Translate

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Antes de tecnologizar o homem, humanizar a técnica, diz Papa na Academia para a Vida

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 26-02-2019, Gaudium Press) Os participantes da assembleia plenária da Pontifícia Academia para a Vida, que está celebrando vinte e cinco anos de fundação, foram recebidos em audiência pelo Papa Francisco, na segunda-feira (25/02), na Sala Clementina, no Vaticano.
Antes de tecnologizar o homem, humanizar a técnica, diz Papa na Academia para a Vida.jpg
"Tecnologias emergentes e convergentes"
O Papa recordou aos presentes que, por ocasião da celebração do aniversário da Academia, enviou ao presidente do organismo vaticano, dom Vincenzo Paglia, no mês passado, a Carta Humana communitas que recorda explicitamente o tema das "tecnologias emergentes e convergentes":
"O que me motivou a escrever essa mensagem foi o desejo de agradecer todos os presidentes que assumiram a liderança da Academia e todos os membros pelo serviço competente e pelo compromisso generoso de tutelar e promover a vida humana nesses vinte e cinco anos de atividades. "
Unidade da família humana e seu futuro
"Conhecemos as dificuldades em que o nosso mundo se debate. O tecido das relações familiares e sociais parece se desgastar cada vez mais e se difunde a tendência do fechar-se em si mesmo e nos próprios interesses individuais, com graves consequências sobre a ‘grande e decisiva questão da unidade da família humana e seu futuro'", disse Francisco, citando um trecho da Carta Humana communitas, para, depois, destacar um paradoxo:
"Justamente quando a humanidade possui capacidades científicas e técnicas para alcançar um bem-estar equitativamente difundido, observamos uma intensificação de conflitos e um aumento das desigualdades", disse Francisco , acrescentando:
"O desenvolvimento tecnológico nos permitiu resolver problemas até poucos anos insuperáveis. O "poder fazer" pode obscurecer quem faz e para quem se faz. O sistema tecnocrático baseado no critério da eficiência não responde às questões mais profundas que o homem se faz. Se de um lado não é possível dispensar seus recursos, de outro ele impõe a sua lógica a quem o utiliza. "
"A evolução atual da capacidade técnica produz um encanto perigoso: em vez de entregar à vida humana os instrumentos que melhoram a sua cura, corre-se o risco de entregar a vida à lógica de mecanismos que decidem seu valor. Essa inversão está destinada a produzir resultados nefastos: a máquina não se limita a dirigir-se sozinha, mas acaba guiando o homem. A razão humana é assim reduzida a uma racionalidade alienada dos efeitos, que não pode ser considerada digna do homem."
Técnica, bioética, robótica
O Papa enfatizou "os sérios danos causados ao planeta, nossa casa comum, pelo uso indiscriminado de meios técnicos", destacando que "a bioética global é uma frente importante na qual trabalhar".
"Ela expressa a consciência da profunda incidência dos fatores ambientais e sociais sobre a saúde e a vida", sublinhou.
E, logo acrescentou: "A inteligência artificial, robótica e outras inovações tecnológicas devem ser usadas a fim de contribuir para o serviço da humanidade e para a proteção de nossa Casa comum, e não para o exato oposto, como infelizmente, preveem algumas estimativas. A dignidade inerente de todo ser humano deve estar firmemente colocada no centro de nossa reflexão e ação."
Um grande risco
O Pontífice destacou e enfatizou que "é real o risco de o homem ser tecnologizado, em vez de a técnica ser humanizada".
"São atribuídas às "máquinas inteligentes" capacidades que são propriamente humanas". "Nosso compromisso, intelectual e especialista, será um ponto de honra para nossa participação na aliança ética em favor da vida humana".
Francisco concluiu, incentivando a todos a "prosseguir no estudo e na pesquisa a fim de que a obra de promoção e defesa da vida seja cada vez mais eficaz e fecunda".
Não entregar a vida à lógica de mecanismos que decidem seu valor"é real o risco de o homem ser tecnologizado, em vez de a técnica ser humanizada". (JSG)

domingo, 24 de fevereiro de 2019

7º Domingo do Tempo Comum: Misericordiosos como o Pai

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
“Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”, lema do Jubileu da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco e concluído em 2016, continua a ecoar na vida da Igreja, especialmente na liturgia de hoje.
O Antigo Testamento já conhecia a exigência do amor ao próximo. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo!”, afirmava o Levítico (Lv 19,18). Na primeira leitura, com o Primeiro Livro de Samuel, recordamos o exemplo de Davi, que tendo ocasião de eliminar o inimigo que o perseguia, preserva-lhe a vida, rejeitando recorrer à violência. Contudo, Jesus vai muito além da compreensão que se tinha do amor ao próximo, incluindo o amor até ao inimigo. No Evangelho (Lc 6,27-38), Jesus nos mostra como amar o próximo, ampliando e tornando mais exigente o que até então se afirmava na Lei. O que diferencia a atitude dos seus discípulos da conduta dos que não o seguem?
Os discípulos de Jesus não devem amar apenas aqueles que os amam ou saudar apenas os próprios irmãos. Para amar como Jesus ama e como ele ensinou a amar, é preciso incluir no mandamento do amor ao próximo o que ele hoje nos diz: “amai os vossos inimigos”, amar não somente aqueles que nos amam, indicando-nos as atitudes a serem cultivadas diante deles: fazer o bem, rezar, não recorrer à violência, à vingança, não condenar, perdoar. Felizes aqueles que acreditam nesta Palavra de Jesus e se esforçam para vivê-la. Felizes são os misericordiosos, como o Pai celeste.
O “homem natural” ou “terrestre”, o velho homem, ao qual se refere São Paulo, recorrendo à figura de Adão, é chamado a uma vida inteiramente nova, a ser um novo homem, o “homem espiritual” ou “celeste”, à imagem de Cristo, graças à sua ressurreição (1Cor 15,45-49). A vivência e o testemunho do amor ao próximo, como Jesus nos ensinou, caracterizam a vida nova e o homem novo.
O Salmo que hoje rezamos também nos leva a voltar os olhos para o Pai misericordioso, proclamando que “o Senhor é bondoso e compassivo”. Podemos viver no amor misericordioso, graças à misericórdia do Pai, cujo amor é sem limites. Com o Salmo 102, nós louvamos a Deus reconhecendo que ele perdoa as nossas culpas, “cerca de carinho e compaixão”, “é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo”. Podemos amar até o inimigo, porque Deus nos ama e sustenta o nosso amor.
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

O que são os sacramentais na vida cristã? Conheça alguns deles

Medalha Milagrosa (sacramental) / Foto: Flickr de Dome Poon (CC-BY-NC-ND-2.0)
REDAÇÃO CENTRAL, 24 Fev. 19 / 05:00 am (ACI).- A blogueira católica Jenny Uebbing escreveu um artigo no qual explica o sentido e o uso dos sacramentais na vida cotidiana do cristão.
No blog “Mama needs coffee” de CNA – agência em inglês do Grupo ACI –, Uebbing explica que a palavra “sacramental” é “utilizada pela teologia para designar aqueles artigos aparentemente normais, aos quais temos acesso durante nossa batalha contra o mal ao longo de nossa vida”.
Segundo o Catecismo, os sacramentais “são sinais sagrados por meio dos quais, imitando de algum modo os sacramentos, se significam e se obtêm, pela oração da Igreja, efeitos principalmente de ordem espiritual”.
“Por meio deles, dispõem-se os homens para a recepção do principal efeito dos sacramentos e são santificadas as várias circunstâncias da vida”.
Uebbing explicou que, “embora a fé da Igreja impregnada nesses elementos comuns (água, sal, ícones, medalhas etc.) é uma bênção eficaz em si mesma, esta só se concretiza plenamente quando combinada com a fé pessoal e uma vida reta e ordenada”.
Fazendo referência ao Evangelho de São João sobre a passagem de Jesus na qual aplica barro nos olhos de um homem para que recuperasse a visão, Uebbing indicou que este milagre “não ocorreu por uma superstição ou por qualidades inerentes da matéria, mas pela reação primordial entre a graça de Cristo e a fé do homem”.
A seguir, alguns exemplos de sacramentais propostos pela blogueira católica:
1. Crucifixos
Uebbing assegurou que, “com um crucifixo em cada lar, tem-se um poderoso recordatório para todos os que vivem, trabalham e dormem sob o mesmo teto, de que o lar pertence a Cristo”.
“Não, o crucifixo não é Jesus, mas é sua imagem, representada com amor e destacada proeminentemente”, precisou.
2. Água benta
A blogueira detalhou que “cada paróquia deve ter (a maioria tem) uma pia de água benta em cada porta e uma pia principal para o batismo”.
“Mantenhamos água benta em nossa casa todos os momentos e usemo-la todos os dias para abençoar nosso filhos, seus quartos e nossa casa, sobretudo se alguém está doente ou teve um sonho ruim, ou depois de uma grande festa ou quando muitas pessoas entraram e saíram”.
Jenny assegurou que “vivemos em uma falsa dicotomia entre o espiritual e o mundo material neste século, entretanto, o Deus que vem a nós em um pedaço de pão, sem dúvida, confere a graça sacramental através da água”.
3. Sal bento
A autora manifestou que o sal é bom “para abençoar as portas e lançar ao longo do perímetro da casa como uma barreira entre a família e o mundo”.
Assinalou que isso também é “um ato de fé que reclama a terra, o lar e todo o espaço” para Cristo.
4. Medalhas
“Tanto a Medalha Milagrosa como o escapulário são poderosas devoções à Virgem e a Igreja ensina que, usados com fé e em concordância com uma vida de virtude, levará promessas poderosas unidas a eles”.
Finalmente, Jenny Uebbing assegurou que “Maria intercederá por nós particularmente no momento da morte, uma vez que Jesus não negará à sua querida mãe tudo o que ela pede”.
ACI Digital

sábado, 23 de fevereiro de 2019

São Policarpo, bispo e mártir

REDAÇÃO CENTRAL, 23 Fev. 19 / 05:00 a.m. (ACI).- São Policarpo nasceu por volta do ano 70, provavelmente em uma família cristã. Seu nome significa “o que produz muitos frutos” e sua festa é celebrada neste dia 23 de fevereiro.

Este santo foi discípulo do Apóstolo São João e, mais tarde, se tornou Bispo de Esmirna (Turquia). É considerado um dos bispos mais famosos da Igreja primitiva. Além disso, entre seus discípulos e seguidores se encontram vários santos, como Santo Irineu de Lyon e Papias.
Em sua sede em Esmirna, incentivou os fiéis a seguir o Evangelho e não se deixar levar pelas heresias dos pagãos. É o que confirma o seu melhor discípulo, Santo Irineu de Lyon.
“Ele ensinou sempre a doutrina que tinha aprendido dos apóstolos. Chegado a Roma sob Aniceto, afastou da heresia de Valentim e Marcião um grande número de pessoas e os devolveu à Igreja d e Deus, proclamando que tinha recebido dos apóstolos apenas uma verdade, a mesma que era transmitida pela Igreja”.
Tudo o que se sabe de São Policarpo antes de seu martírio é contado por Eusébio de Cesareia, “pai da história da Igreja”.
Este conta que em uma ocasião, São Policarpo se dirigiu a Roma para dialogar com o Papa Aniceto para ser se poderia concordar em unificar a data da festa da Páscoa entre os cristãos da Ásia e os da Europa. Como ninguém concordou, ambos decidiram conservar seus próprios costumes e permanecer unidos pela caridade.
Também se sabe que São Policarpo saiu para receber e beijar as correntes de Santo Inácio de Antioquia quando este se dirigia ao martírio, e recebeu uma carta sua muito admirada pelos primeiros cristãos.
O dia do martírio de São Policarpo foi 23 de fevereiro de 155. Naquele dia, foi levado diante do procônsul Décio Quadrado, que lhe deu a oportunidade de deixar o cristianismo. No entanto, são Policarpo se negou e preferiu ser queimado vivo.
“Ameaça-me com fogo que dura alguns momentos e depois se apaga. O que eu quero é não ter que ir ao fogo eterno que nunca se apaga”, foram as palavras do santo contidas no documento de seu martírio.
Posteriormente, os carrascos receberam a ordem de atravessar o coração dele com uma lança. 
ACI Digital

22/02/2019: Festa da Cátedra de São Pedro

REDAÇÃO CENTRAL, 22 Fev. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 22 de fevereiro, a Igreja celebra a Festa da Cátedra de São Pedro, uma ocasião importante que remonta ao século IV e que rende comemoração ao primado e autoridade do Apóstolo Pedro, o primeiro Papa da Igreja.

Além disso, esta celebração recorda a autoridade conferida por Cristo ao Apóstolo quando lhe diz, conforme relatam os Evangelhos: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja. E as portas do inferno não prevalecerão sobre ela”.
A palavra “cátedra” significa assento ou trono e é a raiz da palavra catedral, a Igreja onde um bispo tem o trono do qual prega. Sinônimo de cátedra é também “sede” (assento). A “sede” é o lugar de onde um bispo governa sua diocese. Por exemplo, a Santa Sé é a sede do Papa.
A cátedra ou sede que atualmente se conserva na Basílica de São Pedro em Roma foi doada por Carlos, o Calvo, ao Papa João VIII no século IX, por ocasião de sua viagem a Roma para sua coroação como imperador romano do ocidente. Este trono se conserva como uma relíquia, em uma magnífica composição barroca, obra do Gian Lorenzo Bernini construída entre 1656 e 1665.
A obra do Bernini está emoldurada por pilastras. No centro situa-se o trono de bronze dourado, em cujo interior se encontra a cadeira de madeira e que é decorada com um relevo representando a “traditio clavum” ou “entrega de chaves”.
O trono se apoia sobre quatro grandes estátuas, também em bronze, que representam quatro doutores da Igreja, em primeiro plano Santo Agostinho e Santo Ambrósio, para a Igreja latina, e Santo Atanásio e São João Crisóstomo, para a Igreja oriental.
Por cima do trono aparece um sol de alabastro decorado com estuque dourado rodeado de anjos que emolduram uma vidraça em que está representada uma pomba de 162 cm de envergadura, símbolo do Espírito Santo. É a única vidraça colorida de toda a Basílica de São Pedro.
Todos os anos nesta data, o altar monumental que acolhe a Cátedra de São Pedro permanece iluminado o dia todo com dúzias de velas e celebram-se numerosas missas da manhã até o entardecer, concluindo com a Missa do Capítulo de São Pedro.
ACI Digital

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Como são elaboradas as intenções de oração do Papa?

Redação (Sexta-feira, 15-02-2019, Gaudium PressEm uma entrevista ao L'Osservatore Romano, jornal oficial do Vaticano, o diretor da Rede do Apostolado da Oração do Papa, o Padre jesuíta Frédéric Fornos, explicou como são feitas as intenções de oração do Pontífice.
Segundo o sacerdote francês, elas "são fruto de um longo processo de discernimento da Igreja em diferentes países do mundo, e com propostas de vários dicastérios, congregações e serviços da Santa Sé. No final deste processo que dura vários meses, o Papa, com as propostas recebidas, dedica um tempo para rezar e discernir os desafios da humanidade e a missão da Igreja. Depois, confia suas doze intenções a todos os fiéis".
Sobre as novidades nas intenções de oração para o ano de 2020, o sacerdote ressaltou que nelas "encontramos um eco nos desafios para o mundo que o Papa apresentou no início de janeiro para os membros do corpo diplomático", ocasião na qual os incentivou a "ser uma ponte entre povos e construtores da paz" e viver nesta paz entre religiões e pessoas de boa vontade.
"Diante dos desafios do mundo, a Igreja é mobilizada através da oração, serviço e solidariedade. Promover uma sociedade mais justa e mais humana é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo", concluiu. (EPC)
Gaudium Press
Confiadas a Rede Mundial de Oração (Apostolado da Oração e Movimento Eucarístico Jovem)

JANEIRO

Os jovens na escola de Maria
Pelos jovens, especialmente os da América Latina, para que, seguindo o exemplo de Maria, respondam ao chamado do Senhor para comunicar ao mundo a alegria do Evangelho.

FEVEREIRO

Tráfico de pessoas
Pelo acolhimento generoso das vítimas do tráfico de pessoas, da prostituição forçada e da violência.

MARÇO

Reconhecimento dos direitos das comunidades cristãs
Pelas comunidades cristãs, em particular as que são perseguidas, para que sintam a proximidade de Cristo e para que os seus direitos sejam reconhecidos.

ABRIL

Médicos e seus colaboradores em zonas de guerra
Pelos médicos e pelas equipes humanitárias presentes em zonas de guerra, que arriscam a própria vida para salvar a dos outros.

MAIO

A Igreja na África, fermento de unidade
Para que, por meio do empenho dos próprios membros, a Igreja na África seja fermento de unidade entre os povos e sinal de esperança para este continente.

JUNHO

Estilo de vida dos sacerdotes
Pelos sacerdotes, para que, com a simplicidade e a humildade de suas vidas, se empenhem numa solidariedade ativa para com os mais pobres.

JULHO

Integridade da justiça
Para que todos aqueles que administram a justiça atuem com integridade e para que a injustiça que perpassa o mundo não tenha a última palavra.

AGOSTO

Famílias, laboratório de humanização
Para que as famílias, graças a uma vida de oração e de amor, tornem-se cada vez mais “laboratórios de humanização”.

SETEMBRO

A proteção dos oceanos
Para que políticos, cientistas e economistas trabalhem juntos pela proteção dos mares e dos oceanos.

OUTUBRO

Primavera missionária na Igreja
Para que o sopro do Espírito Santo suscite uma nova primavera missionária na Igreja.

NOVEMBRO

Diálogo e reconciliação no Oriente Próximo
Para que no Oriente Próximo, no qual diversas tradições religiosas compartilham o mesmo espaço de vida, nasça um espírito de diálogo, de encontro e de reconciliação.

DEZEMBRO

O futuro dos mais jovens
Para que todos os países tomem as medidas necessárias para fazer com que seja uma prioridade o futuro dos mais jovens, sobretudo daqueles que sofrem.
https://www.arquifln.org.br/sites/apostoladodaoracao/

6º Domingo do Tempo Comum: É feliz quem confia no Senhor!

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
A Palavra de Deus nos apresenta dois estilos diferentes de vida, duas maneiras diferentes de pensar e viver. Na primeira leitura, o profeta Jeremias distingue os que colocam a sua confiança no homem e os que colocam a confiança em Deus. Para tanto, ele recorre a duas imagens muito significativas: as plantas sem vida, no deserto, e a “árvore plantada junto às águas”, que mantém-se verde em tempo de seca. Na mesma perspectiva, coloca-se o Salmo responsorial.
A passagem das bem aventuranças narrada por S. Lucas expressa também dois estilos de vida e duas lógicas opostas. São felizes, bem-aventurados, os pobres, os que passam fome, os que choram e os que são perseguidos por causa de Jesus. Deles é o Reino de Deus! É importante recordar a narrativa de S. Lucas proclamada no 3º Domingo deste Tempo Comum, apresentando a missão de Jesus, na sinagoga de Nazaré.  Ungido pelo Espírito, ele vem para anunciar a boa nova aos pobres, a liberdade aos oprimidos, a visão aos cegos e o ano da graça para todos (Lc 4, 14-21). É bem-aventurado quem aceita o Reino de Deus proclamado por Jesus Cristo e o reconhece como Messias. É feliz quem ouve Jesus e o segue, numa vida nova, segundo os critérios do Reino. Infelizes são aqueles que seguem outro modo de pensar e de viver, rejeitando a boa nova do Reino anunciada por Jesus, ao preferir o gozo das riquezas e da fartura, os elogios e a alegria mundana, indiferentes aos que sofrem com a pobreza e aflições.
Diante da Palavra de Deus, necessitamos fazer escolhas coerentes com a fé que professamos e celebramos. Ser feliz, ser bem-aventurado é um dom que nos é oferecido por Cristo e que exige a nossa resposta, o nosso “sim”, bem como os esforços necessários para caminhar na nova vida.
São Paulo apresenta a o sentido pleno da nossa vida e da nossa fé na ressurreição de Jesus. A nossa vitória sobre a morte é consequência da vitória de Cristo ressuscitado. Ele adverte para os que vivem somente “para esta vida” (1 Cor 15,19), esquecendo-se da vida futura de ressuscitados. Não podemos viver neste mundo como se aqui fosse a nossa morada definitiva, apegados a bens passageiros. Devemos viver o momento presente, com responsabilidade, construindo o mundo segundo os critérios do Reino de Deus, mas sabendo que a nossa esperança não se esgota na vida presente.
Diante da riqueza inesgotável da Palavra de Deus proclamada, por ela iluminados e animados, nós proclamamos que é “feliz o homem quem a Deus se confia” e “encontra a seu prazer na lei de Deus” (Salmo 1).
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Santo Onésimo, Bispo de Éfeso

REDAÇÃO CENTRAL, 16 Fev. 19 / 04:00 am (ACI).- Neste dia 16 de fevereiro, a Igreja celebra Santo Onésimo, que foi um escravo fugitivo que se tornou Bispo de Éfeso e que morreu mártir ao ser apedrejado em Roma. Seu nome vem do grego e significa “proveitoso”.

Segundo o Martirológio Romano, Onésimo “foi acolhido por São Paulo de Tarso e concebido como filho na fé”. Isto ocorreu quando fugia da justiça depois de ter roubado seu amo Filêmon, um cristão rico e líder da Igreja de Colossos (território da atual Turquia).
Foi quando Onésimo entrou em contato com São Paulo, que se encontrava, então, como prisioneiro em Roma. O Apóstolo o converteu, batizou e o enviou à casa de seu antigo amo com uma carta de recomendação tal como está escrito em sua carta a Filêmon 10-12: “Venho suplicar-te em favor deste filho meu, que gerei na prisão, Onésimo. Ele poderá ter sido de pouca serventia para ti, mas agora será muito útil tanto a ti como a mim. Torno a enviá-lo para junto de ti, e é como se fora o meu próprio coração”.
Nos versículos 18-19 da mesma epístola, Paulo se compromete a pagar as dívidas de Onésimo. “Se ele te causou qualquer prejuízo ou está devendo alguma coisa, lança isto em minha conta. Eu, Paulo, escrevo de próprio punho: Eu pagarei. Para não te dizer que tu mesmo te deves inteiramente a mim!”.
Dos 25 versículos que a carta de São Paulo a Filêmon contém, 12 são dedicados a apresentar Onésimo com seu filho . Em sua carta aos Colossenses (4,7-9), cita novamente Onésimo e conta que voltou à casa de Filêmon e finalmente foi enviado como um verdadeiro irmão:
“Quanto ao que me concerne, o caríssimo irmão Tíquico, ministro fiel e companheiro no Senhor, vos informará de tudo. Eu vo-lo envio para este fim, para que conheçais nossa situação e console os vossos corações. Ele vai juntamente com Onésimo, nosso caríssimo e fiel irmão, conterrâneo vosso. Ambos vos informarão de tudo o que aqui se passa”.
Ao que parece, Filêmon perdoou e colocou em liberdade seu escravo arrependido e o mandou se reunir de novo com São Paulo.
São Jerônimo conta que Onésimo chegou a ser pregador do Evangelho e, em seguida, Bispo de Éfeso por ordem do Apóstolo Paulo. Posteriormente, Onésimo foi feito prisioneiro e levado a Roma, onde morreu apedrejado.
ACI Digital

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

São Cláudio de la Colombiere, jesuíta entregue ao Coração de Jesus

REDAÇÃO CENTRAL, 15 Fev. 19 / 04:00 am (ACI).- Neste dia 15 de fevereiro, a Igreja Católica comemora São Cláudio de la Colombiere, sacerdote jesuíta francês do século XVII, que escreveu sobre as visões do Sagrado Coração de Jesus de outra grande santa, Margarida Maria Alacoque.

Quando canonizou Cláudio em 1992, o Papa São João Paulo II o apresentou como modelo de jesuíta, recordando como “se entregou por completo ao Sagrado Coração, ‘sempre abrasado de amor’. Inclusive, praticou o esquecimento de si mesmo a fim de alcançar a pureza do amor e de elevar o mundo a Deus”.
Nascido no sul da França durante 1641, São Cláudio fazia parte de uma família de sete filhos, dos quais quatro entraram no sacerdócio ou na vidareligiosa. Frequentou uma escola da Companhia de Jesus em sua juventude e ingressou na ordem aos 17 anos.
Como noviço, Cláudio admitiu ter uma “terrível aversão” ao rigoroso tratamento requerido pela ordem, mas o noviciado conseguiu incrementar o seu talento natural, o que o levaria, em seguida, a fazer um voto privado de obedecer as regras o mais perfeitamente possível.
Depois de completar os períodos de estudo, Cláudio foi ordenado sacerdote em 1669. Conhecido como um grande pregador, também ensinou na universidade e serviu como tutor dos filhos do ministro de finanças do rei Luís XIV.
Em 1674, foi eleito superior de uma casa dos jesuítas na cidade de Paray-le-Monial. Nessa época, quando também foi confessor em um convento de religiosas da localidade, Cláudio fez parte de diversos acontecimentos que mudariam sua própria vida e a história da Igreja no Ocidente.
Uma dessas religiosas era Santa Margarida Maria Alacoque, que dizia ter experimentado revelações privadas de Cristo, solicitando a devoção ao Seu coração. Entretanto, dentro do convento, esta notícia – que o tempo e a Igreja se encarregariam de mostrar que era verdadeira – foi recebida com certo desprezo.
Durante seu tempo em Paray-le-Monial, o Padre Cláudio se tornou o diretor espiritual desta grande santa e escutou cuidadosamente seu testemunho sobre as revelações, chegando à conclusão de que a Irmã Margarida Maria as tinha recebido, efetivamente, de maneira extraordinária.
Os escritos de Cláudio de la Colombiere e seu testemunho da realidade das experiências da santa ajudaram a estabelecer o Sagrado Coração como um dos pilares da devoção católica. Isto, por sua vez, ajudou a combater a heresia jansenista, que afirmava que Deus não quer a salvação de algumas pessoas.
No outono de 1676, o Padre Cláudio foi chamado à Inglaterra. Durante um momento de tensão no país religiosamente desgarrado, exerceu seu ministério como capelão e pregador de Maria de Modena, uma católica que havia se tornado a Duquesa de York.
Em 1678, um falso rumor se estendeu sobre um suposto complô católico contra a monarquia inglesa. A mentira levou à execução de 35 pessoas inocentes, entre eles, oito jesuítas. O Pe. Cláudio não foi assassinado, mas foi acusado, detido e preso em um calabouço durante várias semanas.
O jesuíta francês suportou heroicamente a provação, mas as condições na prisão maltrataram muito sua saúde antes de sua expulsão da Inglaterra. Voltou para a França em 1679 e retomou seu trabalho como professor e sacerdote, fomentando o amor pelo Sagrado Coração de Jesus entre os fiéis.
Em 1681, Cláudio de la Colombiere voltou a Paray-le-Monial, o local das revelações de Santa Margarida Maria Alacoque.
Lá, em 1682, quando tinha apenas 41 anos, o sacerdote morreu de uma hemorragia interna no primeiro domingo da Quaresma, no dia 15 de fevereiro.
Foi beatificado em 1929 – nove anos depois da canonização de Santa Margarida Maria Alacoque – e canonizado 63 anos depois, por São João Paulo II.
ACI Digital

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

São Valentim, padroeiro dos namorados

REDAÇÃO CENTRAL, 14 Fev. 19 / 05:00 am (ACI).- Neste dia 14 de fevereiro, recorda-se a festa de São Valentim, padroeiro dos namorados. Segundo a tradição, durante a perseguição aos cristãos o santo arriscava a sua vida para unir os casais em matrimônio.

Todos os santos se caracterizam por ter amado Deus ao ponto de entregar a vida por Ele através do próximo. Inclusive algumas pessoas foram assassinadas por ódio a este amor a Jesus Cristo e a sua Igreja, por isto são chamados de mártires.
Entretanto, de todos eles, somente São Valentim costuma ser relacionado ao amor de casais. Sua celebração foi associada com a crença comum na Idade Média, principalmente na Inglaterra e na França, de que no dia 14 de fevereiro (ou seja, no meio do segundo mês do ano) as aves começam a acasalar.
Os três mártires São Valentim
Nos antigos martirológios menciona-se no dia 14 de fevereiro pelo menos três santos chamados Valentim, todos eles mártires.
Um deles é mencionado como sacerdote de Roma, outro como bispo em Interamna (atualmente Terni). Ambos aparentemente foram martirizados na segunda metade do século III e sepultados na Via Flaminiana, mas em diferentes locais da cidade.
De ambos se conserva algum tipo de registro, mas são de datas relativamente posteriores e sem valor histórico. Sobre o terceiro São Valentim, foi martirizado na África, junto com outros companheiros.
ACI Digital

São Cirilo e São Metódio: Copatronos da Europa

REDAÇÃO CENTRAL, 14 Fev. 19 / 04:00 am (ACI).- A Igreja universal recorda neste dia 14 de fevereiro os irmãos São Cirilo e São Metódio, copatronos da Europa, conhecidos como apóstolos dos escravos,

Antes de entrar na vida religiosa, São Cirilo se chamava Constantino e São Metódio tinha o nome de Miguel.
São Cirilo era monge e evangelizou a Rússia. Além disso, fundou a literatura eslava, escrevendo textos litúrgicos como o missal, o apostolário e outros livros litúrgicos em caracteres “cirílicos”.
No ano 863, dirigiu-se com seu irmão Metódio para evangelizar a Moravia. São Cirilo morreu em Roma em 14 de fevereiro de 896. É possível que tenha sido Bispo ou que tenha morrido logo depois de sua ordenação episcopal.
São Metódio chegou a ser ordenado bispo e desenvolveu um incansável trabalho evangelizador em Moravia, Bohemia, Panonia e Polônia. Em seguida, foi Arcebispo de Vellehrad (Eslováquia), onde foi preso em 870, devido à oposição do clero alemão.
Alguns o acusaram de herege, mas foi liberado de todas as acusações. Também traduziu a Bíblia à língua eslava. Faleceu em 6 de abril de 885, em Vellehrad.
Em 2004, São João Paulo II disse que “é impossível pensar na civilização europeia sem sua herança cristã”.
ACI Digital

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Nossa Senhora de Lourdes

REDAÇÃO CENTRAL, 11 Fev. 19 / 04:00 am (ACI).- Neste dia 11 de fevereiro, a Igreja celebra a Festa de Nossa Senhora de Lourdes, que em uma de suas aparições disse à Santa Bernadette. “Não prometo fazer-te feliz neste mundo, mas sim no próximo”.

Era 11 de fevereiro de 1858, Bernadette, sua irmã e outra menina foram para o campo para encontrar madeira seca, perto de uma gruta. Para chegar lá, tinham que passar por um riacho. Bernadette não se atrevia a entrar porque a água estava muito fria. Ela começou a tirar os sapatos quando de repente ouviu um forte barulho vindo da gruta.
Aproximou-se para ver o que estava acontecendo e ali naquele lugar apareceu a Virgem envolta em uma luz resplandecente, com um traje branco de um tecido desconhecido, uma cinta azul na cintura, um grande véu branco e duas rosas douradas brilhantes que lhe cobriam a parte superior dos pés.
Em suas mãos, a Virgem tinha um grande rosário branco e dourado. Então, juntas, começaram a rezá-lo. No domingo, 14 de fevereiro, Bernadette rezava na gruta a primeira dezena do rosário e Maria apareceu. A menina jogou água benta para garantir que não era uma obra do inimigo. A Virgem sorriu, fez o sinal da cruz com o rosário e rezaram juntas.
Na quinta-feira, 18, a Virgem pediu a Bernadette que regressasse quinze dias seguidos à gruta. Diante da aceitação e promessa da pequena, Maria prometeu fazê-la feliz no outro mundo. Os rumores das aparições começaram a se espalhar.
Em 19 de fevereiro, Bernadette foi com uma vela abençoada e acesa. Assim, nasceu o hábito de ir com velas para acendê-las diante da gruta. Em 20 de fevereiro, a Senhora ensinou uma oração pessoal a Bernadette.
No domingo, 21, a menina viu que a Virgem estava triste, perguntou o que se passava e Nossa Senhora lhe respondeu: “Orai pelos pecadores”. Por esta altura, as autoridades ameaçaram levar Bernadette para a cadeia e todos zombavam dela.
No dia 22, a Virgem não apareceu, mas a menina não perdeu a esperança de voltar a vê-la. No dia 23, dez mil pessoas foram ver o que acontecia. A Virgem apareceu a Bernadette e pediu que dissesse aos sacerdotes que elevassem ali um santuário, onde se deveria ir em procissão.
A menina foi e comentou com o sacerdote, quem, em troca pediu o nome da Senhora e que florescesse uma roseira silvestre onde ela aparecia.
No dia 24, a pequena contou tudo à Virgem, que somente sorriu. Logo, Maria mandou que rezasse pelos pecadores e exclamou: “Penitência! Penitência! Penitência! Reze pela conversão dos pecadores! Beija a terra pela conversão dos pecadores!”. Bernadette fez isso e pediu aos espectadores que fizessem o mesmo.
Em 25 de fevereiro, a Virgem ordenou-lhe beber, lavar os pés na fonte e comer grama. Bernadette, sob a direção de Maria, cavou no fundo da fruta e começou a jorrar água.
No dia 26, o primeiro milagre ocorre. O pobre trabalhador Bourriete, que havia mutilado seu olho esquerdo, rezou e esfregou o olho com a água da fonte. Então, ele começou a gritar de alegria e recuperou a vista. Em 27 de fevereiro, a Virgem permaneceu em silêncio, Bernadette bebeu a água da fonte e fez gestos recorrentes de penitência.
Em 28, Bernadette foi à gruta, mas depois seguiu para os juízes e foi ameaçada de ir para a cadeia. À noite, Catarina Latapie molhou seu braço deslocado e o braço e a mão recuperaram a sua agilidade, produzindo um segundo milagre.
Na terça-feira, 2 de março, Bernadette foi novamente ao pároco para lhe recordar o pedido da Virgem.
Em 3 de março, a pequena perguntou de novo seu nome e a Virgem sorriu. Naquele dia, uma mãe em desespero levou seu filho que estava quase morto. Colocou-o 15 minutos na água fria e quando chegou em casa notou melhoras na respiração da criança.
No dia seguinte, o menino estava cheio de vida e completamente saudável. Os médicos certificaram o milagre e o chamaram de primeira ordem.
Em 4 de março, no final dos quinze dias, a aparição permaneceu silenciosa. No dia 25 do mesmo mês, a Virgem apareceu a Bernadette, ergueu os olhos ao céu, juntou em sinal de oração as mãos que estavam abertas e estendidas em direção ao chão e disse a Bernadette: “Eu sou a Imaculada Conceição”.
A menina saiu correndo para dizer ao pároco, que se comoveu diante da revelação do nome já que quatro anos antes tinha sido proclamado o dogma da Imaculada Conceição.
Em 7 de abril, Bernadette na gruta e em êxtase colocou a mão sobre a chama da vela que tinha trazido e não se queimou. Depois da aparição, sua mão estava ilesa e foi comprovado por um médico que testemunhou o ocorrido.
Em 16 de julho, ocorreu a última aparição. Bernadette sentiu o chamado misterioso e ao chegar à gruta se deu conta de que estava cercada e não era possível passar. Dirigiu-se, então, ao outro lado, em frente da gruta, e viu a Mãe de Deus. “Me pareceu que estava diante da gruta, na mesma distância que das outras vezes, não via mais do que a Virgem. Jamais a tinha visto tão bela!”, disse Santa Bernadette.
Alguns consideram que a aparição de Nossa Senhora de Lourdes é um agradecimento do céu pelo dogma da Imaculada Conceição e é exaltação das virtudes de pobreza e humildade como tinha a pequena Bernadette.
Além disso, afirmam que é um chamado para aceitar a cruz para ser feliz na outra vida, a importância da oração, do Santo Rosário e da penitência com uma misericórdia infinita pelos pecadores e enfermos.
A água da gruta foi analisada por químicos, que assinalaram que é uma água virgem, pura, natural, sem propriedade térmica e na qual nenhuma bactéria sobrevive. Para os cristãos, este é um símbolo da Imaculada Conceição.
ACI Digital

domingo, 10 de fevereiro de 2019

5º Domingo do Tempo Comum Avance para águas mais profundas

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília
O Evangelho segundo Lucas, que estamos lendo nos Domingos deste Tempo Comum, nos relata uma situação vivida pelos discípulos de Jesus que ilumina muito a vida dos cristãos de qualquer época (Lc 5,1-11). Na primeira cena, os discípulos, que eram pescadores, estavam desistindo de pescar. Fala-se de “barcas paradas”, de “pescadores que haviam desembarcado e lavavam as redes”, porque, segundo Simão Pedro, trabalharam a noite inteira e nada pescaram. Esta situação faz pensar em muitas outras que ocorrem na vida das pessoas, mas que se aplica especialmente à missão pastoral e evangelizadora, pois a pesca é símbolo da missão. Diante das dificuldades e aparentes insucessos que ocorrem na ação pastoral, é grande o risco de querer desistir.  Contudo, a história contada pelo Evangelho se conclui de modo bastante diferente, falando de barcas e redes cheias de peixes e de pescadores admirados com tamanho resultado. O que aconteceu para que a situação mudasse tanto?
Jesus entrou na barca de Simão e passou a orientar a pesca, dizendo-lhe, primeiramente: “avance para águas mais profundas”. Ao invés de desistir, era preciso avançar, deixando a comodidade da margem. Acomodação não condiz com pesca frutuosa. Simão deveria avançar, assim como cada um dos discípulos, mas lançar as redes deveria ser tarefa a ser assumida em conjunto. Por isso, na segunda parte da frase, Jesus utiliza o plural, afirmando: “lancem as redes para a pesca”.
Simão, que era pescador experiente, não via razão para continuar a pesca, porém, se dispõe a lançar as redes, por causa da palavra de Jesus. Um pescador certamente teria dificuldade de aceitar, em assunto de pesca, a palavra de um carpinteiro, como era conhecido Jesus. Naquele episódio, Simão Pedro demonstra ver em Jesus mais do que um carpinteiro, chamando-o de “Mestre” e, depois, de “Senhor”. Ele expressa confiança em Cristo, ao responder “em atenção à tua palavra”.  E “assim fizeram”, afirma o Evangelho, isto é, cumpriram a palavra de Jesus.
“Não tenha medo”, afirma Jesus a Simão. Ao invés do medo que paralisa, a fé em Cristo leva a agir e a superar, com coragem, as dificuldades que surgem, perseverando na missão. Quem confia em Jesus, jamais se desespera.
Hoje, perante tantos desafios, é preciso reaprender a lição que o Evangelho nos transmite. Ao invés de desistir de “lançar as redes”, é preciso avançar: com fé em Jesus Cristo, confiando em sua palavra, cada um fazendo a própria parte e buscando sempre trabalhar juntos. E, acima de tudo, nunca desistir do caminho do bem e da verdade, mas permanecer fiel, vivendo da fé em Cristo e do cumprimento de sua palavra.
Arquidiocese de Brasília / O Povo de Deus

Santa Escolástica, virgem e irmã gêmea de São Bento

REDAÇÃO CENTRAL, 10 Fev. 19 / 05:00 am (ACI).- Santa Escolástica foi uma religiosa italiana, irmã gêmea de São Bento de Núrsia, que também se consagrou a Deus desde jovem.

Os beneditinos asseguram que, enquanto eu irmão residia em Monte Cassino (Itália), ela se estabeleceu em Plombariola, fundando e governando um convento da mesma regra.
Entretanto, outras fontes dizem que também é provável que tenha vivido em uma ermida com uma ou duas mulheres religiosas na base de Monte Cassino, onde há uma antiga igreja que leva o seu nome.
Santa Escolástica nasceu por volta do ano 480, no município italiano de Núrsia, no seio de uma família nobre.
A história mais comum sobre a santa é que costumava rezar e compartilhar sobre a vidaespiritual com seu irmão uma vez por ano, quando ia visitá-lo. Mas, como não era permitido entrar no mosteiro, ele saía ao seu encontro.
Sobre sua última visita, São Gregório faz uma notável descrição, na qual a santa, pressentindo que não voltaria a ver seu irmão, pediu-lhe que não partisse naquela noite, mas no dia seguinte, mas São Bento se sentiu incapaz de romper as regras de seu mosteiro.
Então, Santa Escolástica apelou a Deus com uma oração fervorosa, para que intervisse em sua ajuda e, imediatamente, se deu uma forte tempestade que impediu que seu irmão regressasse ao mosteiro.
Os dois santos passaram a noite falando sobre coisas santas e assuntos espirituais. Três dias depois, a santa morreu e seu irmão, que estava envolvido em oração, teve a visão da alma de sua irmã ascendendo ao céu em forma de pomba.
Santa Escolástica é a fundadora do ramo do monarquismo beneditino para mulheres.
É padroeira das monjas, das crianças que sofrem convulsões e de cidades como Le Mans, na França, ou Alcolea de Calatrava, na Espanha. Também é invocada frente às tempestades e chuvas. Sua festa é celebrada em 10 de fevereiro.
ACI Digital

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Santa Josefina Bakhita, exemplo de esperança cristã

REDAÇÃO CENTRAL, 08 Fev. 19 / 04:00 am (ACI).- A irmã morena, assim era carinhosamente chamada Santa Josefina Bakhita, religiosa que sofreu as dores da escravidão, mas conheceu o amor de Deus, a quem decidiu se consagrar. Neste dia 8 de fevereiro, a Igreja recorda a sua memória litúrgica.

Santa Josefina Bakhita nasceu em uma aldeia perto da montanha Agilerei, no Sudão, em 1869.
Tendo sido vendida e comprada por várias vezes, experimentou diversas humilhações e sofrimentos físicos da escravidão. A experiência dolorosa fez com que esquecesse o próprio nome.
Bakhita, que significa afortunada, foi o nome que recebeu de comerciantes de escravos. “Bakhita é um nome formoso; vai te trazer boa sorte”, disse um deles.
Até que foi comprada por um cônsul italiano, que a levou para a Itália e a entregou a uma família amiga de Veneza, o casal Michieli, pois a esposa tinha se afeiçoado a Bakhita. Este casal teve uma filha e a santa passou a ser a babá e amiga da menina.
Por conta dos negócios, esta família teve que retornar para a África. Mas, seguindo conselhos, decidiram deixar a filha e a babá aos cuidados das religiosas de Santa Madalena de Canossa.
Foi então que Bakhita teve seu encontro com o Senhor, conheceu o Evangelho e foi batizada aos 21 anos, recebendo o nome Josefina.
Quando os Michieli retornaram da África e foram buscar a filha e Bakhita, esta, com firme decisão, disse que queria ficar com as Irmãs Canossianas para servir a Deus.
Em 1896, atendendo ao chamado para a vida religiosa, Josefina Bakhita se consagrou para sempre ao seu Deus, que ela chamava com carinho “o meu Patrão”.
“Se eu encontrasse de novo aqueles negreiros que me sequestraram e também aqueles que me torturaram, me ajoelharia para beijar as suas mãos, porque, se não tivesse acontecido isto, eu não seria agora cristã e religiosa”, disse certa vez a santa.
Dedicou-se por mais de cinquenta anos às várias ocupações no convento. Foi cozinheira, responsável pelo guarda-roupa, bordadeira, sacristã, porteira.
Admirada pelas irmãs e pelos moradores do local por sua humildade, simplicidade e alegria, costumava dizer: “Sede bons, amai a Deus, rezai por aqueles que não O conhecem. Se, soubésseis que grande graça é conhecer a Deus!”.
Já na velhice e tomada por longa e dolorosa doença, reviveu a agonia dos terríveis anos de escravidão. Várias vezes suplicava à enfermeira que a assistia: “Solta-me as correntes ... pesam muito!”.
Em 8 de fevereiro de 1947, a “Santa Irmã Morena” partiu para a casa do Pai, tendo proferido suas últimas palavras: “Nossa Senhora! Nossa Senhora!”.
Em 1992, Bakhita foi beatificada por São João Paulo II e canonizada pelo mesmo Pontífice em 1º de outubro de 2000, após o reconhecimento da cura milagrosa de Eva Tobias da Costa, brasileira, moradora de Santos (SP), que havia rezado pela intercessão de Bakhita em 1980.
Por sua espiritualidade e força ante as adversidades, São João Paulo II a chamou “Nossa Irmã Universal” e sua história de vida foi, na realidade, a história de todo um continente.
Bento XVI, a esperança e a Santa
Em 2007, o Papa Bento XVI utilizou o exemplo de vida de Santa Josefina Bakhita em sua encíclica Spe Salvi para falar da esperança.
No texto, o Papa Emérito escreve que Bakhita “só tinha conhecido patrões que a desprezavam e maltratavam ou, na melhor das hipóteses, a consideravam uma escrava útil. Mas agora ouvia dizer que existe um ‘paron’ acima de todos os patrões, o Senhor de todos os senhores, e que este Senhor é bom, a bondade em pessoa. Soube que este Senhor também a conhecia, tinha-a criado; mais ainda, amava-a. Também ela era amada, e precisamente pelo ‘Paron’ supremo, diante do qual todos os outros patrões não passam de miseráveis servos. Ela era conhecida, amada e esperada”.
“Mais ainda, este Patrão tinha enfrentado pessoalmente o destino de ser flagelado e agora estava à espera dela ‘à direita de Deus Pai’. Agora ela tinha « esperança »; já não aquela pequena esperança de achar patrões menos cruéis, mas a grande esperança: eu sou definitivamente amada e aconteça o que acontecer, eu sou esperada por este Amor. Assim a minha vida é boa”.
Bento XVI recorda que “mediante o conhecimento desta esperança, ela estava ‘redimida’, já não se sentia escrava, mas uma livre filha de Deus. Entendia aquilo que Paulo queria dizer quando lembrava aos Efésios que, antes, estavam sem esperança e sem Deus no mundo: sem esperança porque sem Deus”.
ACI Digital

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF