Translate

domingo, 20 de dezembro de 2015

Preparemo-nos para o Natal sem separar o que é divino do que é humano

Christmas decoration
Reflexões de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará.
O Tempo do Advento vivido pela Igreja e oferecido ao mundo como apelo à conversão é cheio de ensinamentos, correspondentes às realidades de nossa fé. Séculos se passaram, gerações e gerações de homens e mulheres plantaram e alimentaram a esperança, aguardando o cumprimento das promessas de Deus. Os profetas foram arautos da benevolência de Deus, cujo carinho e cuidado se refletia na atenção com aquele povo limitado e ao mesmo tempo teimoso na expectativa da realização dos planos de Deus.
Os tempos amadureceram e Deus realizou suas promessas, de forma surpreendente para todos os atores envolvidos na magnífica trama, cujas cenas se repetem diante dos olhos do mundo, nos presépios, pinturas, filmes, encenações teatrais, todas tentativas justificadas de uma aproximação ao mistério, que supera continuamente os nossos esforços. Por mais que nos empenhemos em penetrar nas páginas dos evangelhos, sempre estas nos superarão, pois se trata de realidades pensadas desde toda a eternidade. Possuí-las completamente seria pretender-nos maiores do que o próprio Deus. Surpresas fazem parte da revelação, processo que se completou com o final da era apostólica, mas se torna dom para cada pessoa de fé. A nós, na presente geração, cabe a abertura ao mistério, deixar que o coração se abra à perene novidade de Deus. Ninguém pretenda que a Bíblia esteja fechada, mas acolha continuamente a beleza do que Deus pode e quer oferecer-nos. Basta começar a aventura que começa com a profissão de fé no amor eterno de Deus.
A plenitude dos tempos aconteceu com a vinda do Salvador do mundo, nascido de uma mulher, como ensina o Apóstolo São Paulo: “Quando se completou o tempo previsto, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar os que eram sujeitos à Lei, e todos recebermos a dignidade de filhos” (Gl 4, 4-5). Não é que os tempos amadureceram por si, mas o amor de Deus os fez completos, quando enviou o seu Filho ao mundo. A mulher que participou de perto, em nosso nome, da realização do mistério, é a Virgem Maria. Sua aventura pessoal foi de extrema simplicidade e, por isso mesmo, decisiva profundidade! Recebeu um anúncio, cujos detalhes certamente superam a aproximação da narrativa evangélica, especialmente nos descritos de São Lucas. Acredita-se que este evangelista tenha estado bem perto de Maria, com a qual teria dialogado, para descobrir coisas que só podiam vir das fímbrias do coração da Mãe.
zenit.org

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Papa Francisco abre Porta Santa em Roma e Bento XVI é primeiro peregrino a cruzá-la.


VATICANO, 08 Dez. 15 / 10:53 am (ACI).- Ao final da Santa Missa que celebrou esta manhã na Praça de São Pedro pela solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Francisco abriu a Porta Santa da Basílica de São Pedro para dar início ao Jubileu da Misericórdia. Bento XVI, que esteve presente na celebração, foi o primeiro peregrino a entrar na Basílica pela Porta Santa.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Papa inaugura Presépio e Árvore de Natal de Assis

Assis (RV) – Na parte da tarde deste domingo (06/12), precisamente às 18h30, hora local, o Papa Francisco vai acender e abençoar, do Vaticano, a árvore de Natal e o Presépio da praça da Basílica Inferior de São Francisco, na cidadezinha de Assis, dedicados aos migrantes.

sábado, 7 de novembro de 2015

O que você deve saber sobre o novo episódio dos Vatileaks

Roma, 05 Nov. 15 / 06:02 pm (ACI).- Durante esta semana foram publicados na Itália dois livros cujo objetivo seria colocar à prova a capacidade do Vaticano e do Papa Francisco para resistir aos escândalos.
Um dos livros que mais chamou a atenção da imprensa é “Mercenários no Templo” do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, autor do bestseller “Sua Santidade”, o qual desatou o primeiro escândalo conhecido como “Vatileaks” em 2012, e terminou com a condenação do mordomo de Bento XVI, Paolo Gabriele, por ter filtrado documentos a Nuzzi.
O segundo livro “Avareza: Documentos que revelam a riqueza, escândalos e segredos da Igreja de Francisco”, do jornalista italiano Emiliano Fittipaldi, teve uma tentativa menos pretensiosa, através da qual tentava convencer ao mundo que – surpresa! – o Vaticano tem dinheiro.
Ler “Mercenários no Templo” evoca imediatamente uma observação de George Weigel a respeito de alguns autores italianos: “A fronteira entre a realidade e a ficção no jornalismo italiano é, de fato, não uma fronteira, mas uma membrana, através da qual todo tipo de material passa em ambas as direções”.
É vendido como uma denúncia, mas lido como ficção
Assim começa o livro de Nuzzi: “Em 12 de setembro de 1978 pela tarde, o Papa João Paulo I, depois de 18 dias do seu pontificado, descobriu um poderoso lobby maçônico com 120 membros ativos dentro da Cúria… então anunciou seus planos para fazer grandes mudanças na Cúria Romana ao Cardeal Villot, mas (…) no dia seguinte, a Irmã Vincenza Taffarel encontrou o Pontífice morto em sua cama”.
O livro, que de acordo ao jornalista Nuzzi ofereceria “provas de um enorme e aparentemente imparável desvio de fundos que o Pontífice está enfrentando com valentia e determinação”, é também um livro que intercala o “assassinato” do Papa Albino Lucciani com maçons, lobbies gays, máfia italiana, corporações internacionais e vírus implantados dentro dos escritórios vaticanos.
Usando e abusando de documentos que seriam secretos, assim como conversações gravadas, Nuzzi apresenta o caso – realmente bem conhecido –, de que o Papa Francisco está decidido a pôr um fim ao mau uso de recursos, o pagamento de “trabalhos não orçamentados, realizados sem supervisão e com faturas sem fundo” e o uso das doações dos fiéis.antos e “heróis”
O segundo capítulo, em relação com o “fazedor de Santos”, começa elogiando a Mons. Lucio Angel Vallejo Balda e Francesca Chaouqui, precisamente os dois indivíduos que foram presos pelo Vaticano na última semana devido a filtração de documentos confidenciais à imprensa, talvez ao próprio Nuzzi. Vallejo Balda é apresentado como um herói neste livro, especialmente no capítulo 9.
Nuzzi mostra claramente sua falta de conhecimento dos processos no Vaticano, reclamando que "fazer um santo" tem um preço de aproximadamente 500.000 euros. “Nós então devemos considerar os custos de todos os presentes de agradecimento necessários para os prelados que são convidados às festividades e celebrações em momentos cruciais do processo, a fim de dizer umas poucas palavras sobre os fatos e milagres do futuro santo ou beato”.
Nuzzi claramente ignora a trabalhosa origem das investigações teológicas, morais, históricas e médicas requeridas a fim de assegurar que o santo tem as necessárias “virtudes heroicas” e mais tarde confirmar um milagre atribuído por meio da sua intercessão. E o mais importante, ignora que nenhum postulador de um santo – nem sequer daqueles com causas que permanecem durante algumas décadas – queixou-se alguma vez dos custos do processo.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Católicos reagem ante vídeo que promove o aborto e ironiza a virgindade de Nossa Senhora



REDAÇÃO CENTRAL, 06 Nov. 15 / 07:00 pm (ACI).- “Meu corpo, minhas regras”, esse é o título de um vídeo que gerou repercussões esta semana, ao reunir atores famosos pronunciando discurso abortista. Além de promover o que defende como direito da mulher, o filme indignou a muitos ao colocar em dúvida a virgindade de Nossa Senhora, sugerindo que esta seria um erro de tradução.
O vídeo foi divulgado nesta semana, às vésperas do lançamento do filme Olmo e a Gaivota, de Petra Costa, que venceu como Melhor Longa-Metragem de Documentário no Festival do Rio 2015. Na ocasião, Costa fez um discurso dedicando a premiação às mulheres e defendendo o aborto, postura que foi alvo de críticas na internet. Segundo os produtores, foi em resposta a essas críticas que os atores se uniram para gravar o vídeo.
“Falar de gravidez é um tabu. Vem desde Nossa Senhora, que engravidou virgem. Uma gravidez sem sexo, sem corpo, sem desejo e sem medo. Sem sexo? Esse lance de virgindade (é) erro de tradução. Do hebraico pro grego, do aramaico para o hindu”, dizem os atores.
Diante dessa declaração, especificamente, católicos viram a necessidade de esclarecer a questão. Entre eles, Pe. José Eduardo de Oliveira e Silva, Professor de Teologia Moral, doutor pela Pontifícia Universidade Romana da Santa Cruz.
“Para ajudá-los em seu desconhecimento bíblico, e também para reparar a blasfêmia que cometeram contra a fé cristã, é meu dever lhes dizer que Nossa Senhora é Virgem, e isso não é um erro de tradução”, escreveu em seu Facebook.
O sacerdote cita o profeta Isaías (7,14), o qual afirma: “eis que uma Virgem conceberá e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel”. Sobre este trecho, explica que “a palavra ‘????’, ‘almah’, significa literalmente ‘donzela’, e empregava-se às moças virgens que viviam ainda com seus pais”.
Faz ainda referência ao evangelho de Mateus (1,23), “em sua versão grega”, o qual “traduz a palavra ‘almah’ por ‘παρθενος’, ‘partenos’, que, literalmente, ‘significa’ virgem”.
“O que os evangelistas queriam dizer é que aquele texto de Isaías cumpria-se literalmente no parto miraculosamente virginal de Maria, que gerava humanamente o próprio Deus encarnado em seu ventre imaculado”, explica Pe. José Eduardo.
De quem são as regras?
Um dos argumentos apresentados durante o vídeo e que dá nome ao mesmo é “meu corpo, minhas regras”, seguindo o raciocínio feminista de que a mulher tem plenos direitos sobre o seu corpo e assim poderia decidir se quer ou não dar continuidade a uma gravidez.
Segundo o Pe. José Eduardo, porém, essas regras defendidas, na verdade, vêm de fora. “São as regras dos coletivos feministas marxistas, que servem aos interesses dos Conselhos Populacionais, sucursais de Fundações Internacionais que querem a implantação de um governo mundial, e a redução da natalidade a níveis demograficamente suicidas”, postou em sua rede social.
O sacerdote indica que os envolvidos neste vídeo “venderam seus corpos a quem lhes pagou por isso”, para que eles obedecessem tal regra pensando ser deles próprios. Mas, explica que, de fato, o que acontece é que são enganados pelos promotores dessas ideias, “visto que o melhor engano é aquele em que o ludibriado se sente convicto de não sê-lo, sendo-o”.
“O pior disso é que, embora talvez vocês nunca tenham feito o aborto, algum desinformado o faça por causa de ‘suas’ regras, que não são ‘suas’, nem nunca serão ‘deles’”, observa.
Por fim, Pe. José Eduardo reflete sobre a situação do bebê, o qual em nenhum momento é considerado no vídeo.
“Sinto muito por vocês, sinto muito pelo Brasil, mas sinto muito mais pelos bebês, pois, diante de tantos ‘corpos’, parece que eles mesmos não têm aqueles que, de fato, são seus”, lamenta o padre, que completa: “Eles são os únicos sacrificados, os únicos expropriados de tudo. Eles não têm regras, não é verdade? Então devem obedecer às ‘suas’, aliás, que não são suas?”.
O que está por trás disso tudo
Em artigo intitulado “Entenda porque os atores da Globo estão em uma campanha a favor do aborto”, publicado no site da Casa Pró-vida Mãe Imaculada, Pe. Silvio R. Roberto, MIC, contextualiza a divulgação desse vídeo em relação ao cenário atual dos debates sobre aborto no Brasil.
Ele destaca que “os defensores do assassinato das crianças estão desesperados, pois sua ideologia de morte está perdendo terreno cada dia mais”.
O sacerdote explica que a legalização do aborto no Brasil é um desejo antigo da indústria abortista, que quer ampliar o seu mercado e “faturar em cima do sofrimento de crianças e mães”. Ressalta que a mídia secular anseia “pela liberação do aborto porque este contribui para o seu projeto de Revolução cultural, cujo objetivo é destruir os valores cristãos na sociedade”. Declara ainda que a ONU tem trabalhado para aprovar o aborto nos países membros, com uma “tática de manipulação da linguagem” que defende o “Direito Sexual e Reprodutivo”.
“É sabido que, segundo os planos dos abortistas e pelo montante de dinheiro por eles investido, o aborto já deveria estar legalizado no Brasil há pelo menos uma década. O partido que há mais de dez anos está no poder se comprometeu com esta legalização”, afirma.
Entretanto, observa que é crescente o número de pessoas contrárias à legalização desta prática no Brasil e, “para piorar as coisas para os abortistas, a última eleição que tivemos para o Legislativo formou uma Casa ainda mais conservadora, impedindo que a legalização do aborto passe como lei”.
Como sinal da articulação pró-vida, cita o Projeto de Lei 5.069/2013, que criminaliza o “induzimento, instigação ou auxílio ao aborto”, bem como determina a necessidade do exame de corpo de delito em caso de estupro para a autorização do aborto. Este PL foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e irá a votação no plenário da Câmara.
Por esses motivos, diz que os abortistas precisam recorrer aos filmes e campanhas publicitárias, “na tentativa de ganharem a opinião pública, sempre por meio da mentira e das meias verdades”.
“Se é verdade que a nossa luta é de Davi contra Golias, pois eles detêm a mídia, o dinheiro e a fama, nós detemos a verdade, algo que fala direto ao coração humano. Mas, assim como eles não descansam na busca de seu objetivo sórdido – o assassinato – muito mais nós – cidadãos comuns – devemos nos empenhar por um país de cultura de vida”, completa.
Também como resposta ao vídeo, a plataforma CitizenGo lançou uma petição de repúdio à esta campanha, a qual pode ser assina no site:http://www.citizengo.org/pt-pt/lf/node%3Anid%5D-repudio-campanha-abortista-atores-globais?tc=wp&tcid=17166967
Confira também:
Acusação de que PL 5.069 dificulta ajuda às vítimas de estupro é armadilha feminista.

sábado, 31 de outubro de 2015

Halloween é uma brincadeira inofensiva? De forma alguma, responde exorcista

Roma, 29 Out. 15 / 01:20 pm (ACI).- “É a grande festa do mundo do oculto, o ano novo dos satanistas, conhecido como a festa deste deus das trevas”, declarou ao canal de televisão italiano TV 2000 o Pe. Aldo Buonaiuto, sacerdote exorcista e autor do livro “Halloween. O truque do diabo”.
O presbítero expressou diante das câmaras que é importante compreender a instituição da festa de todos os Santos, feita pelo Papa Gregório IV, no dia 1º de novembro, aproximadamente no ano 834, ele a transladou do dia 13 de maio a esta data, justamente a fim de deter a tradição que chegava da Irlanda e que adora o mundo das trevas e dos mortos. este modo, destacou que atualmente tudo está relativizado, unido ao tétrico, à violência, ao horror, ao sangue e em forma de brincadeira.
“Nas escolas, eu escuto diferentes pais que nos falam de crianças que estão horrorizadas, têm pesadelos à noite e outras crianças que não entendem mais a diferença entre a vida e a morte”, lamentou o Pe. Buonaiuto.
O sacerdote exorcista apresentará seu livro “Halloween. O truque do diabo” em 29 de outubro, às 16h (hora local) na Universidade Europeia de Roma. Junto a ele, estarão Dom Matteo Maria Zuppi, Bispo auxiliar de Roma; Pe. Francesco Bamonte, Presidente da Associação Internacional de Exorcistas, entre outros especialistas. Em declarações a Interris.it, o Pe. Buonaiuto disse que o livro procura “informar, educar e prevenir os perigos, um subsídio para os pais e educadores, para os catequistas e para os sacerdotes, assim como para as crianças, de maneira que exista consciência a respeito dos significados dos símbolos ocultos e satânicos deste carnaval do horror, que não deve ser trivializado”.Sobre a tradição do “doce ou travessura” que as crianças dizem ao pediram caramelos de casa em casa no Halloween, advertiu que “esconde algo muito mais sério e preocupante do que podemos ver. No antigo culto pagão dos druidas, ‘trick or treat’, significava a ‘maldição ou sacrifício’: a obrigação de oferecer presentes aos sacerdotes do deus da morte, a fim de evitar vinganças do além”.
“Através desta conhecida moda festiva, difundem o prazer pelo horror como algo normal, a sedução de algo macabro, sentir mais atração pela morte do que pela vida. Está profanando o significado da morte. Como escrevi no livro, o truque do diabo é um doce mortal para a alma”.
Por outro lado, o sacerdote também criticou o aspecto comercial deste evento, muito seguido pelos jovens. “Na Europa, o lucro econômico com a ‘Noite de bruxas’ supera os 400 milhões de euros”, assinalou.
“Trata-se de um fenômeno daninho, no plano social, antropológico e cultural: uma proposta de valores negativos, vinculados a uma visão materialista e utilitarista da vida e do prazer. E é uma profanação da verdadeira festa, cristã, do culto aos Santos, da devoção por homens e mulheres que trataram de imitar o exemplo perfeito de Jesus no amor ao próximo e no respeito aos mandamentos divinos”.
O sacerdote exorcista Aldo Buonaiuto é antropólogo, demonólogo e coordenador do Serviço Anti-Seitas da Comunidade Papa João XXIII. Estudou filosofia e teologia no Pontifício Ateneu “São Anselmo” (Roma) e antropologia teológica no Pontifício Ateneu Teresianum (Roma).
Por Abel Camasca.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

O ENEM e o controle ideológico da população

Resultado de imagem para enem
Um exame que foi pensado como mero indicador de qualidade acadêmica transformou-se num forte instrumento de controle, inclusive ideológico, de acesso ao ensino superior. E já está sendo usado para consolidar a ideologia de gênero.
Nunca houve, na história do Brasil, um instrumento potencialmente tão completo, em termos de dominação ideológica do país, como o ENEM. De fato, ele é, hoje, basicamente a única porta de acesso a todo o ensino superior e a toda a estrutura de pós-graduação no país – vale dizer, quem não estiver preparado para demonstrar não somente qualidade acadêmica, mas também afinação com os pressupostos ideológicos que regem os elaboradores e corretores do exame está condenado a não obter vaga nas universidades, ou ao menos privar-se das universidades de maior qualidade e dos cursos mais procurados.
Não se trata de discutir se o ENEM é ou não um instrumento pedagógico tecnicamente bom. Possivelmente ele é, e isto não diz nada em seu favor: são exatamente os instrumentos bons os que são mais aptos de produzir danos enormes quando mal utilizados. Uma faca extremamente afiada é um instrumento soberbo para um bom churrasco, mas é também uma arma letal nas mãos de um assassino. Há uma confusão básica – também no campo da educação – entre ética e técnica, como se o avanço técnico da ciência pudesse influir diretamente, ou mesmo determinar, as fronteiras da ética.
Neste ponto, há que se frisar: nenhum governo autoritário do Brasil jamais dispôs de um instrumento tão completo, abrangente e eficaz, no plano do controle ideológico, como é o ENEM. Para o bem ou para o mal. Trata-se, como disse, de condicionar o acesso a todo o ensino superior à porta única de entrada que é este exame. E que, é claro, submete-se (potencialmente ao menos, senão em ato) a um grande controle ideológico sob o ângulo de certos consensos acadêmicos e midiáticos que estão bem estabelecidos, hoje, no nosso país e no mundo.
Dou um exemplo: há uma grande discussão, hoje, sobre a verdadeira noção de “identidade sexual”. Tradicionalmente, sempre se entendeu que a “identidade sexual” do ser humano é binária: somos homens e mulheres, e as exceções clínicas, raríssimas, somente confirmavam a regra. Há, é claro, (e tradicionalmente se entendia assim) o campo das tendênciasinclinaçõesdesejos e opções sexuais, mas estes não faziam parte da própria identidade sexual, da substância da pessoa humana, senão do campo dos condicionamentos e das escolhas, das opções e vivências culturais e pessoais, na riqueza da sexualidade humana. Compreendia-se que havia homens e mulheres, e que havia diversas maneiras e modos de se viver na prática a sexualidade, sem que tais maneiras e modos passassem a integrar a própria noção de identidade sexual.
De repente, embalados por estudos pretensamente científicos e suas interpretações filosóficas ou pseudoéticas, de pensadores como Wilhelm Reich, Marcuse, Simone de Beauvoir, Foucault, Shulamith Firestone ou Judith Butler, só para citar alguns, a “identidade sexual” passou a incorporar em si não somente a condição de homens e mulheres, mas as próprias tendências, escolhas, condicionamentos ou desvios, fazendo com que o lado estritamente subjetivo da sexualidade humana prevalecesse sobre a objetividade da convivência pública, e inserindo no campo da dignidade da pessoa humana a ser tutelada pelo Estado aquilo que, anteriormente, estava no âmbito da estrita variabilidade pessoal, com todo o grau de conforto ou desconforto que as situações concretas determinavam.
Brasilia, (ZENIT.org) Paulo Vasconcelos Jacobina.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Vocação missionária na família. "A família já é missionária pelo fato de existir"

Reflexão de Dom Alberto Taveira Corrêa, arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

Belém do Pará,  (ZENIT.orgDom Alberto Taveira Corrêa

No domingo, no clima de valorização da família em que se realiza a Assembleia ordinária do Sínodo dos Bispos, o Papa Francisco canoniza um casal extraordinário, Luís e Zélia Martin, pais de Santa Teresinha do Menino Jesus. A família santa será posta em relevo, para que se realize a Palavra de Jesus: "Assim também brilhe a vossa luz diante das pessoas, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus" (Mt 5,16). Ele era relojoeiro; ela rendeira: de origem burguesa, santos por eleição. Luís Martin (1823-1894) e Zélia Guérin (1831-1877). Ambos eram filhos de militares e foram educados num ambiente disciplinado, severo, muito rigoroso. Os dois receberam educação de cunho religioso em escolas católicas. Ao terminar os estudos, Luís orientou-se para a aprendizagem do ofício de relojoeiro, não obstante o exemplo do pai, conhecido oficial do exército napoleônico. Zélia ajudava a mãe na administração da loja de família. Depois, especializou-se no "ponto de Alençon" na escola que ensinava a tecer rendas. Em poucos anos os seus esforços foram premiados: abriu uma modesta fábrica para a produção de rendas e obteve discreto sucesso. Ambos nutrem desde a adolescência o desejo de entrar numa comunidade religiosa. Ele desejou ser admitido entre os Cônegos regulares de Santo Agostinho no Grande São Bernardo, nos Alpes suíços, mas não foi aceito porque não conhecia o latim. Também ela tenta entrar nas Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, mas compreende que não é a sua estrada.
A família já é missionária pelo fato de existir. O Sacramento do Matrimônio traz a graças da unidade, da fidelidade e da fecundidade e todas as forças necessárias para que edifique os outros, na missão social que lhe cabe. Pela superação contínua dos obstáculos, coragem para enfrentar as crises, educação dos filhos para os valores do Evangelho, a família planta presenças na Igreja e na Sociedade, pelo bem que seus membros podem fazer.
A família pode ser missionária quando o clima de oração e de participação na Igreja abre os corações de todos para as necessidades da Paróquia, ou quando os filhos aprendem a compartilhar os bens em benefício do esforço evangelizador da Igreja. Quando encontro crianças que saem de seus lugares na missa dominical para participarem com suas moedinhas da coleta das missões, programada para todas as celebrações do mundo inteiro, descubro a generosidade em ato, na educação para a partilha.
A Família, então, será ainda missionária quando o clima de vida cristã propiciar o surgimento de vocações para o serviço da Igreja. Por isso, pedimos que São Luís e Santa Zélia Martin rezem por nós!

sábado, 26 de setembro de 2015

Encontro Mundial das Famílias: Homilia do Papa Francisco


FILADELFIA, 26 Set. 15 / 12:31 pm (ACI).- Após sua chegada ao aeroporto Internacional da Filadélfia às 9:30h (horário local), o Santo Padre se dirigiu à histórica Catedral de São Pedro e São Paulo para celebrar sua primeira Missano Encontro Mundial das Famílias. Na sua alocução o Santo Padre recordou o encontro entre Santa Catarina Drexel, uma das grandes santas norte-americanas e o Papa Leão XIII. Na ocasião, falando sobre a Evangelização dos EUA, o sábio Papa perguntou à Santa Catarina: «E tu, que farás?». Esta mesma pergunta o Papa dirigiu aos presentes referindo-se à missão de transmitir a alegria do Evangelho.
Nesta manhã, aprendi algo mais da história desta bela catedral: a história que está por detrás das suas paredes altas e dos seus vitrais. Contudo prefiro olhar a história da Igreja, nesta cidade e neste Estado, como uma história não de construção de muros, mas do seu derrube. Ela fala-nos de gerações e gerações de católicos comprometidos, saindo para as periferias a fim de construir comunidades de culto, de educação, de caridade e de serviço à sociedade inteira.
Muitos de vós conhecem a história de Santa Catarina Drexel, uma das grandes Santas saídas desta Igreja local. Quando ela falou ao Papa Leão XIII da necessidade das missões, o Papa – era um Papa muito sábio! – perguntou-lhe de maneira incisiva: «E tu, que farás?» Aquelas palavras mudaram a vida de Santa Catarina, porque recordaram-lhe que afinal cada cristão recebeu, em virtude do Baptismo, uma missão. Cada um de nós deve responder, da melhor forma possível, à chamada do Senhor para construir o seu Corpo, que é a Igreja.
«E tu, que farás?» A partir destas palavras, gostaria de me deter sobre dois aspectos, no contexto da nossa missão especial de transmitir a alegria do Evangelho e edificar a Igreja como sacerdotes, diáconos ou membros de institutos de vida consagrada.
Um dos grandes desafios que a Igreja tem pela frente, nesta geração, é promover, em todos os fiéis, o sentido de responsabilidade pessoal pela missão da Igreja e torná-los capazes de cumprirem tal responsabilidade como discípulos missionários, serem fermento do Evangelho no nosso mundo. Isto exige criatividade para se adaptar às situações em mudança, para levar avante a herança do passado, não primariamente mantendo as estruturas e as instituições, que também foram úteis, mas acima de tudo estando disponíveis para as possibilidades que o Espírito abre diante de nós e comunicando a alegria do Evangelho, todos os dias e em todas as estações da vida.
Durante estes dias do Encontro Mundial das Famílias, gostaria de vos pedir para refletirdes de modo particular sobre a qualidade do nosso ministério com as famílias, os casais que se preparam para o matrimônio e os nossos jovens. Tenho conhecimentos do que se faz nas vossas Igrejas locais para dar resposta às suas necessidades e apoiá-los no seu caminho de fé. Peço-vos que rezeis fervorosamente pelas famílias, bem como pelas decisões do próximo Sínodo sobre a família.
Agora, com gratidão por tudo o que recebemos e com confiante certeza em todas as nossas necessidades, voltemo-nos para Maria, nossa Mãe Santíssima. Que Ela, com o seu amor de mãe, interceda pelo crescimento da Igreja, na América, no testemunho profético do poder da cruz do seu Filho para levar alegria, esperança e força ao mundo. Rezo por cada um de vós e peço-vos, por favor, que rezeis por mim.
Youtube/acidigital

terça-feira, 22 de setembro de 2015

América 2015: Filadélfia começa a celebrar Encontro Mundial das Famílias

Francisco vai presidir às cerimônias conclusivas da iniciativa, com participação prevista de mais de um milhão de pessoas.
O programa oficial inicia-se com um congresso temático que se prolonga até sexta-feira, seguindo-se dias de oração e encontro com Francisco, em volta do tema ‘O amor é a nossa missão: a família plenamente viva’.
Francisco enviou uma mensagem à cidade norte-americana de Filadélfia, antes da sua viagem: “Anseio cumprimentar os peregrinos e o povo de Filadélfia quando ali for para o Encontro Mundial das Famílias”.
“Estarei lá porque vós estareis lá. Vemo-nos em Filadélfia”, acrescentou, em inglês.
O Papa vai presidir às cerimónias conclusivas do 8.º Encontro Mundial das Famílias, na noite de sábado e no domingo, perante uma multidão estimada em 1,5 milhões de pessoas.
Os dados foram avançados pelos responsáveis do Conselho Pontifício da Família (CPF), da Santa Sé, e da Arquidiocese de Filadélfia.
D. Vincenzo Paglia, presidente do CPF, disse que ninguém está “excluído” deste grande encontro de famílias, o qual acontece uma semana antes do início do Sínodo dos Bispos, sobre o tema ‘A Vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo’ (4-25 de outubro, no Vaticano).
Filadélfia, “cidade-pátria da independência americana”, vai ser a “capital da família”, não como “ideologia”, mas como “famílias” falando de si próprias, de forma “concreta”, sublinhou o arcebispo italiano.
No congresso prévio, com participação de 17 mil e 500 pessoas de mais de 100 países, incluindo Portugal - a maior de sempre -, vão ser apresentadas investigações que sublinham o papel central das famílias na sociedade, como o seu principal “recurso” e um “bem da humanidade”.
D. Charles Joseph Chaput, arcebispo de Filadélfia, assinalou que os conferencistas convidados incluem vários não católicos, como sinal de que a iniciativa está aberta “ao mundo”.
O responsável adiantou que o encontro mundial tem um orçamento de 45 milhões de dólares, que chegam através de donativos, para garantir a segurança dos participantes e a limpeza dos espaços, para além de oferecer bolsas a todas as dioceses do México e a cada conferência episcopal latino-americana, bem como às dioceses pobres dos Estados Unidos da América e Canadá.
Na noite de sábado, o Encontro Mundial das Famílias vai celebrar um “festival intercultural”, com a presença confirmada da norte-americana Aretha Franklin, do cantor colombiano Juanes e do tenor italiano Andrea Bocelli.

OC
Agência Ecclesia

sábado, 19 de setembro de 2015

Papa Francisco conclui ciclo de catequeses sobre a família

As reflexões prepararam os fiéis para o Encontro Mundial das Famílias 

A praça de São Pedro recebeu mais de 30 mil fiéis e peregrinos para audiência geral com o papa Francisco, na quarta-feira, 16 de setembro. Na ocasião, o pontífice encerrou a série de catequeses sobre a família, em preparação ao Encontro Mundial das Famílias, com início no próximo dia 22, na Filadélfia. 
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil será representada, no evento, pelo bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, dom João Bosco Barbosa, e pelo padre Moacir Arantes, assessor da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF). 
Em dezembro do ano passado, o papa Francisco propôs ciclo de reflexões sobre a vida e a família, também em preparação à 13ª Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que acontecerá de 4 a 25 de outubro, no Vaticano. 
“Concluímos as reflexões sobre a família, hoje, nas vésperas do Encontro Mundial das famílias na Filadélfia e do Sínodo dos Bispos aqui em Roma, dois acontecimentos que darão nova luz à dimensão universal desta comunidade humana fundamental e insubstituível que é a família”, recordou Francisco.
Durante a reflexão, o papa alertou que diante da mentalidade materialista que impera sobre a humanidade, “é preciso promover uma nova aliança entre o homem e a mulher que possa orientar a política, a economia e a convivência civil”.

Família no mundo

Ao destacar o valor da família na vida em sociedade, o papa falou da missão do homem e da mulher no projeto divino. “Deus confiou à família o projeto de tornar ‘doméstico’ o mundo. Assim que tudo o que acontece entre o homem e a mulher deixa marcas na criação; em concreto, o pecado original – a rejeição à bênção de Deus, deixou o mundo doente. Mas, Deus nunca abandonou o homem; no livro do Gênesis, a promessa feita à mulher parece garantir a cada nova geração uma bênção especial para defender-se do maligno”, explicou o pontífice.
Ainda sobre a vocação dos casais, o papa disse ser preciso “ter certeza que cada família é uma bênção para o mundo, até ao final da história”.
Ao final da catequese, saudou os peregrinos de língua portuguesa presentes na audiência e as famílias. Dirigiu saudação particular aos membros da Fundação “Fé e Cooperação” de Portugal e aos grupos de brasileiros. “Deixa-vos guiar pela ternura divina, para que possais transformar o mundo com a vossa fé”, conclui Francisco, abençoando os fiéis. 
CNBB com informações e foto do News.va

domingo, 13 de setembro de 2015

Sacerdote na Filadélfia constrói Vaticano de Lego e encanta crianças e adultos.

FILADELFIA, 12 Set. 15 / 11:00 am (ACI).- O pároco da Igreja Santa Catarina de Sena, na Filadélfia, Pe. Bob Simon, construiu a Praça e a Basílica de São Pedro, do Vaticano, com mais de 500 mil peças de lego. Através desta obra, serão dadas as boas-vindas ao Papa Francisco em sua viagem aos Estados Unidos.
Embora o sacerdote não saiba exatamente quantas peças utilizou, explica que usou cerca de 44 mil para construir o chão da Praça de São Pedro, enquanto nas colunas usou outras 6 mil.
A estrutura mede aproximadamente 4,26 metros de altura e 1,98 de largura e estará exposta no Franklin Institute, na Filadélfia, entre os dias 19 de setembro e 15 de fevereiro, no contexto da viagem do Santo Padre ao país e sua participação do 8° Encontro Mundial das Famílias, nesta cidade.
“Nestes 50 anos de vida, sempre tive duas certezas: que sempre quis ser sacerdote e que sempre gostaria do lego”, afirmou o sacerdote.
Pe. Simon disse que começou a construção da estrutura em setembro do ano passado.
Desde criança quis fazer o Vaticano. Há um ano, falei com a minha mãe que o faria e me disse “claro que você vai conseguir”.
“Demorei dois meses para decidir o tamanho da fachada, pois estava relacionada a quantidade exata de janelas e balcões. Entre janeiro e fevereiro fiz as paredes, em março a cúpula, que foi a parte mais complicada pois nunca tinha usado peças de lego para fazer uma esfera”, relatou o sacerdote.

“A última parte a ser construída foi a Praça de São Pedro. Coloquei as peças uma por uma. Foram 44 mil peças utilizadas para o chão”, disse o sacerdote, e comentou ainda que enquanto realizava esta tarefa também rezava.

domingo, 9 de agosto de 2015

Dia dos Pais está sob ameaça, alerta Arcebispo de Sorocaba (SP)

REDAÇÃO CENTRAL, 09 Ago. 15/08/2015 (ACI).- Neste segundo domingo de agosto, comemora-se o Dia dos Pais e, na Igreja, celebra-se a vocação matrimonial. Mas, este é um dia sob ameaça, segundo o Arcebispo de Sorocaba (SP), Dom Eduardo Benes. Em seu recente artigo, “Homens Corajosos”, o Prelado alerta que “há quem queira relativizar a missão do pai e, consequentemente da mãe, da família enfim”.
O Arcebispo cita a tentativa de pessoas ligadas ao Ministério da Educação de abolir o dia dos Pais, “sob a alegação de que tal comemoração causa sofrimento às crianças privadas do afeto paterno”. Entretanto, sublinha que este não é principal motivo, e sim a relativização do binômio “homem-mulher como origem e espaço do desenvolvimento do ser humano”.
“Suprimir o dia dos pais é uma das nefastas consequências da pretensão de dar dignidade de matrimônio às uniões homossexuais”, constata.
No que diz respeito à alegação de que esta data gera sofrimento às crianças com pais ausentes, Dom Benes salienta que este sentimento não é causado pela comemoração, e sim pela ausência física e afetiva do pai. “E uma boa escola saberá cuidar dessas crianças”, declara.
O Arcebispo fala ainda sobre a missão dos homens em suas famílias e a importância da vivência da fé, apontando São José como modelo a ser seguido.
Ele relembra que José amava Maria e viveu um drama ao saber de sua gravidez, mas para preservá-la, resolve ir para longe. Entretanto, o Bispo recorda que, informado em sonho de que a gestação de Maria era obra do Espírito Santo, José a acolheu e “entregou-se ao desígnio de Deus, consagrando sua vida ao menino e à sua santíssima esposa. Cuidou dela como quem cuida de um sacrário, com profundo respeito e veneração”.
“José, homem justo, amou, como ninguém o terá feito, sua esposa e o filho que lhe fora dado pelo Pai do céu. Ele assumiu, no tempo, o Filho de Deus feito ser humano. Não houve e nem haverá ninguém tão pai como José. Todo pai só é pai de verdade quando com a esposa assume, em verdadeiro amor, o filho gerado”, escreve o Prelado.
O Arcebispo destaca que os pais devem aprender com José a como exercer sua missão, ou seja, “ser sinal do Pai do céu”, de quem procede toda paternidade. “A vocação de São José foi a de representante do Pai Eterno junto a seu Filho Unigênito na terra. Por isso os autores místicos o chamam de ‘Sombra do Pai Celeste’, um privilégio especial só a ele concedido”, pontua.
Por isso, Dom Benes se dirige aos esposos e pais, recordando-os que são chamados a “revelar o mistério de Deus Pai para seus filhos”. Segundo ele, a relação dos pais “com seus filhos deve ser tal que lhes plante na alma uma experiência tão boa que lhes permita chamar Deus, com alegria e confiança, de Pai (papai), como Jesus”.
www.acidigital.com

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Papa aos jovens: não tenham medo do casamento


Neste período de “férias” em que os compromissos públicos do Papa se reduzem, ficamos em jejum das palavras do Pontífice. Contudo, por meio das redes sociais, Francisco se faz sentir mesmo que seja somente com 140 caracteres, como ocorre no Twitter.
Na manhã desta terça-feira, 28, o Papa escreveu: “Queridos jovens, não tenham medo do matrimônio: Cristo acompanha com a sua graça os esposos que permanecem unidos a Ele".
Setor dos casais
Durante as audiências gerais das quartas-feiras, na Praça São Pedro, um dos locais mais concorridos é o “setor dos casais”. Em fase de preparação para o matrimônio ou casados já há algum tempo, não importa: a cena se repete. Noivas com seus longos vestidos brancos desfilam pelas imediações do Vaticano chamando a atenção de quem passa.
Na audiência geral de 29 de abril deste ano, o tema da catequese do Papa foi justamente o matrimônio – e as dificuldades que isto implica nos dias de hoje.
“É uma realidade que as pessoas se casam cada vez menos; é real: os jovens não querem casar”, refletiu o Papa.
“Por outro lado — prosseguiu — em muitos países aumenta o número de separações, e diminui o número de filhos. A dificuldade de permanecer unidos — quer como casal, quer como família — leva a interromper os vínculos com frequência e rapidez cada vez maiores, e são precisamente os filhos os primeiros a sofrer as consequências”.
Cultura do provisório
Se alguém experimenta desde a infância que o matrimônio é um vínculo “temporário”, inconscientemente para esta pessoa será assim, reforçou Francisco.
“Com efeito, muitos jovens são impelidos a renunciar ao próprio programa de um vínculo irrevogável e de uma família duradoura. Acho que devemos meditar com grande seriedade sobre o motivo pelo qual tantos jovens ‘não estão dispostos’ a casar. Existe uma cultura do provisório... tudo é provisório, parece que não existe algo definitivo”.  

Por Radio Vaticano

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Papa Francisco se inscreve para a JMJ 2016


O Papa Francisco abriu neste domingo (26/07) as inscrições para a JMJ 2016 que será realizada em Cracóvia/Polônia, no período de 25 a 31 de julho.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Encontro vocacional reúne 13 mil jovens do Caminho Neocatecumenal em Franca

IMG-20150719-WA0014No domingo, 19 de julho, aconteceu na cidade de Franca (SP), um Encontro Vocacional que reuniu 13 mil jovens do Caminho Neocatecumenal vindos de diversos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. O evento faz parte das atividades em preparação para a XXVIII Jornada Mundial da Juventude que acontece em 2016 na Polônia. O Encontro aconteceu no Parque Municipal Fernando Costa e foi presidido pelo Bispo Diocesano de Franca Dom Paulo Roberto Beloto.
Conduzido pela Equipe Responsável pelo Caminho Neocatecumenal no Brasil e contando com a participação de bispos e padres de diversas dioceses brasileiras, o evento começou com a apresentação de todos os presentes, passando então para a Celebração da Palavra onde o Pe. José Folqué fez um anúncio dokerygma, da notícia de Cristo ressuscitado, vencedor da morte que nos redime e da sentido a nossa vida.
IMG-20150719-WA0159Em seguida, foi lido um trecho do Evangelho de São Mateus, passando então, para as palavras de Dom Paulo Roberto em que ele deu aos jovens algumas recomendações para que possam discernir a que vocação são chamados. “Você já se perguntou qual a vontade de Deus a respeito da sua vida? É bom que a gente faça um profundo discernimento pra descobrir qual é essa vontade de Deus, o que Ele quer de mim.
Em qualquer resposta que formos dar, nós precisamos dessa graça de Deus, nós precisamos da força do Alto.”, recomendou o Bispo.Ao final, para colher os frutos gerados pela pregação da Palavra, foi feito o Chamado Vocacional onde 230 rapazes e 230 moças manifestaram sua disponibilidade e, se aproximando do palco, receberam a bênção dos bispos. Agora, serão encaminhados para um acompanhamento vocacional em suas respectivas cidades.
O Caminho Neocatecumenal está presente na Diocese de Franca há 41 anos. São 180 comunidades espalhadas por diversas paróquias nas cidades de Franca, Restinga, Orlândia, Sales de Oliveira, Patrocínio Paulista, Cristais Paulista, Itirapuã, Ituverava, Nuporanga, São Joaquim da Barra, Guará e Pedregulho.
Texto: http://jornada.cn.org.br/
FOTOS DO ENCONTRO










jornada.cn.org.br

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Encontro Vocacional Franca 2015

Centro Neocatecumenal - Franca
ENCONTRO VOCACIONAL
FRANCA 2015

Caros Irmãos,
Estamos muito contentes com a oportunidade de acolhê-los
pela primeira vez para um encontro de jovens em nossa Diocese. Temos certeza das múltiplas bênçãos que aqui serão derramadas com a sua presença e oração. Pedimos
porem, que seguindo as orientações dos nossos catequistas, Pe. José, Pilar e Raúl, nos ajude a organizar tudo, posto que a grandeza do trabalho supera nossa capacidade. Confiando tudo nas mãos da Virgem Maria, esperamos que seja uma jornada frutuosa e plena de vocações.
Seguem as informações acerca do encontro:
1.    CONTATO :
E-mail da organização da peregrinação em Franca:
encontrovocacionalfranca2015@gmail.com. Secretaria (call Center) : (016) 3017-0430.
Secretários: Chiquinho e Yára, que atenderão nos seguintes dias e horários:
De segunda àsexta-feira, das 8h00 às 17h00.
Sábado: das 8h00 às 12h00.
Agenda
17.07 - Chegada e acolhimento dos grupos de peregrinos de todo o centro-sul do brasil.
18.07 - Programação na paróquia e eucaristia pela tarde nas paróquias que acolherão os grupos.

19.07 - A partir das 09 horas da manhã, inicio do encontro vocacional, no parque municipal Dr. Fernando Costa.

Site: www.franca2015.cn.org.br


Carta de Agradecimento

Chegou o grande dia e não passou... tornou-se eterno! Deus, pai maravilhoso, em sua infinita misericórdia, quis que aqui aparecessem os frutos a fim de matar nossa fome e nossa sede. E foi abundante! Temos alimento por muitos e muitos quilômetros de caminhada. Agora, é tempo de agradecer! Vimos nesses dias (e guardamos em nossos corações) cenas emocionantes, que nos deram a certeza da presença de Deus no meio de nós; como foi dito nas várias reuniões de preparação. A Jesus Cristo, presente no rosto de cada um desses jovens, e ao Espírito Santo que derramou seus dons nos alegrando e consolando, bendizemos agradecidos. Agradecer a todos, desde os responsáveis das paróquias, que se desdobraram e deram o seu melhor, até o último irmão da comunidade. Cada um no seu carisma e possibilidade fez a diferença. Agradecer a cada equipe, a cada catequista, a cada peregrino que acolheu nosso convite e aqui vieram. Com respeito ao trabalho proposto, obediência às orientações dos nossos catequistas, e uma grande comunhão entre todos, deu-se a unidade, para que aparecesse a caridade. Com certeza tudo foi obra do Espírito Santo e foi maravilhoso!!! Encerramos a jornada e já continuamos nosso trabalho de preparação para Cracóvia, com a certeza de que Deus sempre nos precederá em tudo o que fizermos para nossa mãe Igreja, com o auxílio e proteção de Maria Santíssima. Que os laços de amizade que aqui foram criados continuem para sempre e até a próxima, se Deus quiser. A paz de nosso Senhor Jesus Cristo e um grande abraço fraterno para todos que aqui nos acompanharam. Equipe de coordenação.

Site: www.franca2015.cn.org.br

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF