Translate

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Qual é a identidade de um católico?

Marko Vombergar / Aleteia
Por Padre Reginaldo Manzotti

A nossa identidade como católicos não foi tirada do nada; ela é bíblica.

Qual é a identidade de um católico? Em nossa vida civil o que nos identifica como cidadãos é a nossa Carteira de Identidade, popularmente conhecida como RG. Onde quer que vamos é o primeiro documento solicitado (ou o CPF). E como católicos qual é a nossa identidade?

Alguns podem pensar que é a devoção à Nossa Senhora, mas não, isso é consequência. Nossa identidade de católicos é a Santíssima Trindade. Nenhum católico começa uma oração, uma espiritualidade, uma adoração, a Santa Missa, sem invocar a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, fazendo o sinal da Cruz.

Não entendo como alguém pode negar a existência da Santíssima Trindade, se Jesus foi muito claro: “Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo” (Mateus 28,19-20).

A identidade do católico é bíblica

Pois bem, é bíblico! Tanto que em nosso Batismo, seja por imersão, como era antigamente ou como nós fazemos, hoje, por ablução, que consiste em derramar um pouco de água sobre a cabeça da criança ou do catequizando candidato ao Batismo. E o fazemos não em nome só de Jesus ou só do Espírito Santo. Um Batismo assim não seria válido. Batizamos seguindo o que nos pede Jesus: “Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

Logo, nossa identidade como católicos não foi tirada do nada. Porém, não é fácil compreender o mistério da Santíssima Trindade. Conta-se que Santo Agostinho andava em uma praia meditando sobre o mistério da Santíssima Trindade: um Deus em três pessoas distintas… Enquanto caminhava, observou um menino que portava uma pequena tigela com água. A criança ia até o mar, trazia a água e derramava dentro de um pequeno buraco que havia feito. Após ver repetidas vezes o menino fazer a mesma coisa, resolveu interrogá-lo sobre o que pretendia. O menino, olhando-o, respondeu com simplicidade: –“estou querendo colocar a água do mar neste buraco”. Santo Agostinho sorriu e respondeu-lhe: – “mas você não percebe que é impossível?”

Então, novamente olhando para Santo Agostinho, o menino respondeu-lhe: – “ora, é mais fácil a água do mar caber nesse pequeno buraco do que o mistério da Santíssima Trindade ser entendido por um homem! Quem fita o sol, deslumbra-se, mas quem persiste em fitá-lo nada mais enxerga; assim sucede com os mistérios da fé: quem pretende compreendê-los deslumbra-se e quem se obstina em perscrutá-los perder-se-á completamente”. E a criança, que era um anjo, desapareceu…

Compreender o mistério da Trindade

Verdade ou não, esta história nos leva a refletir que podemos conhecer o mistério que é Deus uno e trino, mas jamais compreenderemos a profundidade deste mistério em sua totalidade, mas isso não deve ser um empecilho para celebrar a Santíssima Trindade, o Pai Criador, o Filho Redentor e o Espírito santificador.

Nós somos convidados a clamar: “Pai, eu fui criado, e recriado pela graça da redenção do Teu Filho. Eu creio nisso, mas preciso mais, então dai-me o Teu Espírito Santificador. Dá-me o Teu Espírito consolador, que vem em auxílio das minhas fraquezas. Aquele que vem me defender do mal. Aquele que vem afugentar o Inimigo. Vem Espírito Santo, vem com Seu poder”.

Termino dizendo que negar a doutrina da Santíssima Trindade é rejeitar todo plano de Deus para nossa redenção e salvação.

Por Padre Reginaldo Manzotti

Fonte: Aleteia

Divulgado hino oficial do Congresso Eucarístico Internacional

Guadium Press
Previsto inicialmente para ocorrer no ano de 2020, o Congresso Eucarístico Internacional foi adiado para 2021, por conta da pandemia de Covid-19.

Budapeste – Hungria (15/06/2021 14:19, Gaudium Press) Durante uma coletiva de imprensa realizada na última segunda-feira, 14, o Cardeal Péter Erdő, Arcebispo Metropolitano de Esztergom-Budapeste, apresentou o vídeo com o hino oficial do Congresso Eucarístico Internacional, que será realizado em setembro na capital húngara.

A canção é, na realidade, uma versão atualizada de um hino escrito para o Congresso Eucarístico Internacional de 1938, último ano que Budapeste acolheu o evento. No vídeo também foram contadas as histórias de conversão de três jovens em Budapeste.

Tema e embaixadores do Congresso Eucarístico Internacional

Previsto inicialmente para ocorrer no ano de 2020, o Congresso Eucarístico Internacional, que terá como tema “Todas as minhas fontes estão em você” (Sl 87.7), foi adiado para 2021, por conta da pandemia de Covid-19.

O Cardeal Erdő apresentou ainda doze embaixadores do Congresso Eucarístico Internacional, nos quais estão incluídos músicos, cantores e poetas famosos que pretendem ser “testemunhas da Eucaristia”.

Guadium Press

Programação do Congresso Eucarístico Internacional

A abertura do Congresso Eucarístico Internacional será realizada na Praça dos Heróis através de uma Missa Solene, que terá o acompanhamento de um coral de mil vozes. Entre os dias 6 a 10 de setembro, as celebrações eucarísticas, catequeses, exposições e outros eventos culturais ocorrerão em ‘Hungexpo in Pest’.

O Arcebispo de Esztergom-Budapeste, Cardeal Péter Erdő, celebrará uma Santa Missa no dia 11 de setembro, na Praça Kossuth. Em seguida será realizada uma procissão luminosa até a Praça dos Heróis. Local onde, no dia 12 de setembro, será realizada a Missa conclusiva presidida pelo Papa Francisco. (EPC)

https://gaudiumpress.org/

Infância e adolescência em estado de alerta

Diário de Pernambuco

Infância e adolescência em estado de alerta

VIOLÊNCIA A exemplo da Igreja Católica, outras instituições se mobilizam para impedir que crianças e adolescentes sejam vítimas da pedofilia e de outros abusos sexuais e morais. A informação e uma série de cuidados no trato com o público infanto-juvenil estão entre as principais armas contra esse grave problema

por Luís Henrique Marques   publicado em 28/05/2021

“Comecei a fazer uso de drogas aos 18 anos com um grupo de amigos, num carnaval, em Salvador. Decidi experimentar cocaína. Eu carregava comigo um trauma, um momento de dor pelo qual passei aos sete anos, devido a um abuso sexual que sofri. Isso mexeu muito com a minha vida, porque eu tinha medo das pessoas, desconfiava delas, era uma pessoa presa”, conta Alexandre Falcão, recuperando da Fazenda da Esperança. Dramas como o de Alexandre são comuns, ainda que nem sempre venham a público. E uma das razões para isso está no fato de que a própria vítima de abuso sexual tende a esconder o caso por se sentir culpada. Segundo dados do Ministério da Saúde referentes ao período de 2011 a 2017, 37% das crianças e 38% dos adolescentes são vítimas de abuso sexual em ambiente familiar.

O tema não é novo, mas tem ganhado espaço no noticiário recentemente por conta das denúncias ocorridas no âmbito da hierarquia da Igreja Católica, especialmente em países como Estados Unidos e Irlanda. Segundo o padre e doutor em teologia moral Celito Moro, esse tipo de escândalo ganha ainda mais projeção quando ocorrido da Igreja porque os agressores se aproveitam da condição de serem referência para a comunidade ao assumirem uma vocação no ministério religioso, quando deveriam fazer o bem, especialmente para os mais vulneráveis. “Como afirmou o papa Francisco, isso é algo que nos envergonha e que não deveria acontecer”, diz o sacerdote. 

Moro considera, no entanto, que o papa se mostra corajoso e coerente ao enfrentar esse tipo de problema, embora reconheça que nem todos os bispos tenham a mesma postura, uma vez que silenciam quando o assunto é pedofilia ou até mesmo protegem padres acusados de abuso. “O papa Francisco convida a toda Igreja – e especialmente quem nela trabalha com menores – a assumir o compromisso da tutela e do cuidado de crianças e de outras pessoas em condição de vulnerabilidade”, afirma Moro. “Mais que isso, o papa propõe que seja feita uma revisão de como a Igreja tem tratado a questão da afetividade e da sexualidade, a começar do seu clero”, completa o sacerdote. 

Recentemente, a Igreja publicou o documento O cuidado Pastoral das Vítimas de Abuso Sexual, elaborado em resposta ao pedido da Congregação para a Doutrina da Fé a todas as conferências episcopais da Igreja no mundo. O texto traz diretrizes sobre como enfrentar a questão do abuso sexual, de poder e de consciência que acontece no seio da Igreja. 

Membro da Comissão Pontifícia para a Tutela do Menor, Nelson Giovanelli Rosendo dos Santos explica que “a iniciativa faz parte de um caminho que a Igreja, desde João Paulo 2º, realiza no sentido de fazer com que, definitivamente, não exista mais esse tipo de problema no seu interior ou, pelo menos, tente evitá-lo a todo custo”. Além do cuidado pastoral com as vítimas, o documento traz orientações sobre como enfrentar esse problema do ponto de vista jurídico, pastoral e canônico.  

Um dos fundadores da Fazenda da Esperança, Nelson acompanha de perto o problema do abuso sexual de maneira geral, uma vez que muitos recuperandos de dependência química assistidos pela entidade foram vítimas de violência sexual na infância ou na adolescência. Ele corrobora a visão do padre Celito Moro de que o papa Francisco deve ser intransigente contra esse tipo de crime, que precisa ser denunciado. Além disso, o pontífice coloca ênfase no cuidado para com as vítimas que “devem ser escutadas, acompanhadas, tanto do ponto de vista psicológico, como espiritual e pastoral, assim é preciso tomar medidas em relação aos agressores”, diz Nelson. Seminários, cursos e workshops de formação também deveriam ser feitos, segundo o papa, para membros do clero, candidatos ao sacerdócio, lideranças leigas e fiéis em geral.

“Eu parto do princípio de que onde há sombras, há também luz”, diz Nelson dos Santos sobre o trabalho de combate ao problema dos abusos na Igreja. A exemplo do que acontece em muitas instituições ao redor do mundo, a própria Fazenda da Esperança é uma referência no acompanhamento de vítimas e de agressores. “Sem que nós nos déssemos conta, com o método terapêutico da Fazenda, baseado fundamentalmente na experiência da vivência do Evangelho, com especial foco no amor e no perdão, verificamos experiências extraordinárias de acompanhamento de vítimas, que inclui perdão, reconciliação e até cicatrização das feridas”, afirma Nelson. Segundo ele, entre 40% e 50% daqueles que chegam à Fazenda da Esperança para passar pelo processo de recuperação tiveram, na juventude, alguma experiência ligada a abuso sexual ou de poder que levaram à dependência química. 

PONTO DE VISTA LEGAL

A pedofilia em si, no entanto, não é crime. “Do ponto de vista jurídico-penal não existe um crime específico de pedofilia”, diz o procurador de justiça de Sergipe, Carlos Augusto Alcântara Machado. “Contudo, decorrentes de tal transtorno, diversas condutas reprováveis são classificadas como infração penal, tanto pelo Código Penal, como pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).” Em outras palavras: uma pessoa pode ser pericialmente considerada pedófila, mas ela só será considerada criminosa a partir do momento em que cometer abuso contra uma criança ou adolescente. 

A médica pediatra e advogada Eliane Freire Rodrigues de Souza De Carli explica que a pedofilia é considerada uma “parafilia, isto é, um distúrbio psíquico caracterizado pela preferência ou obsessão por prática sexual com uma criança ou adolescente”. Já o abuso sexual, por sua vez, se caracteriza pelo ato de violência sexual contra crianças e adolescentes e “que pode envolver práticas distintas do contato genital, como carícias, beijos, exposição à pornografia ou a situações sexualizadas”, explica De Carli, que é referência no assunto para a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Carlos Machado esclarece que o Código Penal brasileiro tipifica crime de estupro de vulnerável como prática de qualquer ato libidinoso com menor de 14 anos, com “pena de reclusão de oito a 15 anos, podendo chegar a 30 anos, se a conduta resulta em morte”. Nesse caso, acrescenta o procurador da justiça, “a lei classifica como crime não somente a conjunção carnal (o ato sexual propriamente dito), mas qualquer outro ato libidinoso, até mesmo carícias íntimas”. Ele explica que crimes dessa natureza são passíveis de ação penal pública incondicionada, isto é, não dependem da vontade das vítimas ou de seus pais ou responsáveis. 

O procurador da justiça aposentado do Ministério Público de São Paulo e um dos colaboradores na redação do ECA, Munir Cury, afirma que o cidadão que tomar conhecimento desse tipo de abuso deve comunicá-lo ao Conselho Tutelar da comarca em que se encontra. Esse, por sua vez, comunica o procurador da Justiça. “Com indícios veementes, é instaurado um inquérito policial, que é inquisitorial (não tem participação do advogado de defesa), mas colhe provas documentais ou indiciárias que possam caracterizar a existência de um abuso”, explica Cury. Ele afirma também que o cidadão que se omite em denunciar casos desse tipo também pratica crime. Munir Cury ressalta ainda que o respeito aos direitos fundamentais da criança cabe (nessa ordem) à família, à escola, ao Conselho Tutelar, ao promotor da Justiça e, finalmente, ao juiz. Cury reconhece, no entanto, fragilidades na condição em que atuam todos esses envolvidos na proteção à infância e ao adolescente, hoje no Brasil. 

Por sua vez, a professora de Direito da Criança e do Adolescente da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Josiane Rose Petry Veronese, faz um balanço sobre como o Brasil trata o problema da pedofilia e dos abusos decorrentes dela. “No que se refere à exploração sexual infanto-juvenil, o Brasil tem se situado como extremamente negligente, o que caracteriza um desrespeito à Constituição Federal, um descaso com a Convenção sobre os Direitos da Criança de 1989 e para com os direitos proclamados e regulamentados no Estatuto da Criança e do Adolescente, de 1990”, denuncia. 

Veronese considera que se trata, “em síntese, de uma profunda negação dos direitos fundamentais da pessoa humana, sobretudo tendo-se em conta que esta negativa de cidadania atinge justamente aqueles que são merecedores de proteção especial e integral, por estarem num processo de desenvolvimento”. Para a professora, pesquisadora e autora de várias obras nessa área, esse quadro de descaso parte não só do poder público e da sociedade em geral, como da família em particular.

CUIDADOS EM CASA E NA ESCOLA

O psicólogo Allan Magalhães compartilha da opinião da professora Veronese. Segundo ele, as crianças sofrem diversos outros tipos de violência que incluem, além do abuso sexual, o abuso moral (como o bulling, por exemplo), a pressão, a chantagem e outros. Esse sofrimento elevado se manifesta, por vezes, na forma de automutilação, na depressão e no suicídio. Isso não tem relação apenas com abusos, mas diz respeito às próprias condições de vida que a sociedade impõe a crianças e adolescentes, argumenta Magalhães. “A criança está muito abandonada hoje em dia. Às vezes, está cercada de bens materiais, mas lhe falta relacionamento”, conclui o psicólogo (confira artigo na seção Psicologia desta edição).

A proteção à infância é ainda mais vital quando se leva em conta que as consequências do abuso têm repercussões para toda a vida da pessoa. “Não é raro que alguém que foi abusado se torne um abusador”, afirma Magalhães. Ele explica que o pedófilo está sujeito ao vício, mas pode controlá-lo, primeiramente, se conseguir realizar um resgate da estrutura moral que o convença a se afastar da prática de abuso sexual. Depois, deve usar estratégias que o previnam de situações de risco. “Como dizem os Alcóolicos Anônimos, é uma doença perene”, explica o psicólogo.

Quanto à vítima da pedofilia, o psicólogo reforça que, com ajuda e orientação adequadas, ela pode ser “conduzida de volta a uma experiência positiva”. De fato, a experiência de Alexandre Falcão parece confirmar esse fato. “Na Fazenda, tive coragem de abrir o meu coração e falar do abuso que havia sofrido”, conta. “Foi essa dor que me levou a usar a droga e tornou-me um homem que não conseguia perdoar ninguém, nem amar ninguém. Depois que tive coragem de me abrir e falar tudo, experimentei uma leveza e uma sensação de paz interior que eu nunca tinha experimentado na vida. Encontrei o amor misericordioso de Deus que foi me curando. Fui encontrando o sentido da vida”, afirma o recuperando da Fazenda da Esperança. 

Para a pedagoga Soraia Giovani, é preciso pensar numa “rede de proteção às crianças e adolescentes”. Ela argumenta que os adolescentes em particular “vivem um período de natural e necessário distanciamento da família para confrontar se aquilo que aprenderam com os familiares é verdadeiro”. Isso os expõe ainda mais a certos perigos, razão pela qual, esclarece Giovani, esses adolescentes precisam contar com adultos em quem depositem confiança e que lhes sirvam de referência. “Esses adultos podem ser aqueles a lhes chamar a atenção para o perigo de certas experiências e riscos que possam estar correndo”, explica. 

Nesse processo, os professores podem ser importantes aliados. Primeiramente, porque se tornam esses adultos em quem – fora de casa – os menores podem confiar. “Na convivência, o professor é capaz de perceber quando a criança muda de comportamento; quando está triste, por exemplo”, diz a especialista. Ela alerta para o fato de que o abusador costuma envolver a criança (inclusive com presentes), a ponto de o menor acreditar que, se disser algo contra o agressor, estará traindo a sua confiança. Antes, no entanto, de a escola encaminhar qualquer denúncia ao Conselho Tutelar, é adequado chamar a família e orientar a observar e escutar a criança. Soraia Giovani afirma também que instituições de ensino e a Igreja devem tomar certos cuidados no trato das crianças como, por exemplo, nunca permitir que apenas um adulto esteja com uma criança ou com um grupo de crianças. 

Atualmente, existem materiais impressos e audiovisuais didáticos que podem orientar os pais a iniciarem um diálogo com seus filhos menores sobre questões de sexualidade, prevenindo-os de certos riscos. Mas Giovani faz dois alertas: “Muitas vezes, a criança ainda não despertou para uma situação que diz respeito à sexualidade e antecipar algo que não corresponde à sua curiosidade pode ser arriscado”. Além disso, as escolas precisam ter um projeto elaborado de orientação sexual e contar com o consentimento dos pais para aplicá-lo. Sem isso, “mesmo diante de certas perguntas naturais dos alunos, a escola deve questionar a criança se já tratou o assunto em casa”, recomenda Giovani.

SINAIS DE ABUSO 

A Editora Cidade Nova lançou o livro Proteger a infância, obra de autoria de Carina Rosas e Viviana Carlevaris Colonnetti sobre o cuidado com crianças e adolescentes ante diferentes tipos de violência. Originalmente publicado na Argentina, a edição brasileira contou com a revisão técnica de vários especialistas, de modo a adequá-lo à nossa realidade cultural. O livro traz diferentes abordagens sobre o assunto (psicologia, medicina, direito, teologia moral etc.) e propõe dinâmicas de diálogo para o leitor poder refletir melhor o tema. No trecho a seguir, apresentamos alguns sinais que identificam crianças e adolescentes vítimas de algumas dessas violências:

“Alguns sinais para a identificação das vítimas, são apontados pela respeitada ONG Childhood Brasil, entre eles: 1) mudanças no padrão de comportamento, cuja alteração costuma ocorrer de maneira imediata e inesperada; 2) proximidades excessivas, pois o abusador muitas vezes manipula emocionalmente a criança, que não percebe estar sendo vítima e, com isso, costuma ganhar a confiança dela, fazendo com que ela se cale; 3) silêncio predominante, e, para obtê-lo, o abusador costuma fazer ameaças de violência física e psicológica, além de chantagens, sendo frequente a utilização de presentes, dinheiro ou outro tipo de material para construir uma relação amigável com a vítima; 4) mudanças de hábito súbitas, destacando-se o sono, a falta de concentração, aparência descuidada e outras; 5) comportamentos sexuais, tais como brincadeiras, palavras ou desenhos que se referem às partes íntimas, podem indicar uma situação de abuso; 6) traumatismos físicos são os vestígios mais óbvios da violência, destacando-se marcas de agressão, doenças sexualmente transmissíveis e gravidez; 7) enfermidades psicossomáticas, sem aparência clínica, tais como dor de cabeça, erupções na pele, vômitos, dificuldades digestivas, podem constituir um reflexo psicológico e emocional; 8) frequência escolar, como a queda nessa frequência ou o baixo rendimento causado por dificuldade de concentração e aprendizagem, a pouca participação nas atividades escolares e a tendência ao isolamento social.”

Texto originalmente publicado pela Revista Cidade Nova, em maio de 2019.

A Igreja como rebanho de Cristo

Papa Francisco no Presépio vivo na
Paróquia Santo Afonso de Ligório, em Roma |
Vatican News

"Nessa imagem da Igreja como rebanho de Cristo, é importante fazer um resgate inteiro das comparações infinitas da Sagrada Escritura que compara o Povo da Aliança como um rebanho. E há imagens significativas utilizadas pela Bíblia sempre comparando o Povo da Aliança como um rebanho apascentado por Deus."

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

Ao dar continuidade à sua explanação sobre os documentos conciliares, já há alguns programas o padre Gerson Schmidt – sacerdote incardinado na Arquidiocese de Porto Alegre – tem nos proposto um aprofundamento da Constituição Dogmática Lumen Gentium, um dos mais importante documentos do Concílio Vaticano II. Nos últimos programas, em particular, tem apresentado as várias imagens da Igreja que o documento apresenta, em particular no n. 6. No programa de hoje, padre Gerson nos fala sobre sobre “A Igreja como Rebanho de Cristo”:

“Aqui fizemos já diversos comentários a respeito das imagens utilizadas pela Lumen Gentium para comparar a Igreja. Na interpretação do Concílio, nesses anos todos, se centrou muito a imagem da Igreja como Povo de Deus, esquecendo-se as outras. Aí se se prejudicou a visão mais global. Por isso aqui o fazemos, utilizando todas as imagens e comparativas da Igreja utilizadas pela Lumen Gentium.  Já falamos sobre a Igreja como Corpo de Cristo, do qual Cristo é a cabeça, nós os membros. Também comentamos a Igreja que é comparada a uma Esposa. Ela é a verdadeira Esposa de Cristo. Cristo que amou a Igreja e se entregou por ela, imaculada, sem ruga e sem mancha.

Lumen Gentium comenta ainda outras imagens da Igreja. Introduz essas comparativas dizendo assim, no número 6: “Assim como, no Antigo Testamento, a revelação do Reino é muitas vezes apresentada em imagens, também agora a natureza íntima da Igreja nos é dada a conhecer por diversas imagens tiradas quer da vida pastoril ou agrícola, quer da construção ou também da família e matrimônio, imagens que já se esboçam nos livros dos Profetas”.

A Igreja é ainda comparada a um redil, um rebanho, uma grei, onde Cristo é a porta das ovelhas. Embora por pastores humanos, as ovelhas de Cristo são conduzidas e nutridas pelo próprio Cristo, o Bom Pastor e Príncipe dos Pastores, que deu sua vida pelas ovelhas.

Nessa imagem da Igreja como rebanho de Cristo, é importante fazer um resgate inteiro das comparações infinitas da Sagrada Escritura que compara o Povo da Aliança como um rebanho. E há imagens significativas utilizadas pela Bíblia sempre comparando o Povo da Aliança como um rebanho apascentado por Deus. Os pastores humanos nem sempre são fiéis. Foram maus e não apascentaram o rebanho do Senhor. Não cuidaram das ovelhas doentes, das transviadas.

O documento dogmático Lumen Gentium, quando usa essa imagem da grei-rebanho, referenda um texto bíblico do novo testamento que aponta a missão dos pastores a apascentar o rebanho Cristo, tirado da primeira carta de São Pedro, que diz assim: “Eis a exortação que dirijo aos anciãos que estão entre vós, – anciãos leia-se aqui os presbíteros - porque sou ancião como eles, fui testemunha dos sofrimentos de Cristo e serei participante com eles daquela glória que se há de manifestar. Apascentai o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não por coação, mas de livre vontade, como Deus quer, nem por torpe ganância, mas por devoção, nem como senhores daqueles que vos couberam por sorte, mas antes como modelos do vosso rebanho. Assim, quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de glória” (1Pdr 5,1-4).

Esse é o imperativo de São Pedro aos presbíteros: “Apascentai o rebanho de Deus, que vos é confiado”.  Não por interesse, por coação, por ganância, ou instinto de dominação, comenta a nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém. Mas por livre vontade, com dedicação, com devoção, como Deus o quer. Entenda-se devoção aqui nesse texto da Carta de São Pedro, não como um piegas espiritualismo, mas uma profunda dedicação com amor e ardor. Cabe a cada pastor – cada presbítero na linguagem petrina – apascentar como modelos do rebanho – de “bom coração”, de “bom grado” – não com tirania, mas com zelo apostólico para congregar a todos na única grei de Cristo – o verdadeiro e bom pastor do rebanho.  Como um belo cântico que recordamos aqui traduz de maneira muito significativa essa missão: “Verdes prados e belas montanhas hão de ver o Pastor, rebanho atrás, junto a mim, as ovelhas terão muita paz, poderão descansar”. Seremos bons pastores do rebanho enquanto conduzirmos as ovelhas ao verdadeiro e Bom Pastor que é Cristo.”

*Padre Gerson Schmidt foi ordenado em 2 de janeiro de 1993, em Estrela (RS). Além da Filosofia e Teologia, também é graduado em Jornalismo e é Mestre em Comunicação pela FAMECOS/PUCRS.

Fonte: Vatican News

Patriarcado Latino de Jerusalém consagrará Oriente Médio à Sagrada Família

Imagem referencial. Crédito: Unsplash
Por Harumi Suzuki | ACI Prensa

REDAÇÃO CENTRAL, 15 jun. 21 / 04:27 pm (ACI).- O patriarcado latino de Jerusalém celebrará o “Dia da Paz para o Oriente”, no dia 27 de junho, para pedir a Deus misericórdia e paz e consagrar o Oriente Médio à Sagrada Família.

Em nota, o patriarca, dom Pierbattista Pizzaballa, disse que, por ocasião da celebração dos 130 anos da encíclica do papa Leão XIII Rerum novarum, a Comissão Episcopal Justiça e Paz lançou a “Jornada da Paz para o Oriente”. A comissão episcopal pediu que, no dia 27 de junho, seja celebrada uma missa em cada país pertencente ao Conselho dos Patriarcas Católicos do Oriente Médio.

“Todos os patriarcas e bispos estão convidados a participar nesta intensa oração e a estar juntos numa profunda comunhão de oração durante este dia abençoado”, acrescentou Pizzaballa.

O patriarca anunciou que, por ocasião do Ano de São José, a consagração do Oriente Médio à Sagrada Família acontecerá na missa que será celebrada na basílica da Anunciação, em Nazaré.

“Abençoaremos um ícone da Sagrada Família especialmente pintado e incrustado com relíquias da mesma basílica da Anunciação”, disse. Ele disse que o ícone representa a pintura da Sagrada Família que “está sobre o altar da igreja de São José, em Nazaré, onde ficava a casa do carpinteiro, de acordo com a tradição”. “Uma vez abençoado, o ícone peregrinará pelos países do Oriente, partindo do Líbano até chegar em Roma no final do ano de São José, no dia 8 de dezembro de 2021”, acrescentou.

O patriarca disse que, após a chegada do ícone a Roma, “o papa Francisco dará a sua bênção apostólica especial para a ‘Jornada da Paz para o Oriente’”. Em seguida, o ícone regressará definitivamente à Terra Santa.

“Estão todos convidados a participar com a sua presença, e se não for possível, que seja através da comunhão na oração conosco, cada um desde a sua paróquia ou convento de origem, para implorar a misericórdia de Deus e a sua paz no nosso amado Oriente Médio, onde a fé cristã nasceu e continua viva, apesar dos sofrimentos”, concluiu.

Fonte: ACI Digital

Santos Julita e Ciro

SS. Julita e Ciro | ArquiSP

16 de junho

Santos Julita e Ciro

Julita vivia na cidade de Icônio, na Licaônia, atualmente Turquia. Ela era uma senhora riquíssima, da alta aristocracia e cristã, que se tornara viúva logo após ter dado à luz um menino. Ele foi batizado com o nome de Ciro, mas também atendia pelo diminutivo Ciríaco ou Quiríaco. Tinha três anos de idade quando o sanguinário imperador Diocleciano começou a perseguir, prender e matar cristãos.

Julita, levando o filhinho Ciro e algumas servidoras, fugiu para a Selêucia e, em seguida, para Tarso, mas ali acabou presa. O governador local, um cruel romano chamado Alexandre, tirou-lhe o filho dos braços e passou a usá-lo como um elemento a mais para sua tortura. Colocou-o sentado sobre seus joelhos, enquanto submetia Julita ao flagelo na frente do menino, com o intuito de que renegasse a fé em Cristo.

Como ela não obedeceu, os castigos aumentaram. Foi então que o pequenino Ciro saltou dos joelhos do governador, começou a chorar e a gritar junto com a mãe: "Também sou cristão! Também sou cristão!" Foi tamanha a ira do governador que ele, com um pontapé, empurrou Ciro violentamente, fazendo-o rolar pelos degraus do tribunal, esmigalhando-lhe, assim, o crânio.

Conta-se que Julita ficou imóvel, não reclamou, nem chorou, apenas rezou para que pudesse seguir seu pequenino Ciro no martírio e encontrá-lo, o mais rápido possível, ao lado de Deus. E foi o que aconteceu. Julita continuou sendo brutamente espancada e depois foi decapitada. Era o ano 304.

Os corpos foram recolhidos por uma de suas fiéis servidoras e sepultados num túmulo que foi mantido oculto até que as perseguições cessassem. Quando isso aconteceu, poucos anos depois, o bispo de Icônio, Teodoro, resolveu, com a ajuda de testemunhas da época e documentos legítimos, reconstruir fielmente a dramática história de Julita e Ciro. E foi assim, pleno de autenticidade, que este culto chegou aos nossos dias.

Ciro tornou-se o mais jovem mártir do cristianismo, precedido apenas dos santos mártires inocentes, exterminados pelo rei Herodes em Belém . Por isso é considerado o santo padroeiro das crianças que sofrem de maus-tratos. A festa de santa Julita e de são Ciro é celebrada pela Igreja no dia 16 de junho, em todo o mundo católico.

*Fonte: Pia Sociedade Filhas de São Paulo Paulinas http://www.paulinas.org.br

Arquidiocese de São Paulo

terça-feira, 15 de junho de 2021

A CONFISSÃO

Crédito: Aleteia

Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta (RS)

A CONFISSÃO

            No Ano do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, que o Papa Francisco instituiu, em 13 de março de 2015, escrevi algumas “Orientações Pastorais sobre a Misericórdia e o Sacramento da Reconciliação”, em 20 de fevereiro de 2016. De fato, tinha como objetivo experimentarmos a misericórdia divina e um estilo de vida misericordioso. Na oportunidade, salientei que queria “sublinhar o valor e a beleza do sacramento da Reconciliação, como lugar privilegiado da manifestação gratuita da misericórdia de Deus, que nos move a sermos “misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36)” (n.2). Neste tempo de pandemia, neste ano mais em casa do que nas comunidades, mais nos ambientes familiares do que nos retiros e formações, nossos católicos precisam novamente ter o sentido deste sacramento. Pode ter sido insuficiente em nossos católicos a iniciação cristã, que não conseguiu fazer nossos cristãos verem este rosto misericordioso de Deus. Faltou a experiência da gratuidade do homem, amado para amar, e, nunca, marcado pela justiça fria e cega. A misericórdia é gratuidade pura.

            Mas, sem dúvidas, a grande causa é o esfriamento da fé, que leva a um afastamento da penitência. Em todas pessoas pode-se perceber uma falta da busca do sacramento da penitência. Sabemos que não é fácil confessar os pecados. Exige um grande ato de humildade. O próprio fato, em si, de poder falar de si mesmo a alguém que escuta com o coração já é libertador e possui um caráter de não permitir que nossa consciência se acostume com o erro ou a não mais vê-los como pecado. A descristianização e o secularismo da sociedade, leva a perder a fé, no sentido do pecado e da necessidade da confissão. A nossa autorreferencialidade humana é o critério para nossas decisões morais, levando ao relativismo. A antropologia cristã não é ingênua: sabe que no coração humano residem a ambição, o ódio, a violência e o egoísmo. Especialmente no nosso tempo, onde tantos se deixam levar pelos meios de comunicação social, o pecado está muito presente, sobretudo pelo sentimento interior, pela divisão existente e pelas palavras ditas.

            Mas, não basta pedir perdão a Deus diretamente? Nosso Papa responde: “Não basta pedir perdão ao Senhor na própria mente e no próprio coração, mas é necessário confessar humildemente e com confiança os próprios pecados ao ministro da Igreja. Na celebração deste Sacramento, o sacerdote não representa somente Deus, mas toda a comunidade, que se reconhece na fragilidade de cada um de seus membros, que escuta comovida o seu arrependimento, que se reconcilia com ele, que o encoraja e o acompanha no caminho de conversão e amadurecimento cristão. Alguém pode dizer: eu me confesso somente com Deus. Sim, você pode dizer a Deus “perdoa-me”, e dizer os teus pecados, mas os nossos pecados são também contra os irmãos, contra a Igreja. Por isto é necessário pedir perdão à Igreja, aos irmãos, na pessoa do sacerdote” (Audiência Geral, 19/02/14). Não devemos temer a confissão de nossos pecados. Como o filho pródigo arrependido, nós também temos necessidade de dizer a Deus Pai o que nos pesa e a esperança que carregamos de uma vida nova.

            A confissão de nossos pecados é uma graça, que cura e liberta. O próprio sacerdote, ao acolher, sabe-se pecador e necessitado da graça do perdão. Quando nos apresentamos ao sacerdote, “que se sinta pecador, que se deixe surpreender, ser tocado por Deus. Para que Ele nos preencha com o dom da Sua misericórdia infinita, temos de sentir a nossa necessidade, o nosso vazio, a nossa miséria” (FRANCISCO, O nome de Deus é misericórdia, 2016, p. 77).

Fonte: CNBB

A sensibilidade antiaborto cresce nos Estados Unidos: dois terços dos americanos apóiam restrições totais ou parciais

A Posição Contra O Aborto Gratuito É Mais Alta: 67% Contra 32%. Foto: Arquivo
Por Jorge Enrique Mújica
Em 2021, 74% dos partidários do Partido Republicano são a favor da vida, enquanto 70% dos democratas são a favor do aborto.

O que a população americana pensa sobre o aborto? O estudo mais recente realizado pelo grupo demográfico Gallup responde a isso: 46% acreditam que está errado e 47% é aceitável. Ou o que é o mesmo: a população também está dividida neste ponto. Ao longo dos anos em que Gallup conduziu esta pesquisa sobre a questão específica do aborto, as respostas variaram mais no sentido de considerar o aborto inaceitável do que aceitável. Em 2020, por exemplo, 47% disseram que o aborto era errado e 44% disseram que o aceitavam. Em 2013, 43% consideraram aceitável e 48% inaceitável.

Valorizando o aborto por afiliação política, o estudo mostra que 64% dos partidários do Partido Democrata, 51% dos independentes e apenas 26% dos republicanos consideram o aborto moralmente aceitável.

Quando questionados se são definidos como pró-aborto ou pró-vida, o percentual para ambos os casos é de 49% versus 47%, respectivamente. Esses dados, no entanto, não são necessariamente “ruins”: entre 1995 e 1997, as pessoas que se autodefiniam como pró-aborto eram 52% da população, enquanto as que eram pró-vida mal chegavam a 38%.

Em 2021, 74% dos partidários do Partido Republicano são a favor da vida, enquanto 70% dos democratas são a favor do aborto.

No entanto, todos os dados acima, o estudo Gallup revela que 48% dos americanos acreditam que o aborto deve ser legal apenas em certas circunstâncias, enquanto 32% acreditam que deveria ser em qualquer circunstância. 19% da população considera que o aborto deve ser ilegal em todas as circunstâncias. Nesse sentido, se somarmos os percentuais de proibição total e legal apenas em algumas circunstâncias, temos que a posição contra o aborto gratuito é maior: 67% contra 32%. Ou em outras palavras: dois terços dos americanos apoiam restrições parciais ou totais ao aborto.

Indo para baixo neste último item para mais detalhes, Gallup perguntou àqueles que pensam que o aborto deve ser legal apenas em certas circunstâncias se eles pensam que na "maioria" ou "apenas em algumas" situações. 52% apoiam medidas mais restritivas contra 45% que apoiam medidas menos restritivas.

Fonte: https://es.zenit.org/

Economista ergue capela de pedra para a Virgem Maria

Gentileza: David
Por Benito Rodríguez

Inspirado em uma técnica de construção muito antiga, este pai de cinco filhos trabalhou duro para construir um lugar especial de devoção a Nossa Senhora.

David é economista, marido e pai que passa seus dias de folga em Cabezamesada, um pequeno vilarejo de Toledo, Espanha, de apenas 340 habitantes. Apesar de não ter experiência em construção, decidiu erguer, com as próprias mãos, uma capela em honra à Virgem Maria. Em maio deste ano, ele a “inaugurou” oficialmente com uma peregrinação familiar.

Aprendendo pelo YouTube

Cabezamesada é o povoado de onde vem a família de sua esposa. Eles têm uma casa lá, para onde vão nos finais de semana e férias.

CABEZAMESADA
Aleteia

Em suas voltas de bicicleta pela região, David se encantava com as cabanas dos pastores. As pequenas estruturas são construídas com pedras encaixadas e servem de abrigo para camponeses e fazendeiros após seus longos dias de trabalho no campo.

Fascinado pela técnica da pedra seca, que dispensa o uso de argamassa, ele se propôs o desafio de construir algo do tipo. E aprendeu como era feito assistindo a vídeos no YouTube. 

“Ocorreu-me que poderia dedicar meus esforços a algo mais útil, maior e melhor do que minha própria satisfação, por isso dediquei meu pequeno projeto à Virgem, que cuida tão bem de mim e de minha família”, disse ele.

Seu sogro, Melquíades, mostrou-lhe uma colina em um olival com vista fantástica. Era o local ideal para erguer a capela da Virgem Maria.

David estabeleceu alguns limites para si mesmo: “não gastar dinheiro no projeto e usar as mesmas técnicas de construção antigas, então tudo o que restou foram as pedras do campo, a inteligência, uma régua, um fio de prumo e as mãos. ”

“Eles pensaram que eu era louco”

A aventura começou em 2019, durante as férias e finais de semana. Aos poucos, pedra por pedra, ele testou seu trabalho e sua técnica para ver se o que estava construindo era resistente. 

David e Teresa têm cinco filhos, que viram o pai passar horas e horas naquela colina. Ele lembra: “Parecia que ia devagar e tentei apressar-me mais do que devia, chegando em casa à noite, bastante empoeirado e muito cansado. Imagine a expressão nos rostos de minha esposa e de meus filhos; eles pensaram que eu estava ficando louco!”

CABEZAMESADA
Aleteia

Mas sabendo que era pela Virgem e vendo a paixão que o pai tinha por ela, os filhos se ofereceram para ajudar, principalmente na coleta de cada pedra, que deve ser especialmente selecionada para se encaixar com as outras.

A esposa e os filhos sempre estiveram ao lado dele quando os contratempos surgiram. Ele se lembra de alguns momentos de desânimo ao longo do caminho:

“Em duas ocasiões, parte da construção desabou (não se deve pensar que essas coisas saíram bem da primeira vez) e meu cansaço também foi perceptível. É aí que você precisa de uma boa fonte de motivação para continuar e começar de novo. Minha motivação foi além da mera motivação humana: eu não poderia oferecer à Virgem algo semi-acabado. ”

CABEZAMESADA
Aleteia

Peregrinação familiar

No mês da Virgem Maria e depois de um ano e meio de construção, chegou a hora. David convidou seus pais, irmãos e irmãs, cunhados, sobrinhas e sobrinhos.

No total, foram mais de 30 pessoas presentes para a grande revelação. Todos ficaram completamente maravilhados quando chegaram à capela e viram a construção.

Lá dentro todos puderam rezar diante da imagem de Maria, a Rainha do Céu, com o título de Nossa Senhora do Monte Carmelo.

“Estávamos todos juntos, dando graças a Deus e pedindo perdão e ajuda. Talvez uma das vantagens de ter construído a capela aos poucos tenha sido o sossego e a paz de quando se está sozinho no campo. A oração vem naturalmente nessas condições, mas a peregrinação foi como cumprir o propósito que deu origem à ideia original. De fato, rezar o Rosário todos juntos nos fez sentir o afeto da Virgem de uma maneira muito especial ”.

CABEZAMESADA
Aleteia

Agora, os vizinhos de Cabezamesada estão descobrindo este pequeno santuário, lugar de recolhimento e oração.

Cada vez que David fica sabendo que alguns habitantes locais vieram ver a Virgem, ele se enche de alegria. Seu projeto é significativo para toda a comunidade.

“Fico muito animado quando estou no trabalho e, de repente, recebo fotos pelo WhatsApp de um vizinho que foi à capela e me manda um recado. Acho que eles se sentem orgulhosos. ”

Fonte: Aleteia

Pais perdoam motorista drogado que matou seus filhos

Danny e Leila Abdallah/ Crédito: EWTN News In Depth

SYDNEY, 14 jun. 21 / 03:02 pm (ACI).- Danny e Laylah Abdallah perderam 3 filhos em um acidente causado por um motorista bêbado e drogado em fevereiro de 2020 em Sydney, na Austrália, e decidiram perdoá-lo publicamente.

Pais de seis filhos, Danny e Laylah jamais poderiam imaginar que a última vez que falariam com três dos seus filhos seria quando os autorizavam a caminhar por uma calçada de Sydney para comprarem um sorvete. Minutos depois deste diálogo, um carro atropelou seus filhos de 9, 12, e 13 anos de idade e uma sobrinha de 11 que os acompanhava. Desde então, suas vidas mudaram para sempre.

Apesar de viverem na Austrália, Danny e Laylah encontraram-se pela primeira vez no Líbano. Desde o início, eles foram atraídos pela fé um no outro.

A "primeira coisa que Danny me perguntou foi: Você reza? E aquilo foi o meu sinal divino", disse Laylah, que foi criada numa família de forte fé católica, em entrevista ao programa EWTN News in Depth.

Da mesma forma, Danny valorizava a fé de Laylah. "Digo sempre que a maior decisão que tomamos na tua vida é sobre a pessoa com quem casamos, pois sei que uma mulher que ama e teme a Deus estará contigo na hora mais sombria", disse Danny ao canal católico EWTN.

Eles casaram, e mais tarde tiveram seis filhos: Antony, Angelina, Liana, Sienna, Alex e Michael.

"Nós os amamos cada minuto, cada segundo, mesmo quando estávamos cansados e exaustos, continuávamos a amá-los muito", disse Danny. "Eu costumava dizer a mim mesmo que o meu dia começava quando chegava em casa".

Em fevereiro de 2020 a família celebrava um aniversário e os pais permitiram que três dos seus filhos fossem a pé à sorveteria. "Ouvi a minha irmã dizer ao Danny: você tem a certeza de que não há problema que eles caminhem até lá?" Laylah recordou. "Então ele disse: 'Sim, eles irão pela calçada, o que poderia acontecer de mal?"

Minutos mais tarde, aconteceu o impensável. Danny e Laylah receberam um telefonema sobre um acidente, e apressaram-se a verificar os seus filhos.

"O que vimos estava além da nossa compreensão", disse Danny ao recordar o momento em que chegou ao local do acidente. "Quando os vi, percebi que tinha de me render a Deus".

Laylah comparou a visão a um "cenário de guerra". 

"Comecei a rezar quando todos à minha volta estavam gritando", disse ela. "A minha resposta imediata foi: Por que Deus faria isso conosco? Não, Ele não pode levar os nossos filhos. Ele não faria isso conosco".

Mais tarde descobriram os detalhes sobre o acidente. Um homem de 30 anos sob a influência de álcool, cocaína e outras drogas perdeu o controle do seu automóvel, conduziu-o sobre a calçada em alta velocidade e atropelou seus filhos.

"Eu me senti como naqueles filmes em que o corpo do personagem se desprende e olha para trás, como quem vê de cima o que está acontecendo. Foi assim que me senti", descreveu Danny. "Eu estava em choque e depois comecei a consertar o que podia".

Ele agarrou a filha Liana, que ainda estava consciente. Entretanto, disse: "senti no meu coração que tinha perdido os meus filhos aquele dia".

Chegando ao hospital, quatro sacerdotes encontraram-se com Danny e Laylah e deram-lhes a notícia: António de 13 anos, Angelina, de 12, Siena, de 9, e a sobrinha, Veronique, de 11, não sobreviveram.

"Eu apenas gritava”. “Não, não, eles não morreram", disse Laylah recordando o momento.

Os Abdallah não guardaram ódio do motorista, que foi condenado a 21 anos de prisão. "Sinto pena dele", disse Danny. "Rezo por ele". “O diabo usou-o como um fantoche".

Laylah decidiu perdoá-lo publicamente. "O perdão é algo que se pratica, é algo que se pratica toda a vida". “Então, eventualmente, é possível perdoar numa escala maior", explicou. "E não se perdoa porque os outros merecem ser perdoados. Mas porque você merece estar em paz", disse.

Ela disse que a sua fé a inspirou a decisão. "Se Jesus pode me perdoar, então é claro que eu posso perdoar o motorista", sublinhou. "Se Ele morreu na cruz por mim, então é claro que posso rezar por esse motorista".

“O nosso cristianismo, a nossa fé me levou a perdoá-lo", disse.

Fonte: ACI Digital

O Papa: casar e partilhar a vida é algo maravilhoso

Papa Francisco | Vatican News

O Santo Padre dedica a intenção de oração do mês de junho à beleza do matrimônio. "É uma viagem trabalhosa, por vezes difícil, chegando mesmo a ser conflituosa, mas vale a pena animar-se. E nesta viagem de toda a vida, a esposa e o esposo não estão sozinhos; Jesus os acompanha", diz Francisco na videomensagem.

Vatican News

Foi divulgada, nesta terça-feira (01/06), a videomensagem do Papa Francisco, com a intenção de oração do mês de junho, intitulada "A beleza o matrimônio".

O Pontífice inicia a mensagem de vídeo, fazendo a seguinte pergunta:

Será verdade o que alguns dizem, que os jovens não querem se casar, especialmente nestes tempos tão difíceis? Casar e partilhar a vida é algo maravilhoso.

Esse questionamento ecoa as dificuldades e complicações que muitas famílias e casamentos tiveram durante a pandemia. A taxa de casamentos, segundo alguns dados, vem diminuindo notavelmente desde 1972, a ponto de, em países como os Estados Unidos, atingir os pontos mais baixos da história. Além disso, em muitos países, a queda nas taxas de casamento foi acompanhada por um aumento na idade em que se casa. A média na Suécia, por exemplo, se aproxima agora aos 34 anos. Em termos de famílias, não se observa apenas que a proporção de filhos nascidos fora do casamento aumentou consideravelmente em quase todos os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas que se multiplicou o número de divórcios, que em alguns países chegam a mais da metade dos casamentos.

O confinamento, em muitos casos, gerou tensões e conflitos familiares e tornou a vida em comum uma tarefa mais árdua do que o normal. Porém, a mensagem do Papa encoraja a continuar:

É uma viagem trabalhosa, por vezes difícil, chegando mesmo a ser conflituosa, mas vale a pena animar-se. E nesta viagem de toda a vida, a esposa e o esposo não estão sozinhos; Jesus acompanha-os. O casamento não é apenas um ato "social"; é uma vocação que nasce do coração, é uma decisão consciente para toda a vida, que exige uma preparação específica.

"Por favor, nunca se esqueçam disto. Deus tem um sonho para nós, o amor, e pede-nos que o tornemos nosso. Façamos nosso o amor que é o sonho de Deus", diz ainda o Papa na mensagem de vídeo, convidando a rezar "pelos jovens que se preparam para o matrimônio com o apoio de uma comunidade cristã, para que cresçam no amor, com generosidade, fidelidade e paciência". "Porque para amar é preciso muita paciência. Mas vale a pena, não é mesmo?", conclui Francisco.

Ano especial dedicado à família

A videomensagem do Papa sobre o matrimônio chega num momento oportuno. Na festa da Sagrada Família de 2020, o Papa Francisco convocou um Ano especial dedicado à família que começou em 19 de março de 2021 com o seguinte lema: “Amor em família: vocação e caminho de santidade”. Essa convocatória coincide com o quinto aniversário da Exortação apostólica Amoris Laetitia e com o terceiro aniversário da Exortação apostólica Gaudete et Exsultate, dando destaque à vocação ao amor que cada pessoa tem dentro de sua casa. Além disso, acompanha outro acontecimento importante: o Ano de São José, que se estenderá até 8 de dezembro de 2021.

Fonte: Vatican News

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF