Translate

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Jornada Mundial da Juventude Rio 2013

Confirmada a data da Jornada Mundial da Juventude Rio 2013


Informou o setor de comunicação da JMJ

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 13 de dezembro de 2011 (ZENIT.org)- A data oficial foi decidida durante reunião entre o Pontifício Conselho para os leigos e o Comitê Organizador Local do Rio.

***
A Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 será de 23 a 28 de julho de 2013, informou o setor de comunicação da JMJ.
A data oficial foi decidida durante a reunião entre o Pontifício Conselho para os Leigos (PCL), que é o Comitê Organizador Central da Jornada, e a comissão do Comitê Organizador Local (COL) do Rio, que está em Roma desde ontem.
O Comitê local é formado pelo presidente da comissão e arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta, dois bispos auxiliares que acompanham mais diretamente a Jornada, Dom Antônio Augusto Dias Duarte e Dom Paulo Cezar Costa, monsenhor Joel Portella Amado, da coordenação geral, e os padres Márcio Queiroz, responsável pela Comunicação, e Renato Martins, responsável pelos Atos Centrais.
O Comitê do Rio está em Roma para tratar de diversas questões sobre o evento, inclusive a escolha pela logomarca.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Humanae Vitae

CARTA ENCÍCLICA

HUMANAE VITAE
DE SUA SANTIDADE O
PAPA PAULO VI
SOBRE A REGULAÇÃO DA NATALIDADE

Aos veneráveis Irmãos Patriarcas,
Arcebispos, Bispos e outros Ordinários do Lugar
em paz e comunhão com a Sé Apostólica,
ao Clero e aos Fiéis de todo o mundo católico
e também a todos os homens de boa vontade.

Veneráveis Irmãos e diletos filhos
A transmissão da vida

1. O gravíssimo dever de transmitir a vida humana, pelo qual os esposos são os colaboradores livres e responsáveis de Deus Criador, foi sempre para eles fonte de grandes alegrias, se bem que, algumas vezes, acompanhadas de não poucas dificuldades e angústias.
Em todos os tempos o cumprimento deste dever pôs à consciência dos cônjuges sérios problemas; mas, mais recentemente, com o desenvolver-se da sociedade, produziram-se modificações tais, que fazem aparecer questões novas que a Igreja não podia ignorar, tratando-se de matéria que tão de perto diz respeito à vida e à felicidade dos homens.

I. ASPECTOS NOVOS DO PROBLEMA E COMPETÊNCIA DO MAGISTÉRIO

Visão nova do problema

2. As mudanças que se verificaram foram efetivamente notáveis e de vários gêneros. Trata-se, antes de mais, do rápido desenvolvimento demográfico. Muitos são os que manifestam o receio de que a população mundial cresça mais rapidamente do que os recursos à sua disposição, com crescente angústia de tantas famílias e de povos em vias de desenvolvimento. De tal modo que é grande a tentação das Autoridades de contrapor a este perigo medidas radicais. Depois, as condições de trabalho e de habitação, do mesmo modo que as novas exigências, tanto no campo econômico como no da educação, não raro tornam hoje difícil manter convenientemente um número elevado de filhos.
Assiste-se também a uma mudança, tanto na maneira de considerar a pessoa da mulher e o seu lugar na sociedade, quanto no considerar o valor a atribuir ao amor conjugal no matrimônio, como ainda no apreço a dar ao significado dos atos conjugais, em relação com este amor.
Finalmente, deve-se sobretudo considerar que o homem fez progressos admiráveis no domínio e na organização racional das forças da natureza, de tal maneira que tende a tornar extensivo esse domínio ao seu próprio ser global: ao corpo, à vida psíquica, à vida social e até mesmo às leis que regulam a transmissão da vida.

3. O novo estado de coisas faz surgir novos quesitos. Assim, dadas as condições da vida hodierna e dado o significado que têm as relações conjugais para a harmonia entre os esposos e para a sua fidelidade mútua, não estaria indicada uma revisão das normas éticas vigentes até agora, sobretudo se se tem em consideração que elas não podem ser observadas sem sacrifícios, por vezes heróicos?
Mais ainda: estendendo o chamado "princípio de totalidade" a este campo, não se poderia admitir que a intenção de uma fecundidade menos exuberante, mas mais racionalizada, transforma a intervenção materialmente esterilizaste num sensato e legítimo controle dos nascimentos? Por outras palavras, não se poderia admitir que a fecundidade procriadora pertence ao conjunto da vida conjugal, mais do que a cada um dos seus atos? Pergunta-se também, se, dado o sentido de responsabilidade mais desenvolvido do homem moderno, não chegou para ele o momento de confiar à sua razão e à sua vontade, mais do que aos ritmos biológicos do seu organismo, a tarefa de transmitir a vida.

A competência do Magistério

4. Tais problemas exigiam do Magistério da Igreja uma reflexão nova e aprofundada sobre os princípios da doutrina moral do matrimônio: doutrina fundada sobre a lei natural, iluminada e enriquecida pela Revelação divina.
Nenhum fiel quererá negar que compete ao Magistério da Igreja interpretar também a lei moral natural. É incontestável, na verdade, como declararam muitas vezes os nossos predecessores,(1) que Jesus Cristo, ao comunicar a Pedro e aos Apóstolos a sua autoridade divina e ao enviá-los a ensinar a todos os povos os seus mandamentos, (2) os constituía guardas e intérpretes autênticos de toda a lei moral, ou seja, não só da lei evangélica, como também da natural, dado que ela é igualmente expressão da vontade divina e que a sua observância é do mesmo modo necessária para a salvação.(3)
Em conformidade com esta sua missão, a Igreja apresentou sempre, e mais amplamente em tempos recentes, um ensino coerente, tanto acerca da natureza do matrimônio, como acerca do reto uso dos direitos conjugais e acerca dos deveres dos cônjuges.(4)

Estudos especiais

5. A consciência desta mesma missão levou-nos a confirmar e a ampliar a Comissão de Estudo, que o nosso predecessor, de venerável memória, João XXIII tinha constituído, em março de 1963. Esta Comissão, que incluía também alguns casais de esposos, além de muitos estudiosos das várias matérias pertinentes, tinha por finalidade: primeiro, recolher opiniões sobre os novos problemas respeitantes à vida conjugal e, em particular, à regulação da natalidade; e depois, fornecer os elementos oportunos de informação, para que o Magistério pudesse dar uma resposta adequada à expectativa não só dos fiéis, mas mesmo da opinião pública mundial. (5)
Os trabalhos destes peritos, assim como os pareceres e os conselhos que se lhes vieram juntar, enviados espontaneamente ou adrede solicitados, de bom número dos nossos irmãos no episcopado, permitiram-nos ponderar melhor todos os aspectos deste assunto complexo. Por isso, do fundo do coração, exprimimos a todos o nosso vivo reconhecimento.

A resposta do Magistério

6. As conclusões a que tinha chegado a Comissão não podiam, contudo, ser consideradas por nós como definitivas, nem dispensar-nos de um exame pessoal do grave problema; até mesmo porque, no seio da própria Comissão, não se tinha chegado a um pleno acordo de juízos, acerca das normas morais que se deviam propor e, sobretudo, porque tinham aflorado alguns critérios de soluções que se afastavam da doutrina moral sobre o matrimônio, proposta com firmeza constante, pelo Magistério da Igreja.
Por isso, depois de termos examinado atentamente a documentação que nos foi preparada, depois de aturada reflexão e de insistentes orações, é nossa intenção agora, em virtude do mandato que nos foi confiado por Cristo, dar a nossa resposta a estes graves problemas.

II. PRINCÍPIOS DOUTRINAIS

Uma visão global do homem

7. O problema da natalidade, como de resto qualquer outro problema que diga respeito à vida humana, deve ser considerado numa perspectiva que transcenda as vistas parciais - sejam elas de ordem biológica, psicológica, demográfica ou sociológica - à luz da visão integral do homem e da sua vocação, não só natural e terrena, mas também sobrenatural e eterna. E, porque na tentativa de justificar os métodos artificiais de limitação dos nascimentos, houve muito quem fizesse apelo para as exigências, tanto do amor conjugal como de uma "paternidade responsável", convém precisar bem a verdadeira concepção destas duas grandes realidades da vida matrimonial, atendo-nos principalmente a tudo aquilo que, a este propósito, foi recentemente exposto, de forma altamente autorizada, pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, na Constituição Pastoral "Gaudium et Spes".

O amor conjugal

8. O amor conjugal exprime a sua verdadeira natureza e nobreza, quando se considera na sua fonte suprema, Deus que é Amor (6), "o Pai, do qual toda a paternidade nos céus e na terra toma o nome".(7)
O matrimônio não é, portanto, fruto do acaso, ou produto de forças naturais inconscientes: é uma instituição sapiente do Criador, para realizar na humanidade o seu desígnio de amor. Mediante a doação pessoal recíproca, que lhes é própria e exclusiva, os esposos tendem para a comunhão dos seus seres, em vista de um aperfeiçoamento mútuo pessoal, para colaborarem com Deus na geração e educação de novas vidas.
Depois, para os batizados, o matrimônio reveste a dignidade de sinal sacramental da graça, enquanto representa a união de Cristo com a Igreja.

AS CARACTERÍSTICAS DO AMOR CONJUGAL

9. Nesta luz aparecem-nos claramente as notas características do amor conjugal, acerca das quais é da máxima importância ter uma idéia exata.
É, antes de mais, um amor plenamente humano, quer dizer, ao mesmo tempo espiritual e sensível. Não é, portanto, um simples ímpeto do instinto ou do sentimento; mas é também, e principalmente, ato da vontade livre, destinado a manter-se e a crescer, mediante as alegrias e as dores da vida cotidiana, de tal modo que os esposos se tornem um só coração e uma só alma e alcancem juntos a sua perfeição humana.
É depois, um amor total, quer dizer, uma forma muito especial de amizade pessoal, em que os esposos generosamente compartilham todas as coisas, sem reservas indevidas e sem cálculos egoístas. Quem ama verdadeiramente o próprio consorte, não o ama somente por aquilo que dele recebe, mas por ele mesmo, por poder enriquecê-lo com o dom de si próprio.
É, ainda, amor fiel e exclusivo, até à morte. Assim o concebem, efetivamente, o esposo e a esposa no dia em que assumem, livremente e com plena consciência, o compromisso do vínculo matrimonial. Fidelidade que por vezes pode ser difícil; mas que é sempre nobre e meritória, ninguém o pode negar. O exemplo de tantos esposos, através dos séculos, demonstra não só que ela é consentânea com a natureza do matrimônio, mas que é dela, como de fonte, que flui uma felicidade íntima e duradoura.
É, finalmente, amor fecundo que não se esgota na comunhão entre os cônjuges, mas que está destinado a continuar-se, suscitando novas vidas. "O matrimônio e o amor conjugal estão por si mesmos ordenados para a procriação e educação dos filhos. Sem dúvida, os filhos são o dom mais excelente do matrimônio e contribuem grandemente para o bem dos pais".(8)

10. Sendo assim, o amor conjugal requer nos esposos uma consciência da sua missão de "paternidade responsável", sobre a qual hoje tanto se insiste, e justificadamente, e que deve também ser compreendida com exatidão. De fato, ela deve ser considerada sob diversos aspectos legítimos e ligados entre si.
Em relação com os processos biológicos, paternidade responsável significa conhecimento e respeito pelas suas funções: a inteligência descobre, no poder de dar a vida, leis biológicas que fazem parte da pessoa humana (9).
Em relação às tendências do instinto e das paixões, a paternidade responsável significa o necessário domínio que a razão e a vontade devem exercer sobre elas.
Em relação às condições físicas, econômicas, psicológicas e sociais, a paternidade responsável exerce-se tanto com a deliberação ponderada e generosa de fazer crescer uma família numerosa, como com a decisão, tomada por motivos graves e com respeito pela lei moral, de evitar temporariamente, ou mesmo por tempo indeterminado, um novo nascimento.
Paternidade responsável comporta ainda, e principalmente, uma relação mais profunda com a ordem moral objetiva, estabelecida por Deus, de que a consciência reta é intérprete fel. O exercício responsável da paternidade implica, portanto, que os cônjuges reconheçam plenamente os próprios deveres, para com Deus, para consigo próprios, para com a família e para com a sociedade, numa justa hierarquia de valores.
Na missão de transmitir a vida, eles não são, portanto, livres para procederem a seu próprio bel-prazer, como se pudessem determinar, de maneira absolutamente autônoma, as vias honestas a seguir, mas devem, sim, conformar o seu agir com a intenção criadora de Deus, expressa na própria natureza do matrimônio e dos seus atos e manifestada pelo ensino constante da Igreja (10).

Respeitar a natureza e a finalidade do ato matrimonial

11. Estes atos, com os quais os esposos se unem em casta intimidade e através dos quais se transmite a vida humana, são, como recordou o recente Concílio, "honestos e dignos" (11); e não deixam de ser legítimos se, por causas independentes da vontade dos cônjuges, se prevê que vão ser infecundos, pois que permanecem destinados a exprimir e a consolidar a sua união. De fato, como o atesta a experiência, não se segue sempre uma nova vida a cada um dos atos conjugais. Deus dispôs com sabedoria leis e ritmos naturais de fecundidade, que já por si mesmos distanciam o suceder-se dos nascimentos. Mas, chamando a atenção dos homens para a observância das normas da lei natural, interpretada pela sua doutrina constante, a Igreja ensina que qualquer ato matrimonial deve permanecer aberto à transmissão da vida(12).

Inseparáveis os dois aspectos: união e procriação

12. Esta doutrina, muitas vezes exposta pelo Magistério, está fundada sobre a conexão inseparável que Deus quis e que o homem não pode alterar por sua iniciativa, entre os dois significados do ato conjugal: o significado unitivo e o significado procriador.
Na verdade, pela sua estrutura íntima, o ato conjugal, ao mesmo tempo que une profundamente os esposos, torna-os aptos para a geração de novas vidas, segundo leis inscritas no próprio ser do homem e da mulher. Salvaguardando estes dois aspectos essenciais, unitivo e procriador, o ato conjugal conserva integralmente o sentido de amor mútuo e verdadeiro e a sua ordenação para a altíssima vocação do homem para a paternidade. Nós pensamos que os homens do nosso tempo estão particularmente em condições de apreender o caráter profundamente razoável e humano deste princípio fundamental.

Fidelidade ao desígnio divino

13. Em boa verdade, justamente se faz notar que um ato conjugal imposto ao próprio cônjuge, sem consideração pelas suas condições e pelos seus desejos legítimos, não é um verdadeiro ato de amor e nega, por isso mesmo, uma exigência da reta ordem moral, nas relações entre os esposos. Assim, quem refletir bem, deverá reconhecer de igual modo que um ato de amor recíproco, que prejudique a disponibilidade para transmitir a vida que Deus Criador de todas as coisas nele inseriu segundo leis particulares, está em contradiçâo com o desígnio constitutivo do casamento e com a vontade do Autor da vida humana. Usar deste dom divino, destruindo o seu significado e a sua finalidade, ainda que só parcialmente, é estar em contradição com a natureza do homem, bem como com a da mulher e da sua relação mais íntima; e, por conseguinte, é estar em contradição com o plano de Deus e com a sua vontade. Pelo contrário, usufruir do dom do amor conjugal, respeitando as leis do processo generativo, significa reconhecer-se não árbitros das fontes da vida humana, mas tão somente administradores dos desígnios estabelecidos pelo Criador. De fato, assim como o homem não tem um domínio ilimitado sobre o próprio corpo em geral, também o não tem, com particular razão, sobre as suas faculdades geradoras enquanto tais, por motivo da sua ordenação intrínseca para suscitar a vida, da qual Deus é princípio. "A vida humana é sagrada, recordava João XXIII; desde o seu alvorecer compromete diretamente a ação criadora de Deus"(13).

Vias ilícitas para a regulação dos nascimentos

14. Em conformidade com estes pontos essenciais da visão humana e cristã do matrimônio, devemos, uma vez mais, declarar que é absolutamente de excluir, como via legítima para a regulação dos nascimentos, a interrupção direta do processo generativo já iniciado, e, sobretudo, o aborto querido diretamente e procurado, mesmo por razões terapêuticas (14).
É de excluir de igual modo, como o Magistério da Igreja repetidamente declarou, a esterilização direta, quer perpétua quer temporária, tanto do homem como da mulher.(15)
É, ainda, de excluir toda a ação que, ou em previsão do ato conjugal, ou durante a sua realização, ou também durante o desenvolvimento das suas conseqüências naturais, se proponha, como fim ou como meio, tornar impossível a procriação (16).
Não se podem invocar, como razões válidas, para a justificação dos atos conjugais tornados intencionalmente infecundos, o mal menor, ou o fato de que tais atos constituiriam um todo com os atos fecundos, que foram realizados ou que depois se sucederam, e que, portanto, compartilhariam da única e idêntica bondade moral dos mesmos. Na verdade, se é lícito, algumas vezes, tolerar o mal menor para evitar um mal maior, ou para promover um bem superior (17), nunca é lícito, nem sequer por razões gravíssimas, fazer o mal, para que daí provenha o bem (18); isto é, ter como objeto de um ato positivo da vontade aquilo que é intrinsecamente desordenado e, portanto, indigno da pessoa humana, mesmo se for praticado com intenção de salvaguardar ou promover bens individuais, familiares, ou sociais. É um erro, por conseguinte, pensar que um ato conjugal, tornado voluntariamente infecundo, e por isso intrinsecamente desonesto, possa ser coonestado pelo conjunto de uma vida conjugal fecunda.

Liceidade dos meios terapêuticos

15. A Igreja, por outro lado, não considera ilícito o recurso aos meios terapêuticos, verdadeiramente necessários para curar doenças do organismo, ainda que daí venha a resultar um impedimento, mesmo previsto, à procriação, desde que tal impedimento não seja, por motivo nenhum, querido diretamente. (19)

Liceidade do recurso aos períodos infecundos

16. Contra estes ensinamentos da Igreja, sobre a moral conjugal, objeta-se hoje, como já fizemos notar mais acima (n. 3), que é prerrogativa da inteligência humana dominar as energias proporcionadas pela natureza irracional e orientá-las para um fim conforme com o bem do homem. Ora, sendo assim, perguntam-se alguns, se atualmente não será talvez razoável em muitas circunstâncias recorrer à regulação artificial dos nascimentos, uma vez que, com isso, se obtém a harmonia e a tranqüilidade da família e melhores condições para a educação dos filhos já nascidos. A este quesito é necessário responder com clareza: a Igreja é a primeira a elogiar e a recomendar a intervenção da inteligência, numa obra que tão de perto associa a criatura racional com o seu Criador; mas, afirma também que isso se deve fazer respeitando sempre a ordem estabelecida por Deus.
Se, portanto, existem motivos sérios para distanciar os nascimentos, que derivem ou das condições físicas ou psicológicas dos cônjuges, ou de circunstâncias exteriores, a Igreja ensina que então é lícito ter em conta os ritmos naturais imanentes às funções geradoras, para usar do matrimônio só nos períodos infecundos e, deste modo, regular a natalidade, sem ofender os princípios morais que acabamos de recordar (20).
A Igreja é coerente consigo própria, quando assim considera lícito o recurso aos períodos infecundos, ao mesmo tempo que condena sempre como ilícito o uso dos meios diretamente contrários à fecundação, mesmo que tal uso seja inspirado em razões que podem aparecer honestas e sérias. Na realidade, entre os dois casos existe uma diferença essencial: no primeiro, os cônjuges usufruem legitimamente de uma disposição natural; enquanto que no segundo, eles impedem o desenvolvimento dos processos naturais. É verdade que em ambos os casos os cônjuges estão de acordo na vontade positiva de evitar a prole, por razões plausíveis, procurando ter a segurança de que ela não virá; mas, é verdade também que, somente no primeiro caso eles sabem renunciar ao uso do matrimônio nos períodos fecundos, quando, por motivos justos, a procriação não é desejável, dele usando depois nos períodos agenésicos, como manifestação de afeto e como salvaguarda da fidelidade mútua.

Procedendo assim, eles dão prova de amor verdadeira e integralmente honesto.

Graves conseqüências dos métodos de regulação artificial da natalidade

17. Os homens retos poderão convencer-se ainda mais da fundamentação da doutrina da Igreja neste campo, se quiserem refletir nas conseqüências dos métodos da regulação artificial da natalidade. Considerem, antes de mais, o caminho amplo e fácil que tais métodos abririam à infïdelidade conjugal e à degradação da moralidade. Não é preciso ter muita experiência para conhecer a fraqueza humana e para compreender que os homens - os jovens especialmente, tão vulneráveis neste ponto - precisam de estímulo para serem féis à lei moral e não se lhes deve proporcionar qualquer meio fácil para eles eludirem a sua observância. É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada.
Pense-se ainda seriamente na arma perigosa que se viria a pôr nas mãos de autoridades públicas, pouco preocupadas com exigências morais. Quem poderia reprovar a um governo o fato de ele aplicar à solução dos problemas da coletividade aquilo que viesse a ser reconhecido como lícito aos cônjuges para a solução de um problema familiar? Quem impediria os governantes de favorecerem e até mesmo de imporem às suas populações, se o julgassem necessário, o método de contracepção que eles reputassem mais eficaz? Deste modo, os homens, querendo evitar dificuldades individuais, familiares, ou sociais, que se verificam na observância da lei divina, acabariam por deixar à mercê da intervenção das autoridades públicas o setor mais pessoal e mais reservado da intimidade conjugal.
Portanto, se não se quer expor ao arbítrio dos homens a missão de gerar a vida, devem-se reconhecer necessariamente limites intransponíveis no domínio do homem sobre o próprio corpo e as suas funções; limites que a nenhum homem, seja ele simples cidadão privado, ou investido de autoridade, é lícito ultrapassar. E esses mesmos limites não podem ser determinados senão pelo respeito devido à integridade do organismo humano e das suas funções naturais, segundo os princípios acima recordados e segundo a reta inteligência do "princípio de totalidade", ilustrado pelo nosso predecessor Pio XII. (21)

A Igreja, garantia dos autênticos valores humanos

18. É de prever que estes ensinamentos não serão, talvez, acolhidos por todos facilmente: são muitas as vozes, amplificadas pelos meios modernos de propaganda, que estão em contraste com a da Igreja. A bem dizer a verdade, esta não se surpreende de ser, à semelhança do seu divino fundador, "objeto de contradição"; (22) mas, nem por isso ela deixa de proclamar, com humilde firmeza, a lei moral toda, tanto a natural como a evangélica.
A Igreja não foi a autora dessa lei e não pode portanto ser árbitra da mesma; mas, somente depositária e intérprete, sem nunca poder declarar lícito aquilo que o não é, pela sua íntima e imutável oposiçâo ao verdadeiro bem comum do homem.
Ao defender a moral conjugal na sua integridade, a Igreja sabe que está contribuindo para a instauração de uma civilização verdadeiramente humana; ela compromete o homem para que este não abdique da própria responsabilidade, para submeter-se aos meios da técnica; mais, ela defende com isso a dignidade dos cônjuges. Fiel aos ensinamentos e ao exemplo do Salvador, ela mostra-se amiga sincera e desinteressada dos homens, aos quais quer ajudar, agora já, no seu itinerário terrestre, "a participarem como filhos na vida do Deus vivo, Pai de todos os homens". (23)

III. DIRETIVAS PASTORAIS

A Igreja, Mãe e Mestra

19. A nossa palavra não seria a expressão adequada do pensamento e das solicitudes da Igreja, Mãe e Mestra de todos os povos, se, depois de termos assim chamado os homens à observância e respeito da lei divina, no que se refere ao matrimônio, ela os não confortasse no caminho de uma regulação honesta da natalidade, não obstante as difíceis condições que hoje afligem as famílias e as populações. A Igreja, de fato, não pode adotar para com os homens uma atitude diferente da do Redentor: conhece as suas fraquezas, tem compaixão das multidões, acolhe os pecadores, mas não pode renunciar a ensinar a lei que na realidade é própria de uma vida humana, restituída à sua verdade originária e conduzida pelo Espírito de Deus.(24)

Possibilidade de observância da lei divina

20. A doutrina da Igreja sobre a regulação dos nascimentos, que promulga a lei divina, parecerá, aos olhos de muitos, de difícil, ou mesmo de impossível atuação. Certamente que, como todas as realidades grandiosas e benéficas, ela exige um empenho sério e muitos esforços, individuais, familiares e sociais. Mais ainda: ela não seria de fato viável sem o auxílio de Deus, que apóia e corrobora a boa vontade dos homens. Mas, para quem refletir bem, não poderá deixar de aparecer como evidente que tais esforços são nobilitantes para o homem e benéficos para a comunidade humana.

Domínio de si mesmo

21. Uma prática honesta da regulação da natalidade exige, acima de tudo, que os esposos adquiram sólidas convicções acerca dos valores da vida e da família e que tendam a alcançar um perfeito domínio de si mesmos. O domínio do instinto, mediante a razão e a vontade livre, impõe, indubitavelmente, uma ascese, para que as manifestações afetivas da vida conjugal sejam conformes com a ordem reta e, em particular, concretiza-se essa ascese na observância da continência periódica. Mas, esta disciplina, própria da pureza dos esposos, longe de ser nociva ao amor conjugal, confere-lhe pelo contrário um valor humano bem mais elevado. Requer um esforço contínuo, mas, graças ao seu benéfico influxo, os cônjuges desenvolvem integralmente a sua personalidade, enriquecendo-se de valores espirituais: ela acarreta à vida familiar frutos de serenidade e de paz e facilita a solução de outros problemas; favorece as atenções dos cônjuges, um para com o outro, ajuda-os a extirpar o egoísmo, inimigo do verdadeiro amor e enraíza-os no seu sentido de responsabilidade no cumprimento de seus deveres. Além disso, os pais adquirem com ela a capacidade de uma influência mais profunda e eficaz para educarem os filhos; as crianças e a juventude crescem numa estima exata dos valores humanos e num desenvolvimento sereno e harmônico das suas faculdades espirituais e sensitivas.

Criar um ambiente favorável à castidade

22. Queremos nesta altura chamar a atenção dos educadores e de todos aqueles que desempenham tarefas de responsabilidade em ordem ao bem comum da convivência humana, para a necessidade de criar um clima favorável à educação para a castidade, isto é, ao triunfo da liberdade sã sobre a licenciosidade, mediante o respeito da ordem moral.
Tudo aquilo que nos modernos meios de comunicação social leva à excitação dos sentidos, ao desregramento dos costumes, bem como todas as formas de pornografia ou de espetáculos licenciosos, devem suscitar a reação franca e unanime de todas as pessoas solícitas pelo progresso da civilização e pela defesa dos bens do espírito humano. Em vão se procurará justificar estas depravações, com pretensas exigências artísticas ou científicas,(25) ou tirar partido, para argumentar, da liberdade deixada neste campo por parte das autoridades públicas.

APELO AOS GOVERNANTES

23. Nós queremos dizer aos governantes, que são os principais responsáveis pelo bem comum e que dispõem de tantas possibilidades para salvaguardar os costumes morais: não permitais que se degrade a moralidade das vossas populações; não admitais que se introduzam legalmente, naquela célula fundamental que é a família, práticas contrárias à lei natural e divina. Existe uma outra via, pela qual os Poderes públicos podem e devem contribuir para a solução do problema demográfico: é a via de uma política familiar providente, de uma sábia educação das populações, que respeite a lei moral e a liberdade dos cidadãos.
Estamos absolutamente cônscios das graves dificuldades em que se encontram os Poderes públicos a este respeito, especialmente nos países em vias de desenvolvimento. Dedicamos mesmo às suas preocupações legítimas a nossa Encíclica "Populorum Progressio". Mas, com o nosso predecessor João XXIII, repetimos: "...Estas dificuldades não se podem vencer recorrendo a métodos e meios que são indignos do homem e que só encontram a sua explicação num conceito estritamente materialista do mesmo homem e da vida. A verdadeira solução encontra-se somente num progresso econômico e social que respeite e fomente os genuínos valores humanos, individuais e sociais".(26) Nem se poderá, ainda, sem injustiça grave, tornar a Providência divina responsável por aquilo que, bem ao contrário, depende de menos sensatez de governo, de um insuficiente sentido da justiça social, de monopólios egoístas, ou também de reprovável indolência no enfrentar os esforços e os sacrifícios necessários para garantir a elevação do nível de vida de uma população e de todos os seus membros. (27) Que todos os poderes responsáveis, como alguns louvavelmente já vem fazendo, reavivem os seus esforços, que não se deixe de ampliar o auxílio mútuo entre todos os membros da grande família humana: é um campo ilimitado este que se abre assim à atividade das grandes organizações internacionais.

AOS HOMENS DE CIÊNCIA

24. Queremos agora exprimir o nosso encorajamento aos homens de ciência, os quais "podem dar um contributo grande para o bem do matrimônio e da família e para a paz das consciências, se se esforçarem por esclarecer mais profundamente, com estudos convergentes, as diversas condições favoráveis a uma honesta regulação da procriação humana".(28) É para desejar muito particularmente que, segundo os votos já expressos pelo nosso predecessor Pio XII, a ciência médica consiga fornecer uma base suficientemente segura para a regulação dos nascimentos, fundada na observância dos ritmos naturais. (29) Assim, os homens de ciência, e de modo especial os cientistas católicos, contribuirão para demonstrar que, como a Igreja ensina, "não pode haver contradição verdadeira entre as leis divinas que regem a transmissão da vida e as que favorecem o amor conjugal autêntico".(30)

AOS ESPOSOS CRISTÃOS

25. E agora a nossa palavra dirige-se mais diretamente aos nossos filhos, particularmente àqueles que Deus chamou para servi-lo no matrimônio. A Igreja, ao mesmo tempo que ensina as exigências imprescritíveis da lei divina, anuncia a salvação e abre, com os sacramentos, os caminhos da graça, a qual faz do homem uma nova criatura, capaz de corresponder, no amor e na verdadeira liberdade, aos desígnios do seu Criador e Salvador e de achar suave o jugo de Cristo. (31)
Os esposos cristãos, portanto, dóceis à sua voz, lembrem-se de que a sua vocação cristã, iniciada com o Batismo, se especificou ulteriormente e se reforçou com o sacramento do Matrimônio. Por ele os cônjuges são fortalecidos e como que consagrados para o cumprimento fiel dos próprios deveres e para a atuação da própria vocação para a perfeição e para o testemunho cristão próprio deles, que têm de dar frente ao mundo.(32) Foi a eles que o Senhor confiou a missão de tornarem visível aos homens a santidade e a suavidade da lei que une o amor mútuo dos esposos com a sua cooperação com o amor de Deus, autor da vida humana.
Não pretendemos, evidentemente, esconder as dificuldades, por vezes graves, inerentes à vida dos cônjuges cristãos: para eles, como para todos, de resto, "é estreita a porta e apertado o caminho que conduz à vida".(33) Mas, a esperança desta vida, precisamente, deve iluminar o seu caminho, enquanto eles corajosamente se esforçam por "viver com sabedoria, justiça e piedade no tempo presente",(34) sabendo que "a figura deste mundo passa".(35)
Os esposos, pois, envidem os esforços necessários, apoiados na fé e na esperança que "não desilude, porque o amor de Deus foi derramado nos nossos corações, pelo Espírito que nos foi dado"; (36) implorem com oração perseverante o auxílio divino; abeirem-se, sobretudo pela Santíssima Eucaristia, da fonte de graça e da caridade. E se, porventura, o pecado vier a vencê-los, não desanimem, mas recorram com perseverança humilde à misericórdia divina, que é outorgada no sacramento da Penitência. Assim, poderão realizar a plenitude da vida conjugal, descrita pelo Apóstolo: "Maridos, amai as vossas mulheres tal como Cristo amou a Igreja (...) Os maridos devem amar as suas mulheres como os seus próprios corpos. Aquele que ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Porque ninguém aborreceu jamais a própria carne, mas nutre-a e cuida dela, como também Cristo o faz com a sua Igreja (...) Este mistério é grande, mas eu digo isto quanto a Cristo e à Igreja. Mas, por aquilo que vos diz respeito, cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo; a mulher, por sua vez, reverencie o seu marido".(37)

APOSTOLADO NOS LARES

26. Entre os frutos que maturam mediante um esforço generoso de fidelidade à lei divina, um dos mais preciosos é que os cônjuges mesmos, não raro, experimentam o desejo de comunicar a outros a sua experiência. Deste modo, resulta que vem inserir-se no vasto quadro da vocação dos leigos uma forma nova e importantíssima de apostolado, do semelhante, por parte do seu semelhante: são os próprios esposos que assim se tornam apóstolos e guias de outros esposos. Esta é, sem dúvida, entre tantas outras formas de apostolado, uma daquelas que hoje em dia se apresenta como sendo das mais oportunas.(38)

AOS MÉDICOS E AO PESSOAL SANITÁRIO

27. Temos em altíssima estima os médicos e os demais membros do pessoal sanitário, aos quais estão a caráter, acima de todos os outros interesses humanos, as exigências superiores da sua vocação cristã. Perseverem, pois, no propósito de promoverem, em todas as circunstâncias, as soluções inspiradas na fé e na reta razão e esforcem-se por suscitar a convicção e o respeito no seu ambiente. Considerem depois, ainda, como dever profissional próprio, o de adquirirem toda a ciência necessária, neste campo delicado, para poderem dar aos esposos, que porventura os venham consultar, aqueles conselhos sensatos e aquelas sãs diretrizes, que estes, com todo o direito, esperam deles.

AOS SACERDOTES

28. Diletos filhos sacerdotes, que por vocação sois os conselheiros e guias espirituais das pessoas e das famílias, dirigimo-nos agora a vós, com confiança. A vossa primeira tarefa - especialmente para os que ensinam a teologia moral - é expor, sem ambigüidades, os ensinamentos da Igreja acerca do matrimônio. Sede, pois, os primeiros a dar exemplo, no exercício do vosso ministério, de leal acatamento, interno e externo, do Magistério da Igreja. Tal atitude obsequiosa, bem o sabeis, é obrigatória não só em virtude das razões aduzidas, mas sobretudo por motivo da luz do Espírito Santo, da qual estão particularmente dotados os Pastores da Igreja, para ilustrarem a verdade.(39) Sabeis também que é da máxima importância, para a paz das consciências e para a unidade do povo cristão, que, tanto no campo da moral como no do dogma, todos se atenham ao Magistério da Igreja e falem a mesma linguagem. Por isso, com toda a nossa alma, vos repetimos o apelo do grande Apóstolo São Paulo: "Rogo-vos, irmãos, pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos o mesmo e que entre vós não haja divisões, mas que estejais todos unidos, no mesmo espírito e no mesmo parecer".(40)

29. Não minimizar em nada a doutrina salutar de Cristo é forma de caridade eminente para com as almas. Mas, isso deve andar sempre acompanhado também de paciência e de bondade, de que o mesmo Senhor deu o exemplo, ao tratar com os homens. Tendo vindo para salvar e não para julgar,(41) Ele foi intransigente com o mal, mas misericordioso para com os homens.
No meio das suas dificuldades, que os cônjuges encontrem sempre na palavra e no coração do sacerdote o eco fiel da voz e do amor do Redentor.
Falai, pois, com confiança, diletos Filhos, bem convencidos de que o Espírito de Deus, ao mesmo tempo que assiste o Magistério no propor a doutrina, ilumina também internamente os corações dos fiéis, convidando-os a prestar-lhe o seu assentimento. Ensinai aos esposos o necessário caminho da oração, preparai-os para recorrerem com freqüência e com fé aos sacramentos da Eucaristia e da Penitência, sem se deixarem jamais desencorajar pela sua fraqueza.

AOS BISPOS

30. Queridos e Veneráveis Irmãos no Episcopado, com quem compartilhamos mais de perto a solicitude pelo bem espiritual do Povo de Deus, para vós vai o nosso pensamento reverente e afetuoso, ao terminarmos esta Encíclica. A todos queremos dirigir um convite insistente. À frente dos vossos sacerdotes, vossos colaboradores, e dos vossos fiéis, trabalhai com afinco e sem tréguas na salvaguarda e na santificação do matrimônio, para que ele seja sempre e cada vez mais, vivido em toda a sua plenitude humana e cristã. Considerai esta missão como uma das vossas responsabilidades mais urgentes, na hora atual. Ela envolve, como sabeis, uma ação pastoral coordenada, em todos os campos da atividade humana, econômica, cultural e social: só uma melhoria simultânea nestes diversos setores poderá tornar, não só tolerável, mas mais fácil e serena a vida dos pais e dos filhos no seio das famílias, mais fraterna e pacífica a convivência na sociedade humana, na fidelidade aos desígnios de Deus sobre o mundo.

APELO FINAL

31. Veneráveis Irmãos, diletíssimos Filhos e vós todos, homens de boa vontade: é grandiosa a obra à qual vos chamamos, obra de educação, de progresso e de amor, assente sobre o fundamento dos ensinamentos da Igreja, dos quais o sucessor de Pedro, com os seus Irmãos no Episcopado, é depositário e intérprete. Obra grandiosa, na verdade, para o mundo e para a Igreja, temos disso a convicção íntima, visto que o homem não poderá encontrar a verdadeira felicidade, à qual aspira com todo o seu ser, senão no respeito pelas leis inscritas por Deus na sua natureza e que ele deve observar com inteligência e com amor. Sobre esta obra nós invocamos, assim como sobre todos vós, e de um modo especial sobre os esposos, a abundância das graças do Deus de santidade e de misericórdia, em penhor das quais vos damos a nossa bênção apostólica.
Dada em Roma, junto de São Pedro, na Festa de São Tiago Apóstolo, 25 de julho do ano de 1968, sexto do nosso pontificado.

PAULUS PP. VI

domingo, 9 de outubro de 2011

Evangelizando as nações

O Caminho Neocatecumenal está presente em mais de 900 dioceses de 105 nações, com mais de 200.000 comunidades em 6.000 paróquias.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A missão da Igreja


PARA REALIZAR SUA MISSÃO, IGREJA DEVE “DESMUNDANIZAR-SE”


Chamado à abertura deve prevalecer sobre organização e institucionalização

FREIBURG, domingo, 25 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – Se a Igreja pretende realizar plenamente sua missão, deve “destacar-se da mundanidade”, fazendo que o chamado à abertura prevaleça sobre a atenção à organização e à institucionalização.
Esta foi a mensagem do Papa hoje à tarde, no Konzerthaus de Freiburg, aos católicos comprometidos na Igreja e na sociedade, no último encontro da sua visita de quatro dias à Alemanha.
“Assistimos, há decênios – disse o Pontífice em seu discurso, o mais longo dos pronunciados nesta 21ª viagem apostólica, a terceira à sua pátria –, a uma diminuição da prática religiosa, constatamos o crescente afastamento duma parte notável de batizados da vida da Igreja.”
“Surge a pergunta: Porventura não deverá a Igreja mudar? Não deverá ela, nos seus serviços e nas suas estruturas, adaptar-se ao tempo presente, para chegar às pessoas de hoje que vivem em estado de busca e na dúvida?”
“Uma vez alguém instou a beata Madre Teresa a dizer qual seria, segundo ela, a primeira coisa a mudar na Igreja. A sua reposta foi: tu e eu!”, recordou.
“Este pequeno episódio evidencia-nos duas coisas: por um lado, a Religiosa pretendeu dizer ao seu interlocutor que a Igreja não são apenas os outros, não é apenas a hierarquia, o Papa e os Bispos; a Igreja somos nós todos, os baptizados. Por outro lado, Madre Teresa parte efetivamente do pressuposto de que há motivos para uma mudança. Há uma necessidade de mudança. Cada cristão e a comunidade dos crentes são chamados a uma contínua conversão”, explicou.
O Pontífice se perguntou, portanto, em que consiste esta renovação. “Mas, no caso da Igreja, o motivo fundamental da mudança é a missão apostólica dos discípulos e da própria Igreja. (…) A Igreja deve verificar incessantemente a sua fidelidade a esta missão”.
O Papa advertiu que, “por causa das pretensões e condicionamentos do mundo, o testemunho fica muitas vezes ofuscado, são alienadas as relações e acaba relativizada a mensagem”.
Para cumprir a sua missão, a Igreja deve “continuamente manter a distância do seu ambiente, deve por assim dizer 'desmundanizar-se'”.

domingo, 28 de agosto de 2011

Encontro dos jovens na Praça Cibelis - MADRID - 2011


ENCONTRO DO CAMINHO NEOCATECUMENAL: PALAVRAS DO PAPA SÃO GRAÇAS ESPECIAIS PARA OS JOVENS


Madri, 23 ago (RV) - Nesta segunda-feira, após os comoventes dias da Jornada Mundial da Juventude, a Praça de Cibeles, em Madri, foi novamente tomada pela alegria e fé dos jovens: cerca de 200 mil jovens do Caminho neocatecumenal se reuniram para um encontro vocacional, presidido pelo Arcebispo de Madri, Cardeal Antonio María Rouco Varela.
Encontravam-se presentes outros cinco cardeais, dentre eles, o Arcebispo de Aparecida – SP, Dom Raymundo Damasceno Assis; e o Presidente emérito do Pontifício Conselho Cor Unum, Dom Paul Josef Cordes; e cerca de 60 bispos. Participaram também os fundadores do Caminho, Kiko Arguello e Carmen Hernandez, junto a Pe. Mario Pezzi.
"Nesta celebração queremos colher os frutos do magistério do Papa e queremos dizer que estamos dispostos a dizer sim a Cristo." Foi o que disse o Cardeal Rouco Varela na homilia do encontro vocacional com os jovens do Caminho neocatecumenal, que geralmente é organizado após as JMJ.
No início da celebração da Palavra foi ouvida uma sinfonia sobre o sofrimento dos inocentes, composta por Kiko Arguello, que em sua catequese ressaltou a urgência da nova evangelização.
Cristo assumiu sobre si o sofrimento vencendo a morte e mostrando que a verdade não é viver para si mesmo, mas amar, disse Arguello.
A seguir, teve lugar um momento de oração em clima de grande recolhimento e, depois, o chamado vocacional: cerca de 5 mil jovens, levantando-se e subindo até o palco, manifestaram a sua disponibilidade a iniciar um percurso para o sacerdócio; 3.200 moças para a vida consagrada.
Nos aplausos dos jovens e nas catequeses ressoava forte o afeto por Bento XVI, ao qual – foi ressaltado – esta geração já se sente pertencer. (RL)

Rádio Vaticano

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Dom José Ronaldo Ribeiro

Dom José Ronaldo foi eleito membro do Conselho Diretor do Movimento de Educação de Base (MEB) da CNBB

Kiko Arguello é nomeado consultor para o Dicastério de Evangelização

Papa nomeia consultores para novo dicastério de evangelização


CIDADE DO VATICANO, 19 MAI (ANSA) - O papa Bento XVI nomeou hoje os consultores do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização para completar o novo dicastério, presidido pelo arcebispo Rino Fisichella.
Os novos consultores são o espanhol dom Fernando Ocariz, atual Vigário Geral da Prelatura do Opus Dei, o mexicano dom Pascual Chavez Villanueva, reitor maior da Sociedade Salesiana de São João Bosco e presidente da União dos Superiores Gerais (USG) o espanhol dom Julian Carron, presidente da Fraternidade de Comunhão e Liberação e conselheiro eclesiástico da Associação Eclesial Memores Domini, e o padre francês François Xavier Dumortier, reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.
Também foram nomeados pelo Santo Padre o italiano Pierangelo Sequeri, atual vice-diretor e docente ordinário de Teologia Fundamental na Faculdade de Teologia da Itália Setentrional e docente encarregado de Estética do Sacro na Academia de Belas Artes de Brera, em Milão.
Joseph Ratzinger também nomeou para a consultoria a madre norte-americana Sara Butler, da Ordem das Missionárias Servas da Santíssima Trindade, docente de Teologia Dogmática da Universidade St. Mary of the Lake, Seminário de Mundelein; a irmã norte-americana Mary Lou Wirtz, madre superior geral das Filhas dos Sagrados Corações de Jesus e Maria e presidente da União Internacional de Superiores Gerais (UISG).
Ele também incluiu a italiana Chiara Amirante, fundadora e responsável da Associação "Nuovi Orizzonti"; o espanhol Kiko Arguello, responsável pela Equipe Internacional do Caminho Neocatecumenal, e a italiana Lucetta Scaraffia, docente de História Contemporânea na Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade La Sapienza, de Roma.

domingo, 29 de maio de 2011

Caminho Neocatecumenal: Encontro com 40.000 jovens.

Caminho Neocatecumenal: 40 mil jovens em missão


No contexto da Jornada Mundial da Juventude de Madri

MADRI, sexta-feira, 27 de maio de 2011 (ZENIT.org) - Em preparação da Jornada Mundial da Juventude de Madri, que acontece em agosto, Kiko Argüello e Carmen Hernández, iniciadores do Camino Neocatecumenal, e o padre Mario Pezzi, vão se reunir com 40.000 jovens de toda a Europa.
O encontro será celebrado no dia 29 de maio, na Arena de Düsseldorf, e será presidido pelo cardeal Joachim Meisner, arcebispo de Colônia. Veja a entrevista de Kiko Argüello a ZENIT.
- Porque este encontro preparatório para a JMJ?
Kiko Argüello: A Jornada de Madri será um acontecimento muito importante para o futuro da Europa, e queremos preparar os jovens. Em Madri, haverá cerca de 200.000 jovens das comunidades neocatecumenais de todo o mundo, e cada grupo dedicará alguns dias para evangelizar um bairro ou uma cidade.
- Por que deseja apresentar aos jovens no encontro da Alemanha a sinfonia “O sofrimento dos inocentes”, obra de sua autoria, como reflexão preparatória para a Jornada de Madri?
Kiko Argüello: Nessa pequena obra se mostra a Virgem Maria sob a cruz, contemplando o suplício de seu filho, sempre obediente ao escândalo do sofrimento dos inocentes em sua carne, na carne de seu filho. Que mistério é o sofrimento de pessoas inocentes que pagam pelos pecados dos demais.
- Este concerto foi realizado também em Israel frente a um numero grupo de judeus, que ficaram muito impressionados. Por que, nessa ocasião, dedicou o concerto às vítimas do Holocausto?
Kiko Argüello: Alguns dizem que depois do horror de Auschwitz não se pode crer em Deus. Nietzsche escreveu: “se Deus existe e não ajuda os que sofrem, é um monstro. E se não pode ajudá-los, não é Deus, não existe”. Não. Isso não é certo. Um guarda de Auschwitz conta que quando viu a fila de prisioneiros que iam morrer teve uma dor profunda em seu coração e escutou uma voz que não sabia de onde vinha, que lhe disse: “coloca-te nu em fila com eles e vê a morte”. Isso foi o que Jesus fez. Ele é inocente, completamente inocente, o cordeiro levado ao matadouro que não abriu a boca, ele carregou o pecado de todos. Sustenta-nos a Virgem, que aceita a espada que, de acordo com o profeta Ezequiel, Deus preparou pelos pecados de seu povo, e agora atravessa a alma desta pobre mulher; e também Jesus quando, no jardim de Getsêmani, um anjo o ajuda a beber do cálice preparado para os pecadores. O profeta Ezequiel fala desta espada e deste cálice.
- Que significa essa profecia de Ezequiel?
Kiko Argüello: Deus viu que seu povo, eleito para ser testemunha de seu amor por todos os homens, abandona-o e se torna pior que os demais. Então o profeta enumera a quantidade de pecados cometidos. Deus também tinha dito a seu povo que não se alinhasse com o Egito, que era então o maior poder e, portanto, tinha maior segurança humana, mas que confiasse n’Ele. Mas as pessoas não o escutaram e continuaram até o abismo da violência e da perversão. O profeta tem uma impressionante lista de todas as abominações cometidas, e depois grita: “Espada, espada afiada para matar”. Então chega Nabucodonosor, e a espada entra em Jerusalém, corre sangue pelas ruas, o templo é queimado, e todo povo é exilado para a Babilônia: cumpriram-se todas as profecias de Ezequiel.
- Alguns entendem a profecia da espada como um castigo.
Kiko Argüello: Não, esta espada não é um castigo de Deus. Na realidade, Deus é paciente e evita que o desastre ocorra, porque não quer a morte do pecador, mas que ele se converta e viva. Mas chega um momento em que os homens, com seus pecados, separando-se de Deus, eles mesmos se lançam num abismo.
Um abismo físico, mas que é um abismo moral, que é o inferno, a separação total de Deus. O fato é que chegam a ser tão pérfidos que caem em um abismo de auto-destruição.
Não só não é um castigo, mas Deus envia seu filho. O Pai envia seu Filho, para que salve os homens deste inferno, e associa sua mãe a esta obra de levar sobre si os pecados. Cristo beberá deste cálice da amargura e o beberá até o fim, para que nós possamos receber o perdão dos pecados; mas sobretudo para que possamos ser curados do inferno mais profundo; e sua mãe o ajuda, deixando o coração ser atravessado pela espada.
- Também o Papa, quando convidou os jovens a irem a Madri, falou do inferno, sobretudo em relação com a situação atual na Europa e no Ocidente.
Kiko Argüello: A situação na Europa e no Ocidente é muito grave. Esta profecia de Ezequiel está sempre presente, também para nós hoje: não pode existir no mundo incesto, matar as crianças como no aborto, roubar, matar... É uma profecia poderosa que a Virgem assumiu acompanhando seu filho sobre a cruz, sobretudo para salvar a humanidade do inferno, porque o maior sofrimento não é a morte física, ou outros desastres: o mais terrível é a morte do espírito. Vemos hoje a enorme quantidade de suicídios que há, o abismo em que afunda o homem e a sociedade, por se separar de Deus.
- Por que esta profecia neste encontro?
Kiko Argüello: Neste evento animarei os jovens a que sejam fortes. Cristo bebeu do cálice e a Virgem se deixou atravessar pela espada. Agora já podemos evangelizar o mundo e dar às pessoas o fruto do cálice de Jesus Cristo e da espada da Virgem: a ressurreição e a vitória sobre a morte.
Em resumo, tudo isso está relacionado com a nova evangelização: dar aos jovens esta alegria e esta força. A música fala das profundidades de nosso ser e nos leva a amar a Virgem, que faz tudo para que possamos evangelizar e salvar a humanidade.
Na Alemanha, o Caminho está presente em 16 dioceses, com 80 comunidades e dois seminários Redemptoris Mater para a Nova Evangelização, nas dioceses de Berlim e Colônia. Há cinco Missio ad Gentes enviadas pelo Santo Padre, duas em Chemnitz e três na diocese de Colônia.
São grupos de famílias numerosas, cada uma acompanhada por um sacerdote, que vão viver em áreas onde a Igreja está ausente. Chemnitz, por exemplo, era a antiga Karlmarxstadt, que seria a cidade modelo do “paraíso” comunista. Ali, os não batizados são 98% da população e eles não sabem quem é Jesus. O comunismo deixou um vazio que não se pode superar politicamente, mas que só Cristo pode preencher. Inclusive na Rússia, nos últimos dias, Putin reconheceu que a maior ameaça para a futuro é a crise da família e a falta de filhos. Ele propôs que não se ofereça o aborto como serviço médico. O cardeal Joachim Meisner, no dia 25 de março de 2011, firmou o decreto para o estabelecimento da missão ad gente em sua diocese, que é uma nova forma de tornar presente a Igreja, não através da paróquia tradicional, mas através de uma comunidade de pessoas que vivem no meio do povo, como era na Igreja primitiva.
O Caminho Neocatecumenal é um caminho de iniciação cristã reconhecido oficialmente pela Igreja Católica para que batizados e não batizados possam iniciar um percurso de fé através do qual possam redescobrir o batismo e realizar uma experiência pessoal de Cristo e da salvação.

sábado, 14 de maio de 2011

A FAMÍLIA É DESÍGNIO DE DEUS

NOTA DA CNBB A RESPEITO DA DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL QUANTO À UNIÃO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO

Nós, Bispos do Brasil em Assembléia Geral, nos dias 4 a 13 de maio, reunidos na casa da nossa Mãe, Nossa Senhora Aparecida, dirigimo-nos a todos os fiéis e pessoas de boa vontade para reafirmar o princípio da instituição familiar e esclarecer a respeito da união estável entre pessoas do mesmo sexo. Saudamos todas as famílias do nosso País e as encorajamos a viver fiel e alegremente a sua missão. Tão grande é a importância da família, que toda a sociedade tem nela a sua base vital. Por isso é possível fazer do mundo uma grande família.
A diferença sexual é originária e não mero produto de uma opção cultural. O matrimônio natural entre o homem e a mulher bem como a família monogâmica constituem um princípio fundamental do Direito Natural. As Sagradas Escrituras, por sua vez, revelam que Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança e os destinou a ser uma só carne (cf. Gn 1,27; 2,24). Assim, a família é o âmbito adequado para a plena realização humana, o desenvolvimento das diversas gerações e constitui o maior bem das pessoas.
As pessoas que sentem atração sexual exclusiva ou predominante pelo mesmo sexo são merecedoras de respeito e consideração. Repudiamos todo tipo de discriminação e violência que fere sua dignidade de pessoa humana (cf. Catecismo da Igreja Católica, nn. 2357-2358).
As uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo recebem agora em nosso País reconhecimento do Estado. Tais uniões não podem ser equiparadas à família, que se fundamenta no consentimento matrimonial, na complementaridade e na reciprocidade entre um homem e uma mulher, abertos à procriação e educação dos filhos. Equiparar as uniões entre pessoas do mesmo sexo à família descaracteriza a sua identidade e ameaça a estabilidade da mesma. É um fato real que a família é um recurso humano e social incomparável, além de ser também uma grande benfeitora da humanidade. Ela favorece a integração de todas as gerações, dá amparo aos doentes e idosos, socorre os desempregados e pessoas portadoras de deficiência. Portanto têm o direito de ser valorizada e protegida pelo Estado.
É atribuição do Congresso Nacional propor e votar leis, cabendo ao governo garanti-las. Preocupa-nos ver os poderes constituídos ultrapassarem os limites de sua competência, como aconteceu com a recente decisão do Supremo Tribunal Federal. Não é a primeira vez que no Brasil acontecem conflitos dessa natureza que comprometem a ética na política.
A instituição familiar corresponde ao desígnio de Deus e é tão fundamental para a pessoa que o Senhor elevou o Matrimônio à dignidade de Sacramento. Assim, motivados pelo Documento de Aparecida, propomo-nos a renovar o nosso empenho por uma Pastoral Familiar intensa e vigorosa.
Jesus Cristo Ressuscitado, fonte de Vida e Senhor da história, que nasceu, cresceu e viveu na Sagrada Família de Nazaré, pela intercessão da Virgem Maria e de São José, seu esposo, ilumine o povo brasileiro e seus governantes no compromisso pela promoção e defesa da família.

Aparecida (SP), 11 de maio de 2011

Dom Geraldo Lyrio Rocha
Presidente da CNBB
Arcebispo de Mariana – MG

Dom Luiz Soares Vieira
Vice Presidente da CNBB
Arcebispo de Manaus – AM

Dom Dimas Lara Barbosa
Secretário Geral da CNBB
Arcebispo nomeado para Campo Grande - MS

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Breve Biografia do Beato João Paulo II, Papa.

Beato João Paulo II: Breve Biografia




CIDADE DO VATICANO, domingo, 1º de maio de 2011 (ZENIT.org) - Apresentamos a breve biografia oficial oferecida no Livreto da Celebração editado pela Santa Sé para a cerimônia de hoje, texto que foi lido pelo cardeal Agostino Vallini, vigário geral da diocese de Roma, durante o rito de beatificação.

* * *

Karol Józef WoJtyła, eleito Papa a 16 de Outubro de 1978, nasceu em Wadowice (Polónia), a 18 de Maio de 1920. Foi o segundo de dois filhos de Karol Wojtyła e de Emília Kaczorowska, que faleceu em 1929. O seu irmão mais velho, Edmund, médico, morre em 1932, e o seu pai, oficial do Exército, em 1941.
Aos nove anos recebeu a Primeira Comunhão e aos dezoito o sacramento da Confirmação. Terminados os estudos na Escola Superior de Wadowice, inscreveu-se em 1938 na Universidade Jagellónica de Cracóvia.
Depois de as forças ocupantes nazis encerrarem a Universidade em 1939, o jovem Karol trabalhou (1940-1944) numa mina e, posteriormente, na fábrica química Solvay, para poder sustentar-se e evitar a deportação para a Alemanha.
A partir de 1942, sentindo-se chamado ao sacerdócio, frequentou o Curso de Formação do Seminário Maior clandestino de Cracóvia, dirigido pelo Arcebispo local, o Cardeal Adam Stefan Sapieha. Simultaneamente, foi um dos promotores do «Teatro Rapsódico», também este clandestino.
Depois da guerra, continuou os estudos no Seminário Maior de Cracóvia, novamente aberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagellónica, até à sua ordenação sacerdotal em Cracóvia a 1 de Novembro de 1946. Depois foi enviado pelo Cardeal Sapieha a Roma, onde obteve o doutoramento em Teologia (1948), com uma tese sobre o conceito da fé nas obras de São João da Cruz. Naquele período - durante as suas férias - exerceu o ministério pastoral entre os emigrantes polacos na França, Bélgica e Holanda.
Em 1948, regressou à Polónia e foi coadjutor, primeiro na paróquia de Niegowić, próxima de Cracóvia, e depois na de São Floriano, na própria cidade. Foi capelão universitário até 1951, quando retomou os seus estudos filosóficos e teológicos. Em 1953 apresentou na Universidade Católica de Lublin uma tese sobre a possibilidade de fundar uma ética cristã a partir do sistema ético de Max Scheler. Mais tarde, tornou-se professor de Teologia Moral e Ética no Seminário Maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin.
Em 4 de Julho de 1958, o Papa Pio XII nomeou-o Bispo Auxiliar de Cracóvia e Titular de Ombi. Recebeu a ordenação episcopal em 28 de Setembro de 1958 na Catedral de Wawel (Cracóvia), das mãos do Arcebispo Eugeniusz Baziak.
A 13 de Janeiro de 1964 foi nomeado Arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paulo VI, que o criou Cardeal a 26 de Junho de 1967.
Participou no Concílio Vaticano II (1962-65), dando um contributo importante na elaboração da Constituição Gaudium et Spes. O Cardeal Wojtyła tomou também parte na V Assembleia do Sínodo dos Bispos anterior ao seu Pontificado.
Foi eleito Papa em 16 de Outubro de 1978 e, em 22 de Outubro, deu início ao seu ministério de Pastor Universal da Igreja.
O Papa João Paulo II realizou 146 visitas pastorais em Itália e, como Bispo de Roma, visitou 317 das actuais 332 paróquias romanas. As viagens apostólicas pelo mundo - expressão da constante solicitude pastoral do Sucessor de Pedro por toda a Igreja - foram 104.
Entre os seus principais documentos, contam-se 14 Encíclicas, 15 Exortações Apostólicas, 11 Constituições Apostólicas e 45 Cartas Apostólicas. Ao Papa João Paulo II devem-se ainda 5 livros: «Atravessar o Limiar da Esperança» (Outubro de 1994); «Dom e Mistério: Nas minhas Bodas de Ouro Sacerdotais» (Novembro de 1996); «Tríptico Romano», meditações em forma de poesia (Março de 2003); «Levantai-vos! Vamos!» (Maio de 2004) e «Memória e Identidade» (Fevereiro de 2005).
O Papa João Paulo II celebrou 147 ritos de Beatificação - nos quais proclamou 1338 Beatos - e 51 Canonizações, com um total de 482 Santos. Realizou 9 Consistórios, nos quais criou 231 Cardeais (+ 1 in pectore). Presidiu ainda a 6 Reuniões Plenárias do Colégio Cardinalício.
Desde 1978, convocou 15 Assembleias do Sínodo dos Bispos: 6 gerais ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), 1 assembleia-geral extraordinária (1985) e 8 assembleias especiais (1980, 1991, 1994, 1995, 1997, 1998 e 1999).
A 13 de Maio de 1981, na Praça de São Pedro, sofreu um grave atentado. Perdoou ao autor do atentado. Salvo pela mão materna da Mãe de Deus, submeteu-se a uma longa recuperação. Convencido de ter recebido uma nova vida, intensificou os seus empenhos pastorais com heróica generosidade.
A sua solicitude de Pastor manifestou-se, entre outras coisas, na erecção de numerosas dioceses e circunscrições eclesiásticas, na promulgação do Código de Direito Canónico Latino e das Igrejas Orientais, e na promulgação do Catecismo da Igreja Católica. Propôs ao Povo de Deus momentos de particular intensidade espiritual como o Ano da Redenção, o Ano Mariano e o Ano da Eucaristia, culminando no Grande Jubileu do Ano 2000. Foi ao encontro das novas gerações, com a celebração das Jornadas Mundiais da Juventude.
Nenhum outro Papa encontrou tantas pessoas como João Paulo II: nas Audiências Gerais das Quartas-feiras (cerca de 1160) participaram mais de 17 milhões e 600 mil peregrinos, sem contar as outras Audiências especiais e as cerimónias religiosas (mais de 8 milhões de peregrinos apenas no decorrer do Grande Jubileu do Ano 2000) e os milhões de fiéis contactados durante as visitas pastorais em Itália e no mundo; numerosas também as personalidades de Governo recebidas em Audiência: basta recordar as 38 Visitas Oficiais e as restantes 78 Audiências ou Encontros com Chefes de Estado, como também as 246 Audiências e Encontros com Primeiros-Ministros.
Morreu em Roma, no Palácio Apostólico do Vaticano, às 21.37h de sábado 2 de Abril de 2005, vigília do Domingo in Albis e da Divina Misericórdia, por ele instituído. Os funerais solenes na Praça de São Pedro e a sepultura nas Grutas Vaticanas foram celebrados a 8 de Abril.
http://www.zenit.org/

domingo, 1 de maio de 2011

O Beato João Paulo II

João Paulo II, uma beatificação para a história


(1/5/2011) A beatificação de João Paulo II, presidida pelo seu sucessor, Bento XVI, é um acontecimento “sem precedentes”, com paralelo apenas na Idade Média.
Na história da Igreja Católica nunca um Papa beatificou o seu antecessor, ainda que as regras para estas cerimónias, como hoje as conhecemos, tenham sofrido alterações significativas ao longo dos séculos.
Após o anúncio do final do processo de beatificação de João Paulo II, a 14 de janeiro, o jornal do Vaticano assinalava que “nos últimos dez séculos nenhum Papa elevou às honras dos altares o seu imediato predecessor” e mesmo esses casos aconteceram “em contextos não comparáveis com a decisão de Bento XVI”.
Celestino V foi canonizado em 1313, menos de 20 anos depois da sua morte, e dois séculos antes fora imediatamente reconhecida a santidade de Leão IX e Gregório VII, em 1054 e 1085, acrescentava o «Osservatore Romano».
O último Papa proclamado santo foi Pio X (1835-1914), canonizado em 1954, que se juntou a outros 78 bispos de Roma nessa condição.
Pio IX, falecido em 1878, e João XXIII, que morreu em 1963, foram os dois últimos papas a ser beatificados, ambos por João Paulo II, em 3 de setembro de 2000.
Nos primeiros séculos do cristianismo, o reconhecimento da santidade acontecia em âmbito local, a partir da fama popular do santo e com a aprovação dos bispos.
Ao longo do tempo e sobretudo no Ocidente, começou a ser solicitada a intervenção do Papa a fim de conferir um maior grau de autoridade às canonizações: a primeira intervenção papal deste tipo foi de João XV em 993, que declarou santo o bispo Udalrico de Augusta, que tinha morrido vinte anos antes.
As canonizações tornaram-se exclusividade papal por decisão de Gregório IX em 1234 e no decorrer do século XVI começou a distinguir-se entre “beatificação”, isto é, o reconhecimento da santidade de uma pessoa com culto em âmbito local, e “canonização”, o reconhecimento da santidade com a prática do culto universal, para toda a Igreja Católica.
Também a beatificação se tornou uma prerrogativa da Santa Sé e o primeiro acto deste tipo refere-se à beatificação de Francisco de Sales, pelo Papa Alexandre VII em 1662.
Hoje em dia todas estas normas encontram-se na constituição apostólica «Divinus perfectionis Magister» (25 de janeiro de 1983) de João Paulo II e nas normas traçadas pela Congregação para as Causas dos Santos

(Rádio Vaticano)

JOÃO PAULO II

JOÃO PAULO II, APÓSTOLO DA DIVINA MISERICÓRDIA


Data da beatificação recolhe seu legado espiritual

Por Jesús Colina

CIDADE DO VATICANO, sábado, 30 de abril de 2011 (ZENIT.org) - A escolha de Bento XVI para a data da beatificação de João Paulo II, 1º de maio, que neste ano coincide com o domingo da Divina Misericórdia, não é por acaso.
Em várias ocasiões, mas em particular nos funerais de Karol Wojtyla, o cardeal Joseph Ratzinger mostrou como a herança mais original desse papa à Igreja foi precisamente sua contribuição para a compreensão do mal provocado pelo ser humano à luz do limite colocado pela Divina Misericórdia.
O então decano do colégio cardinalício, ante o corpo de João Paulo II, explicava este legado assim: “Cristo, ao sofrer por todos nós, conferiu um novo sentido ao sofrimento; introduziu aquele amor numa nova dimensão, numa nova ordem... E o sofrimento que queima e consome o mal com o fogo do amor e haure também do pecado um florescimento de bem” (Cf. Homilia do cardeal Ratzinger nas exéquias de João Paulo II).

O mistério do mal ético

Karol Wojtyla sofreu os totalitarismos do século XX, o comunismo e o nazismo, e se perguntava como foi possível que Deus permitisse dramas tão terríveis.
Muitos utilizaram esses males como razões para negar a existência de Deus, ou inclusive para afirmar que Deus não é bom. João Paulo II, em contrapartida, valeu-se deles para refletir sobre o que Deus ensina, ao permitir que ocorram tragédias, por causa da livre cooperação dos homens.
E encontrou a resposta para a questão do mal ético na perspectiva da Divina Misericórdia, no ensinamento da religiosa e mística polonesa Santa Faustina Kowalska (1905-1938).
Santo Agostinho explica que Deus nunca causa o mal. O mal não é uma coisa. Ao criar o ser humano com liberdade, Deus aceitou a existência do mal.
Teria sido melhor que Deus não criasse o homem? Teria sido melhor não criá-lo livre? Não. Mas, então – se perguntava o jovem polonês –, qual é o limite do mal para que ele não tenha a última palavra?
João Paulo II compreendeu que os limites do mal são delimitados pela Divina Misericórdia. Isso não implica que todo o mundo se salve automaticamente pela Divina Misericórdia, desculpando assim todo pecado, mas que Deus perdoará todo pecador que aceitar ser perdoado. Por isso, o perdão, a superação do mal, passa pelo arrependimento.
Se o perdão constitui o limite para o mal (quantas lições se poderiam tirar dessa verdade para superar os conflitos armados!), a liberdade condiciona, de certo modo, a Divina Misericórdia. Deus, com efeito, arriscou muito ao criar o homem livre. Arriscou que rejeite seu amor e que seja capaz, negando a verdade mais profunda de sua liberdade, de matar e pisotear o seu irmão. E pagou o preço mais terrível, o sacrifício de seu único Filho. Somos o risco de Deus. Mas um risco que se supera com o poder infinito da Divina Misericórdia.

Sua mensagem póstuma

João Paulo II tinha preparado uma alocução para o Domingo da Divina Misericórdia, texto que ele não pôde pronunciar, pois na véspera foi chamado à Casa do Pai.
No entanto, quis que esse texto fosse lido e publicado como sua mensagem póstuma: “À humanidade, que no momento parece desfalecida e dominada pelo poder do mal, do egoísmo e do medo, o Senhor ressuscitado oferece como dom o seu amor que perdoa, reconcilia e abre novamente o ânimo à esperança. Quanta necessidade tem o mundo de compreender e de acolher a Divina Misericórdia!” (Cf. Regina Cæli, 3 de abril de 2005).
Como recordação perene desta mensagem, João Paulo II introduziu no calendário litúrgico a solenidade da Divina Misericórdia, uma semana depois do domingo de Páscoa.
Por este motivo, Dom Guido Marini, mestre de celebrações litúrgicas pontifícias, anunciou que a beatificação de João Paulo II começará na praça de São Pedro com uma novidade.
Os peregrinos irão se preparar para a celebração recitando, em diferentes idiomas, a oração à Divina Misericórdia, prática de devoção promovida por Faustina.
A imagem da Divina Misericórdia, trazida da igreja do Espírito Santo em Sassia, muito próxima do Vaticano, estará presente na parte elevada da praça, em frente à Basílica, até o início da Santa Missa.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Seminário Redemptoris Mater de São Paulo

Arquidiocese institui seminário missionário internacional

Da redação (O São Paulo/Arquidiocese de São Paulo)

A Arquidiocese de São Paulo celebrou um marco em sua história evangelizadora com a instituição do Seminário Missionário Arquidiocesano Internacional Redemptoris Mater “São Paulo Apóstolo. A oficialização aconteceu durante a celebração eucarística da solenidade de São José, neste sábado (19), na Catedral da Sé.
A missa foi presidida pelo arcebispo metropolitano de São Paulo, cardeal dom Odilo Pedro Scherer e concelebrada pelos bispos auxiliares, dom Tomé Ferreira da Silva, dom Edmar Peron, do Joaquim Justino Carreira e o bispo emérito de Campo Limpo, dom Emílio Pignoli, além de padres da arquidiocese de São Paulo e do Caminho Neocatecumental, movimento responsável pela formação deste seminário pelo mundo.
O novo seminário é voltado para a formação de sacerdotes do clero secular, isto é, não ligados à ordem ou congregações religiosas, porém é totalmente direcionado para a formação missionária. Este é o segundo a ser instalado no Brasil. O primeiro fica em Brasília.
De acordo com os estatutos do Redemptoris Mater, os alunos deste seminário recebem a mesma formação teológica de outros seminários da diocese onde são instalados. Fazem um ano de pastoral na paróquia como diáconos e dois anos na diocese onde são incardinados como presbíteros antes que o bispo local possa enviá-los em missão.
Padre José Folqué, responsável pelo Caminho Neocatecumenal no Brasil, ressaltou que os seminários missionários Redemptoris Mater “são um dos frutos mais importantes da renovação conciliar. “Uma realidade completamente nova, desejada pelo Concílio Vaticano 2º, afirmou, citando o decreto Presbyterorum Ordinis que diz:
“Lembrem-se os presbíteros que a eles incumbe a solicitude por todas as igrejas... E onde isso for necessário (por falta de clero), facilite-se não apenas uma adequada distribuição de Presbíteros, mas também a atuação de iniciativas peculiares em favor de certas regiões ou nações ou também de todo o mundo. Para tal fim poderão ser criados utilmente, certos Seminários Internacionais, para o bem de toda a Igreja, segundo normas a serem estabelecidas, e resguardando os direitos do Ordinário do lugar”
Ainda de acordo com o padre José, com a assinatura do decreto de ereção deste seminário, a Arquidiocese de São Paulo se une ao desejo urgente da Igreja de sair em missão. “Que os novos presbíteros missionários nascidos neste seminário sejam uma fonte de bênção para a nossa Arquidiocese e para a toda a Igreja um empenho sempre renovado da nova evangelização”, completou.
Padre José Francisco Vitta, mais conhecido como padre Kico, é o primeiro reitor do novo seminário. Ele explicou que esse seminário, foi muito querido por dom Odilo por ter esta índole missionária. O reitor ainda ressaltou que trata-se de um seminário arquidiocesano, ou seja, estreitamente ligado à Igreja local e ao arcebispo, porém internacional e missionário. “Já são 78 seminários como esse pelo mundo, que dão frutos muito sólidos de evangelização”, disse.
Na homilia, dom Odilo ressaltou a solenidade de São José, esposo da Virgem Maria, e patrono universal da Igreja, chamando a atenção para a o fato de Deus ter conferido a José as primícias da Igreja na Sagrada Família de Nazaré.
Ao falar sobre a instituição do novo seminário, o arcebispo destacou que o ato marca a história da Arquidiocese e da Igreja do Brasil. Ele lembrou que o papa Bento 16 tem uma preocupação especial com a nova evangelização, sobretudo na Europa, Oriente Médio e norte da África, onde a Igreja começou a se expandir. “A Igreja hoje está preocupada para que a boa nova se espalhe por todo o mundo, mas refloresça também nos lugares da primeira evangelização”, salientou.
Dom Odilo também fez referência à 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino Americano, realizada em Aparecida (SP), em 2007, cujo tema era “Discípulos e missionários de Jesus Cristo”.
Por fim, o cardeal pediu para que toda a comunidade arquidiocesana apóie o novo seminário. “O apoio da oração, da espiritualidade e testemunho de fé. O apoio concreto para que este seminário possa se sustentar”.
A maioria dos candidatos deste seminário provém das comunidades neocatecumenais. Este da Arquidiocese já conta com oito rapazes (dois italianos, um espanhol, um de El Salvador, um da Colômbia, dois brasileiros). Um deles é Túlio Felipe de Paiva, 21 anos, natural da cidade de Assis (SP). Ele contou que quando tinha 13 anos, teve contato com seminaristas do Redemptoris Mater de Brasília em peregrinação a sua cidade. “Ver o entusiasmo desses seminaristas me fez perceber que é possível ser feliz sendo sacerdote”, explicou. Quanto à decisão de optar por um seminário missionário, o jovem afirmou que o exemplo de seus catequistas o inspirou a sair em missão para anunciar o Evangelho a quem ainda não conhece Jesus Cristo. “Não posso escutar a Palavra de Deus e ficar com ela apenas para mim. Há muitas pessoas que necessitam escutar essa Palavra”.
No final da celebração, dom Odilo abençoou e enviou o reitor e os seminaristas que formam a primeira comunidade formativa do Redemptoris Mater “São Paulo Apóstolo”.

(Fotos: Luciney Martins)

terça-feira, 8 de março de 2011

O Caminho Neocatecumenal nos discursos dos Papas

O PAPA PAULO VI ÀS COMUNIDADES NEOCATECUMENAIS

Vaticano (Audiência) 08/05/1974


(Paulo VI às Comunidades Neocatecumenais. Audiência de 8 de maio de 1974.- Texto in Notitiae, 95-96, julho-agosto de 1974, p. 230, com alguns acréscimos extraídos da gravação).

Saudamos o grupo de sacerdotes e de leigos que representam o movimento – são coisas do pós-concílio! – das Comunidades Neocatecumenais, reunidas em Roma e oriundas de muitas dioceses da Itália e de outros países para um encontro sobre o tema da evangelização do mundo contemporâneo, o mesmo que será examinado pela próxima Assembléia do Sínodo dos Bispos.Quanta alegria e quanta esperança nos dais com vossa presença e com vossa atividade!Sabemos que em vossas comunidades vós vos aplicais juntos em compreender e desenvolver as riquezas do vosso Batismo e as conseqüências de vossa pertença a Cristo. Esse empenho vos leva a ter consciência de que a vida cristã outra coisa não é que uma coerência, um dinamismo permanente, oriundos do fato da aceitação de estar com Cristo e de prolongar a Sua presença e a Sua missão no mundo.Esse propósito é para vós um modo consciente e autêntico de viver a vocação cristã, mas se traduz também em testemunho eficaz para os outros - fazeis apostolado só porque sois o que sois – num estímulo à descoberta e à recuperação de valores cristãos verdadeiros, autênticos, efetivos, que poderiam de outra forma permanecer quase que escondidos, adormecidos e como que diluídos na vida ordinária.Não! Vós os pondes em evidência, fazendo-os emergir e dando-lhes um brilho moral verdadeiramente exemplar justamente porque, assim, com esse espírito cristão, viveis essa comunidade neocatecumenal.Viver e promover esse despertar é o que chamais de forma 'pós-batismo', que poderá renovar nas comunidades cristãs de hoje os efeitos de maturidade e de aprofundamento que na Igreja primitiva eram realizados pelo período de preparação ao batismo.Vós transportais essa renovação para 'depois'. O antes e o depois, eu diria, é secundário. O fato é que vós tendes em vista a autenticidade, a plenitude, a coerência, a sinceridade da vida cristã. E este é um grandíssimo mérito, repito, que nos consola enormemente e que nos sugere e nos inspira votos de felicidade e as bênçãos mais copiosas para vós, para todos os que vos assistem e para todos os que vós podeis saudar em nosso nome com vosso cumprimento e com vossa mensagem.Alegramo-nos por saber que sois animadores dessas retomadas de consciência em tantas paróquias. Alegramo-nos de modo particular por saber que em todas as vossas iniciativas estais profundamente atentos à dependência de vossos pastores e à comunhão com todos os irmãos. Por essa sensibilidade eclesial – que é sempre garantia da presença edificadora do Espírito – dirigimos a vós nossa palavra de encorajamento.

PAPA JOÃO PAULO II
VISITA À PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DO SANTÍSSIMO SACRAMENTOS E DOS MÁRTIRES CANADENSES

Roma 02/11/1980

Domingo. 2 de novembro. O Santo Padre foi visitar a paróquia romana de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento e dos Santos Mártires Canadense sem Villa Massimo. Na igreja, o Papa celebrou a Eucaristia na presença dos cardeais Poletti e Roy, do bispo-auxiliar Oscar Zanera e da comunidade paroquial.
O papa desceu à cripta da igreja paroquial, um ambiente muito sugestivo, principalmente devido a uma grande fonte batismal, cuja bacia se abre sobre o piso, jorrando água de nascente. Do outro lado, a cátedra estava junto a um grande painel com pinturas sacras. Diante da cátedra, uma grande mesa sobre a qual brilhava o círio pascal. Em volta, pelo menos umas quinhentas pessoas: os irmãos das Comunidades Neocatecumenais que há doze anos percorrem seu Caminho na paróquia.
Padre Guglielmo Amadei apresentou ao Santo Padre as onze comunidades que atualmente compõem seu Caminho: a primeira, formada em 1968, e as últimas duas, da última Páscoa. Padre Amadei pôs em destaque também a grande contribuição que os catequistas surgidos dessas comunidades tinham dado ao plano pastoral da paróquia, todo ele centrado na evangelização, bem como a muitas outras paróquias romanas, italianas e de numerosos outros países dos diversos continentes.
Kiko Argüello tomou então da palavra e falou bastante de sua experiência espiritual e do longo itinerário por que passou para chegar à conversão:
“O Senhor deixou que eu fizesse uma experiência de absurdo, de ateísmo, até que Ele teve misericórdia. Humilhou-me até me fazer humilde suficiente para lhe pedir ajuda e, depois, Ele me levou a viver entre os pobres sem que eu soubesse qual era realmente o caminho do Senhor. Fui viver entre os pobres, entre os favelados de Madri, sem saber que Deus tinha um desígnio de que eu mesmo me espanto hoje, que me surpreende e me assusta, pois sei que ele provavelmente não se cumpre sem muitos e muitos sofrimentos".
Kiko falou depois a respeito do grande esforço de síntese teológica e catequética que se viu obrigado a fazer devido à simplicidade do público que o ouvia, incapaz de compreender abstrações. Com a ajuda de Carmen Hernández e na esteira do Concílio, o fermento se transformou num itinerário de fé, num Catecumenato progressivo, por etapas, em total obediência, que se apresenta como apoio às paróquias para a catequese: para levar os adultos, na comunidade cristã, a reviver de modo pleno o Evangelho através da redescoberta do Batismo.

EUCARISTIA DO SANTO PADRE JOAO PAULO II NO MONTE DAS BEM-AVENTURANÇAS COM 100.000 JOVENS DE TODO O MUNDO

Monte das Bem-Aventuranças 24/03/2000

"Irmãos... vede bem quem sois!" (1 Cor 1, 26).

Hoje estas palavras de São Paulo dirigem-se a todos nós que viemos aqui ao Monte das Bem-aventuranças. Encontramo-nos sentados sobre esta colina, como os primeiros discípulos, à escuta de Jesus. No silêncio, ouvimos a sua voz suave e urgente, tão suave como esta mesma terra e tão urgente quanto a chamada a escolher entre a vida e a morte.
Quantas gerações que nos precederam ficaram profundamente sensibilizadas ao ouvirem o Sermão da Montanha! Quantos jovens ao longo dos séculos se reuniram à volta de Jesus para aprenderem as palavras da vida eterna, precisamente como hoje vos encontrais congregados aqui! Quantos jovens corações foram inspirados pelo poder da sua personalidade e pela premente verdade da sua mensagem! É maravilhoso que vos encontreis aqui!
Agradeço-lhe, Arcebispo D. Pierre Mouallem, a sua amável hospitalidade. Peço-lhe a gentileza de transmitir a minha sincera saudação à inteira comunidade greco-melquita à qual Vossa Excelência preside. Faço extensivos os meus votos fraternos aos numerosos Cardeais, ao Patriarca Sabbah, aos Bispos e Sacerdotes aqui reunidos. Saúdo os membros das comunidades Latina, Maronita, Síria, Arménia e Caldeia, assim como todos os nossos irmãos e irmãs das outras Igrejas cristãs e Comunidades eclesiais. Dirijo uma especial palavra de agradecimento aos nossos amigos muçulmanos que se encontram aqui, e aos membros da fé hebraica.
Este grandioso encontro é como que um ensaio para o Dia Mundial da Juventude, que se há-de realizar em Roma no próximo mês de Agosto! O jovem que tomou a palavra prometeu que tereis outra montanha, o Monte Sinai.

DO PAPA BENTO XVI ÀS COMUNIDADES NEOCATECUMENAIS SOBRE O ENVIO DE 200 FAMÍLIAS PARA A MISSÃOS “AD GENTES”

Aula Paulo VI (Cidade do Vaticano) 01/12/2006


Queridos irmãos e irmãs!
Obrigado de coração pela vossa visita, que me oferece a oportunidade de enviar uma saudação especial também aos outros membros do Caminho Neocatecumenal disseminado em tantas partes do mundo. Volto o meu olhar a cada um dos presentes, a começar pelos respeitáveis Cardeais, Bispos e Sacerdotes. Saúdo os responsáveis pelo Caminho Neocatecumenal: o Senhor Kiko Argüello, ao qual agradeço às palavras que me dirigiu em vosso nome; a Senhora Carmen Hernández e o Padre Mario Pezzi. Saúdo os seminaristas, os jovens e especialmente as famílias que se dispõe a receber um especial “envio” missionário para ir a várias nações, sobretudo à América Latina.
É uma tarefa, essa, que se coloca no contexto da nova evangelização, na qual a família possui um papel tanto mais importante. Vós haveis pedido que fosse o Sucessor de Pedro a fazer esse envio, como o fez meu venerável Predecessor João Paulo II em 12 de dezembro de 1994, porque a vossa ação apostólica subentende colocar-se no coração da Igreja, em total sintonia com as suas diretrizes e em comunhão com a igreja particular na qual estais a trabalhar, valorizando plenamente a riqueza dos carismas que o Senhor suscitou por meio dos iniciadores do Caminho. Queridas famílias, o crucifixo que receberão será vosso companheiro inseparável de caminho, enquanto proclamareis com a vossa ação missionária que somente em Jesus Cristo, morto e ressuscitado, está a salvação. Dele sereis testemunhas expressivas e alegres, percorrendo com simplicidade e pobreza as estradas de cada continente, sustentados pela oração incessante e pela escuta das palavras de Deus, nutridos pela participação na vida litúrgica da igreja particular à qual sois enviados.
Fonte: site oficial do Caminho no Brasil.

sábado, 5 de março de 2011

Caminho Neocatecumenal - Onde tudo começou

AS ORIGENS DO CAMINHO NEOCATECUMENAL

Nasce entre os pobres como fruto do Concilio Vaticano II

Extrato do testemunho de Kiko

... Tinha um estúdio de pintor vizinho à Praça de Espanha em Madrid, e era comum passar as festas natalícias com os meus pais. Um ano, fui para casa para celebrar o Natal, entrei na cozinha e vi a cozinheira que estava chorando. Eu lhe pergunto: “Berta – assim se chamava – que lhe acontece?” e ela me disse que o marido é um beberrão, que quer matar o filho, que o filho se rebelou contra... Contou-me uma história que me deixou assustado. E escutei de Deus de ajudá-la.

Fui ver onde morava: uma barraca horrível, em meio a tantas outras. A pobre mulher se levantava muito cedo, para ir trabalhar; tinha nove filhos, e era casada com um homem coxo e estrábico, sempre bêbado. Batia nos filhos com um bastão gritando a eles: “Defende o teu pai” e, às vezes, bêbado, urinava sobre as filhas. Essa mulher, bastante bonita, apesar de ter idade, me contou coisas alucinantes.
Tomei aquele homem e o levei a fazer um “Cursilho de Cristandade”. Ficou impressionadíssimo ao escutar-me falar. Por alguns meses, deixou de beber, mas depois recomeçou e começaram de novo as bagunças. A mulher me chamava: “Senhor Kiko, venha, por favor, porque meu marido quer matar a todos. Chame a polícia!”. Não me deixavam viver. Por fim, pensei: “E se Deus me estivesse dizendo de deixar tudo e de ir viver ali para ajudá-los?”. Deixei tudo e fui viver com aquela família. Dormia numa pequeníssima cozinha, que estava cheia de gatos.

Vivi ali e fiquei muito impressionado, vos digo a verdade, de todo o ambiente. Havia muita gente que estava vivendo em situações terríveis. Não sei se conhecem o livro de Camus, “A peste”, que afronta o problema do sofrimento dos inocentes. Aquela mulher, Berta, me contou que seu marido, coxo, para vingar-se das tantas humilhações recebidas, tinha dito a todos que se casaria com ela, que era a moça mais bonita do quarteirão. Todos riam dele. Mas, sabeis como ele a desposou? Apontando-lhe uma faca no pescoço e dizendo-lhe: “Se não te casas comigo, corto a garganta do teu pai”. E o teria feito. Seu pai era viúvo e ela era só e terrivelmente tímida e medrosa.
Perguntei-me: que pecados cometeu esta pobre mulher para merecer uma vida assim? Por que não eu? E não havia só ela. Havia uma outra mulher perto que tinha a doença de Parkinson, o marido a tinha abandonado e vivia pedindo esmola. E um outro. E um outro ainda. Diante de tudo isto existe só duas respostas. Conhecem a frase famosa de Nietzsche: “Ou Deus é bom e não pode fazer nada para ajudar essa pobre gente, ou Deus pode ajudá-los e não o faz, e então é mau”. Esta frase é venenosa. Pode Deus ajudar aquela mulher, ou não? Por que não faz?
Nesta situação, tive uma surpresa. Sabeis que coisa vi ali? Não aquilo que diz Nietzsche, se Deus pode ou não pode, mas vi Cristo crucificado. Vi Cristo em Berta, naquela mulher com o Parkinson, naquele outro. Vi um mistério. O mistério da cruz de Cristo. Fiquei enormemente surpreso, o digo sinceramente.

Depois me chamaram para o serviço militar e me mandaram à África. Quando tornei, disse a mim mesmo: se amanhã volta Cristo sobre a terra na sua segunda vinda, eu não sei que coisa sucederá neste mundo, mas sabem onde desejo que Jesus Cristo me encontre? Aos pés de Cristo crucificado. E onde está Cristo crucificado? Naqueles que estão levando o sofrimento maior, as conseqüências dos pecados de todos. Diz Sartre: “Ai do homem que o dedo de Deus esmague contra o muro”. Eu vi ali gente esmagada contra o muro, tantos fracos esmagados pelas conseqüências do pecado, fracos, anônimos cirineus.

Quando alguém vai viver entre os pobres, ou perde a fé e se torna guerrilheiro a la “Che Guevara” ou se põe em silêncio diante de Cristo e se santifica. Eu sou grato ao Senhor por ter tido piedade de mim: eu vi ali Cristo crucificado e assim quando voltei da África, e conheci a irmã de Carmen, pensei que era necessário descer nas catacumbas sociais e ali pregar o Evangelho a esta gente, ajudá-los, dar a eles uma palavra de consolação. E assim formamos um grupo que se dedicava aos homossexuais, às prostitutas e aos outros marginalizados.
Charles de Foucauld me deu a fórmula: viver em silêncio, como Jesus em Nazaré, aos pés de Jesus Cristo em meio àquela gente. Conheci um assistente social que me indicou uma zona de Palomeras Altas onde havia uma barraca de tábuas de madeira, refúgio de cães. Disse-me: “Põe-te ali e não te preocupes”. E ali teve início um pouco tudo. Nas barracas, eu queria viver como Charles de Foucauld, em contemplação: assim como alguém fica diante da Eucaristia, aos pés da presença real, única de Cristo; eu queria estar aos pés de Cristo crucificado, nas pessoas mais pobres, miseráveis.
O Senhor me levou ali com este espírito: eu era o último. Eles eram Cristo. Talvez alguém teria podido dizer-me: “Kiko! Ajuda-os”. Aqui há um ponto muito importante para aqueles que sabem ir a fundo nas coisas. “Mas como? Tu te pões em adoração, quando esta gente está morta de fome? Dá a eles de comer”. Eu não tinha nada, não havia levado outra coisa além de uma Bíblia e um violão, dormia sobre um colchão posto sobre a terra nua. Não tinha outra coisa.

Tinha lido em um livro alguma coisa que me tinha marcado muito do tempo dos nazistas. Contava-se um fato histórico acontecido no campo de concentração de Auschwitz. Um chefe da Gestapo tinha se dado conta das atrocidades que estavam cometendo no genocídio dos hebreus. Um dia, durante uma inspeção em um campo, viu passar uma coluna de homens e mulheres em direção às câmaras de gás. Sentiu no seu coração uma grande dor. Perguntou-se: “Que devo fazer eu agora para ajudá-los, para ter paz comigo mesmo?”. Sabeis a resposta que recebeu desde dentro? (Os Padres da Igreja falam do Cristo falante, dentro de você. É alguma coisa de muito profundo). O livro contava que aquilo que sentiu que deveria fazer era de desnudar-se também ele e por-se em fila com eles.

Isto tem valor? Aquilo que se deve dar é só a ajuda social? Talvez o homem é só comer? O homem tem necessidade de saber se Deus existe ou não existe, se o amor existe ou não? Eu não fui às barracas para dar de comer, nem para ensinar a ler. (Eram todos analfabetos, com exceção de um ou dois: José Agudo, que esteve em um instituto de correção sabia ler, mas sua mulher não. Ciganos, “quinquis”, rapazes do cárcere sabiam ler com dificuldade). Fui ali e, se quereis saber, nem mesmo pensava de pregar, sabeis de fato que os Pequenos Irmãos de Foucauld estão “em silêncio”. Queria dar testemunho vivendo em meio a eles como Jesus em Nazaré.

E que aconteceu? Aquilo que sempre acontece. O vizinho, um dia que fazia um frio do cão, porque era inverno e nevava – eu me esquentava com os cães errantes que viviam comigo – entrou improvisadamente e me disse: “Te trouxe um braseiro porque estás morrendo de frio!”.
Pouco a pouco se aproximavam e perguntavam: “Quem é este que está aqui, com barba e violão?”. Para alguns era um que tinha feito um voto, para outros um protestante, porque levava sempre a Bíblia. Os ciganos vinham pelo violão... Não sabiam quem eu era. José Agudo, que então estava em briga com outro clã de “quinquis”, se aproximou de mim para perguntar-me o que dizia o Evangelho sobre o fato de bater-se. Eu lhe li o Sermão da Montanha que diz de não resistir ao mal e ficou com a boca aberta: “Como? Mas se não me defendo, me mata! Que devo fazer?”. Dei-lhe para ler os “Florilégio de São Franscisco” que o impressionaram muito e não me deixou mais.
Bem, nao me ponho a contar-vos estas histórias porque se tornaria muito longo...

Da experiência de Carmen
...Aquilo que queria dizer é isso: Kiko havia pego muito fortemente o Servo de Iahweh, aquilo que eu levei, de bandeja, não certamente por mim, não era meu, foi o Concílio Vaticano II, a Páscoa e a Ressurreição dos mortos. O primeiro canto que Kiko fez nas barracas foi o “Servo de Iahweh”; precisaram dois anos para chegar ao “Ressuscitou” para fazê-lo entrar no dinamismo da Páscoa.
E a Páscoa, não a inventei eu, e tanto menos, Pe. Farnés, mais foi fruto do imenso trabalho de todo o Movimento litúrgico e de todo o Movimento Bíblico que fermentaram o Concílio e que se colocou em marcha no Concílio.
Eu estava sempre com o Kiko, porém não confiava nele, nem mesmo um pouco. Só me convenci o dia que chegou ali o arcebispo de Madrid, Dom Morsillo, e este foi um outro milagre que seria interessante contar. Então comecei a colaborar com Kiko, fiando-me mais nele, quando vi a Igreja presente.

Dom Morcillo foi um autêntico dom de Deus. Ele nos mandou nas paróquias...
Fonte: site oficial do Caminho Neocatecumenal no Brasil.

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF