Translate

domingo, 31 de março de 2019

4º Domingo da Quaresma: A Alegria do Perdão

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
O 4º Domingo da Quaresma é denominado “domingo da alegria” ou “Laetare”, palavra latina que se encontra no início da antífona de entrada da missa: “Alegra-te”. O motivo desta alegria nós encontramos na Liturgia da Palavra, especialmente, no Evangelho.
Nós louvamos a Deus, com alegria, porque ele libertou o seu povo da escravidão, conforme o livro de Josué. Nós nos alegramos porque, em Cristo, somos reconciliados com Deus e nos tornamos novas criaturas, segundo proclama São Paulo (2Cor 5,17-21). Nós exultamos de alegria porque Deus é Pai misericordioso, conforme nos ensina Jesus na parábola do Filho Pródigo (Lc 15,1-32).
Essa belíssima parábola deve ser meditada, rezada e vivida por cada um de nós, por cada família e por cada comunidade. Neste “domingo da alegria” e durante a semana, procuremos fazer a leitura orante do capítulo 15 do Evangelho segundo São Lucas, especialmente da parábola do Pai misericordioso. Nós somos convidados a voltar para a casa do Pai, que nos acolhe com o coração e os braços abertos, alegrando-se conosco. Ao mesmo tempo, somos chamados a ser misericordiosos como ele, estendendo a mão a quem necessita levantar-se, perdoando e acolhendo o irmão necessitado de reconciliação e de vida nova. Num mundo marcado por tantas divisões e formas de violência, procuremos promover a reconciliação. Sinta-se abraçado pelo Pai misericordioso, como o filho que retorna a casa, e estenda os braços para acolher o irmão que vive na condição do “filho pródigo”.
Contudo, somente quem faz a experiência da misericórdia do Pai, sentindo-se necessitado do perdão dele e dos irmãos, é capaz de ser misericordioso. O contexto em que a parábola é contada por Jesus faz pensar no modo como tratamos os irmãos que erram. Jesus estava sendo criticado pelos fariseus e mestres da Lei (Lc 15,2) por acolher os pecadores e fazer refeição com eles. A recusa do filho mais velho da parábola retrata bem a atitude amarga dos fariseus, muito diferente do modo de agir misericordioso do Pai.
Nesta Quaresma, faça a experiência da alegria que brota da misericórdia, do perdão e da reconciliação. Ser perdoado e perdoar são as fontes da verdadeira alegria que o Pai misericordioso nos oferece em abundância. Busque o perdão, de modo especial, por meio do Sacramento da Reconciliação. Em todas as Paróquias da Arquidiocese de Brasília, no período quaresmal, há o atendimento das confissões, contando com os padres do próprio Setor, segundo a programação local. Participe! Não deixe passar em vão o tempo da graça!
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

Papa Francisco explica por que não queria que lhe beijassem o anel

Papa Francisco durante a visita a Loreto – Foto: Captura de vídeo
Vaticano, 28 Mar. 19 / 04:20 pm (ACI).- Diante da polêmica causada pelo vídeo durante a viagem do Papa Francisco a Loreto (Itália), no qual não permitiu que alguns fiéis beijassem o seu anel, o diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, explicou que o motivo foi “por higiene”.
O Pontífice visitou o Santuário de Nossa Senhora de Loreto no dia 25 de março e, depois de celebrar a Missa, cumprimentou mais de cem pessoas por treze minutos. Durante a maior parte do tempo, permitiu que dezenas de fiéis beijassem o anel papal, também chamado pela tradição de "anel do pescador" em alusão a São Pedro.
No entanto, por 53 segundos, o Santo Padre evitou que alguns fiéis beijassem o anel, sem deixar de cumprimentar as pessoas.
Um vídeo deste breve momento foi divulgado nas redes sociais e na imprensa internacional, gerando uma série de comentários, muitos deles negativos.
No início de uma coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 28 de março, Gisotti informou que perguntou ao Santo Padre por que ele não queria que lhe beijassem o anel. "A razão é muito simples: por higiene", indicou o porta-voz do Vaticano.
Nesse sentido, o porta-voz vaticano explicou que, quando há longas filas de pessoas, "há risco de contágio entre as pessoas", o que não acontece quando há um grupo pequeno, e citou como exemplo a última quarta-feira, quando, depois da Audiência Geral, Ir. Maria Concetta, uma religiosa idosa que trabalha na África, lhe beijou o anel.
O diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé recordou que todos sabem que "o Papa ama abraçar as pessoas e se deixar abraçar pelo povo".
ACI Digital

Quarto Domingo da Quaresma

REDAÇÃO CENTRAL, 31 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 31 de março, a Igreja celebra o quarto Domingo da Quaresma. No Evangelho de hoje, retirado de Lucas 15,1-3.11-32, Jesus conta a parábola do Filho Pródigo.

A seguir, leia e reflita o Evangelho deste quarto Domingo da Quaresma:
Lc 15,1-3.11-32
Naquele tempo, os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. Então Jesus contou-lhes esta parábola:
“Um homem tinha dois filhos. O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles.
Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade.
Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o, e cobriu-o de beijos.
O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa.
O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo.
O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado’”.
ACI Digital

sábado, 30 de março de 2019

Na Quaresma, evitar a Idolatria, procurar o Deus Vivo

Cidade do Vaticano (Sexta-feira, 29-03-2019, Gaudium Press) A primeira atividade de Francisco no dia de hoje foi participar da terceira Pregação de Quaresma proferida pelo pregador oficial da Casa Pontifícia, o Franciscano capuchinho Frei Raniero Cantalamessa, na Sala Redempitoris Mater, no Vaticano.
Na Quaresma, evitar a Idolatria, procurar o Deus Vivo1.jpeg
Ele continuou desenvolvendo a temática central das suas meditações quaresmais "Voltar para dentro de si".

Cantalamessa afirmou que, quando nos despertamos de manhã, sabemos que Deus está ao nosso lado: "nele nos movemos, respiramos e existimos", como diz São Paulo. E, como diz as Escrituras, nosso espírito também precisa despertar:
"Chegou o tempo de vos despertar do sono!"
Idolatria e Busca do Deus Vivo
Nesta Quaresma, nós também devemos continuar na busca do Deus vivo.
Deus "vivo" é definido assim na Bíblia para distingui-lo dos ídolos, que são coisas mortas.
O Pregador afirmou que a luta contra a idolatria não terminou.
A idolatria ainda existe. Os ídolos apenas mudaram de nome, mas estão mais presentes do que nunca entre nós: São muitos os "bezerros de ouro" que se escondem dentro de nós!
Ateísmo Moderno e Conversão Pessoal
Na idolatria, o homem não "aceita" Deus, mas se faz "deus". Esta é também a situação no Ocidente.
O ateísmo moderno começou com a famosa máxima de Feuerbach:
"Não foi Deus quem criou o homem à sua imagem, mas foi o homem que criou Deus à sua imagem". Este "deus! é produzido pela mente humana. Mas, de qual "deus" se trata?
Certamente não é o "Deus vivo da Bíblia", mas um seu substituto, diz o Frei Cantalamessa.
O ateísmo moderno não tem nada a ver com o Deus dos cristãos.
Mas, - disse - não estamos aqui, hoje, para falar e combater o ateísmo moderno, mas para fazer um caminho de conversão pessoal, como aconteceu com o Apóstolo Paulo, que, de fariseu, se tornou cristão.
Pecado de idolatria e Milagre da Conversão
O Espírito Santo abre nossos olhos diante do pecado de idolatria e de impiedade. Assim, acontece o milagre sempre novo da conversão: endireitar nossos caminhos e voltar para Deus.
Se eu me colocar do lado de Deus, contra o meu egoísmo, serei seu aliado no combate ao inimigo.
O nosso "eu" está destinado a morrer. Mas, não se trata de uma morte, mas de um nascimento:
"Quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas quem perder a sua vida, por minha causa, a salvará".
O Pregador da Casa Pontifícia concluiu sua terceira meditação de Quaresma, afirmando:
"Na medida em que o homem velho morre, nasce o novo homem, criado, segundo Deus, em justiça e verdadeira santidade".
Que Deus nos ajude a empreender sempre um novo caminho de vida, que é a nossa conversão, desejou Cantalamessa. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Vatican News)
Gaudium Press

São João Clímaco, monge e mestre espiritual

REDAÇÃO CENTRAL, 30 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- São João Clímaco foi um monge cristão, mestre espiritual e autor do livro “Escada do Paraíso”, que chegou a ser muito popular na Idade Média. O nome desta obra é a fonte do nome deste santo, já que é uma transliteração latina do termo grego klímakos, que significa “da escada”.

O santo “da escada” nasceu na Palestina em 575 e sua vida se desenvolveu quando Bizâncio, capital do Império romano do Oriente, estava em decadência ante as invasões bárbaras e a perda de território
Desde muito pequeno, formou-se lendo os livros de São Gregório Nazianzeno e São Basílio. Aos 16 anos, decidiu ser monge e partiu para o Monte Sinais (Egito).
Segundo os escritos do monge Daniel de Raito, Clímaco teve como mestre o abade Martírio (superior do mosteiro) e, depois de quatro anos de preparação, foi admitido como religioso.
Aos 20 anos, escolheu viver como eremita em uma gruta aos pés de um monte localizado a oito quilômetros do atual mosteiro de Santa Catarina (Monte Sinais).
Desde então, dedicou-se por 40 anos à meditação da Bíblia, oração e alguns trabalhos manuais. Assim, tornou-se um dos maiores sábios da Bíblia e diretor espiritual de dezenas de monges no Oriente.
Em sua velhice, os monges o elegeram abade do mosteiro do Monte Sinais. Naquele tempo, escreveu diversos textos e a “Escada do Paraíso”, um tratado de vida espiritual que descreve o caminho do monge desde a renúncia ao mundo até a perfeição do amor.
No livro, distingue-se três fases sucessivas para alcançar esta perfeição do amor: a primeira é a ruptura com o mundo a fim de voltar ao estado de infância evangélica; a segunda é constituída pela combate espiritual contra as paixões; e a terceira é a perfeição cristã.
São João Clímaco morreu por volta do ano 650. A Igreja o comemora no dia 30 de março.
ACI Digital

segunda-feira, 25 de março de 2019

Anunciação do Senhor, o “sim” de uma mulher que mudou a história

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 25 de março, a Igreja celebra a Solenidade da Anunciação, recordando um fato que mudou a história da humanidade, quando Maria deu seu “sim” corajoso a Deus, concebendo desde aquele momento Jesus e tornando-se a protetora do Menino que um dia nasceria e salvaria o mundo.

“Disse-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, porque a Deus nenhuma coisa é impossível. Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela” (Lc 1,35-38).
A Solenidade da Anunciação é celebrada nove meses antes do Natal. Ao analisar a história, pode-se perceber que não foi fácil para Maria. Ela estava comprometida com José e certamente esta decisão de conceber o Filho de Deus trouxe instabilidade.
Tanto que o justo José decidiu repudiá-la em segredo para que os dois não tivessem muitos problemas. Além disso, Maria era jovem e pobre, mas confiava na Providência de Deus.
Por isso, o Senhor interveio e o anjo falou a José em sonho e ele aceitou o plano de Deus, obtendo o privilégio de ser pai de Jesus na terra e de formar a Sagrada Família com Maria.
No Evangelho de hoje (Lc 1,26-38) se aprecia o diálogo do mensageiro de Deus com a Virgem. Não foi uma imposição, mas uma proposta à qual Maria poderia ter dito não. Mas, a “bentida entre todas as mulheres” aceitou e realizou-se o milagre da Encarnação do Filho de Deus.
Desde aquele momento, Maria teve Jesus em seu ventre, não aos três meses ou quando o embrião tinha forma humana, mas desde a concepção. Por isso, esta é mais uma razão pela qual a Igreja defende o bebê desde o primeiro instante de vida.
ACI Digital

domingo, 24 de março de 2019

3º Domingo da Quaresma: Frutos de Conversão

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
A passagem do Evangelho segundo Lucas (Lc 13,1-9) ressalta a misericórdia de Deus e, ao mesmo tempo, a urgência da conversão. A parábola da figueira, em Lucas, põe em relevo a misericórdia e a paciência daquele que a havia plantado, pois, ao invés de cortá-la por não dar frutos, permanece à espera da colheita. Contudo, não se trata de uma espera inoperante. Era preciso “cavar em volta dela e colocar adubo”. O senhor misericordioso da vinha, onde estava plantada a figueira, é figura do próprio Deus, conforme rezamos hoje, no Salmo de meditação: “O Senhor é bondoso e compassivo!” (Sl 102).  A imagem da figueira, símbolo do Povo de Deus, pode ser aplicada a cada um de nós. Deus, que nos criou e nos cultivou com tanto amor, está à espera paciente de frutos que correspondam à sua vontade.
Nesta Quaresma, Deus nos oferece uma nova oportunidade de produzir frutos. Para tanto, é preciso cuidar do terreno onde estamos plantados e de nossas raízes.  Em qual terreno estamos plantados, isto é, em quais ambientes vivemos? Há ambientes que nada têm a ver com a “vinha” do Senhor, pois dificultam ou impedem o cristão dar os frutos esperados por Deus. A figueira estava plantada na vinha do Senhor e não em qualquer lugar. Na Igreja, novo Povo de Deus, encontramos o terreno e os meios que nos ajudam a crescer e a frutificar. O “adubo”, a que se refere o Evangelho, nos faz pensar sobre aquilo que tem nos alimentado espiritualmente. O adubo serve para tornar fértil. Na vida cristã, a oração, a penitência, a Palavra de Deus e a Eucaristia, dentre outros meios, nos tornam espiritualmente fecundos, capazes de produzir bons frutos.
Ao mesmo tempo, o Evangelho refere-se à urgência da conversão, perante o comentário das pessoas sobre dois trágicos episódios ocorridos: os galileus que haviam sido mortos e as vítimas da queda da torre de Siloé.  Diante daqueles fatos trágicos, muitos cometiam o erro de condenar as vítimas considerando-as como pecadores e de se acharem melhores do que eles. A resposta de Jesus exige a conversão de todos para terem a vida. A conversão nos leva a caminhar na vida. A recusa de converter-se, permanecendo no pecado, conduz à morte. Embora haja situações de pecado que provocam até a morte física, o Evangelho faz pensar na morte no sentido espiritual. Jesus veio para que todos tenham vida e a tenham plenamente. Quaresma é tempo especial de conversão, que implica na superação do pecado e na experiência da vida nova, em Cristo. A vigilância sobre os frutos que estamos produzindo é para todos: “Quem julga estar de pé, tome cuidado para não cair!” (1Cor 10,12).
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

Terceiro Domingo da Quaresma

REDAÇÃO CENTRAL, 24 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 24 de março, a Igreja celebra o terceiro Domingo da Quaresma. O Evangelho de hoje corresponde à leitura de Lucas 13,1-9, na qual Jesus conta a parábola da figueira e faz um chamado à conversão

A seguir, leia e reflita o Evangelho deste terceiro domingo da Quaresma:
Lc 13,1-9
Naquele tempo, vieram algumas pessoas trazendo notícias a Jesus a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado, misturando seu sangue com o dos sacrifícios que ofereciam. Jesus lhes respondeu: “Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem sofrido tal coisa? Eu vos digo que não. Mas se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo.
E aqueles dezoito que morreram, quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensais que eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? Eu vos digo que não. Mas, se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”. E Jesus contou esta parábola: “Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi até ela procurar figos e não encontrou. Então disse ao vinhateiro: ‘Já faz três anos que venho procurando figos nesta figueira e nada encontro. Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?’
Ele, porém, respondeu: ‘Senhor, deixa a figueira ainda este ano. Vou cavar em volta dela e colocar adubo. Pode ser que venha a dar fruto. Se não der, então tu a cortarás’”.
ACI Digital

sábado, 23 de março de 2019

São Turíbio de Mogrovejo, padroeiro do Episcopado latino-americano

REDAÇÃO CENTRAL, 23 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- No dia 23 de março é celebrada a festa de São Turíbio de Mogrovejo, padroeiro do Episcopado latino-americano e chamado “Santo Padre da América”. Defendeu os indefesos e explorados durante a colônia espanhola na América e convocou vários sínodos e concílios que renderam bons frutos ao Vice-reino do Peru.

Crismou Santa Rosa de Lima, São Mantinho de Lima e São João Macías e contou com o apoio do missionário São Francisco Solano.
Turíbio Afonso de Mogrovejo nasceu na Espanha por volta de 1538. Estudou direito e foi professor na Universidade de Salamanca. Sendo leigo, o rei Felipe II o nomeou juiz principal da Inquisição em Granada.
Por suas qualidades humanas e sua virtude, o rei o propôs ao Papa Gregório XIII como Arcebispo de Lima, que naquela época correspondia agrande parte da América do Sul hispânica. Embora humildemente São Turíbio tenha resistido, com dispensa papal, recebeu as ordens menores e maiores, sendo consagrado Bispo em 1580.
Embarcou para a América e, ao chegar ao Peru, imediatamente se preocupou em restaurar a disciplina eclesiástica e enfrentou abertamente os conquistadores, pessoas de poder, assim como sacerdotes que tinham cometido ou permitido abusos contra os nativos.
Isso fez com que fosse perseguido pelo poder civil e que o caluniassem, mas ele seguiu em sua defesa pelos pobres, argumentando que a quem sempre se devia agradar era a Cristo e não ao Vice-rei.
Construiu igrejas, conventos, hospitais e abriu o primeiro seminário na América Latina que se mantém até hoje. Estudou as línguas e dialetos locais para poder estar mais próximo de seus fiéis e comunicar-se com eles, o que favoreceu no incremento das conversas.
A fim de evangelizar, viajou por cidades e lugares afastados, caminhando ou a cavalo, muitas vezes sozinho e expondo-se às doenças e aos perigos. Certo dia, um mendigo se aproximou dele e, como não tinha o que lhe dar, o santo lhe entregou sua camisa.
Convocou três concílios ou sínodos provinciais e ordenou imprimir o catecismo em quéchua e aymara. Além disso, celebrou treze sínodos diocesanos que ajudaram ao cumprimento das normas do Concílio de Trento e à independência da Igreja em relação ao poder civil.
Aos 68 anos, São Turíbio ficou doente e partiu para a Casa do Pai, na Quinta-feira Santa, 23 de março de 1606. Em seu testamento, deixou a seus empregados seus bens pessoais e aos pobres o resto de suas propriedades. São João Paulo II o declarou padroeiro do Episcopado latino-americano.
ACI Digital

sexta-feira, 22 de março de 2019

CANADÁ: Cerca de 9 mil igrejas fecharão neste país nos próximos anos por diminuição de fiéis

Imagem referencial. Foto: Pixabay / Domínio público
OTTAWA, 22 Mar. 19 / 12:30 pm (ACI).- O Canadá era um país religioso até algumas décadas atrás; no entanto, a baixa frequência de fiéis em muitas igrejas em todo o país está causando o fechamento de um terço delas.
De acordo com a organização caritativa nacional do país ‘National Trust for Canada", dedicada à preservação e renovação de lugares históricos, estima-se que nos próximos dez anos, cerca de nove mil igrejas seriam fechadas devido ao baixo número de pessoas que formam as congregações e os altos custos para a reparação de antigos templos.
"É provável que alguns dos edifícios sejam vendidos, enquanto outros serão simplesmente demolidos. Enquanto muitos estão preocupados com a perda de locais sagrados, outros estão tão preocupados com a perda de edifícios históricos", afirmou o chefe de ‘National Trust for Canada’, Robert Pajot.
Pajot disse à CBC que "não são apenas edifícios. O impacto vai além da perda de um patrimônio em comunidade", pois os locais de fé fomentaram a vida comunitária por gerações, assim como a formação de laços de convivência nas cidades e povoados.
"Há um sentimento de que uma perda mais profunda está ocorrendo nas cidades e povoados afetados por esses fechamentos. Em particular, perderão um senso de comunidade que apareceu ao longo do tempo e foi fomentado nas igrejas", expressou.
Considerou que as igrejas são os centros de encontro em muitos povoados, onde são realizadas reuniões, casamentos, funerais e todos os tipos de outros serviços. Como resultado do fechamento, todos eles se afastarão junto com a possibilidade de continuar criando novas recordações no local.
Indicou também que "para muitos é um momento triste que será difícil de manejar para as comunidades que usavam os locais como centros comunitários. Outros veem esta mudança como uma oportunidade para deixar o passado ir embora e recuperar áreas e edifícios que poderiam ser usados de maneira mais eficaz para ajudar a servir às comunidades”.
Algumas igrejas tentaram se modernizar compartilhando seus espaços eclesiais com outros grupos, a fim de permanecer em pé e em ordem. No entanto, isso gerou controvérsia, considerando que pode se tornar um lugar menos sagrado por ser palco de eventos não religiosos.
ACI Digital

terça-feira, 19 de março de 2019

São José, modelo de pai e esposo

REDAÇÃO CENTRAL, 19 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- São José teve o privilégio de ser esposo de Nossa Senhora, de criar o Filho de Deus e de ser a cabeça da Sagrada Família. É considerado patrono da Igreja Universal, de uma infinidade de comunidades religiosas e também da boa morte. A festa do santo mais próximo de Jesus e Maria se celebra neste dia 19 de março.

“José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados” (Mt 1, 20-21), disse o anjo em sonhos ao “justo” São José.
São José é conhecido como o “santo do silêncio” porque não é conhecido por palavras pronunciadas por ele, mas sim por suas obras, sua fé e seu amor por Jesus e em seu santo matrimônio.
Conta a tradição que doze jovens pretendiam se casar com Maria e que cada um levava um bastão de madeira muito seca na mão. De repente, quando a Virgem tinha que escolher entre todos eles, o bastão de José milagrosamente floresceu. Por isso é representado com um ramo florescido.
Junto a Maria, São José também teve que sofrer a falta de pousada em Belém, ver o amor de sua vidadar à luz em um estábulo e ter de fugir ao Egito, como se fossem delinquentes, para que Herodes não matasse o menino. Mas, soube enfrentar tudo isto confiando na Providência de Deus.
Com seu ofício de carpinteiro, não pôde comprar os melhores presentes para seu filho Jesus ou garantir que recebesse a melhor educação, mas o tempo que dedicou para atendê-lo e ensinar-lhe sua profissão foram mais que suficientes para que o Senhor conhecesse o carinho de um pai, que também é capaz de deixar tudo para ir em busca do filho perdido.
O casto esposo de Maria é considerado também Patrono da boa morte porque teve a sorte de morrer acompanhado e consolado por Jesus e Nossa Senhora. Foi declarado Patrono da Igreja Universal pelo Papa Pio IX em 1847.
Uma das que mais propagou a devoção a São José foi Santa Teresa D’Ávila, que foi curada por sua intercessão de uma terrível enfermidade que quase a deixou paralisada e que era considerada incurável. A santa rezou com fé a São José e obteve a cura. Logo costumava repetir:
“Parece que outros santos têm especial poder para solucionar certos problemas. Mas, a São José, Deus concedeu um grande poder para ajudar em tudo”.
No final de sua vida, a santa carmelita ressaltou: “Durante 40 anos, a cada ano, na festa de São José, pedi uma graça ou favor especial e não me falhou nenhuma só vez. Eu digo aos que me escutam que façam o ensaio de rezar com fé a este grande santo e verão quão grandes frutos vão conseguir”.
ACI Digital

segunda-feira, 18 de março de 2019

São Cirilo de Jerusalém, Bispo e Doutor da Igreja

REDAÇÃO CENTRAL, 18 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- São Cirilo foi Bispo de Jerusalém (século IV) e Doutor da Igreja. É recordado pela tradição por ter estado presente no grande Concílio de Constantinopla (segundo Concílio Ecumênico) e ser fiel defensor da doutrina católica contra a heresia ariana.

Neste concílio, foi chamado “corajoso lutador para defender a Igreja dos hereges que negam as verdades de nossa religião”.
O santo nasceu perto de Jerusalém no ano 315. Segundo a tradição, foi ordenado sacerdote pelo Bispo de Jerusalém São Máximo, que lhe encomendou a tarefa de instruir os catecúmenos: tarefa que realizou por muitos anos.
No ano 348, Cirilo se tornou o novo Bispo de Jerusalém por um período de 35 anos, dos quais 16 permaneceu exilado devido aos seus escritos e discursos catequéticos que continham parte dos ensinamentos e ritos da Igreja de meados do século IV.
Esses textos denominados “Catequeses” lhe renderam, séculos mais tarde, o título de Doutor da Igreja pelo Papa Leão XIII. São 18 sermões pronunciados em Jerusalém sobre penitência, pecado, batismo e Credo para instruir os recém-batizados na fé. Além disso, dão detalhes da Eucaristia, insistindo que Cristo está presente na Santa Hóstia.
Também descreve de modo interessante a descoberta da cruz e da rocha que fechava o Santo Sepulcro.
Quando regressou depois de 11 anos de seu último exílio, encontrou Jerusalém cheia de discórdia e divisões, por isso, decidiu trazer novamente ao caminho do Evangelho a seu povo, o qual tinha caído em diversas heresias.
Acredita-se que São Cirilo faleceu em Jerusalém no ano 386. Em 1882, o Sumo Pontífice o declarou Doutor da Igreja. Sua festa é celebrada neste dia 18 de março.
ACI Digital

domingo, 17 de março de 2019

Suzano: Papa Francisco convida a promover a cultura da paz

brazil-crime-shooting-school-1552573551784.jpg
Diante desta “abominável tragédia”, o Papa convida a promover a “cultura da paz com o perdão, a justiça e o amor fraterno, como Jesus nos ensinou“. O Pontífice reza pela recuperação dos feridos e concede a todos a sua benção apostólica.

Cidade do Vaticano
“Profundamente entristecido”, o Papa Francisco enviou um telegrama ao bispo de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, manifestando sua solidariedade e conforto espiritual às famílias atingidas pelo “insano ataque” à escola Raul Brasil.
Diante desta “abominável tragédia”, o Papa convida a promover a “cultura da paz com o perdão, a justiça e o amor fraterno, como Jesus nos ensinou“. O Pontífice reza pela recuperação dos feridos e concede a todos a sua benção apostólica.
O telegrama assinado pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, foi lido ao final da celebração eucarística realizada em Suzano.
Eis o texto do telegrama:

«EXMO. E REVMO.
DOM PEDRO LUIZ STRINGHINI
BISPO DE MOGI DAS CRUZES

PROFUNDAMENTE ENTRISTECIDO PELA NOTÍCIA DO INSANO ATAQUE CONTRA ALUNOS, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA ESTADUAL RAUL BRASIL, NA CIDADE DE SUZANO, SUA SANTIDADE O PAPA FRANCISCO DESEJA ASSEGURAR ATRAVÉS DE VOSSA EXCELÊNCIA REVMA. SOLIDARIEDADE E CONFORTO ESPIRITUAL ÀS FAMÍLIAS QUE PERDERAM SEUS ENTES QUERIDOS, AO MESMO TEMPO QUE ELEVA ORAÇÕES PELA RECUPERAÇÃO DOS FERIDOS. O SANTO PADRE CONVIDA A TODOS, DIANTE DESTA ABOMINÁVEL TRAGÉDIA, A PROMOVER A CULTURA DA PAZ COM O PERDÃO, A JUSTIÇA E O AMOR FRATERNO, COMO JESUS NOS ENSINOU. COMO PENHOR DE CONFORTO, O PAPA FRANCISCO CONCEDE ÀS PESSOAS ATINGIDAS POR ESTE LUTO E QUANTOS PARTICIPAM NA MISSA DE EXÉQUIAS A BÊNÇÃO APOSTÓLICA

CARDEAL PIETRO PAROLIN
SECRETÁRIO DE ESTADO DE SUA SANTIDADE».

VaticanNews

São José - Vitória do Bem sobre o Mal

Redação (Sexta-feira, 15-03-2019, Gaudium Press) Vindo a este mundo o Verbo encarnado teria contra si o ódio do demônio e dos maus.
Em sua infinita sabedoria, qual seria a solução excogitada por Deus para proteger seu Filho Jesus nessa luta do bem contra o mal?
Em seu livro "São José: Quem o conhece?", Monsenhor João Clá Dias fala da solução encontrada.
Vejamos o que ele diz:
São José-vitória do bem sobre o mal.jpg
"Ao enviar seu Filho ao mundo, o Pai bem sabia que Ele estaria cercado do ódio desenfreado e mortal dos maus, como evidenciará o sangrento episódio do martírio dos Santos Inocentes ordenado por Herodes.
Entretanto, não O fez nascer num inexpugnável castelo construído sobre a rocha, não O muniu de exércitos numerosos e disciplinados, nem Lhe concedeu uma companhia de guardas que O escoltassem.
As soluções de Deus são sempre mais belas!
O pequeno Jesus já estava amparado pelo afeto da melhor das mães, mas para defendê-Lo de tantos riscos um só homem foi escolhido:
José, a quem o próprio Padre Eterno elegeu para ser, nesta terra, o pai virginal de Jesus. Ele será o braço forte do Todo-Poderoso para custodiar e salvar dos mais variados perigos o Filho de Deus e sua Mãe Santíssima.
Por isso, São José foi um varão dotado de altíssima sabedoria, de vigor indomável e de ilibada inocência.
Ninguém, em toda a História, aliou como ele a mais fina esperteza à mais íntegra pureza, constituindo-se em peça chave da vitória do bem sobre o mal."
(Mons. João Clá Dias - in "São José: Quem o conhece?")

2º Domingo da Quaresma: Orar E Escutar O Que Jesus Diz

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
A Liturgia da Palavra nos convida a escutar Jesus Cristo, nesta Quaresma, tempo especial de conversão em preparação para a Páscoa. No centro da passagem da Transfiguração encontra-se o convite do Pai para escutar a voz de Jesus Cristo. “Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que Ele diz!” (Lc 9,35). Esta é a atitude fundamental a ser cultivada ao longo de todo o ano, especialmente, nesta Quaresma: escutar a voz de Jesus Cristo! Este é o caminho para que a “transfiguração” aconteça na vida das pessoas, das famílias e da sociedade, tantas vezes, desfiguradas pelas situações de pecado e de sofrimento que se abatem sobre tantos. Para isso, precisamos ser discípulos e discípulas que se disponham a subir a montanha “para rezar” (Lc 9,28), conforme ressalta a narrativa e Lucas.
Antes da Transfiguração, Jesus havia feito o anúncio de sua paixão e morte (Lc 9,22), convidando os seus discípulos a tomarem a cruz e segui-lo. A contemplação de Cristo transfigurado deveria animar a fé dos discípulos e prepará-los para subir o monte Calvário, isto é, para participar da paixão e abraçar a cruz.
S. Lucas ressalta ainda que os discípulos subiram a montanha, conduzidos por Jesus Cristo. Ele os “levou consigo” (Lc 9,28). O discípulo não sobe sozinho o monte da Transfiguração; não realiza tal experiência por si mesmo. “Sobe” porque o Senhor o “tomou consigo”, isto é, pela gratuidade do amor de Deus. A graça de Deus precede e acompanha a subida.
Abraão e Paulo são modelos a serem imitados. Deixar-se conduzir por Deus, nele confiando sempre, é a atitude permanente dos discípulos de Jesus, testemunhada, muito antes, por Abraão. Ele “teve fé no Senhor” (Gn 15,5). O exemplo de Abraão continua a ecoar ao longo da história, motivando-nos a caminhar rumo a uma vida nova, sustentados pela fé. Paulo também é modelo pelo caminho da cruz que escolheu percorrer, animado pelos mesmos sentimentos de Cristo, ao contrário dos que “se comportam como inimigos da cruz de Cristo” (Fl 3,18s). Quem crê em Deus não se instala numa vida cômoda; ao contrário, deixa-se interpelar por ele nas diversas circunstâncias, procurando discernir a sua vontade. Para tanto, são muito necessários os momentos de oração, de meditação da Palavra e de contemplação da presença amorosa de Deus na vida.
Aproveite este Tempo Quaresmal para rezar mais e escutar o que Jesus nos diz, lendo e meditando o seu Evangelho. Reze e medite o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus através da Via-Sacra. Participe melhor da Eucaristia e prolongue a atitude de oração na vida cotidiana. Tenha uma frutuosa Quaresma!
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

Papa explica em que consiste a visão cristã do sofrimento: Segundo Domingo da Quaresma

Papa Francisco durante a oração do Ângelus. Foto: Captura de Youtube
Vaticano, 17 Mar. 19 / 09:37 am (ACI).- “O sofrimento não é sadomasoquismo, é uma passagem necessária, mas transitória”. Com essas palavras o Papa Francisco explicou, durante a oração do Ângelus neste segundo domingo da Quaresma, em que consiste a perspectiva cristã do sofrimento.
O Santo Padre dedicou suas palavras para refletir sobre o episódio evangélico da Transfiguração. Francisco explicou que “Jesus concedeu aos discípulos Pedro, Tiago e João experimentar a glória da Ressurreição: um pedaço do céu na terra”.
Assinalou que “a Transfiguração se realiza em um momento singular da missão de Cristo, isto é, depois de confiar aos discípulos que deveria sofrer, morrer e ressuscitar no terceiro dia”.
“Jesus sabe que eles não aceitam essa realidade e, por isso, quer prepara-los para suportar o escândalo da Paixão e da morte na Cruz, porque sabe que esse é o caminho por meio do qual o Pai celeste levará à Glória o seu Filho eleito: ressuscitando-o dos mortos”.
Esse caminho “também será o caminho dos discípulos: ninguém alcança a vida eterna senão seguindo Jesus, carregando a própria cruz na vida terrena”.
Portanto, explicou, “a Transfiguração de Cristo nos mostra a perspectiva cristã do sofrimento: não é sadomasoquismo, é uma passagem necessária, mas transitória. O ponto de chegada ao qual somos chamados é luminoso como o rosto de Cristo transfigurado: Nele está a salvação, a bem-aventurança, a luz, o amor de Deus sem limites”.
“Mostrado sua glória – continuou Francisco –, Jesus nos garante que a cruz, as provações, as dificuldades nas quais nos debatemos têm a sua solução e a sua superação na sua Páscoa”.
Por isso, “nesta Quaresma, subamos também nós a montanha com Jesus! De que modo? Com a oração. A oração silenciosa, a oração do coração, a oração sempre buscando o Senhor. Permaneçamos alguns momentos em recolhimento, todos os dias um pouquinho, fixemos o olhar interior no seu rosto e deixemos que a sua luz nos adentre e se irradie na nossa vida”.
“Quantas vezes encontramos pessoas que iluminam, que emanam luz dos olhos, que têm aquele olhar luminoso! Rezam e a oração faz isto: nos faz luminosos com a luz do Espírito Santo”, destacou Francisco.
O Papa finalizou sua reflexão antes do Ângelus incentivando a dar “espaço à oração e à Palavra de Deus que, abundantemente, a liturgia nos propõe nestes dias”.
ACI Digital

Segundo Domingo da Quaresma

REDAÇÃO CENTRAL, 17 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste domingo, 17 de março, a Igreja celebra o segundo Domingo da Quaresma. O Evangelho do dia corresponde à leitura de Lucas 9,28b-36, que relata o momento da Transfiguração do Senhor, quando os discípulos puderam ter uma experiência da glória de Cristo.

A seguir, leia e reflita o Evangelho deste segundo domingo da Quaresma:
Lc 9,28b-36
Naquele tempo, Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante. Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém.
Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele.
E, quando estes homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom  estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que estava dizendo.
Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem.
Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”
Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.
ACI Digital

São Patrício, Padroeiro da Irlanda

REDAÇÃO CENTRAL, 17 Mar. 19 / 06:00 am (ACI).- “Eu era como uma pedra em uma profunda mina; e aquele que é poderoso veio e, em sua misericórdia, levantou-me e me colocou sobre uma parede”, dizia São Patrício, Padroeiro da Irlanda, cuja festa se celebra neste dia 17 de março.

Este santo também goza de grande devoção em Nova Iorque (Estados Unidos), onde todos os anos é homenageado com as cores verdes.
São Patrício nasceu na Grã-Bretanha por volta de 385. Sendo ainda jovem, foi raptado por piratas irlandeses e vendido como escravo na Irlanda. Quando recuperou a liberdade, seguiu para a Grã-Bretanha e depois para a Gália (atual França), onde frequentou mosteiros e se habilitou para a vida monástica e missionária. Seguiu o caminho do sacerdócio e mais adiante chegou a ser Bispo na Irlanda, levando em sua alma piedosa o desejo de evangelizar aquela nação pagã.
Em sua linguagem simples para evangelizar, costumava explicar que assim como as três folhinhas de um trevo fazem uma folha, da mesma forma Pai, Filho e Espírito Santo formam um só Deus verdadeiro.
Até hoje, por conta desse ensinamento do santo, os irlandeses costumam fixar um trevo à sua roupa no dia do padroeiro do país, para homenageá-lo.
Seus opositores foram os magos druidas que acreditavam em deuses pagãos e os hereges pelagianos. Entretanto, São Patrício seguiu firme construindo abadias e igrejas cristãs.
Diz-se que um Sábado Santo, quando São Patrício acendeu o fogo pascal, os druidas se lançaram a apagá-lo, mas não conseguiram. Então, um deles exclamou: “O fogo da religião que Patrício acendeu será espalhado por toda a ilha”. Isto se cumpriu porque converteu toda a Irlanda ao cristianismo.
O santo formou um clero local, consagrou sacerdotes e Bispos.
Ao final de sua vida, escreveu as “Confissões”, obra na qual relatou como se sentia e o que fazia na missão que Deus lhe tinha confiado.
Conseguiu a reforma das leis civis da Irlanda e a legislação foi feita com os princípios católicos. Partiu para a Casa do Pai em 461 e foi sepultado em Saúl, região de Stragford Lough, onde edificou a sua primeira igreja.
É também muito reverenciado nos Estados Unidos devido ao grande número de imigrantes irlandeses. Em Nova Iorque, a Catedral é dedicada a São Patrício. Nesta cidade, uma das tradições mais antigas é o desfile pelo dia de São Patrício ou “Saint Patrick’s day” que data da época colonial. Os irlandeses, parte do exército britânico, costumavam se vestir de verde e entoavam canções típicas ao som de gaitas de fole.
Isto permaneceu no tempo e hoje é uma das maiores celebrações na cidade norte-americana. A cor representativa continua sendo o verde e se mantém o grande desfile de marcha militar que acontece na Catedral de São Patrício.
ACI Digital

sexta-feira, 15 de março de 2019

São Longuinho, o soldado que perfurou o lado de Jesus

REDAÇÃO CENTRAL, 15 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- “Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus”, esta é a profissão de fé feita pelo soldado romano que, após a crucificação, furou o lado de Jesus com uma lança e se converteu, o qual foi identificado como São Longuinho, cuja festa é celebrada neste dia 15 de março.

Longuinho viveu nos primeiros séculos, era o centurião que, por ordens de Pilatos, esteve com outros soldados ao pé da cruz de Jesus Cristo.
O Evangelho de São João relata quando os soldados foram quebrar as pernas dos dois homens que estavam crucificados ao lado de Jesus, mas quando chegaram diante de Cristo, “como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água” (Jo 19,33-34).
Este soldado que perfurou o lado de Jesus foi identificado com o nome Longuinho, derivado do grego que significa “uma lança”.
Foi ele quem, ao ver as poderosas manifestações da natureza após a morte de Cristo, disse a famosa frase que o fez o primeiro convertido à fé cristã: “Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus”.
Diz-se que Longuinho estava ficando cego e, quando perfurou o Senhor com a lança, uma gota do sangue do Salvador caiu em seus olhos e, imediatamente, ele ficou curado. Tocado, converteu-se e abandonou para sempre o exército.
Instruído pelos apóstolos, Longuinho se tornou monge em Cesareia, na Capadócia, onde ganhou muitas almas para Cristo por meio da palavra e do testemunho.
Entretanto, o governador da Cesareia descobriu sua identidade e o entregou a Pôncio Pilatos. Foi acusado de desertor e condenado à morte, a não ser que renunciasse à sua fé em Cristo.
Longuinho se manteve firme e, por isso, foi torturado, teve seus dentes arrancados e a língua cortada. Depois, foi decapitado.
Quase mil anos depois, em 999, São Longuinho foi canonizado pelo Papa Silvestre II. Conforme se relata, o processo de canonização já havia avançado bastante, porém os documentos ficaram perdidos por muitos anos.
Então, o Papa pediu a intercessão de Longuinho para ajudá-lo a encontrar esses papéis. Pouco tempo depois, os documentos foram achados e aconteceu a canonização.
Ainda hoje, São Longuinho é invocado pelos fiéis para pedir ajuda a fim de encontrar algum objeto perdido. Diz-se que ele era um homem baixinho e que, servindo na corte de Roma, vivia nas festas dos romanos.
Nesses ambientes, por sua pequena estatura, conseguia ver o que se passava por baixo das mesas e sempre encontrava pertences de pessoas. Os objetos achados eram devolvidos aos seus donos. Daí teria surgido o costume de pedir-lhe ajuda para encontrar o que se perdeu.
Em agradecimento, segundo a tradição, são oferecidos três pulinhos e uma oração. Diz-se que essa forma de agradecer seria pelo fato de o soldado ser manco, mas outra explicação afirma que os pulinhos se remetem à Santíssima Trindade. 
ACI Digital

quinta-feira, 14 de março de 2019

Santa Matilde, Rainha da Alemanha

REDAÇÃO CENTRAL, 14 Mar. 19 / 05:00 am (ACI).- Santa Matilde foi a primeira rainha da Alemanha (século X) e se caracterizou por ser humilde, piedosa e caritativa com os oprimidos. Apoiou e mandou construir muitas igrejas e mosteiros como os de Quedlinburg, Nordhausen, Engern e Poehlden, e sua festa é celebrada neste dia 14 de março.

Além disso, foi descendente do famoso guerreiro Widukind, capitão dos saxões que batalharam contra Carlos Magno (século XIII), e filha de Dietrich, duque de Westphalia e Reinhild (hoje Alemanha).
Desde criança, foi educada pelas monjas do convento de Erfurt e adquiriu inúmeras virtudes cristãs. Casou-se muito jovem com Henrique I, que no ano 912 se tornaria duque da Saxônia, e tiveram um matrimônio excepcionalmente feliz.Em 918, seu esposo foi escolhido para suceder o rei da Francia Orientalis, Conrado I. Foi assim que Henrique I se tornou o primeiro rei alemão da dinastia saxônica e, por isso, é considerado o fundador e primeiro rei do estado alemão medieval.
Matilde se tornou rainha, mas nunca deixou seus modos humildes e piedosos de viver, como dar esmolas aos pobres. No palácio real, atendia a todos e nenhuma pessoa em busca de ajuda ia embora sem ser atendida.
Depois de 23 anos de matrimônio, ficou viúva e ofereceu se desprender de todas as suas joias e brilhantes pela alma de seu esposo falecido.
Passou os seus últimos anos dedicada a fundar conventos e a dar esmolas aos pobres. Quando completou 70 anos, dispôs-se a passar para a eternidade e distribuiu entre os mais necessitados tudo o que tinha.
Morreu em 968, no convento de São Servácio e São Dionísio em Quedlinburg e foi sepultada ao lado de seu esposo. Foi venerada como santa imediatamente depois de sua morte.
ACI Digital

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF