreamitime
Redação (Terça-feira, 24-07-2018, Redação (Terça-feira, 24-07-2018, Gaudium Press) Concluiremos a análise sucinta das duas últimas Bem-aventuranças, que tratam da paz bem como das perseguições movidas pelos maus contra os bons:

Não há paz para os ímpios

"Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus" (Mt 5, 9).
Santo Agostinho define a paz como sendo a tranquilidade da ordem.Não se trata, portanto, de qualquer tranquilidade - como a que poderia existir num cemitério -, mas a da ordem.

Promover a paz significa primordialmente rezar e agir para que haja ordem em cada pessoa. E a ordem só será conseguida se ela evitar o pecado, obedecendo aos Mandamentos.

Plinio Corrêa de Oliveira assim define o pecado: "... um ato de revolta contra Deus, que o homem praticou violando a ordem por Ele instituída".

O pecado provoca a desordem não só no indivíduo, mas também na sociedade; e até mesmo no universo, conforme afirmou Paulo VI:
"Todo pecado, efetivamente, acarreta uma perturbação da ordem universal, por Deus estabelecida com indizível sabedoria e caridade infinita, e uma destruição de bens imensos, quer se considere o pecador como tal, quer a comunidade humana."

Diz a Escritura: "Grande paz têm aqueles que amam vossa Lei" (Sl 118, 165). Portanto, não há paz para os ímpios, pois desprezam a Lei de Deus.

E Jesus continuou: "... serão chamados filhos de Deus": Ensina o Apóstolo: "Se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, se, de fato, sofremos com Ele, para sermos também glorificados com Ele" (Rm 8, 17). Ou seja, o Criador os receberá no Reino dos Céus.

As perseguições morais são mais perniciosas

"Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de Mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus" (Mt 5, 10-12).

"Justiça", nesse caso, significa santidade, a qual consiste não apenas na perfeição moral de si mesmo, mas na luta "pelos interesses e a glória de Deus, de Cristo, da Igreja".

As hagiografias demonstram como os santos sofreram perseguições físicas, que às vezes chegaram até ao martírio. Mas existem também as perseguições morais, que são mais perniciosas.

"No mundo de hoje, quantos perdem a Fé, por não aguentarem a pressão do ambiente de ateísmo prático que os envolve? E por isso, em nossos dias, talvez seja mais meritório proclamar a Fé diante do riso irônico de um círculo de pseudoamigos, do que o era ante o rugido das feras no Coliseu, nos primeiros tempos do Cristianismo.

"Por vezes, pior ainda do que a perseguição dos maus, é a incompreensão dos bons."

Os verdadeiramente bons sofrem não apenas devido às perseguições movidas contra suas pessoas, mas sobretudo por aquelas desferidas contra a Igreja Católica por inimigos externos ou internos. Estes últimos são "muito mais perigosos certamente e mais funestos do que os inimigos declarados, não só porque lhes secundam os esforços [...], como também porque, mantendo opiniões condenadas, mas dentro de certos limites, tomam uma aparência de integridade e de doutrina irrepreensível, aliciando os imprudentes amigos de conciliações e enganando as pessoas honestas, que se revoltariam contra um erro declarado."

Os que sofrerem essas perseguições com espírito altaneiro, pleno de Fé, de amor a Deus e ao próximo, receberão um prêmio eterno: o Reino dos Céus, infinitamente superior à felicidade que se pode conseguir neste mundo.

Antegozo, já nesta Terra, da felicidade eterna

"Com essas oito sentenças, Jesus indicou a via para alcançar o Céu, onde veremos a Deus face a face e participaremos da própria vida divina, possuindo a mesma felicidade da qual Ele goza. E quem rege sua conduta de acordo com elas começa por antegozar espiritualmente, já nesta Terra, a felicidade eterna.

"As Bem-aventuranças não são, portanto, frases para serem estudadas apenas com a inteligência, de modo frio, mas sim princípios de vida a serem lidos e meditados com o coração, com o calor de alma de quem quer se pôr a caminho, seguindo os passos de Nosso Senhor.

"Com uma suavidade toda divina, elas nos convidam à radicalidade na prática do bem, pois o padrão de virtude que nelas Cristo nos propõe não é outro senão Ele mesmo, o próprio Deus!"

O Sermão da Montanha é atualíssimo, pois "as raízes dos males atuais são idênticas às dos horrores da época de Jesus, que sinteticamente assim se poderiam enunciar: ‘a finalidade última do homem se cumpre nesta Terra; por isso ele deve fruir todos os prazeres que a vida e este mundo lhe oferecem'. Embora muitas pessoas afirmem que creem em Deus, vivem como se Ele não existisse.

"Falta à humanidade uma graça eficaz que a faça, como o filho pródigo, ter saudades da casa paterna e querer retornar às delícias das consolações de quem ama verdadeiramente a Deus, seus Mandamentos, e ao próximo como a si mesmo."

Peçamos a Nossa Senhora essa graça, a fim de que seja implantado logo e com todo esplendor o Reino de seu Imaculado e Sapiencial Coração.

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" 157)) 

São Joaquim e Sant’Ana, padroeiros dos avós

REDAÇÃO CENTRAL, 26 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 26 de julho, é celebrada na Igreja Católica a festa dos pais da Santíssima Virgem Maria e avós de Jesus, São Joaquim e Sant’Ana. Em razão desta data, comemora-se também o Dia dos Avós.

Ambos os santos, chamados padroeiros dos avós, foram pessoas de profunda fé e confiança em Deus; foram os encarregados de educar no caminho da fé sua filha Maria, alimentando seu amor pelo Criador e preparando-a para sua missão.
Bento XVI, em um dia como este em 2009, destacou – através das figuras de São Joaquim e Sant’Ana – a importância do papel educativo dos avós, que na família “são os depositários e muitas vezes as testemunhas dos valores fundamentais da vida”.
Em 2013, quando estava no Rio de Janeiro (Brasil) para a Jornada Mundial da Juventude, coincidindo sua estadia com esta data, o Papa Francisco destacou que “São Joaquim e Sant’Ana fazem parte de uma longa corrente que transmitiu o amor a Deus, no calor da família, até Maria, que acolheu em seu seio o Filho de Deus e o ofereceu ao mundo, ofereceu-o a nós. Vemos aqui o valor precioso da família como lugar privilegiado para transmitir a fé!”.
“Olhando para o ambiente familiar, queria destacar uma coisa: hoje, na festa de São Joaquim e Sant’Ana, no Brasil como em outros países, se celebra a festa dos avós. Como os avós são importantes na vida da família, para comunicar o patrimônio de humanidade e de fé que é essencial para qualquer sociedade! E como é importante o encontro e o diálogo entre as gerações, principalmente dentro da família”, acrescentou o Pontífice.
ACI Digital

quarta-feira, 25 de julho de 2018

São Tiago Maior, apóstolo e padroeiro da Espanha

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 25 de julho, a Igrejacelebra a festa de São Tiago Maior, um dos doze apóstolos escolhidos pelo Senhor e que é representado vestido como um peregrino ou como um soldado montado em um cavalo branco em atitude de luta. São Crisóstomo disse que ele foi o apóstolo mais ousado e corajoso.

O “filho do trovão”, como Jesus chamou a Tiago e a seu irmão São João Evangelista, é padroeiro da Espanha e de sua cavalaria, assim como dos peregrinos, veterinários, equitadores e de várias cidades do mundo. Algumas cidades inclusive levam o seu nome em países como Chile, República Dominicana, Cuba entre outros.
O nome de São Tiago vem das palavras Sant Iacob, do hebraico Jacob. Durante as batalhas, os espanhóis costumavam gritar “Sant Iacob, ajude-nos” e, ao dizê-lo rápido e repetitivamente, soava como São Tiago.
Foi testemunho com João e Pedro da transfiguração do Senhor no Monte Tabor, da pesca milagrosa e da oração de Jesus no Jardim do Getsêmani, entre as passagens mais representativas.
A tradição conta que chegou à Espanha para proclamar o Evangelho. A Catedral de Santiago de Compostela é considerada seu principal santuário, para onde milhares de pessoas peregrinam todos os anos, desejosos de percorrer o Caminho de Compostela.
Em 9 de novembro de 1982, quando São João Paulo II visitou esta catedral espanhola, fez um chamado à Europa para reavivar os “valores autênticos”, porque os outros continentes “olham para ti e esperam também de ti a mesma resposta que São Tiago deu a Cristo: ‘Eu posso’”.
“Eu, Sucessor de Pedro na Sé de Roma, uma Sé que Cristo quis colocar na Europa e que ama pelo seu esforço na difusão do Cristianismo no mundo; Eu, Bispo de Roma e Pastor da Igreja universal, de Santiago, te lanço, velha Europa, um grito cheio de amor: Volta a encontrar-te. Sê tu mesma. Descobre as tuas origens. Reaviva as tuas raízes”, expressou o santo polonês.
O apóstolo Tiago é conhecido também por ter preparado o caminho para que a Virgem Maria fosse reconhecida como um “Pilar” da Igreja.
O Papa Francisco, em fevereiro de 2014, ao refletir sobre os conflitos armados, assinalou que São Tiago nos dá um conselho simples: “Aproximem-se de Deus e Ele se aproximará de vocês”.
ACI Digital

São Cristóvão, padroeiro dos motoristas

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Jul. 18 / 06:00 am (ACI).- São Cristóvão de Licia é um mártir importante na história do cristianismo do Oriente e do Ocidente, que viveu durante o governo de Décio, terceiro imperador romano, por volta do ano 250 d.C.

Sua famosa lenda, que é conhecido sobretudo no Ocidente e poderia ter sido extraída da antiga mitologia grega conta que ele levou um menino, ao qual não conhecia, através de um rio antes que a criança revelasse a ele que era Cristo.
Seu nome em grego era “Christophoros” e significa “o portador de Cristo”. Desde o século IV foi representado com o menino Jesus sobre seus ombros e levando um cajado com folhas.
Era crença comum que bastava olhar para sua imagem para que o viajante se visse livre de todo perigo durante aquele dia. Por isso, é considerado padroeiro dos peregrinos, viajantes, motoristas e transportadores em geral.
Segundo a tradição, foi um homem de grande estatura e serviu como soldado do Império Romano; também se diz que tinha uma alma caritativa e tentava ajudar os cristãos presos.
Cristóvão foi batizado em Antioquia e se dirigiu sem demora a pregar a L icia e Samos. Ali, foi preso pelo rei, que estava às ordens do imperador Décio. Após resistir a abdicar de sua fé diante de várias tentativas de tortura, ordenou-se que fosse degolado. Segundo Gualterio de Espira, a nação Síria e o próprio rei se converteram a Cristo graças ao santo.
São Cristóvão é um santo muito popular e poetas como García Lorca e Antonio Machado o cantaram em suas estrofes inspiradas. Sua estátua, sempre colossal e gigantesca, decora muitas catedrais.
ACI Digital

São Charbel Makhlouf, exemplo de vida consagrada e mística

REDAÇÃO CENTRAL, 24 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- São Charbel Makhlouf foi um asceta e religioso do Líbano pertencente ao rito maronita e o primeiro santo oriental canonizado desde o século XIII.

Este santo nasceu em 8 de maio de 1828 em Beqaa-Kafra, o lugar habitado mais alto do Líbano. Cresceu com o exemplo dos seus tios, ambos eremitas. Aos 23 anos, deixou sua casa em segredo e entrou no mosteiro de Nossa Senhora de Mayfuq, tomando o nome de uma mártir sírio: Charbel.
Fez os votos solenes em 1853 e foi ordenado sacerdote em 1859 por Dom José Al Marid, sob o patriarcado de Paulo I Pedro Masad. Fixou como sua residência o mosteiro de São Maron, em Annaya, que se encontra a 1067 metros acima do nível do mar.
Padre Charbel viveu nessa comunidade por 15 anos, sendo um monge exemplar, dedicado à oração, ao apostolado e à leitura espiritual.
Tempos depois, sentiu o chamado à vida eremita e, em 13 de fevereiro de 1875, recebeu a autorização para coloca-la em prática. Desde esse momento até a sua morte em 1898, dedicou-se à oração (rezava 7 vezes por dia a Liturgia das Horas), à ascese, à penitência e ao trabalho manual. Comia uma vez por dia e permanecia em silêncio.
A única perturbação a sua oração vinha pela quantidade de visitantes que chegavam atraídos por sua reputação de santidade. Esses buscavam conselho, a promessa de oração ou algum milagre.
Foi beatificado pelo Papa Paulo VI em 5 de dezembro de 1965, durante o encerramento do Concílio Vaticano II, e sua canonização aconteceu em 9 de outubro de 1977, durante o Sínodo Mundial dos Bispos.
Sua devoção se estendeu no Líbano, mas também cruzou fronteiras até a América.
ACI Digital

domingo, 22 de julho de 2018

Início da Carta aos Magnésios, de Santo Inácio de Antioquia, bispo e mártir

(Nn.1,1-5,2: Funk 1,191-195)             (Séc.I)

Convém sermos cristãos não só de nome, mas de fato
Inácio, chamado também o Teóforo, à Igreja, santa pela graça de Deus Pai em Jesus Cristo, nosso salvador. Nele saúdo esta Igreja que está em Magnésia, junto ao Meandro, e desejo-lhe em Deus Pai e em Jesus Cristo plena salvação. 
Tomando conhecimento de vossa religiosa caridade perfeitamente ordenada, decidi, na exultação da fé de Jesus Cristo, vir falar convosco. Ornado com o nome mais glorioso nas cadeias que carrego, louvo as Igrejas. A elas desejo a união com a carne e o espírito de Jesus Cristo, nossa Vida sem fim, e a união na fé e na caridade. Nada há de preferível a isto, sobretudo a união com Jesus e o Pai; nele suportamos toda a violência do príncipe deste mundo, dele escapamos e, assim, alcançamos a Deus. 
Foi-me concedido o favor de vos encontrar através de Damas, vosso bispo, digno de Deus, e dos presbíteros Basso e Apolônio e também do meu companheiro de serviço, o diácono Zócion. Possa eu com ele conviver, porque é submisso ao bispo como à benignidade de Deus e ao presbitério como à lei de Jesus Cristo. 
Contudo, não vos convém usar de excessiva familiaridade para como bispo por causa de sua idade, mas em consideração ao poder de Deus Pai, mostrar-lhe todo o respeito. Como soube, os santos presbíteros não abusam da notável juventude dele, mas prudentes em Deus, obedecem-lhe. Ou melhor, obedecem não a ele, mas ao Pai de Jesus Cristo, o bispo de todos. Por isso, em honra daquele que nos ama, faz-se mister obedecer sem hipocrisia, pois não é a este bispo visível que alguém ilude, mas é ao invisível que tenta enganar. Tudo quanto se faz neste sentido não se refere à carne, mas a Deus que conhece todo o oculto. 
Convém, então, sermos cristãos não só de nome, mas de fato. Ora, há quem tenha o nome do bispo na boca, porém, tudo faz sem ele. Estes tais não me parecem possuir consciência reta, porque não se reúnem com lealdade, segundo o preceito.
Tudo terá um fim. Mas dois termos nos são propostos: a morte e a vida. Com efeito, cada um de nós irá para o próprio lugar. À semelhança de duas moedas, uma de Deus, outra do mundo, também cada qual tem a própria marca inscrita. Assim, os infiéis têm a marca deste mundo, enquanto os fiéis na caridade têm a marca de Deus Pai por Jesus Cristo. Se nossa vontade não estiver inclinada a morrer por ele, à imitação de sua paixão, também sua vida não estará em nós.

Responsório 1Tm 4,12b.16.b.15

R. Sê exemplo aos fiéis nas palavras, na conduta,
no amor, fé e pureza.
* Assim te salvarás e salvarás os que te ouvem.
V. Reflete sobre isso e persevera nessas coisas.
Seja a todos conhecido teu progresso espiritual.
* Assim te salvarás e salvarás os que te ouvem.

www.liturgiadashoras.org

16º Domingo do Tempo Comum: Cuidar com compaixão

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
A Liturgia da Palavra deste 16º Domingo do Tempo Comum ressalta o pastoreio do rebanho que pertence ao Senhor, convidando-nos a participar da missão. O Evangelho segundo S. Marcos nos apresenta a “compaixão” de Jesus diante da “numerosa multidão” que o procurava, cuja situação era semelhante à de “ovelhas sem pastor” (Mc 6,34).
O profeta Jeremias (Jr 23,1-6) censura os “pastores” por não cuidarem do rebanho, deixando as ovelhas se dispersarem e se perderem. Ao mesmo tempo, ele anuncia que Deus irá substituí-los por pastores capazes de tomar conta das ovelhas e fará surgir da descendência de Davi o pastor ideal que reinará com sabedoria, justiça e retidão, trazendo a salvação e a vida para o seu povo. Reconhecemos, nessa profecia, a promessa messiânica, pois ela se cumprirá plenamente em Jesus Cristo, o Bom Pastor que dá a vida pelas ovelhas.
Na Carta aos Efésios, São Paulo nos mostra que Jesus Cristo, pelo seu sangue derramado, une os que se encontravam divididos em um “só corpo” (Ef 2,16), isto é, num só rebanho. Ele derrubou o muro da inimizade que separava judeus e pagãos e fez deles um só povo. Tal imagem faz pensar no muro do templo de Jerusalém que impedia aos pagãos de ultrapassá-lo e de violar o espaço reservado aos judeus ou na própria Lei de Moisés interpretada erroneamente por mestres que excluíam os pagãos da salvação.  No mundo de hoje, marcado por tantas divisões e violências, necessitamos anunciar que Cristo “é a nossa paz” (Ef 2,14), promovendo a reconciliação e a unidade, aos que se encontram perto e aos que estão longe (Ef 2,17).
O Salmo 22 nos recorda que o rebanho pertence ao Senhor. É ele o verdadeiro pastor que a todos conduz, contando também com a nossa colaboração no cuidado pastoral do seu rebanho, conforme os diversos dons e vocações. Além da dedicação dos pastores, cada um é chamado a oferecer a sua colaboração no cuidado pastoral e na ação missionária da Igreja, testemunhando a “compaixão” diante dos que mais sofrem, através de gestos concretos. Cuidar das ovelhas sofridas com compaixão é missão a ser compartilhada por nós na Igreja. Cada um é também chamado a contribuir para que a paz e a reconciliação ofertadas por Jesus aconteçam na vida das pessoas, nas famílias e na sociedade.
Como fizeram os apóstolos, nós também nos reunimos com Jesus, na Celebração Eucarística, para contar a ele o que temos vivido e restaurar as nossas forças a fim de amar e servir os irmãos, cuidando com compaixão dos que mais sofrem.
O Povo de Deus/Arquidiocese de Brasília

Santa Maria Madalena, a primeira mulher que viu Cristo ressuscitado

REDAÇÃO CENTRAL, 22 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Santa Maria Madalena é uma das discípulas mais fiéis e que o Senhor escolheu para ser testemunha de sua ressurreição ante os apóstolos, do mesmo modo é exemplo para toda mulher da Igreja e da evangelização autêntica, isto é, de uma evangelizadora que anuncia a alegre mensagem central da Páscoa.

Em 2016, o Cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos no Vaticano, emitiu um decreto no qual, seguindo a vontade do Papa Francisco, estabeleceu-se que a memória litúrgica Santa Maria Magdalena fosse elevada à festa.
Referindo-se a ela, Bento XVI expressou em 2006 que “a história de Maria Madalena recorda a todos uma verdade fundamental: discípulo de Cristo é aquele que, na experiência da debilidade humana, teve a humildade de lhe pedir ajuda, foi por Ele curado e se pôs no seu seguimento de perto, tornando-se testemunha do poder do seu amor misericordioso, mais forte do que o pecado e a morte”.
Nos Evangelhos, fala-se de Maria Madalena, a pecadora (Lc 7,37-50); Maria Madalena, uma das mulheres que seguiram o Senhor (Jo 20,10-18); e Maria de Betânia, a irmã de Lázaro (Lc 10,38-42).
A liturgia romana identifica as três mulheres com o nome de Maria Madalena, assim como a antiga tradição ocidental desde a época de São Gregório Magno.
Maria Madalena seguiu Jesus até o Calvário e esteve diante do corpo falecido do Senhor. No domingo da Ressurreição, foi a primeira a ver o Cristo ressuscitado e teve a honra de ser enviada pelo Senhor para anunciar esta boa notícia aos discípulos.
Oração:
Ó Deus, o vosso filho confiou a Maria Madalena o primeiro anúncio da alegria pascal; dai-nos, por suas preces e a seu exemplo, anunciar também que Cristo vive e contemplá-lo na glória de seu reino. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
ACI Digital

sábado, 21 de julho de 2018

São Lourenço de Brindisi, enérgico pregador capuchinho

REDAÇÃO CENTRAL, 21 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- São Lourenço nasceu em Brindisi (Itália) em 1559. Desde pequeno se destacou nos estudos e por ter uma boa memória. Quando era adolescente, pediu para ingressar no convento dos capuchinhos, onde teve um diálogo interessante com o superior que o advertiu sobre a vida dura e austera que levaria.

“Padre, em minha cela haverá um crucifixo?”, perguntou o jovem. “Sim, terá”, respondeu o superior. “Pois isso me basta. Ao olhar Cristo Crucificado, terei forças para sofrer, por amor a Ele, qualquer padecimento”, disse o rapaz que, ao tomar o hábito religioso, recebeu o nome de Lourenço.
Como diácono, obteve muitas conversões à fé, graças a sua pregação. Tempos depois, ordenado sacerdote, o Papa Clemente VIII lhe pediu que trabalhasse na conversão dos judeus, missão na qual também se destacou, apoiado em seu conhecimento do hebraico. Certo dia, um sacerdote lhe perguntou qual era seu segredo para pregar e o santo respondeu:
“Em boa parte, deve-se à minha boa memória. Em outra boa parte, a que dedico muitas horas me preparando. Mas a causa principal é que encomendo muito a Deus minhas pregações e, quando começo a pregar me esqueço de todo o plano que tinha e começo a falar como se estivesse lendo em um livro misterioso vindo do céu”.
São Lourenço dormia sobre tábuas, levantava-se à noite para rezar salmos, jejuava com pão e verduras, fugia de receber honras e tentava estar sempre alegre e de bom humor com todos.
Na Alemanha, com o Beato Bento de Urbino, atendeu as vítimas de uma peste e fundou conventos em Praga, Viena e Gorizia. Mais tarde, São Lourenço foi eleito superior geral de sua ordem, mas com os anos, pediu para não ser reeleito, porque pensava que Deus o reservava para outros serviços.
A pedido do imperador Rodolfo II, foi e obteve a ajuda dos príncipes alemãs contra os turcos, chegando até mesmo a capelão geral do exército. Em uma campanha, discursou aos combatentes, foi à frente deles sem armas e com um crucifixo, e os turcos sofreram uma esmagadora derrota.
Diz-se que em seu regresso, o santo se deteve no convento de Gorizia, onde o Senhor apareceu a ele no coro e lhe deu a comunhão. Depois, serviu em várias missões diplomáticas que favoreceram à paz em diversas regiões da Europa.
Mais tarde, São Lourenço se retirou ao convento de Caserta e era frequentemente arrebatado em êxtase durante a celebração da Missa. Partiu para a Casa do Pai em 22 de julho de 1619, o mesmo dia do seu aniversário. Foi canonizado em 1881 e, em 1959, São João XXIII lhe outorgou o título de Doutor da Igreja.
ACI Digital

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Nossa Senhora do Carmo, a mais bela flor do jardim de Deus

REDAÇÃO CENTRAL, 16 Jul. 18 / 05:00 am (ACI).- Segundo a tradição, no dia 16 de julho de 1251, São Simão Stock, superior dos Carmelitas, encontrava-se em profunda oração rogando por seus religiosos perseguidos quando a Virgem lhe apareceu com o hábito da Ordem na mão e entregou-lhe o escapulário.

Tempos depois, a devoção a Nossa Senhora do Carmo foi florescendo e a espiritualidade carmelita se estendeu por vários lugares do mundo.
A festa de Nossa Senhora do Carmo, que se celebra a cada 16 de julho, é ainda símbolo do encontro entre a Antiga e a Nova Aliança, porque foi no monte Carmelo (vocábulo hebreu que significa jardim) onde o profeta Elias defendeu a fé do povo escolhido contra os pagãos.
Elias e Eliseu permaneceram no Monte Carmelo e com seus discípulos viveram de maneira contemplativa, como eremitas em oração. Em meados do século XII de nossa era, São Bertolo fundou a Ordem do Carmelo e vários sacerdotes foram viver no Carmelo como eremitas.
Por volta de 1205, Santo Alberto, patriarca de Jerusalém, entregou aos eremitas do Carmelo uma regra de vida, que foi aprovada pelo Papa Honório III em 1226. Eles tinham a missão de viver na forma de Elias e de Maria Santíssima, a quem veneravam como a Virgem do Carmo.
No século XIII, o Papa Inocêncio IV concedeu aos carmelitas o privilégio de ser incluídos entre as ordens mendicantes junto com os franciscanos e dominicanos. Os carmelitas passaram por algumas reformas, sendo a maior delas a realizada por Santa Teresa d´Ávila (Santa Teresa de Jesus) e São João da Cruz. Através dos séculos, esta espiritualidade deu muitos santos à Igreja.
Oração à Nossa Senhora do Carmo
Ó bendita e imaculada Virgem Maria, honra e esplendor do Carmelo! Vós que olhais com especial bondade para quem traz o vosso bendito escapulário, olhai para mim benignamente e cobri-me com o manto de vossa fraqueza com o vosso poder, iluminai as trevas do meu espírito com a vossa sabedoria, aumentai em mim a fé, a esperança e a caridade. Ornai minha alma com a graça e as virtudes que a tornem agradável ao vosso divino Filho. Assisti-me durante a vida, consolai-me na hora da morte com a vossa amável presença e apresentai-me à Santíssima Trindade como vosso filho e servo dedicado; e lá do céu, eu quero louvar-vos e bendizer-vos por toda a eternidade.
Nossa Senhora do Carmo libertai as benditas almas do purgatório. Amém!
ACI Digital

domingo, 15 de julho de 2018

Início do Tratado sobre os Mistérios, de Santo Ambrósio, bispo

(Nn.1-7: SCh25 bis, 156-158)                               (Séc.IV)

Catequese sobre os ritos anteriores ao batismo
Tivemos diariamente sermões sobre a conduta moral, quando foram lidos os atos dos patriarcas ou os preceitos do livro dos Provérbios. Assim instruídos, vos acostumaríeis a andar pelas vias dos antepassados, a pôr-vos no mesmo caminho e a obedecer às divinas escrituras. Uma vez renovados pelo batismo, viveríeis da maneira conveniente a cristãos.
Agora, já é tempo de falar sobre os mistérios e manifestar o conteúdo dos sacramentos. Antes do batismo, se pensássemos em insinuá-los a não iniciados, julgaríamos trair mais do que entregar. E também porque em pessoas sem ideia preconcebida, a luz dos mistérios se difunde melhor do que se precedida por alguma palavra.
Abri, pois, os ouvidos e senti o bom odor da vida eterna que se desprende para vós do dom dos sacramentos. Era isso que vos dávamos a conhecer, quando no momento do mistério da abertura dissemos: Efetha, isto é, abre-te, de modo que cada um que se aproximava da graça sabia o que lhe interrogariam e devia lembrar-se da resposta pronta. Cristo realizou este mistério, como lemos no evangelho, ao curar o surdo-mudo.
Em seguida, abriu-se para ti o santo dos santos e entraste no santuário do novo nascimento. Lembra-te da pergunta que te fizeram, reconhece o que respondeste. Renunciaste ao diabo e às suas obras, ao mundo e a suas pompas e delícias. Tua palavra está guardada não no túmulo dos mortos, mas no livro dos vivos.
Ali viste o levita, viste o sacerdote, viste o sumo-sacerdote. Não dês atenção aos indivíduos, mas à graça dos ministérios. Na presença de anjos falaste, como está escrito. Os lábios do sacerdote guardam a ciência e busca-se de sua boca a lei, porque é um anjo do Senhor onipotente. Não há ocultar, não há negar; é anjo quem anuncia o reino de Cristo, a vida eterna. Não leves em conta a aparência, mas o múnus. Atende àquilo que te entrega, pondera seu cargo e reconhece sua dignidade.
Tendo, pois, entrado, para veres teu adversário a quem julgaste dever renunciar frontalmente, tu te voltaste para o Oriente; quem renuncia ao demônio, converte-se para Cristo, contempla-o em face.

Responsório Tt 3,3.5b; Ef 2,3

R. Também nós outrora fomos insensatos,
incrédulos, errantes e maldosos,
movidos por malícia e por inveja,
dignos de ódio e uns aos outros nos odiando.
* Mas por amor, Deus nos salvou pelo batismo,
que nos renova e regenera pelo Espírito.
V. Todos nós antes vivíamos mergulhados
nos desejos da carnal concupiscência
e éramos, nós por natureza, filhos da ira.
* Mas por amor, Deus nos salvou pelo batismo,
que nos renova e regenera pelo Espírito.

www.liturgiadashoras.org

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF