Translate

quarta-feira, 29 de abril de 2020

São Pedro Chanel - Presbítero mártir (†1841)


São Pedro Chanel | Paróquia São José

Pedro Chanel, em francês Pierre-Louis-Marie, nasceu em Montrevel-en-Bresse, na França, no dia 12 de julho de 1803.
Aos doze anos, após o convite de seu pároco, Pe. Trompier, iniciou seus estudos no seminário, o que lhe permitiu entrar no seminário maior de Bourg, em 1824, e onde recebeu três anos depois a ordenação sacerdotal.
Quis imediatamente sair em missão, mas seu bispo precisava urgentemente de padres. Foi durante algum tempo vigário de Amberieu e Gex.
Em 1831, no entanto, seu desejo de servir em missões estrangeiras o levou a ingressar na recém-fundada “Sociedade de Maria”, a quem foi confiada, após seu reconhecimento formal em 29 de abril de 1836, a evangelização da Oceania Ocidental. Depois de emitir os três votos religiosos nas mãos do padre Colin, fundador e pai superior dos maristas, Chanel embarcou no mesmo ano para sua distante missão sob a orientação do bispo Bataillon e foi enviado à ilha de Horn, que os geógrafos chamavam de Allofatu e os nativos de Futuna. Futuna é uma pequena ilha entre o equador e o trópico de Capricórnio, no Oceano Pacífico e faz parte do conjunto de ilhas que formam o arquipélago conhecido como Ilhas Fiji.
Quando o navio chegou a Futuna, Pedro Chanel foi convidado a desembarcar e ficar lá, na companhia do irmão leigo Nicécio, de vinte anos. As guerras tribais e a prática do canibalismo haviam reduzido a população para alguns milhares de pessoas quando Chanel desembarcou em suas margens. Pe. Pedro fez uma penetração lenta e paciente no pequeno mundo daquelas pessoas tão diferentes em estilo de vida e mentalidade, se comprometendo fielmente diante das grandes dificuldades, aprendendo a língua dos nativos, cuidando dos enfermos, batizando os moribundos e conquistando o apelido de “homem de bom coração”.
Niuliki, governante das Ilhas Fiji à época, inicialmente teve uma atitude amigável para com o missionário, até chamando-o de “tabu”, que é sagrado e inviolável, mas quando viu que seus súditos estavam sendo demovidos de seus ídolos em relação à religião do homem branco, emitiu um decreto contra ele para impedir conversões ao cristianismo. Durante esse mesmo período, seu filho Meitala se converteu ao cristianismo. No entanto, este sucesso marcou ao mesmo tempo a exacerbação da hostilidade das gerações mais velhas.
Pouco tempo depois, Musumusu, primeiro ministro de Niuliki e hostil ao cristianismo, planejou uma conspiração juntamente com vários chefes contra os cristãos, que foi realizada com grande crueldade. Ao amanhecer de 28 de abril de 1841, os conspiradores se encontraram e, depois de ferir muitos neófitos surpresos durante o sono, foram para a cabana de Chanel. Um deles quebrou seu braço e o feriu na têmpora esquerda com um taco. Outro nocauteou-o com uma baioneta. Um terceiro bateu nele com um bastão. Enquanto o missionário pronunciava palavras de resignação gentil, Malie fuai (isto é, bom para mim), o próprio Musumusu, enfurecido pela morte tardia, esmagou o crânio do mártir com um machado.
Os restos mortais do missionário, enterrados às pressas, foram posteriormente reivindicados por M. Lavaux, comandante francês da estação naval do Taiti, e levados de volta à França por transporte governamental, em 1842.
O processo de beatificação de Chanel, iniciado em 1857, terminou em 16 de novembro de 1889 com o Rito Quemadmodum Abreviado. O rito solene de beatificação foi presidido pelo Papa Leão XIII e ocorreu no dia seguinte em Roma, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.
Foi canonizado em 13 de junho de 1954 pelo papa Pio XII.

Aleteia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pe. Manuel Pérez Candela

Pe. Manuel Pérez Candela
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Sobradinho/DF