Translate

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Crônica: Cavando poços no deserto

Crônica: Cavando poços no deserto
Dubai (RV*) - Amigas e amigos da Rádio Vaticano, recebam uma saudação cordial das Arábias, onde os desertos constituem seu principal panorama.
As histórias bíblicas nos dão informações das andanças do povo eleito pelo deserto marcado pela escassez de água.  Sob a liderança do libertador Moisés, o povo teria preferido voltar à escravidão do Egito por causa da falta de água.
De fato, para os habitantes do deserto, encontrar  ou cavar um poço significava buscar um bem muito precioso, muito mais valioso que o próprio ouro ou pedras preciosas, pois possuindo água, tinha-se sustentabilidade e sobrevivência da vida pessoal, familiar e do clã.
Lendo a história dos patriarcas, no livro do Gênesis, conhecemos a vida no deserto do Oriente com predominância do trabalho no meio rural. Os patriarcas e suas famílias viviam da criação de animais,  sendo a água importante fonte de provisão.  A água trazia riqueza a quem a encontrasse naquelas regiões desérticas.
É nesse ambiente que as narrativas bíblicas nos dão a conhecer Isaque, um homem trabalhador, um exímio cavador de poços. Com seu pai Abraão, aprendeu a ser um homem de caráter, e cumpridor de seus deveres, tanto nas relações familiares como com outros clãs que viviam no deserto.
Com seus servos, Isaque buscava as águas nas entranhas da terra. Encontrar água cavando poços no deserto, fez de Isaque um homem riquíssimo. Tudo o que fazia prosperava. Deus estava com ele e Isaque deixava-se guiar por Ele.
Por causa disso, a Bíblia nos conta que seus inimigos o expulsaram, por diversas vezes, para apoderar-se de suas terras com os poços. Outras vezes, vinham tapá-los á noite para prejudicá-lo. Ele não desanimou.  Ao invés de entrar em conflito com os inimigos, preferia mudar de região. Assim continuou prosperando.
Depois de tantas mudanças, Isaque quis cavar um poço junto ao qual pudesse viver tranquilamente, sem a intervenção de inimigos. Por isso cavou um poço que chamou de Rehobot, que significa “amplidão”, “alargamento”, e disse: “Porque agora o Senhor nos deu o lugar onde prosperaremos na terra.” (Gênesis 26,22). Não foi assim.
A ausência de conflitos não significou que aquele seria o lugar definitivo para o clã de Isaque. Deus lhe reservava coisas maiores. Seria abençoado como um dos patriarcas a ser lembrado por Cristo.
*Missionário Pe. Olmes Milani CS, das Arábias para a Rádio Vaticano
Rádio Vaticano

Da Narrativa autobiográfica de Santo Inácio, recolhida de viva voz pelo Padre Luís Gonçalves da Câmara

Resultado de imagem para santo inácio de loyola
(Cap.1,5-9:Acta Sanctorum Iulii, 7 [1868], 647)

(Séc.XVI)

Provai os espíritos a ver se são de Deus
Inácio gostava muito de ler livros mundanos e romances que narravam supostos feitos heróicos de homens ilustres. Assim que se sentiu melhor, pediu que lhe dessem alguns deles, para passar o tempo. Mas não se tendo encontrado naquela casa nenhum livro deste gênero, deram-lhe um que tinha por título A vida de Cristo e outro chamado Florilégio dos Santos, ambos escritos na língua pátria.
Com a leitura frequente desses livros, nasceu-lhe um certo gosto pelos fatos que eles narravam. Mas, quando deixava de lado essas leituras, entregava seu espírito a lembranças do que lera outrora; por vezes ficava absorto nas coisas do mundo, em que antes costumava pensar.
Em meio a tudo isto, estava a divina providência que, através dessas novas leituras, ia dissipando os outros pensamentos. Assim, ao ler a vida de Cristo nosso Senhor e dos santos, punha-se a pensar e a dizer consigo próprio: “E se eu fizesse o mesmo que fez São Francisco e o que fez São Domingos?” E refletia longamente em coisas como estas. Mas sobrevinham-lhe depois outros pensamentos vazios e mundanos, como acima se falou, que também se prolongavam por muito tempo. Permaneceu nesta alternância de pensamentos durante um tempo bastante longo.
Contudo, nestas considerações, havia uma diferença: quando se entretinha nos pensamentos mundanos, sentia imenso prazer; mas, ao deixá-los por cansaço, ficava triste e árido de espírito. Ao contrário, quando pensava em seguir os rigores praticados pelos santos, não apenas se enchia de satisfação, enquanto os revolvia no pensamento, mas também ficava alegre depois de os deixar.
No entanto, ele não percebia nem avaliava esta diferença, até o dia em que se lhe abriram os olhos da alma, e começou a admirar-se desta referida diferença. Compreendeu por experiência própria que um gênero de pensamentos lhe trazia tristeza, e o outro, alegria. Foi esta a primeira conclusão que tirou das coisas divinas. Mais tarde, quando fez os Exercícios Espirituais, começou tomando por base esta experiência, para compreender o que ensinou sobre o discernimento dos espíritos.
www.liturgiadashoras.org

Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus

REDAÇÃO CENTRAL, 31 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 31 de julho é a festa de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, conhecida como os jesuítas, ordem que desempenhou um papel importante na contrarreforma. O santo mestre dos discernimentos de espíritos é também padroeiro dos exercícios espirituais, dos retiros e dos soldados.

O processo de conversão de Santo Inácio começou ao ler o livro ‘Vida de Cristo’, assim como ‘Flos sanctórum’. Ao refletir sobre essas leituras e a vida dos santos, questionava-se a si mesmo: “E se eu fizesse o mesmo que São Francisco ou São Domingos?”.
São João Paulo II assinalava que Inácio “soube obedecer quando, recuperando-se das suas feridas, a voz de Deus pulsou com força no seu coração. Foi sensível às inspirações do Espírito Santo”.
“Ad Majorem Dei Gloriam”, que significa em latim “Para a maior glória de Deus” foi o lema com o qual o santo mais se identificou, assim como “Rogue a Deus por todos os que como tu desejamos estender o Reino de Cristo, e fazer amar mais o nosso Divino Salvador”.
Uma das grandes obras deixadas por Santo Inácio é o livro ‘Exercícios Espirituais’. O Papa Pio XI indicou em uma oportunidade que o método inaciano de oração “guia o homem pelo caminho da própria abnegação e do domínio dos maus hábitos para os mais altos cumes da contemplação e o amor divino”.
O Papa Francisco, o primeiro Pontífice jesuíta na história da Igreja, ao celebrar a festa do seu fundador em 2013, refletiu e recordou a seus irmãos da Companhia o lema que os identifica ‘Iesus Hominum Salvator’, que os chama a ter sempre como centro Cristo e a Igreja, a quem devem servir.
Santo Inácio morreu no dia 31 de julho de 1556. Paulo V o beatificou em 1609 e foi canonizado por Gregório XV em 1622. Na cidade de Roma (Itália), os restos mortais do santo são venerados na Igreja de Jesus.
Acidigital

17º Domingo do Tempo Comum: O tesouro escondido

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
Concluímos hoje a leitura do capítulo treze do Evangelho segundo Mateus, que narra as parábolas do Reino. A Liturgia nos apresenta mais um conjunto de três parábolas contadas por Jesus: o tesouro escondido, a pérola preciosa e a rede lançada ao mar. Nelas, é ressaltada a atitude a ser cultivada por nós perante o Reino de Deus: a) a alegria e a disposição de desfazer-se de “todos os seus bens” para ficar com o bem maior encontrado; b) a prática da justiça segundo os critérios do Reino.
O Reino de Deus é a pérola preciosa, o verdadeiro tesouro escondido a ser buscado em primeiro lugar, com alegria. Quem o encontra, tem tudo, ainda que não tenha outros bens. Embora revelado em Cristo, o Reino continua um tesouro a ser descoberto, a ser compreendido, acolhido e vivido no mundo de hoje, de tal modo que possamos suplicar ao Pai, de coração sincero e confiante: “venha a nós o vosso Reino!”. Esta parábola nos ajuda a pensar a respeito das nossas escolhas e a buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça.
A parábola da rede lançada ao mar nos mostra a universalidade do Reino, aberto a todos, mas, ao mesmo tempo, baseado na justiça. Todos são chamados ao Reino de Deus; porém, a resposta exige a prática da justiça, da santidade querida por Deus. Os que praticam a maldade e a injustiça não tem lugar nele.
Quem segue a Cristo não pode viver de qualquer jeito, mas “de acordo com o projeto de Deus” (Rm 8,28). A Carta de São Paulo aos Romanos nos recorda o chamado que Deus nos faz a sermos “conformes à imagem de seu Filho” (Rm 8,29), recordando-nos que, por meio dele, Deus “nos tornou justos” (Rm 8,30).
Para tanto, é fundamental não perder a capacidade de discernir o que é justo e agradável a Deus. Conforme a primeira leitura, na sua belíssima oração, o rei Salomão suplica, com humildade, “um coração compreensivo”, “capaz de discernir entre o bem e o mal”. Em resposta, Deus lhe concede a “sabedoria para praticar a justiça” e “um coração sábio e inteligente” (1Rs 3,7-12). Na tradição sapiencial bíblica, as imagens do tesouro e da pérola serviam justamente para designar o valor incomparável da sabedoria que vem de Deus.
Em resposta, nós rezamos o Salmo 118, expressando o nosso amor pela Palavra de Deus e a nossa disposição em “escolher por herança”, isto é, como tesouro, “observar as palavras do Senhor”, a “lei do Senhor”, pois “vale mais do que milhões em ouro e prata”. Procure redescobrir o valor desse tesouro, durante a semana, dedicando-se mais a oração e a meditação da Palavra de Deus e, de modo especial, participando da Eucaristia.
Arquidiocese de Brasília

São Pedro Crisólogo, o homem de palavras de ouro

REDAÇÃO CENTRAL, 30 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- “Esforcemo-nos por levar sempre em nós a imagem fiel do nosso Criador, não na majestade que só a Ele pertence, mas na inocência, simplicidade, mansidão, paciência, humildade, misericórdia, paz e concórdia, com que Ele Se dignou tornar-Se um de nós e ser semelhante a nós”, dizia São Pedro Crisólogo, Doutor da Igreja, cuja festa é celebrada neste dia 30 de julho.

São Pedro nasceu na Itália por volta do ano 400, estudou as ciências sagradas e foi formado por Cornélio, Bispo de Imola, o qual o ajudou a compreender que no domínio das paixões de si mesmo estava a verdadeira grandeza e que este era o único meio para alcançar o espírito de Cristo. O mesmo prelado conferiu ao santo a ordem diaconal.
De acordo com a tradição, naquela época, o Arcebispo de Ravena faleceu, então o clero e o povo elegeram o seu sucessor e, em seguida, pediram ao Bispo Cornélio, que encabeçava a comitiva desta solicitação ao Papa São Sisto III, em Roma. Pedro – que não era o candidato eleito – fazia parte da comitiva liderada pelo Prelado.
Conta-se que o Pontífice teve uma visão de São Pedro e Santo Apolinário, o primeiro bispo de Ravena, os quais ordenaram que não confirmasse a eleição que estavam levando.
Desta forma e seguindo as instruções do céu, o Santo Padre propôs para o cargo São Pedro Crisólogo, que depois recebeu a consagração e mudou-se para Ravena.
A atividade pastoral do santo conseguiu extirpar o paganismo e corrigir abusos, escutando com igual condescendência e caridade os humildes e os poderosos. Sempre incentivou a comunhão frequente e seus profundos sermões renderam o apelido de Crisólogo, homem de palavras de ouro.
Depois de receber uma revelação sobre a sua morte, que estava próxima, São Pedro Crisólogo retornou para Imola, onde partiu para a Casa do Pai em 31 de julho de 451 (há alguns que afirmam que foi em 3 de dezembro de 450). Foi declarado Doutor da Igreja em 1729 pelo Papa Bento XIII.
Acidigital

sábado, 29 de julho de 2017

Santa Marta, padroeira das cozinheiras e donas de casa

REDAÇÃO CENTRAL, 29 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 29 de julho, a Igreja universal recorda a figura da Santa Marta de Betânia, irmã de Maria e Lázaro, padroeira do lar, das cozinheiras, das donas de casa, das faxineiras, das casas de hóspedes, dos hoteleiros, das lavadeiras e das irmãs de caridade.

É a ela que Jesus disse, como narra o Evangelho de São Lucas (10, 41-42): “Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; no entanto, uma só coisa é necessária; Maria escolheu a boa parte, que lhe não será tirada”.
Santa Marta é representada vestida de azul ou verde, com uma cruz, um avental e levando consigo um molho de chaves ou uma tocha. Ela está em atitude de serviço e com um dragão sob seus pés.
Esta discípula de Jesus é geralmente invocada pelos fiéis para pedir sua intercessão ante as coisas urgentes e difíceis, pois foi através de suas súplicas que obteve de Jesus a graça de que seu irmão Lázaro voltasse à vida.
A santa que sempre mostrou um grande afã de serviço é também invocada para que ajude os fiéis a desempenhar seus deveres cristãos com diligência e responsabilidade.
Os Santos Basílio e Gregório Magno a consideram modelo evangélico das almas contemplativas.
Acidigital

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Papa Francisco reza por Charlie Gard e seus pais após falecimento do bebê

Papa Francisco. Foto: Alan Holdren (ACI Prensa) / Charlie Gard / Foto: GoFundMe familia Gard
Vaticano, 28 Jul. 17 / 05:00 pm (ACI).- Após o falecimento de Charlie Gard nesta sexta-feira, o Papa Francisco expressou seu pesar e proximidade ao pais do menino, que nos últimos meses não mediram esforços para tentar salvar a vida de seu filho.
“Confio ao Pai o pequeno Charlie e rezo pelos seus pais e as pessoas que o amaram”, escreveu em sua conta de Twitter @Pontifex_pt.
Charlie Gard, que completaria um ano no próximo dia 4 de agosto, sofria de uma síndrome de esgotamento mitocondrial, uma doença genética rara que causa a fraqueza muscular progressiva e pode provocar a morte no primeiro ano de vida.
Após seus pais, Chris Gard e Connie Yates, enfrentarem uma longa batalha judicial para tentar transferir o menino para os Estados Unidos a fim de passar por um tratamento experimental, eles anunciaram esta semana que encerrariam este processo, pois a deterioração da saúde do bebê havia chegado a um ponto “sem retorno” e o tratamento que buscavam já não era viável.
Logo depois do anúncio dessa decisão, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, também informou que o Santo Padre estava rezando por Charlie e seus pais e pedia que todos se unissem em oração “para que eles possam encontrar consolo e o amor de Deus”.
O Papa Francisco acompanhava “com afeto e emoção o caso do pequeno Charlie Gard”. Nesta semana, Chris Gard e Connie Yates chegaram a solicitar que o bebê pudesse ser levado para morrer em casa e que os aparelhos fossem desligados apenas daqui a uma semana. Porém, não foram atendidos.
De acordo com o hospital, não teria como montar o equipamento necessário para dar o suporte a Charlie em casa e que se tentassem fazer isso, poderia ser caótico para o bebê. Assim, decidiram a transferência do menino para uma casa de cuidados paliativos, onde seus aparelhos seriam desligados.
Acidigital

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Dos Sermões de São João Damasceno, bispo

Resultado de imagem para são joão damasceno
(Orat. 6, in Nativitatem B. Mariae V., 2.4.5.6:PG 96, 663.667.670)     (Séc.VIII)


Vós os conhecereis pelos seus frutos
Estava determinado que a Virgem Mãe de Deus iria nascer de Ana. Por isso, a natureza não ousou antecipar o germe da graça, mas permaneceu sem dar o próprio fruto até que a graça produzisse o seu. De fato, convinha que fosse primogênita aquela de quem nasceria o primogênito de toda a criação, no qual todas as coisas têm a sua consistência (cf. Cl 1,17).
Ó casal feliz, Joaquim e Ana! A vós toda a criação se sente devedora. Pois foi por vosso intermédio que a criatura ofereceu ao Criador o mais valioso de todos os dons, isto é, a mãe pura, a única que era digna do Criador.
Alegra-te, Ana estéril, que nunca foste mãe, exulta e regozija-te, tu que nunca deste à luz (Is 54,1). Rejubila-te, Joaquim, porque de tua filha nasceu para nós um menino, foi-nos dado um filho; o nome que lhe foi dado é: Anjo do grande conselho, salvação do mundo inteiro, Deus forte (Cf. Is 9,5). Este menino é Deus.
Ó casal feliz, Joaquim e Ana, sem qualquer mancha! Sereis conhecidos pelo fruto de vossas entranhas, como disse o Senhor certa vez: Vós os conhecereis pelos seus frutos (Mt 7,16). Estabelecestes o vosso modo de viver da maneira mais agradável a Deus e digno daquela que de vós nasceu. Na vossa casta e santa convivência educastes a pérola da virgindade, aquela que havia de ser virgem antes do parto, virgem no parto e continuaria virgem depois do parto; aquela que, de maneira única, conservaria sempre a virgindade, tanto em seu corpo como em seu coração.
Ó castíssimo casal, Joaquim e Ana! Conservando a castidade prescrita pela lei natural, alcançastes de Deus aquilo que supera a natureza: gerastes para o mundo a mãe de Deus, que foi mãe sem a participação de homem algum. Levando, ao longo de vossa existência, uma vida santa e piedosa, gerastes uma filha que é superior aos anjos e agora é rainha dos anjos.
Ó formosíssima e dulcíssima jovem! Ó filha de Adão e Mãe de Deus! Felizes o pai e a mãe que te geraram! Felizes os braços que te carregaram e os lábios que te beijaram castamente, ou seja, unicamente os lábios de teus pais, para que sempre e em tudo conservasses a perfeita virgindade! Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos, exultai e cantai salmos (cf. Sl 97,4-5). Levantai vossa voz; clamai e não tenhais medo.
www.liturgiadashoras.org

São Joaquim e Sant’Ana, padroeiros dos avós

REDAÇÃO CENTRAL, 26 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 26 de julho, é celebrada na Igreja Católica a festa dos pais da Santíssima Virgem Maria e avós de Jesus, São Joaquim e Sant’Ana. Em razão desta data, comemora-se também o Dia dos Avós.

Ambos os santos, chamados padroeiros dos avós, foram pessoas de profunda fé e confiança em Deus; foram os encarregados de educar no caminho da fé sua filha Maria, alimentando seu amor pelo Criador e preparando-a para sua missão.
Bento XVI, em um dia como este em 2009, destacou – através das figuras de São Joaquim e Sant’Ana – a importância do papel educativo dos avós, que na família “são os depositários e muitas vezes as testemunhas dos valores fundamentais da vida”.
Em 2013, quando estava no Rio de Janeiro (Brasil) para a Jornada Mundial da Juventude, coincidindo sua estadia com esta data, o Papa Francisco destacou que “São Joaquim e Sant’Ana fazem parte de uma longa corrente que transmitiu o amor a Deus, no calor da família, até Maria, que acolheu em seu seio o Filho de Deus e o ofereceu ao mundo, ofereceu-o a nós. Vemos aqui o valor precioso da família como lugar privilegiado para transmitir a fé!”.
“Olhando para o ambiente familiar, queria destacar uma coisa: hoje, na festa de São Joaquim e Sant’Ana, no Brasil como em outros países, se celebra a festa dos avós. Como os avós são importantes na vida da família, para comunicar o patrimônio de humanidade e de fé que é essencial para qualquer sociedade! E como é importante o encontro e o diálogo entre as gerações, principalmente dentro da família”, acrescentou o Pontífice.
Acidigital

terça-feira, 25 de julho de 2017

São Tiago Maior, apóstolo e padroeiro da Espanha

REDAÇÃO CENTRAL, 25 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 25 de julho, a Igrejacelebra a festa de São Tiago Maior, um dos doze apóstolos escolhidos pelo Senhor e que é representado vestido como um peregrino ou como um soldado montado em um cavalo branco em atitude de luta. São Crisóstomo disse que ele foi o apóstolo mais ousado e corajoso.

O “filho do trovão”, como Jesus chamou a Tiago e a seu irmão São João Evangelista, é padroeiro da Espanha e de sua cavalaria, assim como dos peregrinos, veterinários, equitadores e de várias cidades do mundo. Algumas cidades inclusive levam o seu nome em países como Chile, República Dominicana, Cuba entre outros.
O nome de São Tiago vem das palavras Sant Iacob, do hebraico Jacob. Durante as batalhas, os espanhóis costumavam gritar “Sant Iacob, ajude-nos” e, ao dizê-lo rápido e repetitivamente, soava como São Tiago.
Foi testemunho com João e Pedro da transfiguração do Senhor no Monte Tabor, da pesca milagrosa e da oração de Jesus no Jardim do Getsêmani, entre as passagens mais representativas.
A tradição conta que chegou à Espanha para proclamar o Evangelho. A Catedral de Santiago de Compostela é considerada seu principal santuário, para onde milhares de pessoas peregrinam todos os anos, desejosos de percorrer o Caminho de Compostela.
Em 9 de novembro de 1982, quando São João Paulo II visitou esta catedral espanhola, fez um chamado à Europa para reavivar os “valores autênticos”, porque os outros continentes “olham para ti e esperam também de ti a mesma resposta que São Tiago deu a Cristo: ‘Eu posso’”.
“Eu, Sucessor de Pedro na Sé de Roma, uma Sé que Cristo quis colocar na Europa e que ama pelo seu esforço na difusão do Cristianismo no mundo; Eu, Bispo de Roma e Pastor da Igreja universal, de Santiago, te lanço, velha Europa, um grito cheio de amor: Volta a encontrar-te. Sê tu mesma. Descobre as tuas origens. Reaviva as tuas raízes”, expressou o santo polonês.
O apóstolo Tiago é conhecido também por ter preparado o caminho para que a Virgem Maria fosse reconhecida como um “Pilar” da Igreja.
O Papa Francisco, em fevereiro de 2014, ao refletir sobre os conflitos armados, assinalou que São Tiago nos dá um conselho simples: “Aproximem-se de Deus e Ele se aproximará de vocês”.
Acidigital

domingo, 23 de julho de 2017

Início da Carta aos Magnésios, de Santo Inácio de Antioquia, bispo e mártir

Resultado de imagem para santo inácio de antioquia
(Nn.1,1-5,2: Funk 1,191-195)             (Séc.I)


Convém sermos cristãos não só de nome, mas de fato
Inácio, chamado também o Teóforo, à Igreja, santa pela graça de Deus Pai em Jesus Cristo, nosso salvador. Nele saúdo esta Igreja que está em Magnésia, junto ao Meandro, e desejo-lhe em Deus Pai e em Jesus Cristo plena salvação. 
Tomando conhecimento de vossa religiosa caridade perfeitamente ordenada, decidi, na exultação da fé de Jesus Cristo, vir falar convosco. Ornado com o nome mais glorioso nas cadeias que carrego, louvo as Igrejas. A elas desejo a união com a carne e o espírito de Jesus Cristo, nossa Vida sem fim, e a união na fé e na caridade. Nada há de preferível a isto, sobretudo a união com Jesus e o Pai; nele suportamos toda a violência do príncipe deste mundo, dele escapamos e, assim, alcançamos a Deus. 
Foi-me concedido o favor de vos encontrar através de Damas, vosso bispo, digno de Deus, e dos presbíteros Basso e Apolônio e também do meu companheiro de serviço, o diácono Zócion. Possa eu com ele conviver, porque é submisso ao bispo como à benignidade de Deus e ao presbitério como à lei de Jesus Cristo. 
Contudo, não vos convém usar de excessiva familiaridade para como bispo por causa de sua idade, mas em consideração ao poder de Deus Pai, mostrar-lhe todo o respeito. Como soube, os santos presbíteros não abusam da notável juventude dele, mas prudentes em Deus, obedecem-lhe. Ou melhor, obedecem não a ele, mas ao Pai de Jesus Cristo, o bispo de todos. Por isso, em honra daquele que nos ama, faz-se mister obedecer sem hipocrisia, pois não é a este bispo visível que alguém ilude, mas é ao invisível que tenta enganar. Tudo quanto se faz neste sentido não se refere à carne, mas a Deus que conhece todo o oculto. 
Convém, então, sermos cristãos não só de nome, mas de fato. Ora, há quem tenha o nome do bispo na boca, porém, tudo faz sem ele. Estes tais não me parecem possuir consciência reta, porque não se reúnem com lealdade, segundo o preceito. 
Tudo terá um fim. Mas dois termos nos são propostos: a morte e a vida. Com efeito, cada um de nós irá para o próprio lugar. À semelhança de duas moedas, uma de Deus, outra do mundo, também cada qual tem a própria marca inscrita. Assim, os infiéis têm a marca deste mundo, enquanto os fiéis na caridade têm a marca de Deus Pai por Jesus Cristo. Se nossa vontade não estiver inclinada a morrer por ele, à imitação de sua paixão, também sua vida não estará em nós.
www.liturgiadashoras.org

Santa Brígida, padroeira da Europa

REDAÇÃO CENTRAL, 23 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 23 de julho, recorda-se Santa Brígida, padroeira da Suécia, fundadora da Ordem do Santíssimo Salvador, mãe de Santa Catarina da Suécia e proclamada por São João Paulo II como padroeira da Europa.

A esta santa mística, o Senhor revelou algumas orações com grandes promessas para a conversão e salvação das almas.
O Sumo Pontífice Emérito Bento XVI assinalou em 2010, ao falar desta santa, que sua vida mostra o papel e a dignidade da mulher na Igreja e que se caracterizava sempre por sua “atitude de respeito e de fidelidade integral ao Magistério da Igreja, de modo particular ao Sucessor do Apóstolo Pedro”.
Santa Brígida nasceu na Suécia em 1302 e faleceu em Roma (Itália), aos 70 anos, em 23 de julho de 1373, sendo canonizada 18 anos após sua morte.
Esposa e mãe de oito filhos, ao ficar viúva decidiu renunciar a um segundo matrimônio e dedicar-se à oração, à penitência e às obras de caridade. Vendeu o que tinha e ingressou sem a consagração religiosa no mosteiro cisterciense de Alvastra, em seu país natal.
Em suas experiências místicas, recebeu da Santíssima Virgem Maria a devoção diária às Sete Dores, que consiste em rezar sete Ave Marias diariamente meditando as lágrimas e as dores da Mãe de Deus, com a promessa de que quem as fizer, a Virgem concederá paz, dará o que pedem, sempre e quando não for contrário à vontade de Deus, defenderá as almas no combate espiritual, entre outras promessas.
Por sua parte, o Senhor lhe revelou quinze orações que se rezam por um ano acompanhadas também de grandes promessas, assim como as orações por doze anos. Na igreja de São Paulo, em Roma, encontra-se acima do sacrário, na Capela do Santíssimo Sacramento, o Crucifixo Milagroso esculpido por Pierre Cavallini, diante do qual a santa recebeu as orações ajoelhada.
Acidigital

sábado, 22 de julho de 2017

16º Domingo do Tempo Comum: Parábolas do Reino

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
Neste Domingo do Tempo Comum, continuamos a ler as parábolas do Reino que integram o capítulo treze do Evangelho segundo Mateus, iniciado com a parábola do semeador, proclamada no último domingo. A Liturgia nos apresenta hoje um conjunto de três parábolas contadas por Jesus. A mais longa é a parábola do trigo e do joio, narrada apenas por Mateus. As outras duas, sobre o grão da mostarda e o fermento, são narradas também por Marcos e Lucas.
A parábola do joio e do trigo é explicada pelo próprio Jesus. Os discípulos de Cristo vivem no mundo onde coexistem o joio e o trigo. O dono da plantação e da colheita é uma figura de Deus, justo e paciente, que oferece oportunidade de conversão. Os servos que trabalhavam naquele campo achavam que o problema do joio poderia ser resolvido rapidamente, baseando-se estritamente na lógica da justiça sem a misericórdia, que gera impaciência e intolerância. Justiça e misericórdia andam juntas e se exigem mutuamente. No mundo de hoje, em meio a tantos males, é preciso cuidado para não perder o trigo ao pretender arrancar o joio. Além disso, não se pode reduzir o "campo" onde vivemos ao "joio", nem se deve jamais desacreditar na força do "trigo", pois os justos "brilharão como o sol no reino de Deus" (Mt 13,43).
As outras duas parábolas falam do Reino ressaltando a força do que parece frágil como uma semente, ou insignificante como o fermento. A semente de mostarda, embora pequena, tem força para produzir uma árvore. O fermento, de modesta aparência, oculto em meio à farinha, tem força de fazer crescer a massa.
O livro da Sabedoria também nos mostra que a justiça e a misericórdia estão juntas em Deus, convidando o justo a "ser humano", isto é a praticar a justiça com a clemência. O autor assim se dirige a Deus: "ensinaste que o justo deve ser humano e a teus filhos deste a confortadora esperança de que concedes o perdão aos pecadores" (Sab 12, 19). Para ser justo, é preciso ser misericordioso; para ser misericordioso, é preciso ser justo.
Segundo a Carta de S. Paulo aos Romanos, Deus se mostra clemente vindo "em nosso socorro da nossa fraqueza" por meio do Espírito Santo. Sem ele, não sabemos orar de modo justo (Rm 8,26-27).
"Quem tem ouvidos ouça" (Mt 13,43), é a frase conclusiva do texto do Evangelho proclamado. Esta advertência, que já se encontrava na parábola do semeador, se repete como um refrão, convidando-nos a escutar com atenção e a acolher com fé a boa nova do Reino anunciada por Jesus.
Arquidiocese de Brasília

Santa Maria Madalena, a primeira mulher que viu Cristo ressuscitado

REDAÇÃO CENTRAL, 22 Jul. 17 / 05:00 am (ACI).- Santa Maria Madalena é uma das discípulas mais fiéis e que o Senhor escolheu para ser testemunha de sua ressurreição ante os apóstolos, do mesmo modo é exemplo para toda mulher da Igreja e da evangelização autêntica, isto é, de uma evangelizadora que anuncia a alegre mensagem central da Páscoa.

No ano passado, o Cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos no Vaticano, emitiu um decreto no qual, seguindo a vontade do Papa Francisco, estabeleceu-se que a memória litúrgica Santa Maria Magdalena fosse elevada à festa.
Referindo-se a ela, Bento XVI expressou em 2006 que “a história de Maria Madalena recorda a todos uma verdade fundamental: discípulo de Cristo é aquele que, na experiência da debilidade humana, teve a humildade de lhe pedir ajuda, foi por Ele curado e se pôs no seu seguimento de perto, tornando-se testemunha do poder do seu amor misericordioso, mais forte do que o pecado e a morte”.
Nos Evangelhos, fala-se de Maria Madalena, a pecadora (Lc 7,37-50); Maria Madalena, uma das mulheres que seguiram o Senhor (Jo 20,10-18); e Maria de Betânia, a irmã de Lázaro (Lc 10,38-42).
A liturgia romana identifica as três mulheres com o nome de Maria Madalena, assim como a antiga tradição ocidental desde a época de São Gregório Magno.
Maria Madalena seguiu Jesus até o Calvário e esteve diante do corpo falecido do Senhor. No domingo da Ressurreição, foi a primeira a ver o Cristo ressuscitado e teve a honra de ser enviada pelo Senhor para anunciar esta boa notícia aos discípulos.
Oração:
Ó Deus, o vosso filho confiou a Maria Madalena o primeiro anúncio da alegria pascal; dai-nos, por suas preces e a seu exemplo, anunciar também que Cristo vive e contemplá-lo na glória de seu reino. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Acidigital

Das Homilias sobre os evangelhos, de São Gregório Magno, papa

Resultado de imagem para são gregório magno - papa e doutor da igreja
(Hom.25,1-2.4-5:PL 76,1189-1193)            (Séc.VI)


Sentia o desejo ardente de encontrar a Cristo,
que julgava ter sido roubado
Maria Madalena, tendo ido ao sepulcro, não encontrou o corpo do Senhor. Julgando que fora roubado, foi avisar aos discípulos. Estes vieram também ao sepulcro, viram e acreditaram no que a mulher lhes dissera. Sobre eles está escrito logo em seguida: Os discípulos voltaram então para casa (Jo 20,10). E depois acrescenta-se: Entretanto, Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando (Jo 20,11).
Este fato leva-nos a considerar quão forte era o amor que inflamava o espírito dessa mulher, que não se afastava do túmulo do Senhor, mesmo depois de os discípulos terem ido embora. Procurava a quem não encontrara, chorava enquanto buscava e, abrasada no fogo do seu amor, sentia a ardente saudade daquele que julgava ter sido roubado. Por isso, só ela o viu então, porque só ela o ficou procurando. Na verdade, a eficácia das boas obras está na perseverança, como afirma também a voz da Verdade: Quem perseverar até o fim, esse será salvo (Mt 10,22).
Ela começou a procurar e não encontrou nada; continuou a procurar, e conseguiu encontrar. Os desejos foram aumentando com a espera, e fizeram com que chegasse a encontrar. Pois os desejos santos crescem com a demora; mas se diminuem com o adiamento, não são desejos autênticos. Quem experimentou este amor ardente, pôde alcançar a verdade. Por isso afirmou Davi: Minha alma tem sede de Deus, e deseja o Deus vivo. Quando terei a alegria de ver a face de Deus? (Sl 41,3). Também a Igreja diz no Cântico dos Cânticos: Estou ferida de amor (Ct 5,8). E ainda: Minha alma desfalece (cf.Ct 5,6).
Mulher, por que choras? A quem procuras? (Jo 20,15). É interrogada sobre o motivo de sua dor, para que aumente o seu desejo e, mencionando o nome de quem procurava, se inflame ainda mais o seu amor por ele.
Então Jesus disse: Maria (Jo 20,16). Depois de tê-la tratado pelo nome comum de mulher sem que ela o tenha reconhecido, chama-a pelo próprio nome. Foi como se lhe dissesse abertamente: Reconhece aquele por quem és reconhecida. Não é entre outros, de maneira geral, que te conheço, mas especialmente a ti. Maria, chamada pelo próprio nome, reconhece quem lhe falou; e imediatamente exclama: Rabuni, que quer dizer Mestre (Jo 20,16). Era ele a quem Maria Madalena procurava exteriormente; entretanto, era ele que a impelia interiormente a procurá-lo.
www.liturgiadashoras.org

domingo, 16 de julho de 2017

15º Domingo do Tempo Comum A Palavra Semeada

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
O Evangelho segundo Mateus, que estamos lendo nos domingos do Tempo Comum deste ano, nos apresenta a parábola do semeador (Mt 13,1-23). Com o seu característico estilo catequético, Mateus organiza a narrativa em três partes: a) a parábola do semeador (v. 3-9); b) a finalidade das parábolas (v. 10-17); c) a explicação desta parábola (v. 18-23).
Esta parábola põe em relevo a ação de Deus que semeia por toda parte e, ao mesmo tempo, a importância do terreno que acolhe a semente. Quando há “terra boa”, isto é, quando a palavra é ouvida e compreendida, a semente frutifica. Daí, a insistência sobre a atitude de “escutar e compreender”, ao falar da finalidade das parábolas. Aos discípulos, é “dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus”, transmitido pelas parábolas, porque sendo discípulos, escutam, compreendem e acolhem a Palavra. Aqueles que não creem em Jesus, fechados em seu “coração insensível”, “olham, mas não veem”; “ouvem, mas não escutam”. As parábolas são obscuras para aqueles que não têm a abertura de coração ou disponibilidade para escutar e acolher a palavra de Jesus. Aparece uma séria advertência a respeito das consequências do pouco que se tem na escuta e acolhida da Palavra: a pessoa que tem, receberá cada vez mais; quem pouco tem, acabará perdendo o pouco que pensa ter. Apesar de ressaltar o fechamento e a rejeição, Mateus apresenta como felizes não apenas os “olhos que veem”, mas também os “ouvidos que escutam”.
Por fim, na explicação da parábola do semeador, é destacada a força da Palavra semeada. Apesar dos obstáculos (pássaros, terreno pedregoso, espinhos), no final, a colheita é abundante, embora diversificada. A força da semente, fecundada por Deus, é também ressaltada pelo profeta Isaías (Is 55,10-11), recorrendo à imagem da chuva que cai do céu, tão esperada pelos agricultores para fecundar as sementes colocadas na terra. Deus não é apenas o semeador; é quem torna fecundas as sementes, fazendo-as produzir muitos frutos.
Na Carta aos Romanos (Rm 8,18-23), S. Paulo usa a imagem do “parto” para falar da nova criação, “libertada da escravidão da corrupção”, que aguardamos ansiosamente. A nova criação é dom de Deus, que deve ser acolhido mediante a escuta e vivência da sua Palavra. Em resposta à Palavra meditada, somos convidados a ser a “terra boa”, que ouve, compreende e acolhe o que Deus nos fala, rezando o salmo 64, que pode ser chamado o canto da colheita: “A semente caiu em terra boa e deu fruto!”.
Arquidiocese de Brasília

Cuidado com os vícios e ambições de poder que sufocam Deus, alerta o Papa

Por Álvaro de Juana
Papa reza o Ângelus. Foto: Daniel Ibáñez / ACI Prensa
Vaticano, 16 Jul. 17 / 09:15 am (ACI).- Milhares de pessoas rezaram neste domingo o Ângelus com o Papa Francisco, o qual em sua breve reflexão falou sobre a parábola do Semeador e convidou a não deixar sufocar a presença de Deus pelos vícios do mundo e as ambições de poder e riqueza.
“Perguntemo-nos se o nosso coração está aberto para acolher com fé a semente da Palavra de Deus. Perguntemo-nos se em nós as pedras da preguiça são ainda numerosas e grandes. Devemos encontrar e chamar por nome as sarças dos vícios”, disse o Papa.
Sobre a figura do Semeador, disse que é Jesus que “propaga com paciência e generosidade a sua Palavra, que não é uma gaiola ou uma emboscada, mas uma semente que pode dar fruto. E como pode dar fruto? Se nós a acolhemos”, explicou.
Francisco afirmou que Jesus realiza uma “radiografia espiritual do nosso coração, que é o terreno sobre o qual cai a semente da Palavra”. “O nosso coração, como um terreno, pode ser bom e então a Palavra dá fruto, mas pode ser também duro, impermeável. Isso acontece quando ouvimos a Palavra, mas ela bate com força sobre nós, como numa estrada”.
“Entre o terreno bom e a estrada existem dois terrenos intermédios que, de várias medidas, podem, nós podemos ser”.
O Papa disse que o primeiro é o “pedregoso”: “é o coração superficial, que acolhe o Senhor, quer rezar, amar e testemunhar, mas não persevera, se cansa e nunca decola. É um coração sem consistência onde as pedras da preguiça prevalecem sobre a terra boa, onde o amor é inconstante e passageiro”.
O outro tipo é o “espinhoso”, “cheio de sarças que sufocam as plantas boas”. “O que essas sarças representam?”, perguntou-se. “A preocupação do mundo e a sedução da riqueza”.
“As sarças são os vícios que lutam com Deus, que sufocam a presença: sobretudo os ídolos da riqueza mundana, o viver com avidez, para si mesmo, para o ter e o poder”.
O Bispo de Roma assegurou, então, que “se cultivamos essas sarças, sufocamos o crescimento de Deus em nós. Cada um pode reconhecer as suas pequenas ou grandes sarças que não agradam a Deus e impedem de ter um coração limpo”.
“Jesus nos convida hoje a nos olharmos por dentro, a agradecermos pelo nosso terreno bom e a trabalharmos os terrenos que ainda não são bons”.
O Papa convidou os fiéis a encontrar “a coragem de recuperar o terreno, levando ao Senhor na confissão e na oração as nossas pedras e nossas sarças”.
Ao terminar, o Santo Padre recordou que hoje é celebrada Nossa Senhora do Carmo, “insuperável em acolher a Palavra de Deus e colocá-la em prática” e pediu que “nos ajude a purificar o coração e conservar nele a presença do Senhor”.
Acidigital

“The Walking Priest”, o sacerdote que leva o Evangelho às ruas

Pe. Lawrence Carney / Crédito: National Catholic Register
MISSOURI, 15 Jul. 17 / 02:00 pm (ACI).- Pe. Lawrence Carney foi apelidado de “The Walking Priest” (O sacerdote caminhante), em alusão a uma popular série de televisão, decidiu evangelizar nas ruas usando uma batina, um capelo, um terço na mão e um grande crucifixo na outra.
O sacerdote, que nasceu na cidade de St. Joseph, no estado de Missouri (Estados Unidos), disse ao ‘National Catholic Register’ que evangelizar enquanto caminha pelas ruas é o seu método de mostrar uma presença visível da Igreja na sua comunidade e em muitos outros setores que se sentem atraídos a conversar com ele.
“Escutar, sorrir, dar alguns conselhos, inclusive se uma pessoa começa a ser combativa. Quero que cada pessoa que eu conheço se sinta bem ao conversar comigo novamente. Isso os preparará para o momento em que surgirem as verdadeiras perguntas, no momento da sua conversão”, disse o sacerdote.
Pe. Lawrence esteve envolvido no trabalho de evangelização nas ruas durante três anos. Inspirou-se depois de caminhar com a batina na peregrinação do Caminho de Santiago, na Espanha.
“Considero-me um maratonista e não um velocista. St. Joseph é uma cidade de aproximadamente 76.000 pessoas, muitas delas se converterão se permitirmos que Deus realize a sua obra. Então, acho que devemos ser pacientes e deixar que Deus assuma o controle da conversação. Estará claro quando for o momento de dizer ou fazer alguma coisa”, afirmou.
Nesse sentido, disse que as pessoas “envolvidas na apologética têm uma tendência de tentar forçar as coisas” e, por isso, propõe “ser filhos de Deus quando somos missionários. Ele está no comando, não nós”.
“Não gosto de dar apenas terços e medalhas, mas, como sacerdote, quero estar presente para a pessoa que me acompanha e não os tratar como se fossem um número. Como Jesus fazia? Ele escutava, pregava e curava”, acrescentou.
Atualmente, o Pe. Lawrence é capelão da Igreja “Beneditinos de Maria, Rainha dos Apóstolos em Gower” de Missouri, celebra Missa todos os dias de acordo com o rito extraordinário, atende confissões e oferece direção espiritual. Mas, depois de realizar todos os seus deveres, dirige-se às ruas.
“A própria Igreja é missionária e todo o seu povo deve ser missionário, mas o sacerdote tem um maior poder como missionário. Acho que se perdeu o sentido do sacerdote como missionário em nossa Igreja e é algo que precisamos recuperar. Claro, o sacerdote tem que realizar um trabalho na paróquia, mas precisamos de mais pessoas para encher as nossas paróquias!”, assegurou.
Uma leiga, Jeanne Meyer, que o conheceu há três anos enquanto caminhava por uma das ruas principais de St. Joseph, contou que, depois de passar pouco tempo com Pe. Lawrence, reconheceu o fato de que “levava o seu trabalho a sério e sinceramente se preocupava pelas pessoas que ele conhecia no caminho”.
“É um sacerdote dedicado, que inspira uma fé mais profunda nos ensinamentos de Cristo. Sempre que encontro com alguém que o conheceu, há um sentimento de emoção em sua voz e expressão. Uma sensação de paz”, continuou.
Por outro lado, Aimee Dossey e seus dois filhos, que receberam instrução do Pe. Lawrence, indicaram: “Vemos que ele está orgulhoso da sua missão e ama todas as pessoas com as quais entra em contato, mesmo aquelas que estão desorientadas. Abençoa essas pessoas ao longo do seu caminho”.
Finalmente, Pe. Lawrence encorajou os sacerdotes a usar o seu método de evangelização: “Um pároco de uma igreja precisa se exercitar. Por que não dar uma volta ao redor do bairro rezando o terço? É uma grande maneira de sair e conhecer as pessoas. Para mim, esta é uma maneira mais eficaz de evangelizar do que batendo nas portas”.
“A nossa cultura perdeu o seu propósito de estar em união com Deus. Aponta coisas que não são para o nosso bem e não levam à salvação. Como sacerdote, o meu trabalho é ir contra a cultura. Ordenaram-me organizar a desordem”, concluiu.
Acidigital

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF